História "A Dinastia e o Destino" Os olhos cinzas - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Assassina, Escuridão, Lobos, Luz, Magia, Reinos
Visualizações 13
Palavras 1.654
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi pessoal, consegui achar um tempinho e um pouco de criatividade para lhes dar essa capítulo então espero que gostem e boa leitura! :3

Capítulo 7 - Criança Lobo


Fanfic / Fanfiction "A Dinastia e o Destino" Os olhos cinzas - Capítulo 7 - Criança Lobo

As mãos imediatamente desceram até as armas, a garotinha recuou soltando um rosnado, em um piscar de olhos a assassina já estava em posição defensiva com duas adagas em punho, Lucy não teve tempo de acompanhar a resposta imediata das duas. A criança lobo se afastava passo a passo em direção ao altar, para longe de Lizzy que ainda não havia movido um músculo, era como se esperasse a ordem para matar, a princesa se virou imediatamente para repreendê-la, mas se espantou ao encontrar aquele rosto calmo, a posição firme como uma rocha e os olhos frios que estranhamente pareciam afastar até mesmo o brilho das laminas de si, como se a luz também soubesse que deveria se afastar.

Lucy teve a súbita vontade de correr, mas seu corpo parecia paralisado, desejou em pensamento não estar ali entre a caçadora e sua caça, o meio luar que entrava pelas portas ainda escancaradas iluminavam apenas o contorno de seu corpo tornando aquele manto vermelho sangue ainda mais vivido e fluído quando a brisa o fazia oscilar, por um momento se pegou admirando-a, havia algo ali, algo além da presença sombria e mortal que exalava, algo ainda mais imponente que a morte que ela representava.

Só quando Lizzy olhou a princesa de relance que ela se lembrou que a assassina não faria nada sem uma ordem, afinal aquele era seu reino, o ar entrou tão de repente em seus pulmões que ela quase engasgou com o alívio, nem ao menos tinha notado que havia prendido a respiração, levantou-se rapidamente do lugar onde ainda estava agachada e a encarou com raiva, não por ter desobedecido à ordem de não pegar as armas em hipótese alguma, mas porque sabia que temia aquela mulher, bem no fundo sabia tinha medo de que ela fizesse qualquer coisa, até mesmo quando ela respirava perto demais algo dentro de si se contorcia, mesmo não querendo admitir, sabia que precisava desesperadamente da ajuda dela e isso a irritava por se sentir tão inútil a ponto de recorrer á uma assassina cadela de um outro alguém para proteger seu povo e família.

Demorou um tempo até que Lucy se recuperasse da raiva crescente e fosse de encontro á Lizzy abaixando delicadamente suas armas com as mãos ao dizer baixinho:

- Trate de se acalmar e fazer o que eu mandar – Lizzy abaixou as armas com um olhar não muito agradável, mas as manteve ao lado do corpo – Daphe – ela começou gentil ao se aproximar da garotinha que ainda rosnava – Calma, ela não vai te machucar, eu não vou deixar – ela se agachou no chão onde estava antes – Te disse antes, não foi? Vocês vivem aqui e por tanto fazem parte do meu povo, o qual eu tenho o dever de proteger como princesa – esticou os braços em direção á ela ao notar a assassina atrás de si se movendo desconfortavelmente provavelmente reprimindo o que acabara de ouvir, ela que fosse ao inferno.

A sombra de Lizzy cobria totalmente a garotinha onde ela estava, porém conforme ela começou a se aproximar da princesa sua beleza sobrenatural se revelava, digna de alguém nascido das sombras, os cabelos negros curtos na altura do pescoço eram lisos, o rosto pálido contrastava com o amarelo intenso dos olhos, ela parecia vestir uma camisola branca, entretanto já não era mais tão branca, não devia ter mais que oito anos.

-Você prometeu, né? Protegê-los – a voz doce e calma oscilou entre as palavras enquanto se aproximava

-Sim e promessas são tudo o que temos, não é? – Daphe fez que sim com a cabeça – Vou te levar de volta esta noite

-Vai conhecer todos? – apesar da idade ela parecia não saber quais palavras utilizar, sua fala parecia limitada, reparando bem até seu jeito de andar era desengonçado, provavelmente passava muito pouco tempo naquela forma

-Talvez não seja possível esta noite, nosso tempo é curto, mas em breve – Daphe apenas concordou e depois encarou Lizzy franzindo o rosto e apontando para a assassina

-Vermelho... – Lucy ficou meio sem entender, mas um riso breve foi abafado pela máscara

-Então sabe quem eu sou? – ela fez que sim com a cabeça, outro riso – São espertos – Daphe continuava a encarando nervosa – Não se preocupe, por esta noite, ela é quem da às ordens – Lucy se espantou, mas ficou apreensiva e alerta quando a assassina se agachou próxima da garota – Mas me deixe te contar um segredo, promessas foram feitas para serem quebradas e palavras não passam de palavras – se ela tinha entendido ou não, não demonstrou, Lizzy se afastou encarando a princesa com um divertimento nos olhos – Não vou levá-la comigo

-Mas o quê você...!

-Você vai – ela a interrompeu – Posso te levar até lá, mas não vou servir de babá, até porque... – ela encarou Daphe por um instante – Se eu encontrar a matilha sozinha, estarão todos mortos antes do amanhecer – Lucy arregalou os olhos e fechou as mãos em punhos enquanto Lizzy caminhava para fora do templo – Vamos?

...

-Você tem certeza de que sabe para onde esta indo? Já faz algum tempo que estamos andando – Lucy parecia tentar enxergar qualquer coisa naquele emaranhado de árvores e escuridão enquanto a assassina parecia não dar à mínima se ela ainda continuava respirando – Ei! – estava começando a se irritar

-Fiz como pediu delicadamente a mim, não toquei na garota – ela falou calmamente à floresta, algum tempo se passou até que ruídos começassem de todos os cantos, Lucy se tornou inquieta segurando firme a mão de Daphe, Lizzy apenas aguardava em uma direção específica, de todas era a única que não parecia emitir som algum, então os olhos surgiram primeiro, então ele se mostrou dessa vez com uma aura fina de escuridão envolta se misturando com a noite

-Pai! – assim que deu o primeiro passo, escuridão a envolveu fazendo a uma sombra com olhos cintilantes e então tomou forma pulando nos braços de seu pai como um pequeno lobo que abanava freneticamente a cauda

-Daphe? Filha você esta bem?! – a escuridão dele se misturou com a dela e a envolveu – Graças aos céus você esta bem – ele a abraçou forte enquanto ela se aconchegava em seu peito – Você... – ele olhou incrédulo para Lizzy que mantia um brilho brincalhão nos olhos – Obrigado

-Ah, não me agradeça, ainda teremos a oportunidade de você destruir tudo o que amo, estou curiosa para saber o que é.... De qualquer forma acho que deveria ter uma longa conversa com a princesa aqui, afinal foi ela quem arquitetou tudo, o pai não teve nada haver, nem ao menos tem conhecimento do ocorrido – ela deu de ombros – Vocês podem se entender, eu vou indo já que minha promessa de paz era só para essa noite e me parece que logo vai amanhecer

Assim que ela começou a caminhar Lucy ia dizer algo agressivo á ela pela expressão retraída, mas duas sombras a agarram pelos ombros, Lizzy nem ao menos piscou, muito menos diminuiu o ritmo da caminhada de volta enquanto ele se aproximava

-Você tem muito o que explicar garota – ele rosnou então Daphe levantou a cabeça com as orelhas abaixadas 

-Por favor eu não sou inimiga de vocês, como futura governante quero protegê-los como meu povo e quero sua amizade – ela olhlou na direção de Lizzy que já estava quase fora de vista – Mas agora eu preciso ir, prometo voltar para esclarecer tudo – Daphe emitiu um grunhido baixo como um filhote pidão e se agitou feliz ao ouvir a resposta do pai

- Vamos, esta quase amanhecendo – as duas sombras sumiram e eles entraram na floresta como se nunca tivessem estado ali

Lucy suspirou de alívio e então começou a correr na direção onde tinha visto Lizzy a última vez, a garota já estava longe

-Vocês governantes me enjoam

-O quê? – a assassina riu

-Sempre dizendo que querem proteger seu “povo”, mas a verdade é que só querem só querem mais gente para extorquir e quanto mais o povo estiver feliz, menor a chance de uma rebelião, são todos mentirosos nojentos e depravados – ela não parecia estar realmente falando com a princesa já que passava o tempo todo encarando o céu – Será que não se cansam disso? De serem as piores e mais falsas versões de si mesmos? – ela a encarou por fim, o capuz tinha caído revelando o longo cabelo que oscilava com a brisa – Me diga como isso funciona? – Lucy precisou de um momento para processar tudo aquilo e a para a raiva começar a ferver em seu sangue

A princesa parou com as mãos em punhos, puxou Lizzy pelo pulso para que parasse também

-Quem você pensa que é para falar algo assim? Reis e rainhas precisam sacrificar tudo, uma verdadeira rainha ou um rei não devem possuir nada, devem dar tudo ao seu povo, mesmo sua vida! – ela apertou o pulso enluvado de Lizzy – Enquanto a você, em? Uma assassina, uma mentirosa treinada, não sabe de nada! Os chama de Bestas, mas você se tornou um monstro pior do que os que diz caçar e ainda pior do que aquele que chama de mestre, o qual diz ser, mentiroso, nojento e depravado, então me diga você, não sente vergonha da Besta que se tornou? – ela riu

-Não, a besta que vive em mim me trouxe a vida milhares de vezes – ela se soltou de Lucy e voltou a caminhar, não trocaram uma palavra durante todo o caminho

Quando finalmente chegaram ao castelo o sol já despontava no horizonte, lá dentro os guardas e alguns criados encaravam de canto curiosos e assustados pela tensão que as cercava e pelo simples fato de estarem juntas, se separaram sem trocar uma palavra na divisão das escadas, Lucy não foi capaz de não assistir a assassina sumir pelo corredor oposto.

Ao chegar ao seu quarto ignorou qualquer outra coisa, apenas trancou a porta e desabou na cama praticamente adormecida e dormiu do jeito que estava, suja e com as armas a cutucando pelo corpo.


Notas Finais


então? como foi? estão curtindo a história? espero que sim, enfim obrigada por ler e até o próximo capitulo! :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...