História A escrava do meu irmão (um conto ItaSaku, SasuSaku) - Capítulo 54


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Haruno, Hime, Itasaku, Naruto, Sakura, Sasusaku, Uchiha
Visualizações 619
Palavras 3.561
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo, minna *-*
Eu me esqueci de agradecer a todos vocês por ter alcançado os 1.000 favoritos! Arigato Gozaimasu, minna-san! Vocês são fodas! Desculpem nao ter respondido os comentarios do cap passado, prometo responder os deste, só se comentarem bastante!
Boa leitura!

Capítulo 54 - Protegidos


Fanfic / Fanfiction A escrava do meu irmão (um conto ItaSaku, SasuSaku) - Capítulo 54 - Protegidos

Tirando todo o fato de ser filha de Orochimaru e secretamente trabalhar para ele, Panko tinha sido a melhor amiga de Itachi por muito tempo, quando Sakura partiu para o País das Flores por diversas vezes que Itachi quase perdeu o controle de sua vida e nessas horas era Panko quem o ajudava, mesmo mantendo relações mais intimas, os dois tinham mais amizade que qualquer outra coisa e uma parte de Itachi tinha certeza de que ela viria.

 Finalmente a carruagem mandada com Deidara chegou e Itachi se aproximou para recebe-la, continuou usando os cabelos loiros e os olhos azuis, Itachi os preferia assim, desse jeito não se lembrava do odioso pai dela.

 - Panko. – ele se aproximou.

 - Itachi. – ela se curvou, mas logo aceitou o abraço dele.

 - Obrigada por vir. – disse Itachi com sinceridade.

 - O passado entre nós pode ser conturbado, mas permitiu que eu vivesse, não deixaria você na mão. – disse ela.

 Itachi a guiou pelos corredores até o quarto real onde Sakura estava, nos quase quatro dias que Panko demorou para chegar Sakura sentiu cada vez mais dor e todos os dias Shizune tentava novas formas de nutrir o útero da rainha falhando em cada uma, a esposa de Itachi era forte e transparecia isso, mas estava abatida, pálida e claramente cansada por envolver os bebês e chakra por todo esse tempo.

 - Panko. – ela tentou sorrir – Eu sabia que viria.

 - Eu nunca recusaria nada a você, minha amiga. – disse Panko se aproximando e beijando a mão de Sakura, olhou Shizune – O que eu posso fazer?

 Itachi se sentou ao lado de Sakura segurando sua outra mão e acariciando sua barriga.

 - Precisamos nutris o colo do útero da rainha, existem ervas que podem dar essa nutrição, porem a forma pastosa não é eficaz. – disse Shizune pausadamente – O mais satisfatório seria incinerar essas ervas e é ai que você é necessária, deve separar a fumaça carbônica dos nutrientes e levar até o colo do útero da rainha, será desconfortável para ela, mas é necessário.

 - Acha que pode fazer isso, Panko? – perguntou Itachi, a loira parecia analisar a situação com muito cuidado.

 - Posso. – disse Panko por fim – Névoa é minha especialidade.

 - Graças a Kami. – soltou Itachi minimamente aliviado e sentindo a esposa relaxar um pouco.

 - Eu só preciso de alguns minutos para concentrar energia natural para usar a magia. – disse Panko.

 - O tempo que precisar. – disse Sakura de forma fraca.

∞∞∞

 Ao contrário do que todos pensavam, magia branca era muito mais poderosa que magia negra e precisava de muito mais força para ser utilizada. Desde sempre Panko utilizou magia negra por influência de seu pai, seu corpo respondia perfeitamente à magia negra, e agora ela não fazia ideia de como reagiria a magia branca, mas precisava tentar, por Sakura.

 Enquanto a médica colhia as ervas nutritivas, Panko meditou e juntou o máximo de energia natural que pôde, tinha banido a grande magia do próprio corpo por muito tempo, praticava pequenos atos mágicos naquele ano, mas não passava disso, mas precisava voltar a ativa.

Quando voltou ao quarto real a noite já começava a cair, Sakura já estava deitava sem a rouba debaixo e com ar pernas levantadas, coberta apernas por um lençol de linho, Itachi estava ao seu lado segurando sua mão claramente preocupado. Havia uma cuia de pedra cheia de ervas sortidas, Panko se concentrou e acenou para a medica.

 Assim que o fogo começou a consumir as ervas a bruxa posicionou as mãos e começou a praticar a sua magia, o fogo e as ervas foram envoltos em uma redoma purpura, Panko sentia a magia correndo por suas veias e a energia a tomar, mas logo seus músculos começaram a se contraria por não reconhecerem aquele tipo de magia.

O fogo queimava rapidamente e a fumaça que subia ficava presa dentro da redoma roxa, assim que as chamas apagaram ela fechou os olhos e se concentrou naquela fumaça, começou a separar a fumaça negra e carbônica de uma fumaça branca e nutritiva, a cabeça de Panko começou a pulsar, mas ela não podia parar e continuou, separou as fumaças em suas redomas diferentes e estourou a carbônica deixando-a se dispersar, a fumaça branca começou a se transformar em vapor leve e mais aderente a pele, consequentemente ao colo do útero de Sakura.

 Dispensou a ultima redoma de energia purpura manipulando o vapor dessa vez, precisava aguentar aquele poder, precisava se manter firme ao virar-se para a rainha, Shizune levantou o lençol expondo Sakura, a rosada ativou seu ponto na testa envolvendo os bebês em puro chakra.

 Panko afinou o máximo que pôde o vapor para não ser muito nocivo à Sakura quando adentrasse, assim que Sakura foi invadida lentamente pela fumaça nutritiva, Sakura apertou a mão de Itachi fazendo uma careta. A loira não conseguia ver, usou a magia para se guiar, se avançasse mais que o necessário podia romper o colo do útero e causar o pior.

 Ao atingir o local almejado parou e esperou que o útero de Sakura absorvesse o vapor só então parou com a magia gerando ao seu corpo um alivio de estresse muito grande, quase avassalador.

 - Está feito. – disse ela enquanto a médica cobria Sakura.

 - Minha rainha, como se sente? – perguntou Shizune, Sakura encostou a cabeça no peito de Itachi.

 - Muito... cansada. – ela fechou os olhos, o rei se preocupou.

 - O que está havendo? – perguntou Itachi.

 - Ela não é uma bruxa e foi tocada por magia, sua energia inteira foi sugada, ela precisa descansar. – disse Panko sentindo o corpo adormecer – E eu também, com licença, majestade.

 Ela cambaleou até o quarto designado a si, fechou a porta e se apoiou em uma das mesinhas de decoração, seu forte realmente não era magia branca, mas precisava se manter firme, andou até o espelho encontrando uma mecha negra em meio ao seus cabelos dourados, sinal de exaustão, sua aparência externa forjada em magia estava de desfazendo, precisava descansar.

∞∞∞

 Quando Sakura acordou no outro dia estava muito melhor, já não sentia-se cansada ou com dores, porém Itachi não a deixou se levantar até que Shizune a examinasse, a médica a tocou mais uma vez e suspirou aliviada, Panko tambem estava com eles.

 - O colo do útero está muito mais hidratado e forte, como um normal e saudável. – disse Shizune.

 - Graças a Kami. – Sakura sorriu recebendo um beijo na testa de Itachi.

 - Mas como os nutrientes não vem naturalmente, Panko precisará refazer o procedimento pelo menos uma vez a cada dois dias. – disse a médica, Sakura olhou para Panko.

 - Não vou lhe forçar a nada, Panko. – disse Sakura a ela – Itachi me disse como ficou cansada ontem.

 - Eu faria tudo de novo, na verdade eu farei. – disse ela sorrindo para Sakura – Se eu me cansar é só repousar por algumas horas.

 - Então podemos voltar para o palácio real. – disse Sakura aliviada.

 - Não é perigoso? – perguntou Itachi – Posso dar um jeito de ficarmos aqui pelos três meses que restam.

 - Meu rei, com as doses de nutrientes que Panko levará até ela, a rainha terá uma gravidez saudável, podem voltar pro palácio. – disse Shizune.

 Sakura assentiu virando-se para Itachi que ainda parecia preocupado.

∞∞∞

 As servas de Ino lhe trouxeram um chá para amenizar as cólicas menstruais, Ino se sentou em um dos divãs do imenso quarto para tomar o chá enquanto outras servas trocavam os lençóis manchados, já tinha colocado seus panos, mas ainda se sentia desconfortável no próprio corpo.

 Sasuke adentrou achando estranho a movimentação de tantas servas em seu quarto, Ino dispensou todas permanecendo com a xicara de chá.

 - Está tudo bem? – perguntou o Uchiha, Ino tomou mais um gole.

 - Está, apenas minha cólica menstrual que é muito forte. – disse a loira, Sasuke murchou um pouco e Ino sabia o motivo, sentiu-se mal e suspirou.

 - Menstrual... – ele sussurrou virando as costas.

 - Sasuke, ainda é cedo. – disse Ino tentando amenizar as coisas, Sasuke se virou para ela com um meio sorriso forçado.

 - Está tudo bem. – mentiu. Ino sabia que não estava e podia entende-lo também, deitavam-se todos os dias, as vezes mais de uma vez por dia e estranhamente Ino ainda não tinha um filho de Sasuke preso dentro de si.

 - Não está. – disse ela colocando o chá sobre a mesa e se aproximando dele segurando sua mão – Vamos ter um bebê, Sasuke.

 - Não se sinta pressionada, Ino, está tudo bem. – disse ele ainda fingindo o sorriso – A culpa não é sua.

 - E nem sua. – disse a loira – Meu amor, só está muito estressado com tudo, e quanto mais pensar nisso mais difícil ficará, quando for a hora Kami nos dará um filho lindo.

 - Eu não consigo parar de pensar que talvez.... todo esse tempo... – começou Sasuke desfazendo o sorriso e abaixando a cabeça – O problema fosse meu e não de Karin.

 - Querido, você teve Deisuke! Não é infértil! – disse a Uchiha levanto uma mão ao seu rosto.

 - Quando eu tinha dezessete anos, talvez com o tempo o meu corpo... – começou o Uchiha. Ino se colocou nas pontas dos pés tomando seus lábios e o calando no processo, Sasuke aceitou o beijo estendendo-o por alguns minutos a mais.

 - Não fale besteira, Uchiha. – disse ela o olhando nos olhos – Vamos conseguir, só estamos casados há pouco mais de um mês, logo teremos um outro Deisuke por ai.

 - O mundo não suporta outro Deisuke. – disse Sasuke dando um pequeno sorriso, Ino riu o abraçando forte.

∞∞∞

 Voltaram para o palácio real e só então Sakura escreveu para a família contando tudo, ela sabia que Tsunade de preocuparia e viria até Konoha um pouco antes de fazer o parto para se certificar que tudo estava bem.  

 Sakura acordou bem disposta naquele dia, tocou piano com Sumire, brincou um pouco com Sakumo mesmo sentindo os bebês se agitarem cada vez mais. Recebeu uma carta do antigo território de Kiri, leu e logo foi ter com Panko que tinha se tornado uma companhia indispensável.

 - Ino e Sasuke estão tentando ter um bebê. – disse Sakura pegando seu cálice de suco gelado – Mas não estão tendo sucesso.

 - Talvez os boatos sejam verdadeiros e o príncipe seja estéril. – disse Panko e Sakura a olhou horrorizada.

 - Ele tem um filho de onze anos, Panko. – argumentou.

 - Alguns homens se tornam inférteis depois de um tempo. – continuou a loira bebendo seu vinho – Ele não conseguiu ter outro filho com a primeira esposa, ela se deitou com Suigetsu e apareceu grávida, ele se deitou com você e não concebeu um filho no seu ventre que aceitou um filho de Itachi com perfeição uma semana depois.

 - Que horror, Panko, eu não acredito nisso. – disse Sakura – E não concebemos um filho porque não estava em meu período fértil, agora não fale mais nisso, Itachi não gosta.

 - Você nunca me disse como Itachi lida com vocês todos juntos. – disse a loira curiosa – Ele sente ciúme?

 - Itachi sabe que sempre existirá um sentimento entre Sasuke e eu, seja carinho, gratidão, cumplicidade... qualquer coisa, é impossível viver o que vivemos e simplesmente acabar de uma hora para outa. – disse a rosada olhando a amiga – Mas Itachi sabe também que tanto Sasuke quanto eu o amamos mais, Sasuke se apaixonou verdadeiramente por Ino enraizado em sentimentos antigos já existentes. Quando estamos todos juntos ele se sente bem com a harmonia.

 - Eu fico realmente feliz por vocês duas, encontraram os homens de suas vidas e a felicidade. – Panko sorriu.

 - Você também pode encontrar, é uma mulher bonita, inteligente, qualquer homem de desejaria. – disse Sakura afagando a barriga.

 - Nunca foi meu sonho casar e ter filhos, na verdade eu nunca tive outro sonho senão realizar o sonho de meu pai. – disse a mais velha – Além do mais acho que não faz parte de minha punição por traição ser feliz.

 - Acha que não merece ser feliz e está enganada. – disse Sakura convicta – Um dia encontrará alguém que conhece seu passado, que o aceita e te aceita apesar dele. Então seu coração vai bater mais forte e não terá como escapar disso, estará presa a ele.

 - Achei que quisesse o melhor pra mim, Sakura. – ela riu e Sakura também.

∞∞∞

 Itachi encontrou Sakura no pomar ela estava encarando a macieira verde fixamente com as mãos na cintura, o rei se aproximou beijando o rosto da mesma e lhe chamando a atenção.

 - O que faz aqui que não está em suas cerejeiras, meu amor? – perguntou ele.

 - Que bom que está aqui, Itachi. – ela sorriu – Eu quero aquela maçã bem ali.

 - E por que não pega essas mais baixas? – perguntou o Uchiha.

 - Porque aquela está brilhando e eu estou com desejo nela! – disse a rosada – Pega pra mim, amor?

 Ela tinha um biquinho quase infantil no rosto, Itachi olhou para a maçã que Sakura queria, a maior e mais longe do chão também.

 - Mas por que aquela se as outras mais baixas são idênticas, Sakura? – quis saber, o humor que antes já era instável da rosada mudou mais uma vez, ela fechou a cara.

 - Tudo bem então, Itachi, se você não se importa de um dos nossos filhos nascer com cara de maçã verde, tudo bem. – ela virou as costas e Itachi riu segurando seu braço.

 - Claro que eu pego meu amor. – disse ele andando até a árvore.

 Na verdade subir foi bem fácil, trepou em alguns galhos até alcançar aquela que a esposa queria, colheu a maçã grande e suculenta descendo apenas com uma mão, ao entrega-la para Sakura encontrou a esposa com um lindo sorriso no rosto, como uma criança que recebia um brinquedo.

 Ela deu uma grande mordida e mastigou devagar enquanto Itachi afagava seus cabelos sorridente, ela sorriu engolindo com felicidade.

 - Está boa? – perguntou o Uchiha.

 - Muito. – ela colocou a maçã na mão do marido – Mas eu não quero mais.

 - Nani? – perguntou Itachi sem entender.

 - Eu só queria experimentar. – disse a rosada de forma despojada – Agora não quero mais.

 - Só pode está brincando comigo. – disse o rei.

 - Desejos, anata, desejos. – ela saiu andando deixando Itachi no pomar.

∞∞∞

  Panko saiu do quarto da rainha depois de mais uma sessão de magia para proteger os bebês, era a decima quinta, já havia se passado um mês. Panko estava mais que exausta e usava sua ultima gota de energia para manter a aparência, despediu-se do rei já que a rainha já estava adormecida, fingiu estar bem, até sair do quarto. Sentiu-se tonta e precisou se apoiar em uma parede.

 - Panko-san? – Deidara se aproximou a amparando – O que houve, hm?

 - N-Nada, estou bem. – disse ela se ajeitando – E-Eu só...

 Panko não conseguiu terminar e foi vencida pelo cansaço, se não fosse por Deidara ela cairia no chão, o loiro pegou a moça nos braços extremamente preocupado, levou-a até os aposentos dela, a sentando na cama.

 - Eu vou chamar alguém, hm. – Deidara começou a se afastar, mas Panko segurou seu braço.

 - Não, onegai Deidara-san. – disse ela – Eu só tenho usado muita magia... v-vou ficar bem.

 - Está pálida, mal consegue se manter de pé. – disse o loiro se abaixando na altura dela.

 - É magia demais. – sussurrou a loira que já deixava de ser loira. Lentamente os cachos dourados transformaram-se em sedosas ondas negras e ela sentiu os olhos mudarem para o dourado riscado no meio.

 - Seu cabelo. – disse o loiro pasmo, Panko abaixou a cabeça, algo nela não queria que ele visse sua aparência verdadeira – Então é assim que se parece sem magia, hm.

 - G-Gomèn, saia por favor, não quero que me veja assim. – disse Panko.

 - Por que se esconde? – perguntou o escudeiro – Fica mais fraca ao fazer isso, então por que o faz?

 - Me olhar no espelho é lembrar do que meu pai fez. – disse de forma triste – Me mostrar assim para outros é lembra-los também, uma cobra vestida de seda ainda é uma cobra.

 - Não precisa se esconder de todos, olhe pra mim, me deixe ver seus olhos. – disse Deidara em um tom brando.

 - Eles são assustadores. – disse Panko tremendo, ela mesma não via os olhos há meses.

 - Me deixe vê-los. – insistiu. A bruxa levantou o olhar para o loiro, Deidara arregalou um pouco os olhos de forma assustada, Panko não se surpreendeu, já esperava essa reação, todos no mundo que viram seus olhos pela primeira vez tiveram aquela reação, todos menos seu pai – São como os de uma cobra, hm.

 - Eu lhe avisei. – disse Panko – Pode sair agora.

 - Se você se sente melhor com olhos azuis e cabelos dourados é um direito seu mantê-los, mas se faz isso por causa dos outros deixa de ser dona do seu corpo. – Deidara começou a se afastar, parou na porta e se virou para a (agora) morena na cama – Eu gosto de você assim, hm.

 Ele saiu fechando a porta, Panko se deitou e antes de pegar no sono sorriu.

∞∞∞

Dois meses depois...

 Como Sakura previra a família veio para Konoha uma semana antes do festival Rinne, Sakura já estava no final de sua gravides e provavelmente a família ficaria até o nascimento dos bebês, a neve já caia em Konoha e logo Sasuke, Ino e Deisuke chegariam também para passarem o festival Rinne juntos.

 - Pelo tamanho e posição mais duas semanas ou três. – disse Tsunade com as mãos na barriga da neta deitada – Assim que o ano virar veremos esses bebezinhos.

 - Eles estão se movendo muito. – disse Sakura sorrindo – Itachi acha que são duas meninas.

 - Duas meninas? – perguntou Mebuki surpresa – Geralmente um homem quer pelo menos um filho homem.

 - Mas ele já tem Sakumo, okaa-chan. – disse Sakura – E quer ter meninas agora.

 - Mas ele já tem uma menina. – disse Tsunade se sentando.

 - Preciso contar uma coisa sobre Sumire. – disse Sakura.

 A rosada contou tudo sobre a historia de Sumire, as mulheres Haruno escutaram tudo boquiabertas, não acreditavam que um monstro como Fugaku poderia existir.

 - Meu Kami. – disse Tsunade incrédula.

 - Esqueça isso, preciso dizer que estou encantada com a atitude de Itachi. – disse a mãe de Sakura – Ele tinha tudo pra repudiar essa menina, mas o amor dele não mudou nada, eu os olhos juntos e só vejo o mais puro amor.

 - Eu também amo Sumire, ela é minha filha e me aceitou como mãe dela, mas ainda assim não deixo de admirar Itachi. – disse Sakura encantada – E ele não quer que ela saiba de nada, pra ele é como se nunca tivesse acontecido.

 - E isso é muito nobre. – disse Tsunade – A menina está muito melhor assim, todos estão.

 Panko adentrou, ela tinha adotado de vez os cabelos negros e os olhos dourados, Sakura gostava assim também e a amiga nunca tinha dito o que lhe levou a essa decisão, mas apesar do choque inicial de vê-la daquele jeito todos os dias, ficou feliz por saber que tinha sido uma mudança mais interior que exterior.

 - Sinto muito interromper, mas é hora da sua sessão, Sakura. – disse Panko.

 - Ainda temos que manter essas belezinhas aqui por mais algumas semanas. – disse a rainha.

...

 Uma semana depois todos estavam em Konoha, uma enorme festa para o banquete de festival Rinne foi organizado por Mikoto devido a gravidez avançada de Sakura. Os nobres de divertiam, Sasuke e Ino dançavam pelo salão assim como outros, Itachi conversava com Kizashi e Sakura estava com a mãe e a avó.

 As ultimas semanas da gravidez sempre vinham acompanhadas de cólicas terríveis, mas naquele dia estavam piores, ainda faltavam duas semanas, Sakura tinha medo das que viriam depois.

 Sentiu uma mais forte e mais nociva, não era uma cólica, parecia mais como uma... contração! A rainha parou de falar colocando a mão na mesa, era cedo, não podia sentir contrações agora, talvez estivesse apenas confundindo...

 Outra, um tanto mais forte, gemeu segurando a barriga.

 - Sakura, está tudo bem? – perguntou Mebuki.

 - E-Eu não sei, é estranho. – disse Sakura suspirando, logo gemeu de dor de novo – Kami! Estou com contrações.

 - Calma, querida, não pode ser. – disse Tsunade – São cólicas mais fortes, venha, andar um pouco ajuda.

 - H-Hai. – disse a rainha de Konoha, Tsunade e Mebuki a ajudaram a levantar, nessa hora uma contração terrível atingiu Sakura que precisou dobrar um pouco os joelhos gemendo mais alto chamando atenção dos presentes, Itachi veio correndo do outro lado da sala imediatamente.

 - Sakura! O que foi? – perguntou ele se aproximando.

 - Tá doendo. – disse ela assustada, sentiu algo descer por suas pernas, molhado e quente até acumular-se no chão, seu uma passo para trás revelando uma poça de água, Sakura arregalou os olhos – Minha... bolsa...

 - Mas é cedo. – disse Itachi desesperado – Tsunade-sama, o que está havendo?

 - Dois bebês apressados resolveram conhecer a mamãe e o papai antes da hora. – disse Tsunade se respirando fundo e chamando uma das servas – Preparem o quarto de partos, tragam toalhas, água morna e gelada além de duas das barras de ferro mais resistentes que possam encontrar.

 - Hai, milady. – disse a serva saindo.

 - Tsunade! – disse Itachi.

 - Seus filhos vão nascer, garoto. – disse a loira – Feliz festival Rinne.

 Sakura soltou um grito ao ser pega por outra contração. 


Notas Finais


OOOOPA, seria um novo casal dando as caras? Teremos bebes no proximo cap?
COMENTEM!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...