História A Droga em Mim é Você! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Exibições 37
Palavras 1.039
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Não sou mais um dos seus muitos brinquedos


Fanfic / Fanfiction A Droga em Mim é Você! - Capítulo 4 - Não sou mais um dos seus muitos brinquedos

Taylor POV 

-Então vai me contar o que aconteceu? – Brian perguntou assim que pedimos nossos lanche. 

-Acho que você não vai se interessar em saber. 

-Se eu to perguntando é porque estou interessado em saber né. 

-Eu briguei com uma menina no vestiário, ela veio me chamando de putinha e eu acabei perdendo a cabeça e esmurrando a fuça dela. - Ele começou a rir. - Qual a graça? Que eu saiba ninguém contou nenhuma piada ainda. 

-Eu acho que aquela frase "toda a boa garota esconde uma ruim" está certa, nunca te imaginaria batendo em uma mosca. 

-Se quiser posso te bater e você vai ver e sentir. 

-Prefiro ver e sentir você de outro jeito. 

-Você é um tarado. 

-E você faz muito cu doce. 

-Não faço cu doce a questão aqui é a seguinte, não sou mais um dos seus brinquedos, compra uma boneca no sex shop se quiser um brinquedo. - Disse sorrindo e bebendo meu refrigerante. 

-E quem te enganou dizendo que você vai ser meu brinquedo? - Ele disse arqueando a sobrancelha e sorrindo, eu não iria ligar de ser o brinquedo dele, mas, os conceitos que minha mãe havia passado pra mim não deixavam eu cometer essa loucura de deixar ele usar e abusar de mim. 

-Tenho fontes. 

-Péssimas fontes, mas agora mudando de assunto – Ele disse quando os lanches chegaram. - Pra onde pretende ir quando sair daqui. 

-Eu ia te perguntar isso. 

-Eu tenho compromisso, tenho que ir em um lugar importante... 

-Eu vou junto então - Eu disse interrompendo ele. 

-Você não pode ir.  

- Sim eu posso e você vai me levar, simplesmente pelo fato de você querer me comer, e eu não posso ir pra casa ou esqueceu que eu matei aula? Sou sua responsabilidade. 

-Que beleza vou ser babá pelo resto do dia. - Ele disse bufando. 

Eu sabia que era incomodo ele me levar, então por esse motivo eu ia fazer ele me levar, sei que muitos vão pensar que eu estou tirando proveito por que ele quer transar comigo e esta procurando me agradar pra ganhar sexo, mas na real eu estou fazendo exatamente isso que você está pensando. 

Eu não era obrigada a servir de brinquedo pra macho e ele nem pagar um lanche pra mim, ou sei lá, me levar em casa, eu não era uma bonequinha inflável que ele usava murchava e guardava de novo na gaveta. Terminamos o lanche e Syn pagou a conta, entramos no carro dele e sim ele dirige como um louco até na luz do dia, e o que eu esperava aconteceu, a policia nos parou. 

-Parece que seu azar está impregnando em mim – Ele disse depois que encostou o carro. 

-Habilitação e documento do carro por favor – O policial que encostou na janela do carro pediu, Syn abriu a carteira e entregou os documentos, eu ainda não me acostumei com o nome Brian e convenhamos não tenho intimidade pra chamar ele assim. - Liberados. - O policial devolveu os documentos e saiu. 

-Como assim liberados? Sem multa nem nada? - Eu não estava entendo muito bem o que estava acontecendo ali.  

Meu pai trabalhou na policia anos antes de falecer e o que sempre notei é que eles nunca perdiam a oportunidade de aplicar uma multa, por menor que tivesse sido a inflação eles não deixavam passar uma alma. 

-Você ainda tem muito o que aprender. - Ele disse e arrancou o carro saindo cantando pneu. 

-Acho que o termo é, tenho muito o que observar. 

Brian POV 

Ela era gostosa mas vamos mandar a real, ela era bem chatinha, as vezes bem folgada, como está sendo nesse exato momento, eu me sentia um tanto quanto sufocado, ela sabia das drogas, o que era de menos, a ponta do iceberg muita gente sabe, ela observava muito então não podia dar muita brecha pra ela descobrir mais coisas sobre mim. Meu nome foi uma consequência, Zacky não sabe guardar aquela língua imensa na boca e acabou falando demais. 

E ela estava certa, no fim ela iria acabar sendo meu brinquedinho sexual de uma noite, depois provavelmente eu iria mandar ela embora em um taxi e nunca mais olhar na cara dela, ou pelo menos evitar olhar. 

Taylor POV 

Chegamos até um condomínio que o porteiro parecia já conhecer Syn, ele apenas acenou e o porteiro subiu a cancela liberando a passagem, era um condomínios que só vemos em filmes e novelas, tinha casas enormes com gramados e jardins perfeitos, carros caros e provavelmente importados, resumo da obra, tudo o que tinha sonhado pro meu distante futuro. 

Ele parou na frente de uma casa branca de dois andares e desligou o carro. 

-Chegamos – Ele disse destravando as portas. 

-Posso saber onde você me trouxe? - Eu perguntei saindo do carro e olhando mais a minha volta. 

-Não é obvio? Na minha casa. - Ele disse tirando uma chave de seu bolso e abrindo a porta da frente. 

-Achei que ia em um lugar importante que não podia me levar – Eu disse entrando na casa atrás dele, que por sinal era uma casa maior ainda por dentro. 

-Eu vou, mas quero tomar um banho antes – Ele disse jogando as chaves do carro em uma mesinha que tinha perto da porta. - Se quiser me acompanhar eu não me importo. 

-Não obrigado, vou ficar aqui mesmo. - Eu disse ainda olhando tudo a minha volta. 

-Como eu já disse você vai acabar vindo atrás de mim, é tudo questão de tempo – Ele disse piscando pra mim e fiz questão de mostrar meu dedo do meio. - Ui nervosinha, vai me bater também? 

-Como você é engraçado, estou morrendo de rir, se você não fosse maior que eu, provavelmente já teria te batido. - Eu disse cruzando os braço e fazendo um pose de machona - Você é um pé no saco. 

-Então estamos quites, porque você também é, princesa – Ele disse e tirou a camisa jogando em mim – Fica ai se fazendo de difícil, pode ficar com a minha camisa me imaginando em cima de você enquanto faz cu doce. 

Eu devo admitir ele tinha um corpo maravilhoso, ele era maravilhoso, mas em contra peso, eu não era facil.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...