História A Dama e o Vagabundo - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Novela, Romance
Exibições 28
Palavras 2.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Deixem suas dicas construtivas. Obrigada.
Boa Leitura!

Capítulo 3 - Three


Fanfic / Fanfiction A Dama e o Vagabundo - Capítulo 3 - Three

Caminhamos até a sala de Química/Física. No último horário normalmente eles juntam duas turmas para terem aulas juntas, normalmente Química ou Educação Física. Entrei no laboratório e me sentei ao lado de Jake, que é basicamente meu melhor amigo, mesmo que seja um amigo próximo do meu irmão, eu conto as coisas pra ele, sem problema algum. (Aliás, não conhecia quase ninguém da outra sala). 

O tempo estava passando, até que a professora chegou e resolveu passar uma atividade avaliativa. Obviamente, eu fazia tudo, pois, Jake não é uma pessoa considerada muito... delicada. Não sei como não foi banido do laboratório ainda. Depois dos 2 incêndios que ele causou na sala e da vez que ele deixou um pote com uma cobra cair no chão e o professor acabou tendo que ficar internado por surto e pela picada da cobra. Graças á ele, hoje temos que aguentar a professora Clotilde. 

- Pode deixar que eu faço isso. - digo vendo ele pegando os frascos e tomando da mão dele.

- Tudo bem. 

Estávamos sentados atrás da Kelly e da Amanda. O assunto que estava sendo falado pela fileira da frente inteira... (composta pelas meninas e o Gary), era sobre o garoto que entrou na escola. 

- Você viu o novato que chegou na escola? - Kelly

- Aquele dos cabelos castanhos e olhos verdes? - Amanda

- É esse mesmo. - Kelly

- Eu acheiiiii ele muito lindoo. - Letícia

- Não é? Já apaixonei ♡. - Ana

Elas pareciam maritacas velhas, falando como se nunca tivesse visto um garoto na vida. Mas, já era de se esperar. Estava até ansiosa para descobrir quem era o garoto novo de quem elas tanto falavam. 
Acabei prestando atenção de mais no assunto e derrubei um pouco do líquido na mesa, que formou uma grande poça e caiu um pouco em mim. Passei a mão para limpar a minha saia o líquido começou a ferver na minha mão. 

- O que é isso? - Perguntou Jake - Tem que tirar isso dai agora, vem! - completou ele enquanto me puxava pelo braço para fora da sala.
Fomos correndo até onde ficavam os banheiros e os bebedouros. Fui até a pia, e lavei a mão com água, porque sabão mesmo... não tinha. E aquela coisa, não queria sair da minha mão. 
Jake foi pegar papel higiênico dentro do banheiro. Se ajoelhou colocou o rolo do papel no chão, enrolou na mão e limpou a minha saia.  A mancha continuou, mas já tinha saído bastante .

- Cuidado para não encostar nessa parte da saia, se fizer isso, essa parte vai rasgar facilmente, igual um papel.

- Ok. 
Não sabia que Jake era inteligente em relação á essas coisas. Aliás qualquer um que ver a cara dele já pensa que é um garoto que não quer nada com a vida.

Voltamos para a sala. Já não havia mais ninguém, apenas um bilhete dizendo que era para limparmos oque sujamos. 

- Pode ir em bora, deixa que eu limpo. - digo

- Eu ajudo, hoje vou para a casa com você e seu irmão também. - disse 

- Vai é?!

- Sim, vamos ensaiar para tocar no show de talentos no meio do ano. Aí ele disse que podia ser na casa dele, já que o pai dele viajou.

-  Não dá pra conviver com aquilo. - digo e começo a passar pano onde estava sujo. 

- O que ele fez dessa vez? - perguntou ele

- Deu uma crise lá e tals... mas não era motivo pra me tratar como uma criancinha, me trazendo até a porta da sala. 

- Mas, se você fosse minha irmã, eu também não deixaria você fazer oque você fez. - disse ele

- Mas, o que?! Ele já te contou oque aconteceu? - pergunto assustada

- Já. - ele riu 

- Meu Deus. Quem conta uma coisa dessas para as pessoas "de fora".- digo ainda não acreditando - O quanto  você sabe sobre isso?

- Não pode dizer pra ele que eu te falei isso. - diz - Sei que ele pegou um garoto no seu quarto, dormindo com você e botou ele pra fora. - completa ele, enquanto organiza a mesa.

- Hmm. 

- Vamos em bora maninha?!- diz John batendo na porta

Jake pegou sua mochila e caminhou até saída, entrando no carro que estava aberto na porta da escola. Fiz o mesmo.
Meu irmão entrou e viu Jake ao lado do banco do motorista.

- Ei. O que você está fazendo aqui?! Pensei que fosse chegar lá 16hrs, e levar sanduíches do subway pra banda.

- É, mas eu decidi almoçar na sua casa. - diz ele rindo

Peguei o celular e enviei uma mensagem para Melissa.

           [ Whatsapp On] Melissa do Kore

~ Madson: Vai vir aqui hoje?

~ Mel: Não sei... Estou muito ocupada hoje.

~Madson: Ah é? Com o que?

~ Mel: To fazendo trabalho.

~Madson: Ah, seria uma pena se todos os amigos da banda do meu irmão, viessem aqui hoje. Eu poderia te convidar para fazer os trabalhos aqui, mas você deve estar muito ocupada para deixar de fazer os trabalhos para vir aqui...

~Mel: Que horas eu chego aí?

~Madson: Depende, vai fazer os trabalhos ou prestar atenção nos garotos? shuaahushhuahu

~Mel: Já sabe a minha resposta. 

~Madson: 16hrs. Tchau

~ Mel: Ok, Bye. ;D

              [ Whatsapp Off]

Meu irmão deu uma parada para comprar o almoço de nós três. Jake pulou para o banco de trás.

- E então, o que você vai fazer no show de talentos? - perguntou ele com um sorriso no rosto.

- Eu?! Nada. - respondo 

- Por que? 

- Não tenho talento. - digo franzindo a sobrancelha.

- Eu te ajudo a descobrir seu talento. - disse ele se aproximando.

Meu irmão abriu a porta do carro. 

- E então, deixa eu ver oque você ta fazendo nesse celular. - disse ele mudando repentinamente de assunto e pegando o meu celular da minha mão.

Meu irmão ligou o carro e estávamos já a caminho de casa.

- Não! Me devolve. - falo desesperada já que meu celular tava desbloqueado. (Imagina se ele vê as conversas minha com a Mel)

Ele ergueu o braço pra janela. 
Me ajoelhei no banco, estava tentando pegar meu celular de volta. Até que fui levantar a cabeça e a bati no teto. 

- EI! Vocês dois, PAREM. Fiquem quietos, não dá pra dirigir assim. 

Me sentei direito, ainda passando a mão na minha cabeça, onde sentia uma leve dor. Ele me devolveu meu celular, e fomos calados do carro até minha casa. Meu irmão estacionou o carro, descemos e entramos em casa.

Já entrei abrindo o marmitex para comer. Estava "kagada" de fome. 

- Meu Deus, não come faz quantos dias? - disse Jake tirando onda com a minha cara.

- Mas eu nem comecei a comer ainda. - digo sínica. 

Coloquei minha comida para esquentar, subi para o meu quarto e fui trocar de roupa. Peguei o primeiro moletom que vi, que a propósito tinha um coração gigante estampado. Coloquei um short jeans e uma chinela e desci para comer.
Jake também já havia trocado de roupa, estava com uma camiseta preta e uma bermuda branca.

Peguei minha comida  no micro-ondas, já esquentada. E começo a comer. Jake e John se sentaram do lado oposto da mesa.
 

- Então maninha, gostou da carona pra escola hoje? - disse John debochando 

- Óbvio, economizei muito tempo. Qualquer coisa é melhor que ir a pé. - digo fazendo jogo duro.

- Que bom, e se acostume, porque será assim por um bom tempo. 

- Melhor assim. - digo sorrindo e colocando uma garfada na boca.

- Hm... - resmunga Jake incomodado com a situação.

- A banda vai chegar 16hrs, mesmo? - pergunta Jake

- É ué, o horário marcado. - responde John

- Não acha que vamos ter pouco tempo? - retruca Jake

- Vão todos dormir aqui. Teremos tempo de sobra. - diz John

- Mas e pra ensaiar? Lembra que da última vez a polícia bateu aqui na porta?! Só que dessa vez não tem seu pai. - diz Jake

- Vou pedir eles para virem mais cedo. - diz John

Já estava acostumada com os amigos dos meus irmãos dormirem lá em casa, mas, se Melissa soubesse, teria um ataque. Não poderia nem sonhar, iria querer dormir junto com eles. Não sei pra que tanto fogo.
Coloquei meu prato na pia e sentei no tapete da sala, escorando as costas no sofá. Estava procurando um filme para ver até a Mel chegar. 
Finalmente achei um canal passando alguma coisa, "coisa" porque é comum que a gente não ache nada na televisão ultimamente. 
Jake se deitou no sofá.

- O que você está assistindo? 

- Harry Potter. 

- Não sabia que gostava. - disse ele levantando a blusa e me mostrando a tatuagem que tinha nas costas. 

- Que foda. Não sabia que tinha tatuagens. 

- Na verdade, não é a única. Mas é a mais recente. - disse ele sorrindo e abaixando a blusa.

- Quais são as outras? - pergunto curiosa. 

Meu irmão interrompeu, chamando-o para ensaiar, já que a banda chegou. 

- Depois conversamos. - disse ele saindo em direção á garagem junto com os amigos, olhou para trás e deu um sorriso. 

Apenas observei aqueles garotos, estranhamente bonitos passando pela minha casa. 

Não demorou muito para minha colega chegar. Foi ela bater na porta e eu atender:

- O que é tudo isso??? - pergunto assustada, vendo várias sacolas na mão dela.

- É só um lanchinho para nós e pros garotos. - disse com um sorriso que carregava mais esperança que minha avó.

Foram uns 5 minutos para desempacotar as coisas, e ela já queria ir lá levar para eles. Pegamos as latas de RedBull e os pacotes de Ruffles e Doritos, descemos as escadas e fomos até a garagem. 

- Ôpaa. - disse o baterista em um tom de vós alto, enquanto alguns pequenos e baixos assobios e resmungos eram ditos.

Não demorou muito para encararem Melissa e eu de cima baixo. Pareciam cães atrás de osso. Extremamente ridículos. Apesar que, Melissa também estava babando para alguns da banda. E ela nem tentava disfarçar, que era oque eu fazia, ou pelo menos tentava.
Coloquei as bebidas em cima da mesa. E enquanto ela tentava puxar assunto com os integrantes da banda, meu irmão me puxou pelo braço. 

- Quantas vezes vou ter que dizer para não vir aqui em baixo?! - grita John em um tom baixo

- Desculpa. O que eu fiz? - pergunto

- Nada. - disse ele me dando uma leve empurrada. 

- Não encosta suas mãos em mim. - digo empurrando-o mais forte, saindo.

- Mas já vai, flor? - perguntou um dos vocalistas.

Lágrimas começaram a descer, subi a escada correndo e fui para o meu quarto. Melissa veio atrás de mim.

- O que foi? - disse ela sentando ao meu lado. 

- TUDO. - digo - Desde que minha mãe morreu, minha vida tem mudado muito, tem virando um tremendo inferno. Por causa dos meus irmãos e do meu pai.  Queria que ela estivesse aqui. - completo

- Você sabe que eles só fazem isso pro seu bem, não é? ZÉ, o bagui é seguir a vida como se ela tivesse aqui. É coisa de irmão, se você começar a tratar com a mesma moeda, as coisas vão mudar, sério. Eu fiz isso com minha irmã de 8 anos que roubava minha maquiagem.

Dou uma leve risada do que ela disse, e limpo as lágrimas.

- Isso mesmo, não chora, fica parecendo um balão de tão inchada. Só pensa mais em você, ta bom? - disse ela, enquanto concordo balançando a cabeça.

Aquelas palavras entraram na minha mente: " Pensar mais em mim", "Tratar com a mesma moeda".

Fomos para a sala e começamos a ver séries enquanto comíamos os salgadinhos que ela trouxe. Quando vimos já passava das 22hrs e ela tinha que ir em bora. Acabei o último episódio sozinha.  Fui tomar banho. Coloquei uma música para tocar, e fiz o meu show. Acabei me enrolei na toalha. Quando abri a porta, estava aquela fila de garotos com aquela cueca que já foi usada 2 vezes, e uma toalha no ombro. 

Fui rápido para o meu quarto, antes que pudessem perceber que eu estava de toalha. Vesti um pijama comprido, estava frio? Não.
Mas tinham muitos garotos em casa para usar o meu pijama curto. Quando eu me deitei, alguém bateu na porta. 

- Pode entrar. - digo franzindo as sombrancelhas

John se sentou ao meu lado na cama. 

- Madson, você sabe que esse Dylan... - disse ele dando uma pausa - Não quer nada de sério com você, não é? - completou ele

Permaneci calada. 

- Você mesma sabe muito bem oque ele realmente quer. Só se faz de boba, que eu sei. 

- Engraçado, ele quer comigo, o mesmo que você quer com as vagabundas que você trás pra dentro de casa. - digo com raiva

- A diferença é que você não é uma vagabunda, e não precisa disso. - disse ele saindo do quarto, apagando a luz e fechando a porta.

Depois de um tempo pensando no que ele me disse. Finalmente consegui dormir bem.

Continua...

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Talvez tenha ficado um pouco grande.. Sorry :p
Obrigada por ler!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...