História A Elite (Interativa) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Tags Comedia, Festa, Imagine, Interativa, Romance
Exibições 30
Palavras 2.436
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Festa, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Imagem do capítulo: Jaebum.

Eu vou colocar a imagem dos garotos conforme os pares deles com as personagens. Assim vocês já podem saber como eu imagino eles na fanfic <3

Capítulo 2 - Introdução


Fanfic / Fanfiction A Elite (Interativa) - Capítulo 2 - Introdução

Doce Califórnia.

 

 

Boarding School Califórnia, ou apenas BSC, é o paraíso. Bem, talvez apenas para os pais, que se vêm livres de seus pirralhinhos. Talvez com eles longe, você possa aproveitar sua segunda lua de mel, sem preocupações e fios brancos devido às idas a escola durante todo o ano para conversar sobre um problema que seu filho arrumou novamente.

Sim, BSC é um paraíso apenas para os pais. Adolescentes não gostam de estarem presos, quanto menos não poderem estar com garotas queimando o fogo da juventude, sendo que a ala de dormitório das mesmas é logo a frente. Não que apenas uma pequena ponte de madeira dividindo os dormitórios empeça os adolescentes de suas façanhas.

— Hoje teremos uma festa para os calour... – o professor nem teve ao menos um tempo para terminar a frase. A classe berrou em animação, contentes pela festa e pela vinda de pessoas novas. Garotas torcendo para ser alguém bonito, e garotos torcendo por meninas gostosas.

O professor automaticamente cerra os olhos fazendo uma cara feia devido ao barulho.

— Contenham-se. – ajeitou os olhos e aos poucos todos foram ficando calados. Depois de um tempo esperando os alunos acalmarem os ânimos, continuou: — Será amanhã à noite, e como uma boa escola, não queremos confusão logo no início do ano por causa dos calouros. São alunos como vocês então não se animem muito.

Após ele retomar as aulas, os farfalhos continuaram pela sala inteira. Seria difícil não comentar algo que não fosse os calouros.

(...)

O estridente sinal tocou para a hora do almoço. O refeitório enchia-se da cor azul do uniforme dos alunos.

— Tomara que sejam muitas garotas. – disse um garoto de cabelos loiros dando uma garfada em seu almoço.

— Acho que serão igualmente divididos entre dois sexos. – outro de cabelos negros e muitos brincos da orelha comentou mostrando certo desinteresse.

— Não parece muito animado pela vinda dos calouros. – um garoto de cabelos castanhos quase negros e olhos escuros como carvão disse arqueando uma sobrancelha. O outro deu de ombros.

— Já temos garotas muito bonitas na escola, a vinda de outras será indiferente.

— Ah! Eu já estou um pouco enjoado, garotas novas parecem uma ideia muito tentadora. – outro de cabelos platinados abriu um sorriso revelando suas covinhas adoráveis.

— Tem razão. – disse um garoto sonolento de cabelos loiros bocejando.

Logo outros garotos começaram a se aproximar da mesa onde os cinco estavam sentados.

Kim Taehyung, esse garoto loiro, dono de um sorriso quadrado e olhos meigos e amendoados, é um tanto, ou melhor, muito hiperativo. Motivo de estar ali? Sempre arrumando confusão na sua antiga escola da Coreia. Ele simplesmente não para quieto um segundo se quer. Soltou um grito enquanto se espreguiçava, fazendo o amigo ao lado dar um salto.

— Tem que parar com essas manias. – disse Jung Hoseok pondo a mão no coração descompassado pelo susto anterior. Uma palavra para descrever Hoseok é: cômico. O garoto não para de rir um instante, sempre sorrindo e dançando músicas de grupos femininos de música popular coreana da forma mais engraçada, mas mais bem feita que você já possa ver. Afinal ele é um dançarino nato, tanto que já tem até um nome artístico quando faz suas apresentações: J-hope.

— Não é legal ouvir os gritos do Taehyung quando eu estou com sono. – outro loiro reclamou com os olhos fechados enquanto usava apenas um fone de ouvido. Sua pele era tão clara como um doce, e não é à toa que seus amigos o chamam de Suga na maioria das vezes, ao invés de seu verdadeiro nome que é Min Yoongi. Mas eu diria que sua personalidade passa bem longe do açúcar. Preguiçoso, rabugento e muito amedrontador, e devido a essa personalidade, seus amigos não ousam fazer brincadeirinhas que possam irritar o garoto baixinho.

— Uau, você parece de bom humor. – Im Jaebum, o garoto dos brincos na orelha, disse com ironia e recebeu um olhar mortal da parte de Yoongi como resposta. Apenas abaixou a cabeça fazendo uma cara exagerada de medo. Jaebum, ah, Jaebum! Um dos garotos mais charmosos, cheirosos e com a melhor lábia que você possa conhecer. Um sorriso que é composto por dentes perfeitos e fechando completamente seus olhos escuros. Braços fortes, alto e cabelos negros que você sonha em enlaçar os dedos nem que seja por alguns segundos. Inteligente e gentil. Mas como todos, sempre há um defeito nesse ser que parece ser pura perfeição. Cafajeste. O que a maioria dos garotos com uma beleza descomunal como a dele faria. Tirar proveito de sua aparência e lábia para ficar com as garotas mais bonitas daquele internato.

— Você adora brincar com a morte. – o de cabelos platinados e covinhas perfeitas interviu. Esse era Kim Namjoon. O garoto que foi mandando ao internato pelo mesmo motivo que Jaebum: garotas. Eram muitas garotas por dia. Nos vestiários, nas salas de aula e até mesmo na dispensa. E ele sempre dava a mesma desculpa: é a puberdade. Namjoon é desastrado, por isso foi apelidado de Deus da Destruição. Mas além desse apelido, há Rap Monster. O cara é realmente um monstro do rap, e compõe os mesmos junto à Yoongi e mesmo que esse tenha seu jeito silencioso, na hora de fazer o rap para sua plateia, ele arrasa. Namjoon é um cara alto, sério na maioria das vezes, mas sabe brincar.

— Ansiosos pelas calouras? – um garoto baixinho de cabelos laranja chamado Park Jimin, indagou.

— Eu estou. – Taehyung comentou animado enquanto não conseguia retirar o sorriso dos lábios.

— Vocês deveriam comer ao invés de ficarem de blábláblá na hora do almoço. – disse Kim Seokjin repreendendo os mais novos.

— Desculpe omma. – disse o Jung com um sorriso enorme provocando uma expressão de riso e de raiva no rosto de Jin. Mesmo que não tenha gostado dessa brincadeira, era engraçado de certa forma.

— Os hyungs estão ansiosos de mais pelas calouras. – outro garoto interviu na conversa. Ele era bem alto, cabelos negros e dentes de coelho adoráveis. Seu nome? Jeon Jungkook.

— Isso se chama fogo no rabo. – Jimin gargalhou.

— Ei! Nem vem que você também parece bem empolgado. – Namjoon disse dando um leve empurrão no ombro do amigo.

— Vamos admitir, todos nós estamos. – um garoto de aparência extremamente fofa chamado: Kunpimook Bhuwakul, mas devido ao nome difícil, é chamado apenas de BamBam.

— As americanas são mais gostosas, então eu acho que provavelmente serão bonitas. – outro garoto chamado Jackson Wang interviu com um sorriso ainda mais animado dando garfadas em sua comida.

— Estamos ansiosos. – disse Hoseok animado.

(...)

Após o sinal tocar para o fim do almoço, eles tinham uns quinze minutos livres para esperarem abaixar toda a comida. Não que tenham comido mais do que conversaram sobre o assunto que estava deixando todos malucos.

As garotas foram para suas alas, e os garotos para as suas.

— É normal pensar tanto em uma festa? – disse Taehyung deitando-se na cama. BamBam gargalhou.

— Talvez isso seja culpa da sua ansiedade Tae. – disse o garoto ajeitando-se em frente ao espelho.

— Iiiih, vai ver quem? – o loiro disse interessado.

— Sana. – o garoto disse não conseguindo conter o sorriso.

— Mas ela não estava saindo com o Jackson? – colocou a mão no queixo. — Ou era com o Youngjae?

— Taehyung!

— O que? – disse confuso.

— Está insinuando o que com isso? – o garoto apenas gargalhou.

— Eu só estou brincando contigo! Boa sorte! – BamBam apenas revirou os olhos não conseguindo conter o sorriso aliviado nos lábios.

— Obrigado. – então deixou o dormitório.

Taehyung pensou em pegar algo para ler, afinal estava sem seus colegas de quarto para manter uma conversa.

— Oh, oh! – antes que pudesse tocar a caixa de revistas, foi interrompido. — No que você pensa que está mexendo?

— Noooossa! De onde tu brotou? Que isso... – Taehyung disse pondo a mão no coração após a figura de Jungkook surgir absolutamente do nada ali no quarto. — Só ia pegar uns pornôs.

— *Cultura erótica. – corrigiu. — Tu tá locasso? Não pode mexer aí não. Se o Baekhyun te pega mexendo nas coisas dele, cabeças vão rolar. – o loiro sorriu quadrado.

— Falando de mim? – de repente o garoto de cabelos castanhos tão semelhante a Taehyung surge no quarto.

— E falando no diabo. – Jungkook gargalhou.

— Te mato moleque. – disse Baekhyun em tom de brincadeira. — Só vim trocar a blusa do meu uniforme.

— Você é maluco de sair com esse casaco grosso aí. Já trocaram os uniformes para os de verão faz tempo. – Taehyung falou sentando-se na cama novamente.

— Caralho, parece até o Jin.  – riu levando o restante a rir também da comparação bem feita.

Logo Baekhyun saiu do quarto, então Jungkook e Taehyung continuaram uma conversa animada.

(...)

 

— He dicho que el precio es correcto! (Eu disse que o preço está certo). — Uma garota de pele morena, cabelos castanhos escuros trançados, olhos esverdeados e uma boca carnuda, disse já perdendo a paciência com a mulher em sua frente que insistia em continuar teimando que a conta estava errada.

— Usted ha hecho la cuenta equivocada! No es posible ser tan caro! (Vocês fizeram a conta errada! Não é possível que seja tão caro)

— Algum problema Kia? – disse uma garota aproximando-se da morena tocando-lhe o ombro.

— Só que essa senhora insiste em dizer que fizemos a conta dos pedidos dela, errada. – a morena disse respirando fundo.

— Resolver esta señora, ¿me puede dar la factura? (resolveremos isso senhora, pode me dar a fatura?) — A garota tomou conta da situação. – Já pode ir embora Kia. – sorriu gentilmente e a morena sibilou um “obrigada”.

Respirou fundo ao sair de trás do caixa, repetindo em sua cabeça:

“Conte até dez e diga que você é capaz”.

Essa era o seu lema para lidar com pessoas como àquela senhora alarmando uma confusão. Trabalhar em um restaurante de tacos não era fácil.

Pegou as suas coisas no vestiário, e ainda com seu uniforme, ela deixou o local. Passou em uma pequena lanchonete para pegar um sorvete, e foi o comendo enquanto se dirigia para seu pequeno apartamento que pagava com o seu salário na lanchonete e com a ajuda de sua tia. Afinal nunca mais vira o pai, e sua mãe bem... Sua mãe não estava mais com ela fazia um tempo. Como tinha dezessete anos e ainda era estudante, só conseguia trabalhos de meio período pela tarde. Queria mais que essa vida, queria mais que um pequeno apartamento no subúrbio da cidade. Queria ser uma cantora famosa, ou quem sabe uma dançarina. Ah, uma dançarina! Seu coração pulsava forte só em se imaginar girando pelos palcos ao som de suas batidas favoritas. Com as pessoas perdidas no movimento de suas curvas, ou de suas tranças mexendo conforme seu corpo.

Parou em um banco para descansar enquanto terminava seu sorvete de pistache.

Após terminar o mesmo, jogou a embalagem no lixo ao lado de seu banco. Terminou o trajeto até seu apartamento. Retirou as chaves de sua bolsa, e abriu a porta do local. Jogou a bolsa com suas roupas cotidianas que trocara na hora do serviço para pôr seu uniforme de cor laranja. Foi diretamente para o chuveiro, tomando um longo banho enquanto esperava a água quente amaciar sua pele morena e bela.

Após sair do banho, jogou-se na cama amarrando seu cabelo em um coque. Pegou seu notebook e ligou em um dos seus doramas favoritos. Suspirou. Bem que poderia aparecer um coreano ricaço na lanchonete de tacos e se apaixonar perdidamente por ela. Riu desse pensamento.

(...)

Dormiu vendo suas séries de romance coreano. Sozinha em seus aposentos não precisava se preocupar em esconder seus olhos esverdeados cheios de lágrimas pelas cenas dramáticas do casal protagonista.

Sábado era um ótimo dia para ficar até tarde na cama, mesmo que depois do meio dia precisava ir trabalhar. O barulho estridente da campainha começou invadindo seus sonhos até ela perceber que aquele barulho vinha da realidade. Um pouco sonolenta, apenas calçou suas pantufas, derrubou alguns de seus vários ursinhos de pelúcia – qual ela tinha uma coleção estranha – e se dirigiu até a porta amarrando o roupão. Deu uma longa bocejada e quando abriu a porta, viu a sua tia com um sorriso tão largo que ela achou que iria rasgar seu rosto.

— Tia? Precisa de algo? – disse esfregando o rosto.

— Apenas pegue isso. – disse comprimindo os lábios em animação entregando uma embalagem para a morena.

— Entre. – disse antes de abrir a embalagem. Sua tia completamente animada por um motivo que ela ainda não sabia, sentou-se no sofá.

— Abre logo Kia! – disse animada.

— Calma. – disse sentando-se ao lado da mulher rasgando o papel delicadamente. Puxou os papéis brancos de lá de dentro.

— Leia em voz alta.

— Tudo bem. – pigarreou. — Parabéns, sua inscrição na Boarding School Califórnia foi efetu... – a voz da morena já enchia-se de empolgação. — AI MEU DEUS! – mesmo que ela não fosse muito de demonstrar emoções tão fortes como aquela, aquele momento era crucial. — T-tia... Eu... Eu... – ela sentou-se novamente pondo a mão na boca incrédula no que lia no papel.

“Kiana Ledé Brown foi aceita em uma das escolas dos seus sonhos.” — Pensou incrédula.

— O que você achou? – a sua tia falou com um sorriso contente no rosto. Kiana a olhou contendo as lágrimas dentro de seus olhos grandes. Não conseguia acreditar.

— Eu não sei o que dizer... Como você...?

— Isso não importa. – a mulher respirou fundo não deixando as lágrimas rolarem. Kia pulou para abraçar a mulher.

— ObrigadaObrigadaObrigadaObrigadaObrigadaObrigada. — Disse as palavras como se fossem uma só abraçando fortemente a mulher.

— Você merece meu amor, sempre se esforça tanto. – sorriu segurando o belo rosto de Kia em suas mãos. — E é uma menina tão boa para ter perdido os pais... – parou de falar devido as lágrimas.

— Não chore tia, se não irei chorar também. – riu. — E você sabe que eu não gosto de fazer isso.

— Você tem razão, esse momento é para ser feliz! Agora termine de ler a ficha. Aí consta tudinho. Desde o seu dormitório até as aulas extras que eles proporcionam lá. Não é você que ama cantar e dançar meu amor?

— SIM! Eu ainda não acredito! Você é a melhor pessoa desse universo! – disse abraçando a tia novamente após ler alguns trechos dos papéis. — Amanhã? Vou partir amanhã?!

— Sei que parece precipitado, mas acabei fazendo a inscrição um pouco tarde. – sorriu.

— Ai tia, eu vou sentir muito a sua falta! Não se esqueça de sempre me ligar hein!

— Nunquinha. – ergueu o mindinho e Kia cruzou o seu na da mulher a sua frente.

— Tia! Eu estou atrasada para o trabalho! – disse após olhar para o relógio na parede. A mulher gargalhou perante o desespero da morena.

— Então se arrume, eu posso te dar uma carona. – disse levantando-se do sofá.

— Tudo bem! Obrigadaaa! – disse correndo para o banheiro levando a mulher a rir novamente.


Notas Finais


Xoxo *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...