História A Descendência - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Chris Argent, Cora Hale, Corey Bryant, Derek Hale, Isaac Lahey, Jordan Parrish, Kira Yukimura, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Mason Hewitt, Melissa McCall, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Natalie Martin, Personagens Originais, Peter Hale, Rafael McCall, Scott McCall, Sheriff Noah Stilinski, Theo Raeken
Tags Descendencia, Sobrenatural, Teen Wolf
Visualizações 49
Palavras 2.076
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Famí­lia, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Incesto, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 24 - Teen Wolf - Part 1


Fanfic / Fanfiction A Descendência - Capítulo 24 - Teen Wolf - Part 1

Acordei na cama de Érick. Nem lembrava o que havia acontecido na noite passada. Só torcia para que eu não tivesse me soltado. Eu ainda lembro da primeira lua cheia de Josie, quando os poderes despertaram. Foi tenso. Olhei ao redor e a luz iluminava o quarto. Nem sinal de Érick. Levantei e fui até o banheiro do quarto dele. Me olhei no espelho. Nossa, eu tô um lixo. Meu cabelo estava suado e meu rosto amassado e cheio de olheiras. Estava com a mesma roupa de ontem toda suada. Vi manchas de sangue e me preocupei. Desci as escadas correndo e cheguei a sala de estar da casa dos Mccall. Meus pais me esperavam sentados no sofá pequeno. Malia, Scott e Josie etavam no sofá grande e Érick na poltrona.

- Allison! Você acordou!- disse Scott - Precisamos conversar.

- Sobre eu não ser uma banshee, sobre Kate estar de volta ou sobre esse sangue? - disse mostrando as manchas na blusa e em meus braços.

- Vamos por partes - disse meu pai - Você não sentiu nada? Nenhum sinal ?

- Não, eu jurava que me transformaria em banshee. Estava esperando os sinais do tipo Achar cadáveres, estava preparada pra achá-los e não... Sabe fazer eles serem cadáveres. 

- Por sorte não matou ninguém ontem - disse Érick - Esse sangue é seu, das algemas.

- Mas não tem corte, como pode ser meu? - perguntei 

- Bem vinda ao mundo sobrenatural amiga - disse Josie - Você se curou.

- A mordida Allie, você se lembra quando ela curou? - perguntou minha mãe

- No dia seguinte, não tinha mais nada - respondi 

- E porque não falou nada? - questionou Malia

- Porque eu achei que era normal, sabe que eu viraria uma banshee poderosa depoisa daquilo, tipo sabe gritos mortais - eu disse com um ar de irônia. Ninguém riu.

- Quando Peter me mordeu, passei dias no hospital. E a mordida não curava. Depois de quase três semanas, ela cicatrizou. Mas eu ainda tenho a marca - minha mãe disse - Devia ter nos contado que ela tinha sumido.

- Foi mal. Não sabia disso. Me desculpem - respondi com beicinho.

Eles me olharam e riram.

- Agora sobre Kate. O prédio da Beacon Celebrities foi totalmente destruído. Não sobrou nada. Mas as pessoas não morreram queimadas, nem por inalar fumaça - disse Scott.

- Encontramos todos, em frente a parede onde Kate escreveu. Estavam com as gargantas rasgadas pelas garras. Achamos que ela não veio sozinha - completou meu pai

- Infelizmente, a polícia e o FBI decidiram arquivar o assunto e esquecer para o bem de todos em Beacon. Acharam melhor parar as investigações,  para não ter problemas - disse minha mãe 

- Mass.. - começou Malia - Adolescentes podem entrar mais fácil do que adultos como nós. Temos que ir trabalhar e agir normalmente. Mas vocês, tem o dia de perdão hoje. Ou seja como ontem foi lua cheia, nenhum de vocês precisa ir à aula.

Havia esquecido o dia de perdão. Todos os meses depois da lua cheia, os alunos sobrenaturais era liberados para ficar em casa e repor as energias depois de uma noite complicada.

- Então vocês querem que a gente - disse Josie com um olhar malicioso - Burle as regras e faça algo errado, para descobrir mais sobre o que aconteceu lá? 

- Não é um crime - disse meu pai - Não tecnicamente,  é mais apenas um dia para adolescentes que querem apenas se aventurar e entrar em locais proibidos por emoção. Só isso.

- Nós precisamos de mais pistas - disse Scott - Não podemos entrar lá,  estão na nossa cola. Mas eles não pararam para se importar com vocês.

- Beleza! - disse Érick - Eu topo.

- Não tinha nada pra fazer hoje mesmo - disse Josie dando de ombros.

- Eu topo! - disse por último.

- Ótimo! - disse Malia - Já falei com os outros. Liam e Kira disseram que Elise vem. Theo e Cora também disseram que Franklyn e Daiana vem. Clare também vai e Lydia também. Todos vão.

- Sejam discretos! - disse minha mãe . Ela se aproximou de mim - Eu e seu pai vamos buscar seus irmãos.

Meu olhos marejaram. Ahhh. Que saudade. Estava louca pra tê-los nos braços. Jackson e Ethan só conseguiram um voo pra hoje. 

- Diga à eles. Que eu estou louca pra vê-los - respondi.

- Cora e Theo também vão buscar Laura. Derek e Braeden vão buscar Paige. Eu e Malia vamos pra clínica. Liam vai trabalhar e Kira vai fazer o ultrasson. Corey e Mason vão ao lar de adoção hoje. Estaremos todos ocupados - disse Scott.

- Depois de pegar seus irmãos eu vou pro trabalho - disse meu pai - Vou tentar manter qualquer policial ou agente longe de lá. Sejam rápidos.

Acenamos com a cabeça e saimos para lados diferentes.

                                                             

Érick, Franklyn, Josie e eu estavamos na sorveteria à duas quadras do prédio. Daiana, Lydia e Clare estavam Em um café à apenas uma quadra.

- Amei conversar com vocês - disse Josie - Mas Érick e eu temos que ir pra casa. 

- Que pena ! - disse Franklyn - Nos vemos amanhã? 

- Claro - respondeu Érick.

Dois policiais nos espreitavam. Desconfiavam de algo. Josie e Érick sairam e entraram no carro de Josie. Ela saiu dirigindo para a casa deles. Os policiais falaram no rádio algo que eu não ouvi. Decidi seguir o teatro com Franklyn. Peguei o celular e enviei uma mensagem de texto. Felizmente eles não notaram.

📲 Allison : Eles desconfiam...

📲 Frank: Acho que sim, Érick e Josie vão largar o carro e sair pelos fundos da casa.

📲 Allison : Estamos ficando sem tempo.

📲 Frank : Eu sei. Temos que agir rápido, e descobrir o que eles estão escondendo.

📲 Allison : O que eles querem tanto encobrir? Porque essa paranóia pra esconder um incêndio? 

📲 Frank: Vamos saber é agora!

- Está ficando tarde, meu pais já me mandaram mensagem - disse Franklyn.

- Os meus também. E são recém três horas da tarde - respondi

- Acho que já pegaram nossos irmãos - Estou morrendo de saudades da minha pequena Laurinha.

- Minha pequena sereia e meu Luke também fazem muita falta - respondi

- Bem vamos. Eu te levo.

Levantei e segui ele. Entramos no carro dele e os policiais entraram na viatura.

- E agora? - questionei. Meu coração acelerou eu não sabia se haviam descoberto o que estavamos prestes a fazer.

- Agora você se acalma e esconde as garras - disse Frank. Olhei para minhas mãos e as garras estam enormes a mostra - e de preferência, faça seus olhos voltarem ao normal.

Olhei no espelho e eles estavam dourados. Droga. Ia demorar pra me acostumar. Fechei os olhos e me concentrei. Pensava nos olhos de Érick que me davam segurança e controle. Abri eles e olhei para Franklyn.

- Bem melhor - ele disse sorrindo - Agora vamos pra minha casa. Esperamos uns minutos e saimos pelos fundos.

Acenei com a cabeça e partimos. Chegamos na casa dele. Durante todo o trajeto os policiais estavam na nossa cola. Ele estacionou o carro na frente da casa e desceu. Os policiais estacionaram do outro lado da rua. Eu seguia Frank até a porta da frente.

- Vem , eu vou te mostrar - disse Frank tentando disfarçar -  Amo esse filme de paixão.

- Deve ser ótimo!  - respondi.

Entramos e ele fechou a porta.

- E agora? - perguntei.

-Temos que fazer eles irem embora.

- Como?

- Não sei - ele olhou o celular - Clare, Lydia e Daiana foram encurraladas. Não tem como sair da casa da Lydia sem ser vistas por ninguém. Elas não vão poder ir pra lá.

- E Érick e Josie? - perguntei 

- Sairam. Estão esperando a gente. Não vão conseguir achar o que procuramos sozinhos em tão pouco tempo - Frank disse. Seu rosto do nada se iluminou mostrando uma idéia - Allie você sabe que eu já superei oq ue houve entre a gente.

Ele disse subindo as escada e me chamando com gestos. Eu o segui sem entender.

- Sim. Eu sei - Você meio que está com a Josie. E eu amo o Érick. Acho que entre nós está tudo bem.

- Você confia em mim?

-  O que você vai aprontar Franklyn? 

Ele abriu a porta do seu quarto e fez sinal para aue eu entrasse. Ele foi até a janela e espiou os policiais. Veio até mim e susurrou:

- Allie temos que achar o que eles estão escondendo. É nossa chance, tem algo a mais e nossos pais confiam em nós. Está vendo essa janela?

- Sim - respondi

- Ela fica bem de frente pra viatura que está lá fora e é nossa saída.

- O que você tá louco? - eu disse - Não somos o Corey.

- Ele apagou as luzes e me chamou para a frente da janela que ficava em cima da sua cama. Me ajoelhei na cama dele esperando o que ele tinha a dizer. Ele olhou mais uma vez para a rua e me beijou. Sem mais nem menos. Do nada. Sem explicação. Empurrei ele.

- O que você tá fazendo? - eu disse

- Se eles pensarem que tá rolando alguma coisa. Vão ir embora. Aí podemos sair. Eles não vão ficar vendo dois adolescentes se pegando, confia em mim Allie. Prometo que explico pro Érick.

Agarrei a gola da camisa dele.

- Faz de conta que abriu a cortina sem querer - eu disse.

Ele fez de conta que esbarrou na cortina. Ela se abriu e era possível ver os policiais do outro lado da rua.

Beijei e mordisquei a orelha de Frank e susurrei:

- Mantenha a audição aguçada. Pra ouvir eles.

- Estãofalando sobre rosquinhas - Frank disse - Será que já viram?

- Se não viram vão ver.

Beijei ele com ferocidade. Depos me afastei e susurrei.

- E agora?

- Estão perguntando o que está acontecendo aqui.

- Continua - respondi

Frank me beijava na boca e descia ao meu pescoço dando leves mordiscadas. Eu estava ofegante. Não queria que o clima esquentasse. Não concordava com aquilo.

- Estão nos chamando de pervertidos - disse Franklyn.

Nos beijamos de novo.

 Ele também estava ofegante.Me abraçou e beijou ardentemente meu lábios, ouvi um som de carro e susurrei ofegante.

- Frank... Franklyn acho.. que .. eles sairam.

Sentia algo estranho era como se eu quisesse aquilo. Dentro de mim eu gritava para parar mas era inútil. Senti minhas garras a mostra e minhas presas. Frank me abraçava e beijava e eu sentia seu peito contra o meu. Mirei seus olhos dourados. Não era que quisessemos. Nossos instintos estavam fazendo aquilo e eu tinha que parar. Empurrei ele com força e ela caiu da cama.

- FRANK! - eu disse ofegante - O QUE A GENTE TAVA FAZENDO?

- Foi mal. Não me controlei. Perdi a consciência por um momento. O que foi isso. 

 Eu carregava um peso enorme na consciência. O que tinha dado em mim? Nem Érick nem Josie mereciam aquilo. Eu era uma imbecil. 

- Nunca mais faça isso - eu disse dando um tapa na cara de Frank.

Ele ficou em silêncio e me segiu até a saída. Entramos no carro dele e seguimos para o prédio.

                                                               

- Finalmente ! - disse Josie a nos ver. Haviamos estacionado o carro a duas quadras. Franklyn e eu não trocamos uma palavra depois do ocorrido. Josie foi até ele e lhe deu um beijo. Ele retribuiu docemente e deu um abraço nela.

- Vamos disse Érick - temos pouco tempo. Eu sinceramente queria falar pra ele. Mas não conseguia. Se um "lobo adolescente" não era muito fácil. Ainda mais quando tem perigo na cidade e sua namorada te trai com seu cunhado. Ele pegou minha mão e senti um gelo na espinha. Me arrependia do que havia feito. Ou quase feito.

Entramos lentamente. O ambiente estava todo queimado. Nem dava pra acreditar que aquele lugar era o mais chique da cidade à alguns dias atrás.

- Vamos nos separar -disse Frank - Josie e eu vamos por esse lado. Vocês vão por ali.

Acenamos e seguimos.

- Érick.  Você sabe se comportamentos estranhos, são sabe ahn.... São causados pela transformação, tipo não saber se controlar causa algo?

- Bem sim. Josie não conseguia parar de comer carne. Comia umas sete vezes por dia. Já eu... eu ficava meio que com vontade louca de beijar.. Vai da pessoa. Por que? 

- Por nada.. É só que , eu queria saber se corro algum risco.

 Érick parou e fixou o olhar em nossa frente , segui seu olhar e então entendi o porque de ele estar atônito.

- Então é isso que querem esconder - ele disse.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...