História A droga do amor - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Fluffy, Jikook, Romance, Vkook
Exibições 66
Palavras 1.944
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


✿ Inspirado na música ''Friends'' do Ed Sheeran. Leiam ouvindo ela.

Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único: Droga-me com o seu amor


 

Da janela do seu quarto, Taehyung podia avistar Jungkook vindo de cabeça baixa em direção ao portão enferrujado da sua casa. O garoto franziu o cenho ao perceber que estava prestes a receber uma visita de alguém que, sequer o avisou ir encontra-lo naquela tarde ensolarada de verão em Busan. 

Apressadamente foi ao encontro do espelho extenso preso numa das paredes do seu quarto e observou-se por inteiro antes mesmo que Jungkook tocasse a campainha.

Concluiu que estava horrível pelas olheiras que denunciavam uma noite mal dormida, os cabelos estavam emaranhados e oleosos pelo calor que fizera durante o dia todo, acompanhados pelo rosto e parte do corpo, que estavam grudentos.

Não podia aparecer lá fora do jeito que estava, por isso, antes de atender a campainha recém tocada, o Kim resolveu tomar um rápido banho, pedindo para que a sua mãe o recebesse.

No lado de fora, Jungkook tocava impacientemente a campainha da casa azul, esperando que o Tae atendesse com aquele típico sorriso retangular que costumava a abrir quando o via chegar. Sentia falta de fazê-lo sorrir, sentia falta de ouvir a grave voz que saía das suas cordas vocais, sentia falta do seu bom humor contagiante e dele por inteiro.

Depois que ele começou a namorar com Park Jimin e a andar com os amigos deste, Taehyung foi se afastando aos poucos dele, sem ao menos lhe dar um motivo coerente. A princípio, começou a rejeitar os convites que ele lhe fazia para ir até a sua casa ou até mesmo passar a tarde juntos em algum lugar agradável, como no parque ou até mesmo no shopping. Posteriormente, o Kim passou a andar com Hoseok no intervalo e não demorou muito para que os dois ficassem próximos o suficiente para frequentarem a casa de ambos.

Não foi fácil para Jungkook absorver que estava perdendo o seu melhor amigo aos poucos, e sem ao menos ter feito algo de muito grave para Taehyung ter mudado da água para o vinho com ele. Isso fez com que na escola, ele procurasse diversas vezes o Kim para conversar e abrir o jogo, mas cada vez que o via, parecia estar ocupado demais com o seu novo ‘melhor amigo’.

Ainda que, ás vezes, o chamava para conversar nas redes sociais, não era a mesma coisa. Sentia que, de uns tempos para cá, tudo entre eles foram se desmoronando, chegando num ponto em que não se reconheciam mais. E isso doía muito, para os dois.

 

— Olá Jungkook, como posso te ajudar? — disse a senhora Kim após ter aberto o portão.

— Ahm... Oi senhora Kim — Jungkook forçou um sorriso enquanto olhava para dentro de sua casa — O Taehyung se encontra por aí?

— Ele acabou de entrar no banho, mas se quiser espera-lo. Fique à vontade! — afastou-se para que o garoto pudesse entrar.

— Obrigado — curvou-se diante dela como forma de respeito, para depois adentrar na casa — a senhora sabe se ele vai demorar muito?

— Creio que não, mas... você o conhece. Sabe que quando ele entra naquele banheiro demora uma eternidade para sair. É urgente o que tem para se tratar com ele?

— Um pouco.

— Você está bem? Está com cara de quem acabou de chorar... — observou fechando a porta de entrada de sua casa.

— É só a minha renite — fungou — ela resolveu atacar enquanto estava vindo para cá — riu soprado.

— Entendi... bom, de qualquer forma, a casa é sua. Qualquer coisa que precisar, eu estarei na cozinha.

— Muito Obrigado senhora Kim — sentou-se no sofá.

 

Alguns minutos passaram-se sem que Taehyung saía do banheiro. O mais novo, preocupado com a demora, resolveu bater na porta para ver se ele estava bem lá dentro. Contudo, assim que ergueu o antebraço com o punho cerrado com esta intenção, o Kim saiu do banheiro já vestido.

— Jungkook? — fez-se de surpreso para que o moreno não desconfiasse de que estava observando-o da janela — o que faz aqui?

— Tae, eu... quer dizer... nós — o analisou dos pés a cabeça, consequentemente se esquecendo do que pretendia dizer-lhe.

— Sinto que você precisa conversar — disse terminando de fazer um laço no cordão da sua bermuda preta — vem cá — saiu do banheiro puxando a porta pela maçaneta e depois Jungkook pelo braço, indo em direção ao seu quarto todo bagunçado.

— Olha só, não repare na bagunça porque eu... — falou a medida com que fechava a porta do cômodo.

— Tae... eu sinto tanto a sua falta... — Jungkook nem deixou o acastanhado terminar de falar, enlaçou os braços na cintura do mais velho e ali se encaixou — desde que a gente parou de se falar, tudo começou a dar errado na minha vida. Eu queria ter te procurado antes, mas... mas... eu estava tão ocupado dando valor a alguém como o Jimin, que não te dei valor quando ainda te tinha ao meu lado — a medida com que falava, o choro se manifestava em sua fala e a atrapalhava — e... céus! Como eu fui idiota... me perdoa por tudo. Por favor Taehyung!

Paralisado pelas palavras do Jeon, tudo o que Taehyung conseguiu fazer foi retribuir o abraço do mais novo, enquanto sentia seu coração debater-se dentro de si, parecendo que sairia pela boca. Respirou fundo para manter-se a calma e decidiu fazer o mesmo com Jungkook, assim que as suas mãos passaram a acariciar os fios negros do cabelo alheio.

— Acalme-se Kookie... eu estou aqui agora, não estou?

— É... mas... mas antes não estava — soluçou pelo choro.

— Você que se engana, eu sempre estive aqui, mas só você que não viu...

— Eu sei... e me arrependo por tudo isso!

— Eu acredito em você Kookie — disse ainda acariciando os seus cabelos — agora senta-se um pouco, vou buscar um copo d’água para você se acalmar — o guiou em direção a sua cama, fazendo com que o moreno se sentasse. 

— Eu não quero que saía daqui... — o segurou pelo braço — fica comigo, por favor...

— Tudo bem, eu fico... — sorriu ladino sentando-se ao lado do moreno — o que aconteceu para ter vindo aqui já com essa carinha de choro?

— Como sabe que eu estava vindo para cá? — perguntou-lhe com o cenho franzido.

— Sabe aquela parceira ali — apontou para a janela — ela me ajuda a descobrir quem é o mortal que tem a intenção de visitar a Taecaverna.

— Esse nome é horrível Tae — Jeongguk comentou entre risos — e não acredito que estava me espreitando!

— É o que eu faço — deu-lhe uma piscadela apenas para descontrair — mas então...

— Eu e o Jimin terminamos — confessou-lhe sem olha-lo nos olhos — foi isso o que aconteceu... — sorriu sem mostra-lhe os dentes conforme brincava com os seus dedos.

— E por que vocês terminaram?

— Nós somos tão diferentes quanto eu pensava que fôssemos. Temos pensamentos completamente divergentes e, ultimamente, estávamos brigando por tudo. Eu já não aguentava mais todas aquelas cobranças para cima de mim e toda aquela bagagem que eu sabia, desde o inicio, que não suportaria carregar. Queria que ele fosse igual à você Tae, nós sempre nos entendemos tão bem... — virou-se para o lado para encara-lo.

— A culpa não é sua Kookie — sorriu limpando uma lágrima que escorria pelo rosto do moreno — você tomou a decisão certa. Você tinha que  ter namorado com uma pessoa que vive a mesma realidade que a sua, que pensa as mesmas coisas que você e que te compreende quando ninguém parece te entender. Tem que ser uma pessoa que te conheça tão bem quanto você conhece a si próprio e que te ama por inteiro, desde as tuas qualidades até os seus piores defeitos. E o principal, que nunca saía do seu lado.

— Tem que ser uma pessoa assim... igual à você?

— E você está fazendo isso de novo... — riu anasalado brincando com os próprios dedos.

— Isso o que? — encarou-lhe.

— Para de me encarar — sorriu envergonhado — você só está chateado com o término — levantou-se, indo em direção a janela para apreciar a entrada da noite no céu.

— Não estou... — fez o mesmo caminho, parando em frente à ele — eu estou chorando pelo fato de ter sido idiota o suficiente para namorar alguém com a intenção de esquecer um outro que parece não me ver como eu o vejo.

— Como eu já disse, você só está me dizendo isso porque precisa de carinho e eu não quero ser o seu consolo para depois você ir lá me trocar por um qualquer — permaneceu olhando para a rua.

— Tae, olhe para mim...  — puxou delicadamente o seu maxilar — nós dois sabemos que nunca fomos apenas bons amigos, você sabe que nunca nos tratamos como amigos se tratam. E eu demorei um certo tempo para entender o por que da nossa amizade estar decaindo tão rápido, porque se fôssemos apenas amigos, nós não dormiríamos juntos como muitas vezes fizemos ali — apontou para a cama bagunçada do mais velho — se nós fôssemos apenas amigos,  eu não sentiria ciúmes de qualquer um que aproxima-se de você. Eu não estaria chorando todas noites pensando em você, e muito menos teria começado um namoro apenas para te esquecer. Se fôssemos apenas amigos, eu teria esquecido aquele beijo que demos sem querer e não te amaria como sempre te amei, um amor diferente daqueles que são apenas amigos. Porque você, Kim Taehyung, me fez provar da droga do amor e esse foi o melhor erro que já cometemos. E eu sei que sente o mesmo por mim, porque não teríamos usado a amizade como uma máscara para esconder o que sentimos um pelo outro.

— É tão bom ouvir isso, tenho até medo de abrir os olhos e perceber que é só mais um sonho — disse de olhos fechados enquanto sorria pequeno.

— Se fosse um sonho, você poderia sentir isso com tanto sentimento?

Antes que Taehyung pudesse abrir os olhos para encara-lo e deduzir o que ele pretendia fazer, Jungkook acolheu o rosto do moreno entre suas mãos e investiu nas carícias enquanto selava os lábios. Inconscientemente, o Kim cercou-lhe com os seus braços, trazendo-o por mais perto. 

A textura dos lábios do Jeon ainda continuava a mesma, quente e macia. O encostar de lábios que davam, estava demorando mais do que o planejado, sendo assim, pediu permissão para que suas línguas pudessem dançarem juntas a favor de todos os desejos reprimidos que tinham. Jungkook, em nenhum momento, hesitou em aceitar e não demorou muito para que já estivessem se beijando delicadamente.

— Essa é a parte que você diz que me ama, sabia? — Jungkook disse com a testa apoiada na de Taehyung, após se beijarem. Anestesiado ainda pelo momento, de olhos fechados, Taehyung sorriu.

— Jeon Junkook, eu acho que te amo — finalmente criou coragem para encara-lo.

— Acha? — ergueu uma sobrancelha.

— Agora te tendo aqui, desta maneira, eu tenho certeza de que te amo — ao finalizar, Taehyung beijou-lhe novamente. Sentindo dentro de si fogos de artifícios que celebravam um amor, finalmente, recíproco.

E quando a cidade estava começando a adormecer com as suas ruas sendo iluminadas apenas pelos postes de luz, os sentidos de Jeon Jungkook e Kim Taehyung aguçavam-se pela droga do amor. Tirando-lhes o medo da entrega e curando cada ferida que a vida fez em seus corações.

 

 


Notas Finais


Queria agradecer, novamente, a minha amiga Ray pela INCRÍVEL capa. Então, obrigada amor ❤
eu achei meio bosta o final, mas fazer o que né.
espero que tenham gostado
xoxox
jessy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...