História A Era dos Caminhantes - Capítulo 107


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Apocalipse, Caminhada, Caminhantes, Contaminação, Drama, Ficção, Mortos, Mortos Vivos, The Walking Dead, Zombie, Zumbis
Visualizações 3
Palavras 1.109
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 107 - 9.2 Todos Unidos, Venceremos


I...

A noite fria chega, os Walkers estavam de volta ao CCD após acabar com os zumbis que estavam pelo caminho. Os milhares de vivos-mortos estavam longe assim como o som das buzinas que só era possível ouvir fazendo um pouco de silêncio o que não era difícil para Walkers. Eles estavam ansiosos, com um pouco de receio pelos grupos sobreviventes que ainda estavam lá fora. Mas a cidade estava banhada pela escuridão da noite, a lua minguante era a única luz no céu. Os Walkers decidiram não arriscar ir procurar por aqueles que haviam salvado eles. Certo ou errado, o que eles estavam fazendo era esperar ali no CCD. Wesley, Mika, Doug e Isabelle observaram de cima do muro quando o primeiro grupo apareceu desviando dos carros que ainda estavam em chamas no meio da rua. Eram os Nomades.

- Cadu, pode abrir o portão por favor. - Pediu Wesley.

Cadu e Cauê abririam os portões, os Nomades entraram exaustos, Marvin e Gilma estavam carregando dois corpos que foram colocados no chão enquanto Cauê e Cadu fechavam os portões. Wesley, Mika e Isabelle foram até os recém chegados.

- Estão mortos. - Informou Kawan. - Já cuidamos da transformação.

Wesley balançou a cabeça negativamente.

- Vocês não precisavam correr perigo pra ajudar... salvar a gente.

- Finalmente alguém que me entenda. - Bufou Lavinia. - Por mim nós estávamos longe daqui cara.

- Ninguém te obrigou a ficar garota. - devolveu Fabiana. - Podia fugir a hora que quisesse.

Lavínia empurrou Fabiana que teria caído no chão se não fosse segura por Fabricio.

- Estou arrependida de ter salvado vocês naquela rodoviária, foi a pior coisa que eu e meu grupo fizemos.

Lukas entrou na frente da garota.

- Cala a boca Lavinia. Você se arrependa sozinha se quiser. Nós fizemos aquilo porque era o certo a se fazer assim como o que fizemos hoje.

- Ei! Se acalmem - Mika interferiu. - Vocês salvaram a gente e temos dívidas com vocês. Também perdemos três amigos hoje e sabemos que dói muito isso. Vencemos essa batalha por eles que não morreram em vão.

Wesley encarnou Kawan.

- Vocês são bem vindos para ficar aqui. Temos alojamentos onde vocês podem tomar banho e descansar, amanhã faremos o enterro de seus amigos.

Kawan ergueu o olhar para ele.

- E os seus amigos mortos?

- Não conseguimos salvar os corpos deles.

Isabelle pediu licença e para começar agradeceu os Nomades.

- Vocês salvaram o que talvez seja o lugar mais importante do país. Esse é o Centro de Controle de Doenças. Se podemos acabar com aqueles bichos é aqui que isso vai começar.

- Então vocês começaram isso e tem a vacina só para vocês? - Lavinia estava claramente alterada, Lukas tentou fazer com que ela se calasse mas recebeu um tapa no rosto como reação. - Eu não vou ficar calada enquanto não ter uma recompensa por tudo que passei hoje.

- Não temos vacina. - Isabelle manteve a calma. - Ainda temos muito sobre esse vírus para descobrir.

- Loira burra, olha minha cara de ódiota.

Os Walkers se juntavam em volta dos amigos enquanto Lavinia fazia todo o alvoroço.

- Todos vocês são inúteis mesmo. - A garota sacou uma arma e atirou.

Mika rapidamente tirou uma flecha da aljava, armou a besta e soltou. Em um piscar de olhos Lavinia estava com uma flecha enterrada entre os olhos, seu corpo cambaleou para trás e caiu de costas. Walkers e Nomades assustados com tudo, seguiram o olhar de Mika que saia de sua vítima para encontrar Wesley que segurava Isabelle, uma mancha de sangue se formava na camisa da mulher na altura de seu peito. Isabelle tentou dizer algo para o Walker mas não conseguiu. Segurando o corpo da cientista, Wesley levou a mão fechando os olhos dela.

De cima do muro Doug observava tudo, mas teve que interromper quando ouviu um "podemos entrar" do lado de fora do CCD.

- Pessoal, os Mascarados chegaram.

Well fez sinal positivo com a cabeça para que Cadu e Cauê abrissem os portões. Os Mascarados entraram cautelosamente.

- Acho que não chegamos em boa hora. - Disse Bruno. - Podemos voltar amanhã se quiserem.

- Onde está o resto de vocês? - Perguntou Well ao ver que em vez de 14 Mascarados, só 8 estavam ali.

- Mortos. - Respondeu Livia tirando sua máscara que parecia uma mistura de bruxa com elfo, tinha um rosto branco, sobrancelhas longas, orelha pontuada e queixo também pontudo. Por trás da máscara uma mulher com seus trinta e poucos anos. - Os corpos estão em um caminhão que deixamos no meio da rua onde estão os carros em chamas.

- Foram vocês que fizeram o barulho todo? - Perguntou Julia.

Livia se sentou no chão, nem ela sabia se era por cansaço ou por se sentir a vontade ali.

- Não.

- Quando chegamos no começo da horda as buzinas começaram a tocar. - Contou Bruno. - Os zumbis começaram a voltar e cercaram as ruas que iríamos usar para chegar aqui. Nossa saída foi seguir o som junto com todos aqueles vivos-mortos e foi nessa hora que metade de nós foram atacados. Lopes e Larissa foram devorados na rua, os outros mesmo feridos com mordidas conseguiram chegar com a gente até os sobreviventes que ainda estão usando as buzinas para levar os zumbis pra longe.

- Não estou entendendo. - Interrompeu Leo. - Como chegaram aqui pra começar?

Luca levantou sua simples máscara preta, semelhante a que o herói Robin usava.

- Seguimos a direção que os zumbis estavam indo, os carros em chamas no meio da rua deixou meio óbvio que essa era a rua certa.

- Continua aí Senhor Vingança. - Leo gesticulou.

- Resumindo. - Continuou Bruno. - Nós encontramos o grupo que fez todo o barulho com as buzinas, eles estão usando caminhões, carretas, chamem do quiser. Eles emprestaram um caminhão pra gente vir até aqui.

- E para onde esses caminhoneiros estão levando a horda? - Perguntou Well.

- Não sei se vão levar todos os zumbis para algum lugar, mas eles estão destruíndo os bichos. - Falou Livia, agora se deitando no chão, seu filho André se sentou ao seu lado. - E quando terminarem de destruí-los, com certeza irão vir pra cá.

Wesley ficou de pé diante de todos com Isabelle nos braços, em silêncio observando todas aquelas pessoas que haviam perdido amigos para salvar ele e os Walkers. Por quê todos aqueles grupos se arriscaram para ajudá-los era uma questão boa, a final de contas era uma prova de que pessoas espertas existiam e que essas também procuravam por outras pessoas espertas para juntar forças...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...