História A fera ferida - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Lesbicas, Romance
Exibições 114
Palavras 1.857
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Quase chegando a reta final. G_G

Capítulo 27 - Capítulo 27



 

    Elizabeth pegou o seu jatinho particular e em menos de meia hora chegou no lugar. Já tinha um motorista lhe esperando, seguiu direto para a casa dos Wasten.

Ao tocar a companhia, uma bela mulher a recebeu.

Clara fitou a jovem parada a sua porta. A conhecia bem. Não só das inúmeras manchetes de jornais e revistas, principalmente depois do acidente.

-- Estou buscando a doutora Julia. – Falou diretamente.

A avó de Anny sentia que havia alguma coisa a mais entre a filha e a poderosa Terzak.

-- Faz mais de três horas que minha filha está trancada no quarto da irmã. Eu estive com ela, mas depois a porta fora trancada e de forma alguma ela abre. – Falou entre soluços.

-- Onde fica? – Indagou entrando.

A senhora a levou até a porta.

-- Eu posso falar com ela?

A mulher assentiu e seguiu para a sala.

Elizabeth encostou a cabeça na porta e ouvir choro. O que teria acontecido para ela está daquele jeito?

Teria sido culpada também por isso?

-- Julia, meu amor, abra a porta, deixe-me cuidar de ti.

A doutora ouvi a voz e imaginou estar sonhando. Não, Liz não podia estar ali. Fechou os olhos.

Mais uma vez ouviu a empresária chama-la.

Levantou-se.

Encostou-se na porta.

-- Vá embora, por favor! – Pediu entre lágrimas.

-- Não, minha linda, nem que eu tenha que passar a eternidade aqui, só irei embora quando você falar o que aconteceu.

-- Vai embora! – Gritou. – Eu não quero te ver, não quero nem pensar que você existe, me deixe em paz.

A empresária sentia como se seu coração fosse perfurado por mil facas. Nunca em toda sua vida sentira nada parecido, era como se seu mundo não tivesse mais luz, não tinha sentido continuar. Mas não desistiria assim, não!

-- Então abra essa porta e diga olhando na minha cara que esse é o seu desejo, e eu sumirei da sua vida para sempre.

Alguns segundos se passaram, mas para a empresária parecera a eternidade. Ouviu o trinco ser destravado, virou a maçaneta e constatou que estava aberta. Temia encontrar ali o fim de todas as suas esperanças. Hesitou, mas não poderia fugir.

Entrou!

No quarto havia inúmeros papéis jogados por todos os lados. Os lençóis da cama estavam rasgados.

Julia jazia sentada no chão, com a cabeça apoiada nos joelhos.

Agachou-se ao seu lado, levantou o rosto para si. Os olhos estavam inchados de tanto chorar, pareciam sem vida.

-- Eu sei de tudo. – Pronunciou baixinho. – Sei o que você não consegue lembrar, o que sua mente esqueceu.

Liz tentou abraça-la, mas foi rejeitada.

-- Não me toque, por favor.

A empresária apenas assentiu. O que poderia fazer? Via a decepção presente naquele olhar, havia muito sofrimento ali e era ela a culpada de tudo.

A doutora baixou a cabeça e se entregou mais uma vez ao choro.

A jovem Terzak estendeu para tentar acalmá-la, mas se retraiu.

-- Por favor, me perdoa. Eu faria qualquer coisa para mudar o passado, para não ter destruído a sua vida e a da sua família. Daria minha própria vida para que essa história tivesse sido diferente.

A fisioterapeuta a encarou e viu a sinceridade presente naquelas palavras. Estranho que logo ela estivesse ali pedindo desculpas, quando fora ela a vítima de tudo.

-- Mudar o que? Que foi por você que a Clarice levou a gravidez a frente? Ou que minha irmã e o marco tramaram a sua morte minunciosamente, ou que a Clarice tomou remédio e por esse motivo morrera no parto? Ou que a minha ilustríssima irmã fora a responsável pela falência dos meus pais? – Falou por entre os dentes.

-- Mas o que você está falando? – Perguntou confusa.

Julia levantou e pegou um diário que estava sobre a cama.

Entregou à empresária.

-- Veja você mesma.

Liz pegou o objeto e começou a folheá-lo.

Alguns minutos depois estava atônita com tudo que estava escrito ali, não só pelo punho da mãe de Anny, mas ali haviam várias páginas escritas por Marco. Cartas de amor, instruções, até descrevia os momentos de intimidade que tinha com a Terzak. Eles debochavam dela, tramavam a suas costas o tempo todo.

Sentiu uma dor muito forte na cabeça. Flashes, pareciam relâmpagos clareando seu cérebro.

A doutora percebeu a palidez que se apossou de Elizabeth e apressou-se em ampará-la. Fazendo-a deitar.

Os olhos verdes pareciam perdidos no espaço. Era como se não estivem vendo nada.

Sentou ao seu lado.

-- O que você está sentindo? – Indagou preocupada.

Liz pareceu sair do transe.

-- Sua irmã foi minha assistente, por isso que ela estava na festa naquele dia. Marco a levou para mim, disse que a jovem estava prestes a ganhar bebê e precisava de trabalho para sustentar o filho. – Apertou as têmporas. – Está doendo muito!

-- Vou chamar um médico.

A jovem segurou-lhe a mão.

-- Não! – Tentou levantar. – Preciso ir embora daqui.

-- Você não pode sair assim. Não pode voltar para a capital desse jeito.

-- Vou procurar um hotel para me hospedar. – Sentiu tontura e precisou se apoiar na outra.

-- Filha! – Clara entrou no quarto. – O que houve?

-- A Elizabeth não está bem. Me ajude a leva-la para o meu quarto.

Mesmo sobre os protestos da empresária fora isso que foi feito.

-- Não é melhor chamar alguém? – A mãe da jovem indagou preocupada.

-- Acho que não!

-- Qualquer coisa, você me chama.

Julia assentiu.

Foi até a bolsa e pegou um tubinho de calmantes. Sabia o que deveria ser feito naquele momento.

Pegou água e entregou o comprimido a Liz.

A jovem tomou.

A doutora deitou ao seu lado. Trazendo-a para si. Abraçou-a, fazendo-a relaxar. Acariciava os cabelos sedosos, sentindo a essência daquela pele.

Sentia-se tão envergonhada por tudo que tinha acontecido. Nunca passara por sua cabeça algo tão sujo por parte da irmã. Quem diria que a arrogante Terzak fora apenas uma vítima das circunstancias, mas que carregara a culpa por todas as barbaridades daquela história.

Sentiu a respiração da jovem relaxar e percebeu que tinha pegado no sono. Ficaria ali, ao lado dela, mesmo que fosse pela última vez.

Com certeza depois de tudo que ficara sabendo, a empresária a tiraria da sua vida. Poderia até pensar que ela de certa forma já sabia de tudo aquilo.

Apertou-a mais.

-- Ah, minha deusa, por que tivemos que nos conhecer? Tudo seria tão mais fácil se não tivesse me apaixonado por você. – Sorriu. – Mas como não perder meu coração para ti?

A noite chegou e com ela uma linda lua que podia ser vista pela janela do quarto de Julia. Lá jazia as duas mulheres, abraçadas e mergulhadas num sono profundo. Suas almas pareciam lutares para continuarem unidas, mas como esquecer o passado e recomeçar uma nova história. Seriam fortes o suficiente para isso? Quem poderia saber. Afinal, não era o amor um sentimento mais contraditório que existe, não era o ódio o caminho mais rápido para o amor?

Elizabeth despertou. Não sentia mais dores, apenas uma pequena confusão. Estava nos braços de Julia.

Não desistiria, não mesmo!

A fitou.

A doutora abriu os olhos.

-- Nunca mais me peça para eu ir embora e desistir de você. – Apossou-se dos seus lábios.

A fisioterapeuta correspondeu com a mesma paixão aquele maravilhoso beijo. Sentia sua boca sendo devorada, explorada em cada canto, sua língua sendo capturada, sugada impetuosamente.

Sentiu a camiseta sendo rasgada e não protestou. Tinha a mesma urgência em entregar-se a Liz. Sentia o mesmo fogo queimar seu corpo.

Elizabeth a trouxe para si, fazendo-a sentar seu colo.

-- Eu preciso de você, preciso mais que o próprio ar que respiro. – Pronunciou com a cabeça encostada em seu colo. – Você me quer, doutora?

A jovem a apertou forte.

-- Te quero mais que tudo, meu amor.

Aquelas eram as palavras que a empresária aspirara por todos esses dias.

Delicadamente, soltou-lhe o fecho do sutiã, deixando os livres.

-- Você é a mulher mais perfeita de todo o universo. – Sussurrou. – Preciso tanto fazer amor contigo.

A fisioterapeuta buscou aqueles lindos olhos e percebeu que não havia mágoas presentes ali. Apenas havia amor, o amor que tanta desejara para si.

-- Faça-me sua, pois esse é o desejo do meu coração.

Liz a tomou-a nos braços mais uma vez, tomando-a para si, fazendo-a totalmente sua. Voltou a beijá-la, enquanto as mãos fechavam-se sobre um dos seios.

Julia levantou tirando o resto da roupa, Elizabeth a imitou.

De pés, abraçaram-se, pareciam não desejar soltassem nunca mais.

A empresária desceu a mão por entre suas coxas. Afastando-as. Tocando o centro de todo aquele desejo.

Sentindo um imenso calor dominar todas as partes do seu corpo, a jovem gemeu baixinho, a empresária a deitou no leito macio e ficou sobre ela.

Ambas estavam fascinadas, amando-se de forma meiga e sensual ao mesmo tempo. Entre beijos e carícias, os corpos foram explorados, tocaram-se, chuparam-se, buscando o sabor daquele delicioso tesão que as dominavam.

Julia cravou as unhas em seu ombro, quando se sentiu penetrada.

A língua de Elizabeth fazia movimentos de vai e vem, ora parava lá dentro e iniciava movimentos circulares. Seus dedos acompanharam o mesmo caminho e as penetrações se tornaram mais e mais intensas.

A doutora mexia o quadril, tentando acompanhar o ritmo que lhe era imposto, mordeu o lábio inferior para não gritar. Sentiu o êxtase se apossar violentamente de seu corpo, não só uma vez, mas inúmeros espasmos a sacudiram ferozmente.

A empresária encaixou seu corpo entre as coxas e rebolou até perder-se em meio ao veludo negro da noite, tomada por um gozo mágico. Algo que jamais provara em toda sua vida.

                Aos poucos a respiração de ambas voltaram ao normal. Não pareciam ter nenhuma vontade de soltassem.

Julia lhe acariciava as costas, enquanto admirava a enorme lua que fora a única testemunha daquele momento de amor.

Sabia que não seria capaz de continuar lutando contra aquele sentimento.

Elizabeth levantou a cabeça, encarando-a.

-- Quero ficar contigo para sempre.

-- Mas, como pode querer ficar comigo depois de ficar sabendo de tudo que minha irmã fez para ti?

-- Bem, foi graças a ela que eu encontrei você. – Falou sincera. – Quanto ao resto, acho que chegou o momento de esquecermos. Eu estou imensamente feliz por não ter feito nada daquelas coisas. Ainda não consigo lembrar de tudo, talvez nunca lembre, porém se você aceitar construir uma nova história ao meu lado, já me dou por satisfeita.

A fisioterapeuta sentiu uma lágrima solitária embarca-lhe à vista.

Liz lhe secou as demais que desceram com beijos.

-- Eu aceito construir uma nova história contigo. – Sorriu emocionada. – É o que mais quero na vida, meu amor.

A empresária a beijou mais uma vez, selando aquele imenso amor.

 

Vitória não conseguia acreditar no que Henrique lhe falara. Aquelas duas estavam tendo um caso. Mas a felicidade delas não duraria muito tempo, ao menos que a empresária pagasse por isso.

 

 

 


Notas Finais


Desculpe qualquer erro e até a próxima. 😗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...