História A Estrangeira - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Emma, Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Elsa, Emma Swan, Henry Mills, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Vovó (Granny), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Swanqueen
Visualizações 432
Palavras 3.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Estou eu aqui, trazendo mais um cap maravilhoso para vocês.

Capítulo 19 - Capítulo dezenove


Fanfic / Fanfiction A Estrangeira - Capítulo 19 - Capítulo dezenove

Já parou para pensar que, quando tudo está dando certo é quando a gente mais torce para dar errado? Torcer para dar errado? Não exatamente, mas você fica se questionando o motivo de tudo estar dando tão certo. Quando você está atrasado para algum compromisso, e de repente surge uma carona, você encontrar dinheiro na rua ou simplesmente o dia ser bom demais para ser verdade. Isso acontece porque estamos tão acostumados a sofrer, que sentimos a falta de tal coisa. O mais engraçado de tudo, é quando algo está para dar errado, e tentamos mudar, é aí que se aplica a Lei de Murphy; "Quando algo tem que dar errado, dará”. Não importa se, você mudou o trajeto que percorria ao qual ali aconteceria um acidente, você pode não ter sofrido, mas alguém sofreu. Murphy diz que algo errado aconteceria, e não exatamente com quem ou o quê.

Emma acordou ainda era 5:30AM ainda estava cedo, ficou a admirar a linda morena que dormia ao seu lado, pensava em como tinha sorte de tê-la, e ao mesmo tempo como foi prepotente com ela quando a conheceu. Nunca havia namorado antes, não sabia como agir, mas tinha certeza de que a amava e que a tornaria a mulher mais feliz do mundo. Puxou-a para si aninhando-a em teus braços fazendo com que a morena a abrace como se fosse um ursinho de pelúcia, Emma sorriu com essa ação.


— Vou acabar me acostumando mal. – Regina diz com a voz rouca pois acabara de acordar.


— Não pedi o contrário. – Emma diz beijando-a.


—Amor...– Regina interrompe o beijo.


— Hum...


— Estamos com bafinho. – diz e embas riem.


— Eu não me importo. – Diz capturando novamente os lábios da morena.


Regina agora completamente deitada em cima de Emma, deixa sua mão deslizar por todo o corpo da loira, sentindo-a corresponder. Emma inverte as posições ficando agora por cima da morena que mordia os lábios. Distribuindo beijos pelo seu pescoço, caminhando ao vão de seus seios ouvindo a morena gemer baixinho com os chupões que dava em seus seios revezando entre um e outro.


— Huum... Emma... – Disse contendo os gemidos.


Regina puxa Emma para um beijo voraz, carregado de luxúria e promessas indecentes, mordendo os lábios de Regina, Emma se levanta puxando a morena junto, ficando sentada em seu colo. Sem cessar os beijos, Emma começou a rebolar no colo de Regina que deslizou suas mãos para a bunda de Swan, ditando a velocidade do movimento.


— Está na hora de fazer o que eu estava louca para fazer desde ontem...– Regina diz com a voz rouca no ouvido de Swan.


— Oh... Re-regina... O que quer fazer...? — Emma diz cravando suas unhas nas costas da morena.


Sem responder, Regina tira a blusa da loira deixando os fartos seios de Swan expostos. Os olhos de Mills escurecem ainda mais. Umidecendo os lábios e intercalando os olhos entre a boca e os seios de Swan, vê Emma dar um sorriso malicioso.


— Você os quer? — Emma pergunta, massageando os próprios seios.


— Muito.


Emma puxou Regina pela nuca, fazendo a mesma encaixar a boca em seu seio. A loira gemia alto enquanto segurava os cabelos de Mills. Regina trocou as posições fazendo com que Emma agora se deitasse, distribuiu beijos por todo o corpo de Swan, traçando um caminho pela barriga de Emma que estava sentindo seu corpo queimar.


— Regina... Não me tor...ah... Não me.. torture.– Com dificuldade completou a fala.


A morena estava adorando ver sua amada naquele estado. Depositou varios beijos em seu sexo por cima da calcinha fazendo Emma arquear as costas e grunhir. Regina continua a distribuir beijos no interior de suas coxas mordiscando e apertando-as, Mills torna a subir chegando no sexo de Emma que está extremamente encharcado, ela pressiona a língua contra o mesmo ainda por cima da calcinha fazendo emma gemer ainda mais. Ela retira a última peça de roupa que Emma usava, passando os dedos levemente sobre sua extremidade.


— Aahm... Isso é maldade... – Emma diz ofegante.


Regina a penetra com um dedo fazendo Emma choramingar, num movimento lento de vai e vem enquanto sorri maliciosamente olhando para sua amada que está com as duas mãos tampando o rosto.


— Hmm.. não para!


Regina intensifica a velocidade agora pincelando com a língua o clitóris de Emma que geme sem pudor algum. Retira o dedo e a loira resmunga pedindo por mais. Retorna com dois agora movimentando-os mais rápido, Emma se contorce na cama procurando onde segurar enquanto gemia alto sem se importar se era ouvida do lado de fora do quarto. Retirando os dedos e retornando com a língua, Regina brinca com o clitóris da loira, deslizando para cima e para baixo, mordiscando e pressionando sua língua.


— A-amor.. eu...– Emma pressiona a morena contra seu sexo pedindo mais contato, e assim a morena faz dando sucções intensas.


Regina a penetra com a língua sentindo o limite de Emma chegar.


— Goza pra mim, amor. – Diz com o sorriso malicioso.


A morena assopra o sexo de Swan fazendo-a arfar, Regina prosseguiu introduzindo novsmente os dois dedos num vai e vem profundo e voraz. Emma sente suas pernas estremecer sinalizando seu limite, aumentando as estocadas sente o líquido de Emma escorrer, a morena passa a língua limpando-a. Sobe em cima de Emma e a beija.


— Bom dia, loirinha. – Diz sorrindo vitoriosamente.


Emma ainda inerte com os olhos fechados, sua respiração estava descompassada devido ao prazer inebriante que acabara de sentir junta as forças que lhe restou para responder.


— maravilhoso dia, morena.


Regina captura os lábios de Emma dando un selinho calmo e demorado, e em seguida deita sobre seu peito.


— Você é uma delícia, Swan... – Regina diz, adormecendo.


                      ****


Regina e Emma acorda novamente depois de cochilarem, o relógio marcava 8:00AM, em um dia comum, ambas estariam extremamente atrasadas, hoje, como seria apenas palestra, não precisavam se preocupar, afinal, começaria às 10AM. Regina se levanta e vai para o banheiro fazer sua higiene matinal enquanto Emma vai para o quarto de Heitor. O mesmo estava no colo da babá Belle, brincava alegremente com a pequena.


— Bom dia, Srta. Mills. – Disse a jovem.


Emma sorriu pela forma que a menina se referiu à ela, "srta Mills", como se elas fossem casadas.


— Bom dia, eu não sou uma Mills, sou Emma, Emma Swan. – disse um pouco sem jeito.


— Ah, sim... Me desculpe srta. Swan. – Belle corada, abaixou a cabeça.


— Emma. Me chame de Emma, e relaxa – sorriu.


Emma pegou Heitor no colo e o mesmo sorriu para a loira, pareciam se conhecer há muito tempo. Emma amava aquela criança como se fosse sua, todos os monentos que passou com ele, foram os melhores de sua vida.


— Vejo que a moça sequer separou a roupa para a faculdade. – falou a morena encostada na porta.


Emma a olhou dos pés a cabeça, examinando a tentação em sua frente. Regina vestia sua saia de couro, blusa e seda vermelha um terninho preto e seus inseparáveis batom vermelho sangue e scarpin preto.


— Vou te emprestar uma peça. – disse caminhando em direção à Heitor.


Emma entrega Heitor para Regina que agarra o pescoço da mesma com os seus pequenos bracinhos.


— Mama! – Heitor balbucia.


— Bom dia, bolinho de mamãe. – Regina diz beijando sua testa.


– Srta. French, dê banho no Heitor, alimente-o e o deixe na casa de meus pais até às 11:00AM. – Disse num tom impessoal e entregou Heitor à menina.


Emma que observou tudo, ficou um tanto perplexa com a atitude da morena, sabia que a mesma era assim, mas não via motivos para a mesma agir de tal forma.


Voltaram para o quarto de Regina, Emma se despia para tomar banho quando a morena entrou no banheiro para deixar a roupa que emprestara à Emma.


— Essa serve em você. – Disse parando para analisar o corpo da loira.


Emma de fato tinha um belo corpo, parecia uma estátua esculpida unicamente para ela. Seus lábios rosados, seus olhos esmeraldas seu toque angelical, tudo em Emma mexia com Regina.


— Tá me olhando demais, minha namorada é ciumenta, moça. – Emma diz sorrindo.


— Avisa pra ela que é uma mulher de sorte, você é muito gostosa. – Regina entra na brincadeira.


Emma se aproxima lentamente fazendo Regina dar passos vacilantes para trás até se chocar contra a parede branca do banheiro.


— Sou gostosa, srta. Mills. – Emma diz perto do ouvido de Regina que se arrepia.


— Amor... Vamos nos atrasar. – Mills diz com a respiração ofegante.


Emma ignora o que a morena diz puxando-a pela cintura fazendo seus corpos se colarem.


— Eu não ligo. – Diz mordendo os labios da morena, fazendo-a soltar um baixo gemido.


Emma desce o zíper da saia de Regina, fazendo-a cair de seu corpo.


— Emma, não. Nós vamos nos atrasar. – Disse, mas sem tentar se virar dos braços da loira.


— Eu tenho palestra na faculdade, parece que serão sorteadas algumas vagas de estágio. Eu já faço estágio com uma chefe deliciosa, a qual eu estou tentando chupar bem gostoso nesse exato momento. – Emma diz e passa a língua nos lábios.


Regina sente o impacto daquelas palavras em seu sexo e morde os lábios na falha tentativa de não gemer. A mesma não havia contado que seria ela a autora de tal feito em sua faculdade, queria fazer uma surpresa.


— Isso não lhe dá esse direito. – Disse agora se desvencilhando dos braços de Emma.


A loira a puxa novamente colocando-a contra parede enquanto seus braços a cercam.


— Só uma rapidinha. – Diz olhando-a como se fosse sua presa.


— Eu não sou mulher de rapi...– Regina é interrompida por Emma que captura seus lábios com voracidade, como se quisesse mostrar quem é que dita as regras.


Desce uma de suas mãos para a bunda descoberta de Mills apertando-a fazendo a morena gemer no mesmo instante. Emma coloca sua mão dentro da calcinha de Regina sentindo sua umidade. Começa a massagear o sexo da morena que eleva sua cabeça para trás fechando os olhos para sentir aquela onda de prazer que agora invadia seu corpo.


— Tão molhadinha... Eu gosto disso. – Disse Emma.


A loira agora, tirou sua mão de dentro da calcinha da morena e levou os dedos a boca, sentindo o gosto de Mills.


— Deliciosa. – sorri.


Emma levanta a blusa de Regina junto do sutiã, tendo a plena visão de seus seios. Umidece os lábios e rapidamente abocanha um dos seios da morena enquanto massaeava o outro.


— A-ahnm... Emma, não...– Regina estava sem forças para completar sequer uma frase.


Emma distribui beijos pelo corpo de Mills ajoelhando-se diante dela, olha para cima e vê a morena com a respiração descompassada. Desliza o dedo sobre o seu sexo fazendo a morena abrir as pernas involuntariamente.


— Já que você insiste...– Diz Emma devido ao movimento involuntário da morena.


Emma abaixa a calcinha de Mills e sem demora a penetra com a língua fazendo a morena gemer alto suficiente para ser ouvida no corredor da casa inteiro.


— Shiiu... Temos uma babá de quinze anos do outro lado do corredor...– Emma fiz fingindo repreendê-la.


— Cala a boca e me chupa! – Mills diz pressionando a cabeça de Emma contra si.


A loira ri da fala de Regina, mas sem pestanejar a obedece, dando leve sucções enquanto acariciava sua entrada torturando ainda mais sua morena.


— Swan... P-ara... Isso é muita crueldade, ahn...


Emma a penetra com os dois dedos fazendo rápidos e precisos movimentos de vai e vem, fazendo a morena gemer sem pudor algum. Usava sua língua em perfeito sincornia em seu clitóris, fazendo com que Mills choramingasse.


Regina sentindo suas pernas amolecerem e seu limite chegar deixa seu corpo cair sobre Emma que a segura sentindo o líquido quente descer de Regina. A loira limpando-a sorri para sua amada que se encontra ofegante de olhos fechados.


— Uma delícia! Eu te amo. – Diz beijando-a


Com muito custo, ambas se levantam e acabam por tomar banho juntas. Vendo que estão extremamente atrasadas, saem correndo de casa sem ao menos tomar café da manhã. Entram no carro e Emma dá partida no carro. Ela fez a morena concordar em seguir com o carro da faculdade para o trabalho e Emma depois pegaria um táxi, mal sabendo ela que o destino de Mills também era a faculdade.


Ao chegarem, Emma se despede com um selinho e Regina dá a volta no quarteirão da faculdade esperando a loira entrar. Ficou imaginando qual seria a reação de sua amada ao vê-la na frente do palco.


Emma caminhava às pressas para o auditório quando ouviu uma voz feminina a chamar.


— Ei, Emma! – Jasmine correu em sua direção.


— Oi Jas, atrasada também?


— Pois é. Ainda bem que até nessas horas, eu estou com você. – Diz sorrindo.


Ambas correm para o auditório encontrando Graham e Ruby que logo vira os olhos vendo Jasmine. Graham trocava flertes com o professor Phillip que tentava ser o mais discreto possível.


— Bom dia à todos aqui presentes. Como bem sabem, hoje será a palestra com o tema "Advogar, advoguei", feita por dois ícones reconhecidos pela New York Times. Acho que todos sabem quem são, chamo aqui agora as irmãs Mills. Façam bom proveito.


Assim que Regina e Zelena sobem ao palco o coração de Emma dispara podendo ser escutado nitidamente se o local não estivesse tão cheio. Todos aplaudem.


— AAH! Eu não acredito, estou vendo Regina e Zelena Mills! – Jasmine diz agarrando o pescoço de Emma. O que não passou desapercebido por Regina que do palco já havia encontrado-a, e no momento a fuzilava com os olhos.


Emma entendeu o que estava acontecendo e se soltou do abraço de Jasmine, fazendo com que ela voltasse a se sentar.


— Bom dia, senhoras e senhores. Eu sou Regina Mills e essa é minha irmã, Zelena Mills. Bom, falaremos um pouco sobre o que é ser advogado, como a vida de um e como o mesmo deve se portar. No final da palestra, minha irmã estará disponibilizando um tempo para entrevistas enquanto eu... Bom, logo saberão.


— Ela nasceu no poder! – Graham diz.


— Ela não goza, ela libera glitter. – Ruby diz e leva um beliscão de Emma.


— Bom, a arte de advogar requer destemor, amor à profissão, maestria, abnegação, disposição e talento. Muitos estão trilhando os caminhos de um curso de Bacharel em Direito, mas sequer sabem a grandiosidade e importância deste profissional no seio da sociedade No artigo 133 da Constituição Federal de 1988, dispõe que: "O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei". Tratando-se de uma profissão indispensável ao exercício da administração da justiça, o advogado carrega sobre seus ombros o encargo de prezar pela justiça, fazendo jus à responsabilidade que lhes foi outorgada.

Sempre afirmamos que advogar está no sangue, na vocação, no chamado, na aptidão. Ser um advogado, não é simplesmente sentar nas cadeiras de uma universidade superior por 5 anos e estar de posse de um diploma ou mais um diploma apenas. Advogar é estar munido de ferramentas capazes de fazer valer o procedimento judicial e acreditar que a justiça prevalece.


Depois de duas horas de um longo discurso, Regina se sentou e Zelena assumiu o posto agora falando de suas áreas.


— Eu e minha irmã atuamos na area criminalista e também trabalhista. As duas áreas pelo nome é notável a diferença. Bom, vamos falar um pouco de cada uma delas. Um advogado especialista na área criminal é bem diferente de um advogado que atual em várias áreas, apenas como exemplo, a profissão de um advogado é muito semelhante a profissão de médico. Na medicina, existe o clinico geral que atua em todas ás áreas e quando se depara com uma necessidade de atuação em área específica o mesmo não deve se aventurar em área que não domina, e por certo, deve encaminhar o paciente á um especialista. – Fez uma pausa para beber água. — Prosseguiu falando.


Após encerrar as palestras, o reitor da faculdade subiu ao palco para prestiviá-las pela honrsa visita. E anunciar as vagas que estavam disponíveis, os alunos muito interessados deixaram seus currículos dentro da caixa onde seriam sorteados.


— Emma, vamos comigo? Quero fazer meu estágio com o Tio das Mills, ele é um excelente psicólogo! – Jasmine disse segurando-a pela mão.


— Eu...– sem que pudesse completar a frase, Jasmine entrelaçou seus dedos ao dela e a puxou para onde estava a caixa.


Mills que olhava de rabo, odiou ver aquela cena, fez menção em ir atrás da loira, mas foi impedida por Zelena. Regina viu Emma ir em direção ao banheiro com Jasmine, e com muito custo conseguiu sair da vista de sua irmã, queria ver o que estava acontecendo.


Chegando no banheiro, Regina se encosta na porta de forma que não pudesse ser vista, e ficou ouvindo a conversa.


— Sabe que, eu estava querendo seu número desde o dia do bar? – Jasmine disse se aproximando.


— Ah... Por quê não pediu?


— Envervonhada, talvez.


— Somos amigas, do quê deveria ter vergonha?


— De você rejeitar, ue. – Disse ficando frente a frente com Emma.


— Mas o que eu rejeitaria? É só um número.


— Isso! – Jasmine segura a nuca de Emma puxando-a para um beijo intenso.


Regina incrédula do que estava vendo, sai atônita segurando as lágrimas, não poderia chorar, não ali. Seguiu para fora da faculdade chamando um táxi e ordenando para que o mesmo vá para o escritório Mills.

No banheiro, Emma afastava Jasmine que estava sem entender o motivo do afastamento.


— Jasmine, eu não posso ficar com você. Não saia por aí beijando as pessoas, muitas delas são compromissadas. – Disse um tanto grossa.


— Você... Namora? — Perguntou parecendo se importar.


— Sim, e minha namorada está aqui. – Disse se afastando de Jasmine.


— Agora entendo porque Ruby é tão rígida comigo.


— Não é a Ruby, é a Regina.


Jasmine fica boquiaberta com tal notícia, e leva as mãos a boca.


— Está brincando?


Emma estende a mão direita, mostrando a aliança. A verdade é que Jasmine já suspeitava que a loira estivesse com alguém, mas não ligava, ficaria com Emma a qualquer custo. A loira sai do banheiro deixando-a sozinha e foi a procura de Mills, queria falar com a morena, mas a mesma não sabia da cena que Regina havia presenciado.


Depois de muito procurar e não encontrar, decide perguntar à Zelena que avisa que a mesma já foi para a empresa, alegava ter muita coisa. Ela avisa que também já estava indo, estava chateada pela morena sequer ter falado com ela depois da palestra. Quando chegou no escritório, foi direto para a sala da morena entrando sem bater. Regina a olha por cima dos óculos.


— Não sabe bater srta. Swan? – Disse ríspida.


— Não sabe usar educação? O que aconteceu?


— Nada. Agora pegue aqueles contratos e vá. – Regina diz sem olhá-la.


— Saio daqui quando você me disser o que aconteceu, hoje de manhã nós estávamos bem, até demais! –Diz se aproximando.


— Pergunte aquela vadia que você beijou no banheiro! – Disse jogando a caneta.


— O quê? Como...– É interrompida.


— Não interessa, aliás, cadê os contratos que mandei você pegar?


— Regina... Ela quem me agarrou, eu não imaginei que ela fosse fazer isso. – Disse desesperada.


— Claro que não, Swan! Você é muito inocente, coitada de você! Nunca foi imaginar que ela se atirava para você! Cresce Emma! Você só tem maturidade para o que lhe convém.


— E você é uma arrogante que não sabe conversar! Se ao menos esperasse, se ao menos tentasse conversar, mas não, você só quer julgar e apontar o dedo! Só a sua versão é a verdade! Isso aqui não é tribunal Regina, abaixa a guarda.


— Eu não estou julgando errado, eu vi! Não tente me fazer de idiota. Vai negar que não foi beijada? Vai negar que ela não agarrou em seu pescoço? Que não te arrastou pelas mãos pelo banheiro?


— Não nego, mas ela é minha amiga! Ruby faz o mesmo comigo, e você não fica desse jeito.


— Ruby te beija ou já te beijou? – Regina olha desafiando-a.


— Não! – Emma diz firme.


— Pronto.


— Está agindo errado, não quer me deixar eu me explicar! Eu não sabia, Regina! Eu não percebi. – Emma diz com os olhos marejados e a voz embargada.


— Não há explicações para o que eu vi. Emma... Acho melhor pararmos por aqui, esse... Relacionamento não vai tão longe. – disse atropelando as palavras.


— O quê?!


Notas Finais


Postei e saí correndo... 🏇


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...