História A festa - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia
Tags Nalu
Exibições 105
Palavras 1.797
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Festa, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oireee
Tudo bem ?
Sabe esse ser esquisito chamado de eu ? Muito bem. Como eu tenho uma memória de peixinho, eu esqueci de postar. Agradeçam o comentário de um dos favoritos do cáp atrás.


Boa leitura <3

Capítulo 5 - O primeiro brilho


LUCY POVS~

Não demorou muito para chegar o fim das aulas naquele dia. Eu estava um pouco dolorida, a noite passada dormi em mal posição, e hoje de manhã acordei com dores horríveis. Mas em fim, eu me encontraria com Natsu no fim das aulas, eu realmente não sabia onde isso tudo ia dar...sinceramente, eu não gostava de ir tanto no shopping. A não ser para comprar jogos, livros, e raramente roupas, pois era um absurdo os preços de algumas lojas, e se não eram caras, não eram duradouras, por isso, eu sempre acabava comprando produtos pela internet.

Eu esperei um pouco no portão da escola, várias pessoas já saiam, eu gostaria de fazer o mesmo, até porque, eu detestava esperar quando ficava ansiosa.

Eu usava um short, uma blusa sem mangas branca, e utilizava o meu velho all-star. Meus cabelos eram prendidos por uma fita, em um rabo de cavalo alto. Eu remexi o short várias vezes para que parasse de subir, eu costumava a fazer isso quando estava ansiosa, afinal, fazia um longo tempo que eu não saia com ninguém. Devia ser algo normal para minha idade ? Era estranho, incomum talvez. Eu sempre fui tímida demais, reservada o bastante, e pouco comunicativa com garotos, por isso, isto sempre fazia com que o garotos tivessem outras preferências, isto as vezes me incomodava, pois, no fim de tudo, eu não queria acabar sozinha. O fato de eu visar demais nos estudos, concentrar constantemente nos meus objetivos, acabava dificultando o relacionamento com outras pessoas, e, no fundo eu não queria isso. Eu só queria alguém para compartilhar a mesma dor que eu, mas, eu sempre me decepcionava no final, o que não era surpresa, afinal, qualquer um pode sofrer uma decepção, várias e várias vezes, e, eu sou uma pessoa com o emocional extremamente fraco, uma leve desculpa para me afastar da maioria das pessoas. No fim de tudo consegui o conforto de ter alguns amigos, e de até mesmo me apaixonar. Eu sempre me apegava tão facilmente aos outros...o Sting não fugia disso. O fato de eu correr atrás dele, é pelo fato de eu acreditar que o verdadeiro Sting esteja lá, não podemos controlar o coração, Sting era uma fraqueza que persistia no meu corpo, meu coração recusava-se a acreditar que o que havia nele havia sumido por completo, eu lutaria pelo o que eu queria. Essa era minha real motivação. Algo que eu sempre viso são meus objetivos, e mesmo se no fim, eu não acabe com o Sting, eu pelo menos alcançarei e puxarei o verdadeiro dele, Sting não era um garoto superficial que se importava apenas com aparências. Ele era inteligente, engraçado, e extremamente sofisticado, mesmo poucos percebendo, eu podia ver, que aqueles traços ainda estavam lá. No fim ele se importava, mas ele vivia de aparência, eu não o culpava, afinal, eu não sabia o que ele havia passado.

Hahaha...era engraçado. Em apenas cinco minutos eu me perdi rapidamente nos meus pensamentos. Eu era distraída demais. Minha mãe sempre me falava que isto era pior característica que alguém poderia ter, mas no final de tudo, eu amava ser daquele jeito. Adorava ter a facilidade de entrar no meu mundo apesar do meu estresse, dos meu problemas, a facilidade de entrar no seu mundo profundamente, porque, devido a essa facilidade, eu dizia coisas sinceras sobre várias questões, eu resolvia as coisas de forma eficiente e rápido.

-- Você fica linda distraída – Ouvi um sussurro ao meu lado.

Eu tentei fingir que não ouvi, até ser cutucada por ele. Provavelmente, ele devia ter pensado que eu não ouvi. E, lógico, eu não deixaria isto evidente, pois não queria envergonha-lo. Quando ele finalmente me cutucou, eu olhei para ele levemente envergonhada.

--Oh, desculpe Natsu, eu viajei demais...

--Não tem problema, bem, vamos logo, eu quero logo poder sentir aquele frescor do shopping. – Eu ri discretamente com sua piadinha. Era verdade, estava fazendo muito calor.

Quando passamos pelo portão juntos, eu percebi um olhar discreto de um grupo um pouco distante dali. Mais especificamente dele. Eu me perguntei se Natsu havia comentado algo com um de seus amigos, eu senti um rápido arrependimento, será que ele iria me fazer passar papel de boba para a escola ? Eu não sei, porém, não havia mais volta. Que seja.

Fui para o shopping um tanto receosa. Todo período em que caminhamos foi silencioso e constrangedor. Assim que entramos, pudemos sentir o ar frio, Natsu  por exemplo, parecia estar nas nuvens.

--Então ?  Para onde iremos primeiro ? – Ele disse me fitando.

--Que tal...para loja de roupas ?- Falei ironicamente

--hahaha, engraçadinha. Vamos .

Nós  andamos um pouco até encontrar uma loja feminina, entramos e ficamos analisando o local. Rapidamente, chegou uma mulher para nos atender, bem, como queríamos discutir tranquilamente o que eu iria vestir,  dispensamos ela e voltamos a analisar algumas roupas silenciosamente.

--Bem...deixa eu ver...-Ele me olhou um pouco constrangido.- Olha Lucy, tente utilizar roupas que valorizem mais o seu corpo, e...sabe, tente usar cores diferentes, e estampas com desenhos diferentes e elaborados, nada extremamente chamativo, pois, da para perceber que este não é o seu estilo. –Eu olhei para ele um tanto surpresa-  As cores que ficam melhor em você  são rosa claro, dourado e...marrom. Principalmente acessórios  feitos de couro, acho que eles destacam seus cabelos e a cor de seus olhos...e...- Natsu começou a ficar levemente vermelho. No final das contas ele sabia mais sobre mim do que eu mesma. Eu fiquei extremamente surpresa com a descrição super detalhada.

--Incrível , Natsu.  Você  parece saber muito bem sobre o assunto ! Nunca vi alguém tão experiente olhando desta forma básica .- Ele ficava cada vez mais corado com cada elogio que eu fazia.  Eu sentia que estava me divertindo quando começava a provoca-lo daquela forma. Me parecia tão...natural.

Por fim, compramos dois pares de botas- uma de cano alto, e outra de cano comum- um vestido rosinha claro- que se ajustou perfeitamente em meu corpo. Ele era cheio de babadinhos e chegava até a metade das minhas coxas-  3 shorts  jeans, uma blusa com estilo de cigana, 2 sapatos brancos, uma calça de cintura alta, e por fim alguns enfeites de cabelo.

Quase no fim do dia Natsu falou de forma constrangida;

--Lu-Lucy...o que acha...de lancharmos. Eu estou com muita fome...

--Pode ser !

Nós dois fomos para a praça de alimentação. Natsu resolveu pegar dois hamburguês para dois, dividimos a conta, no fim, deu dinheiro o suficiente para pegar dois sorvetes. Ele pegou de morango e eu de chocolate. Enquanto caminhávamos para saída conversávamos meio constrangidos.

-- Então...o que gosta de fazer Lucy ? – Ele perguntou enquanto tirava um pedaço do sorvete.

-- Tem tantas coisas...bem, eu gosto de ler...escrever, e...sei lá...tudo depende do momento...

--Mora com quem ?

--...Ninguém...-falei imaginando-me voltar para casa e não poder encontrar ninguém a minha espera, e me dizer : Chegando tarde, mocinha ?

Aquilo me fazia querer nunca poder chegar em casa. Eu não ia encontrar ninguém mesmo. Então qual era o sentido ? Eu só queria que a noite durasse para sempre. Sem compromissos, sem o vazio, não me limitar a apenas observar o céu da minha janela, no meu quarto escuro todos os dias enquanto tentava não me afundar na minha completa solidão.

--Ohh...eu moro com minha mãe. Mas infelizmente, ela não está em casa.

Aquilo me soou meio malicioso, o que ele estava querendo insinuar ?

--Ohh, entendo.- Eu olhei em volta para disfarçar uma pouco um meu constrangimento. Quando eu voltei a olhar para Natsu, ele observava o transito distraído, eu reparei na sua camisa e rapidamente percebi a cor de rosa, e um pouco mais a cima, eu pude ver uma bola de sorvete em sua camiseta branca. Eu comecei a rir descontroladamente, Natsu me olhou como se eu fosse uma louca.

--O que foi Lucy ?- Ele perguntou rindo da minha risada. Provavelmente porque eu parecia uma foca tendo asma.

--A...Hahaha...su- Hahaha...sua bluuushahaha- Ele imediatamente olhou para blusa, completamente surpreso, e depois me olhou rindo também.

--hahaha..meu deus Luce...-Ele riu limpando  uma lágrima dos olhos.

-- Você parece uma criança ! Meu deus está todo sujo de rosa, virou palhaço ? Hahahaha- Eu deixei aquelas palavras escaparem, depois disso ele me olhou maliciosamente.-O que foi ?

-- Você vai ver o palhaço !- Ele veio em minha direção, eu olhei para suas mãos, e então vi elas sujas de sorvete. Ahh...confesso que minha imaginação foi além agora....

--Não, sacanagem Natsu.- Falei me afastando.

--Hahaha- Ele ria maldoso.

-- Você não faria isto !

--Quer descobrir ?

Ele se aproximou mais e mais, e então eu corri. Eu sentia a adrenalina vindo cada vez mais forte. Eu corria rindo desesperada. Natsu vinha logo atrás de mim, rindo também. Eu não vou sujar minha blusa com sorvete, vai dar um trabalho para tirar...

--Piedadeeee...hahaha- Eu corria enquanto gritava.

--Nunca loirinha ! – Ele fazia o mesmo. Eu tentava driblar ele com alguns obstáculos, era um pouco complicado, ele era muito rápido ! Aquela corrida durou até uma pracinha que ficava perto da minha casa. Eu tentei me esconder de alguma forma ali.- Cade você loirinha ? Eu ainda não te achei. Pode fugir, se esconder e rezar, mas...- ele passou por um arbusto próximo de mim. Aquilo parecia um filme de terror !- nunca vai escapar do monstro do sorvete !- Ele chegou outra vez perto de mim- você está aqui ?- Meu deus, por pouco !- ou...AQUI ? – Muito, muito perto mesmo !- Hum você é boa...então eu acho que vou embora...

Eu me continuava tensa, esperava ele remexer outro arbusto, e então quando chegasse minha vez eu viraria uma meleca ambulante de sorvete e...morreria ! Eu acho que preciso de uns remédios, não estou falando coisa com coisa...

-- TE ACHEI !- Nqatsu chegou ágil, eu me assustei, e gritei assustada.

-- AHHH EU ME RENDO, AGORA POR FAVOR SÓ NÃO ME SUJA COM SORVETE !

--TARDE DEMAIS LOIRINHA !- Natsu agarra meus braços e suja-os com o maldito sorvete rosa.

--PIEDADEEE –Eu começo a rir, eu não estava me importando com mais blusa nenhuma ! Eu estava me divertindo muito !

Ele terminou o serviço de me deixar melecada de sorvete. Nós caímos na grama cansados enquanto riamos, e tentávamos ajeitar a respiração. Quando nós acalmamos, percebemos mais as estrelas no céu.  O crepúsculo estava lindo ! As estrelas mais brilhantes que já vi em São Francisco ! Ou talvez, fosse a primeira vez que eu percebesse seu brilho...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

`` Eu sempre te amei.

Eu sempre vou te amar.

Está tudo bem se meu amor não de realizar.

Está tudo bem se eu me machucar.

Não importa quantas vezes eu tenha que dizer

Eu quero te alcançar... ´´

 

 


Notas Finais


Obrigado por ler, até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...