História A Essência - Um só coração. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Tags One Direction
Exibições 4
Palavras 4.767
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá pessoal...
Mais um capítulo para vocês... Não tenho certeza se ficou muito bom...
Mas... espero que gostem..

Capítulo 15 - Party - part I


Fanfic / Fanfiction A Essência - Um só coração. - Capítulo 15 - Party - part I

Um dia antes para a festa...

   

    Harry e Roxanne estavam sentados dentro de um carro que estava parado em frente a um hotel. O relógio marcava 20h. E eles estavam parados ali há meia hora.

    - Como soube que eles estavam aqui? – disse ela.

    - Eu tenho as minhas fontes. – disse ele.

    - Acha que...?

    - É. – disse ele a interrompendo. – Eles vão sair. Confie em mim.

    - Eu confio. – disse ela se rendendo. Ela abriu a boca para falar alguma coisa, mas desistiu.

    O silêncio já estava incomodando ambos quando ela finalmente abriu a boca.

    - Eu sinto muito. – disse ela tentando não demonstrar fraqueza. – Sinto muito pelo seu filho. O que o Liam fez foi...

    Harry encostou-se ao assento do motorista.

    - Não quero falar disso agora. – disse ele sério a interrompendo. – Mas obrigado.

    - Eu abortei. – disse ela com um peso em sua voz. Harry a encarou surpreso.

    - Eu não sabia. – disse ele. - Sempre achei que você quisesse filhos.

    - E eu quero. Com alguém legal. Que vale a pena. 

    - Como o policial? – Roxanne o olhou confusa, mas não o interrompeu. - Há quanto tempo trabalha com um policial, Roxanne? – disse ele olhando para frente sem encará-la.

    - O quê?

    - Eu estou falando do Niall. – disse ele se virando para encará-la. – Se descobrirem você está ferrada.

    - Eu sei disso. – disse ela. – Mas Harry, eu não trabalho com ele. Só o coloquei onde está.

    - Pior ainda. – disse ele. – Vão mandar você matá-lo. E quando você não conseguir, eu vou ter que me envolver.

    - Eu nunca pediria para você se envolver. – disse ela. – Quanto mais longe melhor, não é?

    - Você já se ouviu? – disse ele se exaltando. – Se te matassem eu ia ter que me vingar, você é minha irmã, droga! E é ruim para os negócios.

    - As coisas mudaram, Harry. – disse ela. – Você se afastou.

    - As coisas não mudaram, Rox. – disse ele. – Eu ainda sou a mesma pessoa. Eu só conheci alguém e não queria que ela se envolvesse nisso.

    - Ótimo trabalho. – disse ela. – Ela está envolvida nisso até o pescoço, Harry. E você fica aí falando de mim quando você se casou com uma policial. E eu não tenho nada com o Niall.

    - Diz isso agora. – disse ele. – Eu vi o jeito que ele olha para você. – Ambos olharam para a entrada do prédio. Ela soltava o ar ferozmente pela boca. Roxanne pretendia dizer algo, mas seus pensamentos não chegaram até sua boca. - Está zangada porque não ganhou um convite para o casamento. – Ela revirou os olhos. – Se serve de consolo foi uma cerimônia simples. – disse ele a olhando de soslaio. - Mas, Roxanne, ele é um policial, segue ordens, não dá para confiar totalmente. Você viu a foto que te mostrei hoje.

    Harry fixou seu olhar para a entrada do hotel.

    Roxanne riu fraco.

    - Verônica sempre foi muito bonita, formosa isso não me espantaria.

    - Como é que é? – disse ele erguendo uma sobrancelha e se virando para encarar a irmã. Que o encarou de volta.  – Você está de brincadeira, não é?

    - Você não concorda, porque tem mais afinidade comigo e não com ela. – disse ela. – Mas vamos cair na real. Marcos, Derek, Liam,...

    - Pelo que me lembro você roubou o Derek dela. Eu fico feliz que você superou o Liam. – disse Harry. – Ele não é homem para você.

    - O policial também não, não é?

    - Eu gosto do Niall. – disse ele. – Espera um minuto, o Liam não era o pai do seu...

    - Não! – disse ela rapidamente. - Eu não te entendo às vezes, sabia?

    - Ah, eu me casei com uma policial. Você mesmo disse. – disse ele com um leve sorriso. – Não deveria levar a sério tudo o que eu digo. E Josephine teve três lindos filhos. E isso não inclui a Verônica. Aquela peste tornou a minha vida complicada dês de sempre.

    Roxanne gargalhou seguida por Harry.

    - Para quem vive fora da mente, isso é fichinha. – disse ela entre risos.

    - Está insinuando o quê?

    - Nada. – disse ela olhando para Harry atentamente. – Senti sua falta.

    - Eu acho... – disse ele tentando ficar sério o que não deu muito certo. – que... você amoleceu. – disse entre risos. – Não é mais a durona de quem eu me lembrava.

    Roxanne deu um tava no ombro de Harry, mas acabou rindo junto com ele. 

    - Olha lá. – disse ela.

    Os dois olhavam atentamente para a entrada do hotel e viram Verônica, que usava um casaco preto, junto com Marcel, ou Jack, e o moreno alto ao lado deles Stefan.

    - Previsível, não é? – disse Roxanne colocando o casaco preto que estava no banco de trás do carro. – Sempre com um casaco preto. – disse abotoando os botões. Harry os olhava atentamente enquanto eles aguardavam o carro. – Tenha cuidado ao segui-los. Mantenha sempre dois carros de distância e...

    - Não é a minha primeira vez. – disse ele a interrompendo.

    - Eu sei. – disse ela abrindo a porta do carro e nesse momento um carro se encostava e os três que aguardavam na calçada entraram no carro.

    - Vê se acha alguma coisa interessante. – disse ele enquanto ela saia do carro.

    - Tenha cuidado. – disse ela batendo a porta do carro.

    Harry arrancou com o carro e Roxanne atravessou a rua prendendo os cabelos em um coque. Uma vez dentro do hotel caminhou seguindo para o elevador quando foi abordada por um empregado do hotel.

    - Senhorita Verônica algum problema?

    - Sim. – disse Roxanne. – Eu esqueci as chaves do quarto e preciso pegar uma coisa lá. Pode me ajudar?

    - É claro. – disse o rapaz de olhos gentis que caminhou apressadamente até a recepção. E em poucos segundos voltou com um cartão que abre a porta do quarto. – Aqui está.

    - Obrigada. – disse ela entrando no elevador e olhando brevemente para o cartão. O quarto era na cobertura. E Roxanne sabia disso antes mesmo de entrar no hotel. Marcel e Verônica adoravam se hospedar com as melhores vistas em luxuosas coberturas. 

    O rapaz voltou até a recepção.

    Roxanne encarou o espelho dentro do elevador assim que as portas se fecharam.

    - Como é que ele me confundiu com ela. Tudo bem que somos irmãs, mas... Eu não pareço tanto com ela assim. Pareço mais com a Ruby. A não ser é claro que seja uma armação. – ela estreitou os olhos e foi rapidamente passando a mão pela cintura a procura de sua arma. – Que droga! – disse fechando os olhos quando não encontrou.

    A porta do elevador de abriu no último andar. Ela caminhou até a porta do quarto e o abriu com o cartão. Não avistou ninguém no interior então entrou apressadamente. Sobre a mesa tinha umas plantas da mansão de Alexandre. Estavam planejando explodir tudo. Seus olhos se arregalaram.

    - Que droga! Marcel e sua fome por poder, já que Jason vai estar lá também. Isso aqui é uma beleza. Só precisa de um incentivo certo. – disse ela para si enrolando as plantas e os papeis que estavam sobre a mesa.

    - Temos um problema. – disse Zayn a Niall pelo ponto eletrônico.

    Ela deixou sobre a mesa e caminhou até o quarto abriu o armário e avistou o cofre.

    A porta do quarto se abriu lentamente e um homem com botas pretas entrou, a passos largos, ele examinava tudo em volta e ao olhar para a mesa sabia que alguém esteve mexendo ali. Ele tirou a jaqueta e colocou sobre uma poltrona e seguiu para o quarto a passos lentos, evitando fazer muito barulho.  

    - Qual é a sua senha?

    - 2319 – disse um homem ao avistá-la agachada perto do cofre.

    Ela se virou para ver quem era. E avistou aquele homem alto, careca e com cicatrizes de guerra. Assim parecia.

    - Quem é você? – disse ela.

    - O que está fazendo aqui?– disse ele a encarando atentamente enquanto ela ameaçava a se levantar.

    - Eu sou a irmã da Verônica. – disse Roxanne se levantando.

    - Eu percebi. – disse ele friamente reparando na semelhança delas. – Não respondeu a minha pergunta.

    - E você não respondeu a minha. 

    - Meu nome é Stan Flowers.

    - Flowers? – disse ela estreitando os olhos. – Eu nunca mais vou pensar em flores do mesmo jeito.

    - Engraçadinha você. – disse ele sorrindo secamente.

    - Eu estou aqui adquirindo algumas informações, Stan? – disse ela pronunciando o nome dele pausadamente.

    Ele moveu a mão direita para trás e tirou sua arma que estava presa no cós de sua calça jeans escura.

    - É uma pena que não vai sair daqui com elas. – disse ele apontando uma arma para Roxanne que engoliu em seco.

    - O que é? Pode resolver? – disse Niall a Zayn.

    - Ah, não. – disse Zayn. – Eu estou te enviando as imagens. 

    Roxanne sorriu fraco dando um passo para mais perto de Stan.

    Ela empurrou a mão de Stan, o fazendo disparar para o outro lado e logo depois a arma caiu no chão.

    Os dois começaram a lutar.

    Stan era barra pesada e Roxanne não deixava por menos se defendia e quando teve a oportunidade acertou um belo de um soco na cara de Stan que o fez recuar um pouco.

    - Minha nossa! – disse ele limpando o sangue que escorria de sua boca. – Eu vou gostar disso. Finalmente alguém que vale a pena matar.

    Sem piedade Stan atacou Roxanne e a acertou, mas ela não caiu no chão. Ele a agarrou pela blusa e a arremessou. Ela passou por cima da cama e rolou no ar até alcançar a parede aonde finalmente chegou ao chão, ele caminhou e a levantou pela camisa. Ela estava um pouco grogue.

    - É tão mais fácil quando não resistem.

    Roxanne enfiou o dedo dentro do olho dele que gritou de dor.

    - AH, sua vadia! – disse ele.

    Ela correu para a sala, mas ele a agarrou por trás fechando bem os braços em volta do seu peito.

    - Sabe o que eu vou fazer? – disse ele no ouvido dela. – Eu vou matar você e depois vou transar com o seu cadáver. Vai gostar disso?

    - Seu doente. – disse ela jogando a cabeça para traz batendo na cabeça dele e depois impulsionando seu corpo para frente. Com isso se livrou do grande aperto, que era aquele abraço. Se é que podemos chamar assim.

    Roxanne se levantou rapidamente e eles começaram a se atacar com chutes e alguns socos. Ela se apoiou na mesa que estava atrás dela, sua respiração era pesada. Stan a atacou e com um movimento rápido ela estava deitada sobre a mesa. 

    - Você é o mais próximo do local. Por que ainda não está lá? – disse Zayn a Niall.

    Stan começou a dar socos e Roxanne se defendia, nenhum até agora havia acertado seu rosto.

    - Ai. Ela está levando uma surra. – disse Zayn a Niall. – NIALL! – vociferou ele.

    - Para de gritar na minha cabeça. Eu já estou chegando, já estou avistando o hotel. – disse Niall a Zayn.

    Roxanne envolveu as pernas na cintura de Stan e se defendendo conseguiu abrir uma brecha e agarrou a nuca de Stan com a mão direita o puxando, prendendo a cabeça dele debaixo do seu braço direito. Não podendo mover os braços, para sair daquela situação, ele segurou nas coxas de Roxanne e ergueu seu corpo, deu alguns passos e a imprensou no armário com força, fazendo o vidro do mesmo se quebrar. O que a fez afrouxar o braço e as pernas com a pancada na cabeça.

    Com movimentos mais abertos ele a arremessou e ela caiu metade dentro do quarto e metade na sala. Ela avistou a arma caída no chão do quarto e se engatinhou para pegar quando sentiu uma mão agarrar seu tornozelo a puxando de volta para a sala. Roxanne começou a chutar sem saber o que estava chutando e com muito custo conseguiu que ele largasse seu tornozelo. Ela alcançou a arma e voltou para a sala o mais rápido que pode.

    A essa altura ambos tinham a respiração ofegante. Stan estava perto da porta, já de pé, e levantou as mãos quando viu que ela apontava a arma para ele.

    - Sabe usar isso aí, gatinha?  

    - Engraçadinho você. - disse ela sorrindo secamente. 

    A porta se abriu e Niall entrou, Stan aproveitou que Roxanne desviou o olhar por um segundo e saiu do quarto de hotel.

    Roxanne deu dois disparos, no susto, tentando acertar Stan. O segundo disparo quase acertou Niall que arregalou os olhos azuis.

    - Cuidado!

    - O que está fazendo aqui? Sai da minha frente. – ordenou ela quando ele a impediu de sair pela porta e ir atrás de Stan.

    - Não!

    - Sai da minha frente ou eu atiro em você. – disse ela estendendo o braço direito e apontando a arma para ele.

    - Roxanne!

    - Você deixou de me contar algumas coisas, não é? – disse ela furiosa. – Por que não fala agora?

    - Eu falo quando você abaixar essa arma.

    - Háhá. Eu vou atirar em você. Eu não estou brincando. – disse ela. - Você e minha irmã! Eu não acredito.

    - Eu não tenho nada com a sua irmã. – disse ele. - Estamos vigiando eles algum tempo. Como acha que eu cheguei aqui.

    - Eu deveria atirar em você e me livrar de uma vez das suas mentiras.

    - Você quer? – disse ele abrindo os braços. – Atira!

    - O-o-o quê? – disse Zayn a Niall. – Niall, está me ouvindo? 

    - Atira!

    - Você acha que eu não vou? – disse ela elevando uma das sobrancelhas.

    - Eu acho que não vai não. – disse ele com um sorrisinho.

    - O que você está fazendo, cara? – disse Zayn a Niall.

    Niall tirou do ouvido um ponto eletrônico por onde ouvia Zayn e colocou no bolso da calça. Ele caminhou alguns passos para Roxanne que segurava a arma com o braço estendido. Ele afastou o braço dela que largou a arma e os dois se encontraram em um beijo urgente.

    - Eu não acredito. – disse Zayn olhando para a tela do computador. – Eu sou muito mais charmoso e galante do que esse cara. E ela o escolhe. – disse ele balançando a cabeça negativamente. – Melhor eu dar privacidade, não é? – disse ele desligando as câmeras no quarto de hotel.

    Roxanne tirou o casaco dele e jogou no chão. Eles partiram o beijo ela tirou a camisa e Niall fez o mesmo eles voltaram a se beijar. Niall segurou na parte de trás da coxa de Roxanne a impulsionando e ela passou as pernas e as prendeu em sua cintura e ele caminhou até a cama onde a deitou. O beijo ficava cada vez mais intenso como se aquele desejo estivesse ali há muito tempo.

    - O que...? – disse ela partindo o beijo. – Tem uma arma aí?

    - Esse aí é o Niall, meu amor. – disse ele se referindo ao volume visível em sua calça. – E você tem alguma algema escondida?

    - Hoje não. – disse ela sorrindo.

    Ele tirou a calça e ficou só de cueca preta. Niall passou a mão pela barriga dela que tinha umas mancas vermelhas que ficariam roxas mais tarde. Abriu o sutiã enquanto beijava o pescoço dela e foi descendo até alcançar seus seios e depois desceu mais até o umbigo. Desabotoou a calça dela e em alguns segundos a calça e a calcinha já estavam do outro lado do quarto. Ele se aproximou da intimidade dela e começou a dar prazer a Roxanne que gemia e quando chegou ao seu ápice ela gritou seu nome. Ela se ajoelhou na cama e começou a abaixar a cueca preta de Niall. Ele se deitou e ela pode explorar toda a intimidade dando prazer a ele. Quando ele percebeu que seu orgasmo vinha, ele a deitou e, sem mais delongas, a penetrou com força, fazendo os dois arfarem. Os movimentos se intensificaram e depois de algum tempo os dois chegaram ao seu ápice.     

 

 

 

(...)

 

 

    Dia da festa...

 

    Roxanne estava olhando atentamente para as plantas que pegou no hotel na noite anterior. Quando Niall se aproximou dela.

    - Está tudo bem?

    - Está. – disse ela o olhando brevemente. – James, Ruby e Anne vão nos monitorar daqui. Estaremos em contato todo o tempo.

    - Olha só o que eu tenho.

    - O que é isso? – disse ela enquanto ele tirava um colete de uma sacola.

    - Cinco mil a prova de balas.

    - Não vou usar isso. Não combina com o meu vestido.

    - Roxanne?

    - O que é? – disse ela. – Uma noite comigo e acha que pode me dar ordens?

    Ele respirou fundo, estava frustrado.

    - Eu vou deixar isso aqui. – disse ele colocando o colete sobre a mesa. – Tome juízo e use. – disse ele se afastando.

    - Hum... – disse Louis. – Ele está apaixonado.

    Roxanne sorriu o encarando brevemente balançando a cabeça negativamente.

    - Aí. – disse Roxanne impedindo que Louis se afastasse. – Usa o colete.

    - Eu não. Não passamos nem uma noite juntos. E já acha que pode mandar em mim. 

    Os dois riram.

    - É sério. – disse ela. – Você é o irmão da minha irmã. E se ela já perdeu tanta gente, não quero que ela perca você também. E é claro, porque eu gosto de você.

    - E por que está se tirando da equação?

    - Eu não estou me tirando da equação. Só que ninguém vai atirar em mim.

    - Então está bem. Já que insiste. – disse ele pegando o colete. – A minha vida é muito preciosa, sabe?

    - Já sei por que a Ruby gosta tanto de você.

    - É claro que sabe. – disse Louis. – Eu sou o irmão mais gostoso que ela têm. – Harry apareceu no instante em que Louis falava para entregar uns papeis para a irmã. – Sem ofensa.

    - Não me ofendeu, não. – disse Harry sério e saiu de perto dos dois rapidamente.

    Roxanne segurava o riso.

    - Você é engraçado. – disse ela. – Não liga para o Harry, não. Ele é bonzinho mais está uma fera por ter perdido o rastro de Marcel ontem. – disse ela se afastando de Louis e indo em direção ao irmão. - Harry? – disse ela indo atrás do irmão. Ele se virou e viu ela fazendo um sinal apontando para uma das portas do corredor. E logo em seguida ela entrou no quarto.

    Ele respirou profundamente e caminhou entrando no quarto e fechando a porta atrás de si.

    - Qual o problema?

    - Eu estava querendo colocar alguém na cola do Marcel durante a festa. Preciso saber o momento exato do “cabum”.

    - Meu bem, ele não acharia o botão do “cabum” nem com as duas mãos e um mapa.

    - Eu falo sério. – disse ela. – Eu não queria envolver mais ninguém nisso. Mas...

    - Talvez seja preciso. Já que ele conhece todos aqui. – disse ele concordando com a irmã. – Eloise e Elliot vão pegar a pasta. Com as coordenadas que você achou no cofre ontem. Se ele quer tanto aquela pasta, nós queremos mais. Quanto ao Joshua, o destino vai nos dar uma mãozinha. E com sorte o “cabum” vai matá-lo. – disse ele com um sorriso. - Está tudo correndo bem. Sugiro a você... o Steve. Ele é bom.

    - O Steve está na costa oeste do Canadá. A quilômetros de distância. Até ele chegar aqui, tudo isso já terá sido resolvido.

    - São poucas pessoas que ele não conhece. Ai fica difícil. – disse Harry. – Tem o Mikhail. – Roxanne arqueou uma das sobrancelhas. – Não?

    - Mikhail tem ótimos talentos, mas eu estava pensando em outra coisa. Ou melhor, em outra pessoa para distraí-lo. Eu vou dar um jeito. – disse ela afirmando com a cabeça um pouco despreocupada.

    - Ótimo. – disse ele se virando e dando dois passos para mais perto da porta quando parou e se virou para encarar a irmã. – Derek?

    - O quê? – disse ela. – Marcel conhece o Derek.

    - Não era disso que eu estava falando.

    - O que faz você pensar nisso?

    - Me dê um razão para não pensar?

    Roxanne abaixou a cabeça e disse:

    - Sim. Eu abortei o bebê do Derek.

    Harry se aproximou. E ela voltou a encarar aqueles olhos verdes que não compreendiam a irmã.

    - O que aconteceu?

    - Ele me traiu. – disse ela sem rodeios. – Mas ele me contou e disse que havia se apaixonado por outra.

    - Você o perdoou e o deixou livre. – disse Harry. – Já sabia que estava grávida quando isso aconteceu?

    Roxanne apenas afirmou positivamente com a cabeça. Harry caminhou até a irmã e a envolveu em um abraço.

    - Por que não me contou?

    - Eu não contei para ninguém. – disse ela. – Eu quero ter filhos, mas não quero que eles cresçam como eu. – ela se afastou e olhou no fundo dos olhos do irmão. – Como nós. Nesta vida.

    - Eu entendo. – disse ele umedecendo os lábios com a língua. – Porque decidiu contar agora?

    - Eu só queria conversar com alguém. Quem melhor do que você que sempre soube tudo de mim. – disse ela com os olhos cheios d’água. - Chega de segredos. 

    - Vem cá. – disse ele a puxando para um abraço forte. 

 

 

(...)

 

 

    A noite chegou mais rápido do que uma onda quebrando no mar. A mansão de Alexandre estava lotada de pessoas. Parecia que toda a sociedade de Marselha estava presente naquela festa.

    Roxanne chegou de braços dados com o irmão. Logo no hall de entrada havia um grande quadro que chamou a atenção dos dois. Era a pintura de um homem medonho sentado em uma cadeira com um olhar mais do que esquisito.

    - Ah,... Escalafobético. – disse ela.

    - É. – disse ele segurando o riso. – É esquisito mesmo. Você e sua escolha de palavras. Parece até um dicionário ambulante. Quem fala assim?

    - Para de caçoar. – disse ela encarando o irmão que segurava o riso. – É uma palavra interessante.

    Harry sorriu sem mostrar os dentes. 

    - Estaremos em contato todo o tempo. Cuidado. – disse ele entre dentes enquanto entravam no grande salão da mansão. E se afastando logo em seguida.

    Cada um foi para um lado.

    Um garçom se aproximou e Elliot pegou duas taças de champanhe.

    - Obrigado. – disse ele ao garçom que apenas sorriu educadamente e voltou ao seu trabalho.

    Elliot entregou uma taça a Eloise que agradeceu com um sorriso.

    - Dança comigo? – disse ele depois que ela bebeu um gole do champanhe.

    - Elliot? – disse ela o repreendendo. – Não estamos aqui para nos divertir.

    - Eu achei que você gostava de tango.

    Eloise estreitou os olhos.

    - Eu tenho cara de quem sabe dançar tango?

    - Eu já entendi. O seu namoradinho... eu sou seu amigo, não quis parecer inconveniente.

    - Eu acho que você está bêbado dizendo que ele é o meu namorado. E o meu cabelo ruivo e meu vestido vermelho devem mostrar que sei dançar, mas eu não sei.

    Um chiado forte no ouvido dos dois fez Eloise colocar a mão na cabeça. Elliot rapidamente se colocou na frente dela para que ninguém visse a cara que Eloise fez, por causa do barulho.

    - Que barulho foi esse?

    - Tenta ser mais discreta, meu bem. – disse ele. – Porque não bebe mais do champanhe?

    Joshua se aproximou de Harry que bebia um uísque próximo ao bar.

    - Harry...? – Harry se virou na direção da voz e avistou Joshua se aproximando com Jason a seu lado.

    - Quanto tempo garoto. – disse Jason passando o copo de uísque para a mão esquerda para pegar na mão de Harry o cumprimentando. – Eu estou procurando a sua irmã.

    - Ela veio comigo, senhor. – disse Harry fazendo um gesto para o grande salão. – Deve estar por ai em alguém lugar.

    - Com licença. – disse Jason passando a mão pelos cabelos grisalhos e se retirando.

    Harry bebeu um gole de seu uísque observando atentamente Jason que se afastava.

    - Fiquei sabendo que seu pai está na cidade. – disse Joshua. – Com uma cara nova. – completou rindo. - Bilhões... ou... sei lá.

    - Seus problemas são com ele, Joshua. – disse Harry sereno. – Não comigo ou Roxanne.

    Ele afirmou com a cabeça e disse:

    - Será que ele vem hoje?

    - Provavelmente. – disse ele com um sorriso de canto de boca e deixando Joshua para dar uma volta pelo salão onde avistou uma mulher loira. Ele não tinha certeza de quem era. Caminhou em direção à mulher. – Lauren? – a loira se virou com em sorriso.

    - Harry? Oi. – disse ela o abraçando. – Você está diferente. Cortou o cabelo?

    - É eu cortei. – disse ele rapidamente olhando em volta. – O que está fazendo aqui?

    - Rox. – disse ela simplesmente.

    - Ela pediu para você vir? Claro! – disse ele com um sorriso sem graça. – E como está Abu Dhabi?

    - Ah, eu não sei. – disse ela com um sorriso que não alcançou seus olhos. – Eu estou na Espanha. Já faz três anos. – ele arregalou os olhos surpreso. – Eu voltei quando o meu marido morreu.

    - Ah, eu não sabia. – disse ele. – E eu sinto muito Lauren.

    - Obrigada.

    Harry viu Roxanne alguns passos atrás de Lauren.

    - Com licença.

    Harry saiu a passos largos e puxou a irmã pelo braço e abriu a primeira porta que viu. Era um closet imenso que estava cheio de casacos pendurados em araras.

    - Que isso! – disse ela uma vez dentro do closet.

    - Você chamou a Lauren?

    Roxanne revirou os olhos.

    - A Lauren é minha amiga. E eu achei que essa sua atração por ela já tinha passado.

    - É claro que sim. – disse ele. – Você disse que não queria envolver mais ninguém nessa história e ai você a chama. Não é seguro.  Para nenhum de nós.

    - Concentre-se no plano, Harry. – disse Roxanne. – Esqueça a Lauren. Nada vai acontecer com ela.

    - Eu amo a minha mulher.

    - Eu não disse o contrario. – disse Roxanne. – Qual é o problema?

    - Quando conhecer Anne melhor você vai entender. – disse ele se encaminhando para abrir a porta.

    - Eu tenho certeza disso. A final de contas você é o meu irmão. – ela disse enquanto ele batia a porta. Ela apoiou a mão sobre a mesa no meio do cômodo onde tinha umas bolsas. – Mas que droga!

    A porta do closet se abriu.

    - Deu para falar sozinha agora, é? – disse Niall fechando a porta e a trancando em seguida.

    - Que susto! – disse ela colocando a mão no peito. – O que está fazendo aqui?

    - Eu vim roubar um beijo. Ou dois. – disse ele a beijando. – Eu já disse que você está bonita com esse vestido preto que eu adoraria tirar. – disse ele entre o beijo.

    Roxanne nada respondeu apenas o beijava. Agora seus braços estavam em volta do pescoço dele, cada centímetro dela se encaixava nele como se ela não pertencesse a nada mais. Niall envolveu a mão em sua cintura a puxando para si. Enquanto aprofundava o beijo.

    Depois ele passou a mão pela sua cintura e a colocou sentada sobre a mesa e subiu seu vestido até a altura da cintura e puxando sua calcinha.

    - O que você está fazendo comigo? – disse ela sentindo o desejo aumentar cada vez mais enquanto o beijava.

    Ela tirou o paletó que caiu no chão e em seguida a camisa branca que ficou em alguém lugar pelo chão.

    - Eu é que pergunto. – disse ele colocando as duas mãos de cada lado no rosto dela, se concentrando os olhos verdes de Roxanne. – O que você está fazendo comigo?

    Os pelos de seus braços começaram a se eriçar.

    Os dois uniram os lábios brevemente. Ela acariciava suas costas enquanto ele beijava em seu pescoço. Um precisava do outro e eles não conseguiam se desgrudar.

    Niall passou a mão pela cintura dela e puxou o vestido, eles se separaram para que o mesmo fosse retirado pela cabeça de Roxanne, em seguida uniram seus lábios em um beijo quente. Ela o puxava para mais perto e pousou a mão sobre o cós da calça de Niall. Que se livrou da calça logo em seguida.

    - Niall... – disse ela cheia de desejo no pé de seu ouvido enquanto ele beijava a base de seu pescoço.

    Roxanne cravava as unhas nas costas dele depois sua mão desceu até seu membro enrijecido acariciando-o.

    Os dois exploravam o corpo um do outro e Niall posicionou seu membro na entrada do sexo dela e a penetrou com força. E começou a investir rápido e quando ela parecia estar perto de seu orgasmo ele diminuía seus movimentos a quase zero.

    Ela o olhou em sinal de reprovação, e ele sorriu aumentando seus movimentos, a respiração de ambos era pesada. E o ápice dos dois não demorou muito a aparecer. 


Notas Finais


Então...
O que acharam???
Vejo vocês em breve...
XX Kathy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...