História A filha de Sherlock Holmes - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sherlock
Personagens Dr. John Watson, Irene Adler, Molly Hooper, Mycroft Holmes, Personagens Originais, Sherlock Holmes
Tags Adlock, Irene Adler, Sherene, Sherlock, Sherlolly
Visualizações 29
Palavras 1.483
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem <3

Capítulo 2 - 2


Fanfic / Fanfiction A filha de Sherlock Holmes - Capítulo 2 - 2

"Passou, como tudo passa

E algo em tudo o que passa fica

Passou porque tudo passa

Porque tudo se pacifica!

Fica a história pra contar

Fica a lembrança que habita

Onde não se consegue tocar

Onde nada mais se modifica."

(Passa e fica ) scracho 

POV Sherlock 

-É como dizem: inteligência é o novo sexy -assim que garota falou tais palavras, senti uma sensação desagradável de déjà vu percorrer meu corpo, lembrei-me imediatamente da única pessoa que ouvi proferir aquelas palavras... Irene.

-Como foi que disse ?-me pronunciei pela primeira vez desde que a jovem começará a falar seu caso .

-Inteligência é o novo sexy? Admita que concorda! Todos concordam -minha mente viajou em um vago trem de lembranças que me deixaram , de uma certa forma, nervoso e desorientado.

Observei margot dos pés à cabeça : ela tinha cabelos pretos levemente encaracolados, olhos azuis vivos, era baixa, tinha o formato do rosto bem definido e vestia-se uma maneira extremamente discreta. 

-Só tem essas mensagens como pista ? -a pergunta de Molly não foi direcionada para mim, mas pode me retirar de meu palácio mental. 

-Infelizmente, sim- Margot falou deixando transparecer o tédio que sentia com aquele pergunta.  

-O que você acha, Sherlock?-A mulher ao meu lado perguntou-me.

-Eu não sei -falei completamente disperso do assunto. 

-Olha aqui, cara -Falou margot  irritada-Você não sabe o tamanho da minha vergonha de ter que vir aqui te pedir ajuda ! Eu esperei HORAS nesse cubículo que você chama de casa te esperando pra você dizer que não sabe?! Eu estava disposta a pagar pelo seu trabalho!Mas vejo que não passa de um drogado com uma namorada sem graça! -falou a morena borbulhando de ódio. 

-NÃO PERMITO QUE FALE ASSIM DA MINHA NAMORADA ! SE ESTÁ INCOMODADA É SÓ IR EMBORA  -Gritei com a garota enquanto me levantava pronto pra fazer uma tremenda besteira guinada pelo calor do momento. 

-SHERLOCK!!-gritou Molly fazendo-me parar na mesma hora -Margot está nervosa ! E se você se irritar com ela só vai piorar! Ela só quer respostas !!Não tem razão para ficar irritado!-falou Molly me olhando com ternura... ah como essa mulher tem poder sobre mim.

-Eu preciso fumar !-ela sussurrou mexendo constantemente no cabelo demonstrando sinais claros de ansiedade-Se não quiser me ajudar, então não me ajuda ! Eu vou achar essa carta! Sabe por quê? Porque sou melhor do que todos  -ela falou saindo da sala pisando forte enquanto murmurava palavras ofensivas. 

No mesmo momento me veio um misto,de arrependimento? Talvez, mas não era algo agradável. Eu não queria ter gritado com ela, eu realmente não queria, mas as lembranças de Irene e ,ainda por cima, ela falando de um assunto aleatório me deixou profundamente irritado.Precisava pensar, por a mente no lugar, mas é impossível quanto tem outro ser atrapalhando. 

Toda vez que penso em Irene, eu penso nela como "a mulher que me derrotou" e não mais com paixão como alguns anos atrás.Agora penso apenas em Molly, minha melhor amiga, minha paixão adormecida.Mas não escondo que o fato dela ter proferido exatamente as mesmas palavras de Irene me incomodou muito. O que teria haver essa garota com a mulher? Será que elas eram conhecidas ? 

-As vezes eu não te entendo! O que foi que ela disse que te deixou atormentado ? A coitada tava tão irritada que até esqueceu a mala aqui -falou Molly levantando-se pra alcançar a pequena mala que estava próxima a parede.

-Abra! -falei voltado a realidade.Talvez tenha alguma coisa dentro da mala que responda  as dúvidas que Margot plantou em minha lente.

-Se você fosse outra pessoas, acharia que era um tarado -falou molly revirando os olhos e pegando a mala -tá pesada!- comentou trazendo para perto de onde eu estava sentado. 

-Ela deve ter saindo as pressas,não tendo tempo de pensar em eleger o que precisaria durante a viajem  -falei analisando cada parte da mala- Ela saiu de um lugar que estava chovendo, visto que a base da mala está úmida. Essa mala deve ser a única que ela tem, vendo que está muito gasta e as rodinhas foram trocadas muitas e muitas vezes... ela esteve viajando muito nos últimos dias -falei 

-Ela contou que esteve atrás das tais pistas -concluiu Molly -Vamos abrir ? -perguntou Molly me encarando fixamente esperando uma confirmação.

-Abra -confirmei e a vi abrir lentamente o zíper.

Ao abrir a mala, me peguei surpreso com o conteúdo : todos os tipos de pistolas e munição que poderia existir. 

-Ah meu Deus -falou Molly pondo a mão em sua boca em sinal de surpresa -Ela é uma bandida? 

-Não, se ela fosse as arama estariam mais gastas o que não é o caso porque não me parecem ter sido usadas em nenhum momento-falei analisando cada uma das armas que estavam naquela mala.

Não posso negar que fiquei intrigado e decepcionado com o conteúdo da mala, pois estava apostando todas as minhas cartas de que ali poderia ter algo que ligasse Marigot a Irene, mas o fato de ter armas ali me deixou curioso. 

-Acho que acabou nossa noite romântica, né ? -perguntou Molly beijando minha bochecha suavemente.

-Sinto muito,o caso dessa garota me atormentou- menti.

-Você é Sherlock holmes -ela falou na tentativa de me passar confiança .

-Sim, eu sou -falei sorrindo.É realmente impressionante o poder que aquela mulher tem sobre  mim. Ela revive o melhor que tenho guardado.

-Boa noite, meu amor -ela falou beijando-me e logo em seguida saindo da sala.

◆◇◆◇◆◇◆◇◆◇flash back on◆◇◆◇◆◇◆◇◆◇

-Corra -desde então foi algo rápido demais 

Peguei sua mão e sai daquele lugar medonho a tirando de uma morte quase certa.

-Estava tudo sobre controle -ela falou tentando acompanhar meus passos rápidos enquanto corríamos pela rua. 

-Imagina se não estivesse -ironizei 

Corremos que nem malucos rasgando todas as pessoas que passavam por nós, mas não soltei sua mão até que chegássemos no hote. 

-Foi por pouco -Falei ofegante fechando a porta do pequeno quarto do hotel. 

-Você veio -ela falou sorrindo para mim de uma forma gentil, sem malícia alguma enquanto sentava-se na ponta da cama. 

-É claro que vim -falei regularizando a minha respiração  

-Obrigada, obrigada mesmo -falou -Eu estava  lascada 

-Estava -falei me sentando ao seu lado 

-Sim -ela falou rindo ao recordasse de segundos antes -Eu te amo -falou voltando a sua postura série 

-Eu também -sussurrei em um tom quase inaudível 

-Que bom 

Rimos nervosamente e logo fomos nos aproximando aos poucos até que nosso lábios se encontraram dando início a um beijo apaixonado. 

O beijos que era apaixonada havia se tornando um beijo quente e desesperado repleto de luxuria e desejo.

◆◇◆◇◆◇◆◇◆◇falsh back off ◆◇◆◇◆◇◆◇◆◇

Nós nos amamos intensamente naquela noite e foi algo em que nunca me esquecerei pois lembro de cada coisa daquela noite: as juras ao pé do ouvido, os gemidos roucos, as carícias e muito mais.

Agora tudo não passa de uma lembrança agradável. 

No dia seguinte, acordei cedo com a intenção de continuar meu trabalho normalmente, mas não pude conter a imensa curiosidade que aquela garota plantou em minha mente e resolvi ir até onde a mesma estava hospedado usando como desculpa a mala repleta de armas. 

Não foi difícil  encontrar o hotel onde a mesma se hospedará pois, não existe muito perto da rua.A encontrei fumando tranquilamente na varando do quinto andar. Daí não foi difícil passar pela recepção sem ser notado e subir até o andar correspondente.

Bati repetidas vezes na porta até que a mesma foi aberta.

-Espero que tenha um bom motivo para estar aqui, Holmes -falou a mesma grosseiramente.

-Na realidade tenho dois bons motivos-falei mostrando-a a mala que a mesma havia  esquecido .

-Hm, entre e acabe logo com isso- falou dando-me passagem .

-Vejo que não passou a noite aqui-falei observando o cômodo estava perfeitamente arrumada.

-Não me envolvo com drogas, mas tenho meus métodos de conter a raiva -disse a mesma deo de ombros e sentando-se na beirada da cama 

-Quem você é? -perguntei buscada em seu rosto qualquer traço que revele sua identidade-Uma assassina? 

-Você é o grande Sherlock, descubra !

-Acho que já descobri-falei agachando-me para poder abrir a mala 

-Armas? -ela me pareceu surpresa-Que merda é essa ? Por que tem armas na minha bolsa ? Cadê minhas roulas ? Que brincadeira é essa?!-nesse momento pudemos ouvir o celular que se encontrava em um canto qualquer anunciar a chegada de uma nova mensagem.

Nosso olhares se cruzaram em um ato de curiosidade por minha parte e um ato d desespero e frustração por parte de Margot.Ela levantou-se calmamente, pegou o celular na mesinha e começou a olhá-lo fixamente.

-Aquela vadia ! -xingou sem tirar os olhos da tela do celular -Ela está nos vigiando- concluiu estendendo o telefone para que eu pudesse visualizar.

"Tão esquecida quanto. Gostou do presente? Talvez você precise. Mais tarde entro em contato para, em fim, começamos o nosso jogo. 

-uma amiga"


Notas Finais


Espero que gostem <3
Até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...