História A dor de uma traição. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Exibições 101
Palavras 3.311
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Digamos que como é quase natal eu estou rápida postando! Boa noite queridos/as.
Espero que gostem desse capítulo, será a ponte para futuros acontecimentos importantes. Como sabem essa fic era para ser oneshot, portanto não sera uma fic com muitos capítulos, até porque estou trabalhando em uma fic bastante promissora! Novidades saberão em breve.

Espero que gostem, me deixem saber nos comentários! Beijos

Capítulo 3 - I loved you, then i lost you.



- Eu ainda não acredito que ganhamos... - ally murmurou dentro da limousine. 


Estávamos vindo do after party. Eu não tinha aceite o convite de Ariana, em vez disso, falei com a mesma que seria melhor acompanhar a minha banda pois se não o fizesse fofocas infinitas iam surgir, e isso era o que eu menos precisava naquela altura.


Você parece aérea Lauren, está pensando no quê mesmo? Gostaria de saber. 


- é, é meio louco! A nossa categoria era fortíssima! - Dinah falou. 


- Isso é a prova que os nossos fãs são capazes de qualquer coisa! - Normani disse animada. 


- quase aposto que muito deles deixaram até de dormir para votar em nós. - Ally falou pensativa. 


- eles são magníficos. - murmurei olhando para a paisagem. - onde vamos ficar a dormir? - perguntei para o nosso motorista particular. 


- vão ficar hospedadas em um hotel da área. - o homem informou educado. 


- obrigada! 


Miami. Como eu sinto falta desse lugar. Voltar lá para mim é como voltar para o meu ponto de paz. Sempre que ficamos por Miami eu me sinto livre para ir para onde quiser, pois conheço o lugar como a palma da minha mão. Sinto saudades de ficar por lá longos meses ou até anos. Sinto falta da minha antiga vida quando a própria me dizia apenas respeito a mim. Porém, desde o fator x tudo mudou. Eu me vim a tornar uma estrela acompanhada das meninas e de você, e vim me apaixonar loucamente por uma garota gentil. Você Lauren. Mas essa garota já não existe, o que restou foi apenas uma pessoa fria e distante. 


Já estamos no hotel, devo admitir que é bem sofisticado. Sinto falta da simplicidade, sabe? 


- boa noite senhoritas. - a recepcionista falou educada. - aqui têm as chaves da vossa suíte. 


- vamos ficar todas no mesmo quarto? - Dinah perguntou admirada. 


- não senhora. A suíte contém quatro quartos. - a loira de trinta e qualquer coisa anos informou nos levando até ao elevador. 


- mas nós somos cinco. - você falou. 


- sim, temos conhecimento disso. Porém a suíte melhor só contém quatro quartos senhorita, e três banheiros. 


Todas nós assentimos. Estávamos cansadas demais para exigir algo melhor. Porém eu estava satisfeita com o lugar, nunca fui esquisita, ao contrário de mim você parecia bem irritada. 


- tanto hotel bom e Simon escolheu o pior. - você falou irritada ao chegar na suíte. 


A recepcionista já tinha ido embora, logo não havia problema nenhum de criticar o que fosse. 


- ah Lauren, deixa de ser diva. - Dinah zombou. 


Vi você revirar os olhos e quase gargalhei por isso, porém contive a minha cara séria. Sei bem que não ia gostar se eu risse da sua irritação. Nunca gostou. 


- a questão é, quem vai partilhar quarto?- mani perguntou jogando sua bolsa no sofá preto. 


- eu não partilho de certeza. - Dinah gargalhou. - até porque vocês sabem que tenho péssimo jeito de dormir, quem dormir comigo vai passar mal. 


E Dinah tinha razão. Ninguém iria gostar de dormir com ela. 


- portanto meus amores, eu vou dormir que tenho beleza para repor. - e entrou num dos quartos sem deixar ninguém protestar. 


No segundo a seguir mani sorriu amarelo e também se fechou dentro de um quarto. Ally e você arregalavam os olhos não acreditando na atitude da negra. Eu quase ri das duas.


- meninas...


- sim ally, já sabemos que você demora pelo menos duas horas para ir dormir por conta das rezas e precisa de estar sozinha. - Lauren falou entediada. 


- não se importam? - ela perguntou acanhada. 


- não, vá e tenha uma boa noite. - Lauren soltou fria. 


- Camila? - ally procurou saber a minha opinião. 


- tudo bem ally, dorme bem. 


A pequena nos abraçou e de seguida se fechou também no quarto. Você sem dizer nada e no seu péssimo humor, se dirigiu ao quarto deixando a porta aberta para mim. 


- que droga. - murmurou para sí própria. 


Era assim tão mau dormir do meu lado? Já que em três anos dormimos a maioria juntas.


- é assim tão ruim ficar comigo no mesmo quarto? - Tomei coragem para perguntar e você logo me olhou um tanto surpresa. 


Acho que você já estava habituada ao meu silêncio. Porém eu estava disposta a mudar isso. 


- não é isso, ca...


- desculpe lá Lauren, mas pela sua atitude é o que parece. - Falei cortante e você franziu o cenho. 


- você está mesmo discutindo comigo as três da manhã? - perguntou.


Rolei os olhos para a sua pergunta e você bufou alto.


- deixa de ser ridícula, eu não estou discutindo só estou falando da sua atitude para comigo. 


- deixa de dramatismo Camila, eu estou exausta só quero dormir. 


- e eu estou exausta dessa sua maneira de me tratar a toda a hora. - murmurei irritada. 


- quê? - você perguntou vindo em direção a mim.


Quando dei por mim o seu rosto estava basicamente colado no meu. Conseguia sentir a sua respiração acelarada se misturar com a minha irritada. Em um ano, essa era a primeira vez que estávamos tão juntas. Você estava irritada e isso era visível pelo o verde escuro do seu olhar. Eu não estava diferente, naquele momento só sentia raiva das vezes todas que guardei para mim a forma rude que você me tratava. 


- o que quer dizer com isso Camila? 


Eu sorri. Não foi um sorriso de felicidade mas sim de cinismo. 


Será que você não sabia mesmo? 


- o que quero dizer é que tou cansada que me trate como lixo! Eu é que deveria te tratar assim, em vez disso fico calada e no meu canto! - retruquei esbravejando. 


- Camila... - você se aproximou mais e eu andei um passo para trás batendo com as costas na parede fria. - será que você não entende que a distância é o melhor? Não quero que você  confunda as coisas.


- me deixa em paz lauren. - soltei da maneira mais ríspida.


Você ficou estática, como quem não esperava por uma resposta dessas. Na verdade nem eu sabia que tinha coragem de tal coisa. Mas devido à minha raiva e frustração acumulada eu só conseguia ser dessa forma para você. E admita Lauren, você andava merecendo isso. 


- sabe que mais camila, eu vou dormir. - falou séria e foi em direção à cama. 


Vi você se deitando com a roupa que tinha usado durante o dia. Você sempre fazia isso quando estava demasiado cansada, pelos vistos esse hábito também não mudou. Ao contrário de você, Lauren, eu nunca fui capaz de dormir desse jeito, portanto fui até ao banheiro com a minha bolsa para vestir uma calça moletom e uma camisola larga com várias bananas desenhadas. 


Ao chegar no quarto novamente, noto que você já estava dormindo. Com todo o cuidado do mundo me deito na cama por baixo das cobertas. 


- você tem mesmo de dormir aqui? - perguntou com voz de sono. 


- quer que durma no chão? - perguntei sem paciência.

 
- seria melhor. 


- quem está mal é você Lauren, portanto se mude, licença vou dormir. - ao falar me virei para o lado aposto de você. 


- que gentil... - você ironizou e eu respirei fundo. 


- você também não tem sido. Boa noite. 


Subitamente senti você se levantando da cama abruptamente me assustando. No minuto a seguir acendeu a luz do quarto me fazendo assim resmungar pela claridade desnecessária. 


- se você quer me dizer algo, fala logo! Não fique aí mandado indireta Camila! - falou áspera e eu me sentei melhor na cama para te olhar. 


- apaga a luz Lauren, eu quero dormir. - pedi ignorando o seu pedido. 


Pois se eu correspondesse ao mesmo a noite não ia acabar bem. 


- responde! - quase gritou. 


- você tá louca Lauren?! Vai acabar acordando todo o mundo. - rolei os olhos e você veio até a mim em passos apressados.


- escuta aqui Camila, você tem dez segundos para falar a merda que tem para falar! 


- não sou a Lucy para você falar dessa forma comigo! - falei no mesmo tom que você. 


Você me encarou com cara de poucos amigos, mas para ser sincera nesse momento eu não estava preocupada com isso. A raiva de você naquela noite estava bem maior. 


- lucy não tem nada have...


- aí é que você se engana! - falei alto e me levantei da cama para ficar de frente com você. - ela tem tudo haver Lauren! 


- A moça nem te fez nada Camila! Acho que a companhia da Ariana anda te fazendo mal! - falou irritada. 


- Ariana é aquilo que você nunca conseguiu ser! - cuspi as palavras sem qualquer pudor. 


Você me encarou com esses olhos repletos de raiva e frieza. Lauren, não havia necessidade dessa discussão, porém você estava pedindo por ela. E sim, você sempre foi o que eu quis que fosse, me desculpe se na raiva falei de cabeça quente, porém você também me tem vindo a magoar.


Você gargalhou e em seguida agarrou no meu braço com uma certa força me deixando assim desconfortável. 


- Se ela é assim tão boa... Não namora com ela porquê? - perguntou perto da minha boca. 


O meu estômago deu uma reviravolta por sentir o seu hálito a menta bater no meu rosto mais uma vez. Por segundos tive vontade de te deitar naquela cama e te fazer minha novamente, mas eu não estava autorizada para isso. Não mais. 


- me larga... - murmurei. 


- me obrigue. - retrucou com um sorriso cínico. 


Os nossos olhares pareciam um campo e batalha do qual ninguém gostaria de atravessar. Eu sentia que estava sendo engolida pelo verde forte dos seus olhos cansados. Estávamos num momento terrivelmente tenso e eu só queria que terminasse. 


Quando finalmente tomei coragem para responder, você me empurrou na cama e sentou em cima do meu quadril me deixando sem reação alguma. Quando ia perguntar o que estava fazendo senti seus lábios se chocar contra os meus numa força fora do normal. Era como se você estivesse descontando a raiva naquele simples ato que para mim era enorme. 


Com pressa e falta de jeito, você me beijou serpenteando sua língua de forma raivosa na minha. O meu corpo estava eletrificado pelo o seu. O meu coração batia descompensado e a minha cabeça gritava para eu te parar. 


Eu sabia que era apenas algo de momento para você, porém para mim estava sendo algo significativo. Eu estava beijando novamente a mulher que durante um ano não senti o gosto. Lolo, porquê que você me está beijando? 


Você ainda gosta de mim? 


É apenas raiva? 


As suas mãos apressadas tentavam adentrar a minha calça moletom, porém eu não ia deixar você satisfazer o seu desejo comigo. Não assim Lauren. 


- Lauren, pára! - te empurrei e você me olhou confusa. - quem pensa que você é para fazer isso?! Mal me fala e agora quer ter sexo?! Eu não sou a porra de uma objeto! - falei de lágrimas nos olhos. 


Você se manteve em silêncio, vi aos poucos a cor dos seus olhos ficar normal, isso era um sinal que estava voltando para a realidade. Quando ia abrir a boca para falar, Dinah entra irritada pela porta do nosso quarto. 


- posso saber o porquê dessa gritaria?! - ela perguntou batendo a porta. 


A polinésia te olhou e em seguida me olhou também. A sua expressão irritada passou para preocupada quando viu as lágrimas rolarem sem piedade pelo o meu rosto. 


- Lauren o que você fez? - perguntou correndo na minha direção. 


- sabe que mais Dinah, eu vou sair um pouco desse hotel. - você falou abalada saindo assim do quarto rumo a qualquer bar da cidade onde estávamos hospedadas. 


- mila, o que houve? - Dinah perguntou me abraçando assim que você saio porta fora.


- eu tou cansada de amar alguém assim Dinah, não aguento mais. - murmurei entre soluços de choro. 


O resto da noite foi passada nos braços da minha melhor amiga que tentava me acalmar da melhor maneira. Dinah não gostou da sua atitude Lauren... Será que não percebe que vai acabar afastando todo o mundo de você se continuar assim? 


No outro dia de manhã sentia a minha cabeça doer por conta dos acontecimentos anteriores. Dinah ainda dormia do meu lado. Eu sou sortuda por ter as meninas do meu lado, sem elas provavelmente não passaria por metade do que tenho vindo a passar. 


A propósito Lauren, você já voltou do bar onde foi a noite passada?


Vagarosamente sai da cama para não acordar a loira. Fui até ao banheiro e iniciei a minha higiene matinal como de costume. Lembranças das nossas manhãs juntas assaltaram a minha mente sem pudor me deixando assim fraca demais emocionalmente.


- acorda Lauren! - pulei em cima de você enquanto dormia profundamente. 


- que droga camila, me deixa dormir mais um pouco. - você praguejou e eu continuava à força toda te tirar da cama. 


- mas Lauren hoje é o nosso primeiro dia de férias em paris! Temos tanta coisa para visitar! - falei animada e você bufou. 


- Camila pelo amor de deus, temos a tarde toda para isso, não precisa de ser de manhã! - você resmungou se virando de barriga para cima. 


- mas lolo... De tarde temos outras coisa para fazer. - falei misteriosa e você abriu lentamente os olhos para me olhar. 


Simplesmente linda era como você estava aquela manhã de inverno em que paris era coberta de neve.

 
- aí é? Não me lembro de nada...


Dei um sorrisinho e você semicerrou os olhos na minha direção. 


- camz...


- tá, tá senhorita curiosa. Eu comprei bilhetes para assistirmos a sua banda favorita. - falei alegre. 


- the 1975?! - gritou se sentado na cama. 


- exatamente! - sorri largamente. 


- obrigada amor! 


E me beijou cheia de ternura. 


Ao contrário de ontem, que foi apenas cheia de raiva. Lauren como foi possível a nossa relação e maneira de lidar ter vindo a mudar tanto? Não dá para entender. 


- bom dia, mila. - Dinah falou assim que entrei no quarto já devidamente vestida.


Uma jeans preta e uma camisa social branca era o que tinha optado para vestir. Não precisava de nada muito requintado já que ia apenas ao estúdio gravar a minha parte de no way. 


- bom dia. - murmurei arrumando meu pijama na bolsa. 


- dormiu bem? - ela perguntou sentando na cama e bocejando. 


- sim, obrigada por ontem. - falei sincera e Dinah assentiu com um pequeno sorriso. 


- sempre aqui para você mila, Lauren não teve razão nenhuma, não sei o que se passa com ela. - Dinah falou saindo da cama. 


- pois... ninguém sabe, esse é o problema. 


De seguida a porta do quarto se abriu e revelou uma Lauren cansada e desarrumada. Você nos olhou e rolou os olhos para em seguida se deitar na cama de forma desajeitada.  


- com que então bêbada jauregui? - Dinah repreendeu.
Eu apenas me limitei a observar a sua figura quase apagada naquela cama. 


- não enche Dinah. - falou colocando um travesseiro por cima da cabeça. 


- não sei se sabe mas hoje temos compromissos senhorita de ressaca. Pode começar a sair dessa cama. - Dinah falou ao te tirar o travesseiro que você utilizava para esconder a claridade. 


- Dinah deixa de ser chata! Você não é minha mãe! Que porra. 


- se você tivesse atitudes mais adultas eu não precisava de ser sua mãe, disso tem razão. - Dinah respondeu e você bufou. 


Lauren, você sabe que a nossa amiga tem razão. Ultimamente você só tem vindo a ter atitudes de que ninguém te pode deixar mais de dois minutos sozinha. O que houve com a Lauren responsável? 


Morreu juntamente com a nossa relação, é isso? 


- Nem mais sono tenho com essa conversa jane. - falou irritada ao se levantar. - bom dia Camila. - desejou ao passar por mim deixando o cheiro a álcool bastante percetível.


Não respondi porque no momento a seguir você não estava mais sob o meu campo de visão. Dinah já estava devidamente vestida também na sua roupa desportiva. 


- vamos mila, as outras já devem estar prontas e morrendo de tédio à nossa espera. 


Depois de sairmos do hotel sobre a companhia gentil da recepcionista fomos até à limousine que nos esperava com normani e ally lá dentro. Faltava apenas você Lauren. 


- cadê a Lauren? - Dinah perguntou ao entrar no veículo seguida de mim. 


- Lauren disse que ia de uber. - ally falou dando de ombros. 


- de uber? - perguntei de cenho franzido. 


- exatamente... Ela disse que precisava de um tempo a sós. - mani explicou. 


Dinah soltou uma gargalhada com o que acabara de ouvir tendo olhares curiosos em cima dela. Quando dei por mim o motorista já estava indo em direção a algum lugar que Simon tinha indicado. 


- credo, falei alguma piada? - Normani perguntou revirando os olhos. 


A negra estava de mau humor aquela manhã. 


- Lauren devia ir para comédia às vezes, a idiota saio ontem, se embebedou e agora fala que precisa de momentos a sós! - Dinah zomba e ally arregala os olhos. 


- como assim se embebedou?! - ally perguntou.


- deixe isso para lá, todas nós sabemos como Lauren é nos seus momentos de raiva. 


- mas hoje nós temos uma entrevista com a Billboard meninas! - ally relembrou. 


Para ser sincera nem me lembrava de tal coisa. Acho que ultimamente a minha cabeça andava demasiado cansada para reter tanta informação. 


- se lauren não se lembrou de mandar o uber para o endereço estamos fodidas! - Dinah praguejou. - o que vamos dizer aos entrevistadores? 


- nada. Dizemos que ela não pôde comparecer, lauren é adulta suficiente para saber o tipo de atitudes que tem. - mani se pronuncia. 


O resto da viagem foi calmo. Ninguém tocou mais no assunto da sua ausência. Eu , como sempre, ia  calada admirando a paisagem e as pessoas que iam passando apressadas na rua. Sinto falta de andar pela rua normalmente, sabe? 


De sentir o sol quente bater na minha cara. De sentir a relva nos meus pés. De sentir que sou normal por um dia, apenas por um dia. Tou cansada de apanhar aviões para lá e para cá, de dormir em hotéis desconhecidos por mim, de frequentar lugares cheios de pessoas interesseiras... Tou cansada da fama em excesso que tenho. Que temos. Farta das fofocas e mentiras que montam sobre você e eu mais as meninas. Tou cansada das pessoas se aproximarem apenas para uma foto ou um autógrafo... Eu gostaria que um fã, uma vez na vida, se aproximasse e dissesse:


" Como você está?"


Eu sei que todas se sentem como eu. Sentem falta da normalidade.  


- Camila? - ally chama cutucando o meu braço.
- sim?


- não se esqueça que tem no way hoje para gravar. - ally relembrou e eu suspirei. 


- não se preocupe ally, farei isso essa noite. 


Como eu queria deitar e dormir por um dia inteiro. Como eu queria pôr tudo em pausa só para ter um pouco de tranquilidade nessa vida de estresse e tristeza que levo. Lauren, eu ainda consigo sentir o gosto da sua língua irritada na minha. Por mais que eu estivesse chateada pela atitude sem noção da sua parte, estou agradecida por me ter dado o privilégio de sentir mais uma vez o gosto do seu beijo. 


O beijo que sempre me deixou sem estruturas, o beijo que sempre me acalmou. 


Notas Finais


💓


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...