História A filha do Coringa - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman, Esquadrão Suicida, The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Bruce Wayne (Batman), Coringa (Jack Napier), Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina)
Tags A Filha Do Coringa, Arlequina, Coringa, Loucura, Psicopatas, Romance
Exibições 147
Palavras 2.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hello pessoas!
Feliz Dia das crianças!!
Não sei vocês mais ainda amo esse dia<333
Por hoje ser um dia especial eu resolvi fazer um cap maior, mas não tem nada de infantil, kk
Beijos e boa leitura

Capítulo 4 - As Is Sweet The Revenge


Fanfic / Fanfiction A filha do Coringa - Capítulo 4 - As Is Sweet The Revenge

Margo olhou o capanga que está assustado, com aquele olhar que é de dar arrepios.

 —Venha.— Quando Margo falou isso o capanga suspirou e continuou parado —Vamos conversar! Entre.—  O capanga morrendo de medo entrou. —Fecha a porta!— O mesmo obedeceu.

—Venha até minha sacada!— Margo falava como um doce, porém o capanga já sabia dop que ela é capaz, até porque tem um corpo no chão de seu quarto, porém o mesmo continuou a obedecer. O capanga foi até a sacada, Margo ficou atrás dele uma de suas mãos está em seu ombro e a outro, cujo está com a pulseira, está esticada para baixo.

—Olhe para a paisagem.—Margo chegou mais perto do ouvido do capanga, sua voz saia como um sussurro assustador —Tá vendo aquilo ali?—Margo apontava para uma coisa que não era nada, a cobra que ficava em sua pulseira começou a descer bem devagar.

—Não.

—Nada mesmo?

—Nada.— Um sorriso se estampou no rosto de Margo, sua pulseira já estava completamente um chicote.

—Que Bom...

Margo rapidamente posicionou o chicote no pescoço do capanga e cortando sua cabeça falando: “Porque você não vai ver mais nada, para sempre...” E em um segundo a cabeça do capanga já estava no chão das ruas de Gotham, seu chicote voltou a ser um pulseira. Margo virou para trás e olhou o corpo de Cool, suspirou e foi até ele , pegou o corpo de Cool e jogou nas ruas de Gotham como fez com o corpo do outro capanga.

Suspirou novamente e foi até seu guarda-roupa trocar de roupa, já que a sua no momento está manchada de sangue. Margo vestiu uma calça jeans preta, uma blusa regata cinza, um salto bota não muito alto preto, e por fim um casaco que ia até seu joelho, que tem a mesma coloração que sua blusa. Margo foi até o espelho e se olhou profundamente, ela estava horrível, com os olhos de quem não dorme a semanas, mas ela dormiu não faz nem 1 hora, sua pele pálida como a de um vampiro, e seus olhos cheios de ódio e pura insanidade.

Minutos depois de ficar se encarando, escutou seu pai chama-la para almoçar, a voz de seu pai a deixava com puro ódio, mais do que já estava, Margo ergueu um sorriso no rosto pegou um livro novo que se chama “10 noites 10 mortes” (esse livro não existe), e logo em seguida foi para a sala de jantar.

—Boa tarde Margo.— Joker falava para sua filha que acabará de entrar na sala, Margo parou olhou para frente suspirou novamente ergueu um sorriso em seu rosto virou para seu pai e falou mais fria que pode as palavras “boa tarde” e logo se sentou a mesa.

—Alguém viu o Cool ou o Colin?— Margo nem virou para o pai, ficou apenas observando a comida, mas quando seu pai falou o nome das pessoas que acabará de matar levantou sua cabeça com um sorriso, e olhou para todos sentados naquela mesa, Harley estava sentada ao lado de Joker e Margo se sentava a frente de seu pai.

—Não.— Margo nunca foi uma boa mentirosa, mas essa mentira foi a mais real —Que milagre você está em casa, né pai?

—Hoje sai mais cedo.— Margo encarava séria seu pai —Porque está com luvas a essa hora da tarde? E uma blusa de frio gigante?— Margo retirou as luvas com raiva, porém ela colocou sua mão debaixo da mesa rápido de mais, e nem deu para perceber que suas mãos estavam encharcadas de sangue e que estava usando a pulseira em forma de cobra.

—Perdi minha fome! Com licença.— Margo se levantou da mesa pegou a chave da porta de casa e quando estava quase saindo escutou a voz de seu pai

—ONDE VOCÊ VAI?

—ENCONTRAR O PETER, ADIOS.— Margo saiu batendo a porta de casa.

Margo estava andado a alguns minutos já, até chegar a um trailer que está vendendo sorvete, e viu o Peter seu amigo na fila e foi até ele. Peter é o melhor amigo de Margo ela sempre conta tudo para ele, menos algumas coisas. Margo chegou e ficou na gente dele com a mesma cara que saiu de casa, Peter a olhou assustado, nunca tinha visto ela assim antes.

—Meu Deus, oque diabos aconteceu com  você? Você foi para uma festa que durou 3 dias foi?— Peter falava tocando no rosto de Margo que estava bem diferente do normal, na verdade seu olhos.

—Não! Para Peter!— Margo levantou a mão sem querer mandando o Peter parar de encher seu saco, e o garoto pode ver suas mão sujas de sangue.

—Margo você se machucou, tá bem?

—Não Peter eu não me machuquei! Isso é sangue de outras pessoas!— Peter a olhou mais assustado ainda

—Como assim Margo?

—Lembra que eu disse que meu pai era um pouco diferente dos outro?

—Sim.— Peter e Margo já estavam fora da fila, o garoto está tomando o soverte enquanto Margo falava

—Sabe quem é o coringa?

—Quem não sabe?

—Ele é meu pai!— Peter começou a rir

—Você fumou maconha ou algo do tipo?— Margo impaciente pegou seu celular e mostrou uma foto dela e de seu pai juntou —Puta que pariu ele é mesmo seu pai?!

  —Sim.— Margo suspirou —Você ainda tem aquele apartamento que é separado do que você mora? É preciso fugir de casa...

—Porque Margo?— Os dois estavam em um beco, quando Margo falou que precisava fugir Peter parou e segurou sua cabeça delicadamente para cima, dava para ver melhor seu rosto, seus olhos continuavam como os de alguém que não dorme a semanas e seus olhos continuavam em uma coloração verde-água. Os dois se encaravam, porém Margo virou o rosto.

—Não posso mais viver uma mentira

—Como assim?

—Vai me ajudar?

—Vou, só se me contar o porque!

—Tá... Me encontra naquele mesmo trailer que nós estávamos daqui umas 2 horas, e eu te conto tudo, há e eu vou fugir hoje!

Margo foi embora sem ao menos dar um tchau para Peter. A mesma já tinha saído do beco e agora está em um parque andando e observando as pessoas, até que ela esbarrou em um menino, “um  menino bem bonitinho” pensava margo, ele é bem alto com os olhos castanho e pintinhas espalhadas pelo rosto, e seu cabelo estava ajeitado um pouco para cima.

—Desculpa sou muito desastrada...

—Não eu tava com um pouco de pressa e nem te vi

—é...

—Há que falta de educação a minha, meu nome é Thomas Wayne, qual seu nome?—Quando Margo escutou “Wayne” seu interesse pelo garoto ficou mais alto, Margo sorriu novamente só que dessa vez um sorriso sedutor “aquele que consegue tudo”.

—Meu nome é Margo Colins, você é filho de Bruce Wayne?

—Não! Sou sobrinho...

—Há

Margo e Thomas conversaram por um tempo, até as vozes de Margo reaparecerem dizendo coisas do tipo: “MATE-O!” “TIRE A VINGAÇA DE SEU PAI” “MATE-O” “MATE-O”, Margo começava a ficar com dor de cabeça, as vozes não paravam de falar “mate-o”, Thomas olhou para Margo preocupado.

—cala a boca, cala a boca, CALA A BOCA!!

—Tá tudo bem Margo?— Thomas ficava cada vez mais preocupado

—Cala a boca!

Margo não conseguia escutar a voz de mais ninguém só as vozes de sua cabeça, a garota saiu de lá ao tropeços com a mão na cabeça.  A mesma chegou naquele mesmo beco e as vozes ficavam cada vez mais altas, Margo já estava caída no chão quando Peter veio.

—Peter?— Quando Margo falou o nome do amigo as vozes pararam, a mesma olhou para ele e o abraçou aliviada.

—Oque diabos aconteceu?

—Vozes... Mas e você oque tá fazendo aqui?

—Ué estava indo te encontrar!

—Mas agora?

—Sim.. Tá na hora

—Se passaram uma hora desde que as vozes começaram a me torturar?

—Tres na verdade..

—Não duas horas eu fiquei conversando com o Thomas e uma...—Margo está abalada demais para falar —Peter eu quero só ir pra casa arrumar minhas coisas e fugir, ok? Não quero falar sobre oque eu descobri...

—Tá, vamos então...

Os dois foram em direção ao apartamento de Margo por trás, Margo ia na frente para ver se os corpos ainda estavam lá, porém não estavam se assustou, mas nem ligou.

—ANDA MAIS RÁPIDO PETER!

—Tá reclamando vem fazer melhor.

Margo apenas revirou os olhos e começou a subir para seu quarto no maior silencio que pode, Peter veio logo atrás. Quando eles entraram Margo foi até o corredor para ver se tinha alguém na casa, mas não viu ninguém, então voltou para o quarto pegou duas mochilas gigantes e jogou em cima da cama. Margo ia começar a arrumar as coisas porém escutou passos, olhou para Peter e sinalizou para ele entrar de baixo da cama, o mesmo obedeceu. Margo olhou para a porta e viu que era Harley, ficou aliviada por não ser seu pai.

—ALELUIA VOCÊ VOLTOU! Seu pai já estava achando que você tinha morrido!

—Tá tá tá!! Oque você quer?— Margo falava ignorante

—Bom seu pai, ganhou um tipo de área V.I.P de uma boate...—Margo sabia que era mentira até porque a boate é dele —E seu pai ficou mal por ter te estressado.— Margo arqueou uma sobrancelha espantada —Então ele decidiu fazer você ir para a boate e se divertir.

De começo Margo pensou em dizer um grande não, mas olhou essa oportunidade com outros olhos e respondeu “Claro! Vou me arrumar, pode ir indo...” Harley saiu do apartamento deixando Margo “sozinha”. Quando Peter escutou a porta se fechando, o mesmo começou a sair de baixo da cama de Margo.

—Peter não vamos mais fugir!

—Não?— Peter ficou espantado

—Na verdade nós vamos, porém vamos dar uma “passadinha” na boate do meu pai antes

—Vamos?— Margo apenas revirou os olhos para seu guarda-roupa o abrindo.

—Senta na cama.— Peter a olhou assustado

—Calma ho, não vou te estrupar!— Peter apenas a obedeceu —Vai guardando tudo que eu te der na bolsa e enquanto isso vou te explicar meu plano.

E uma hora se passou depois disso, Margo já tinha arrumado suas coisas e explicado tudo para o Peter. Olhou para as duas mochilas cheias de coisas e suspirou aliviada, logo em seguida foi até a cama depois e pegou uma roupa que deixou de fora, a mesma que vai usar na boate. Peter saiu do quarto dando privacidade para Margo.

Margo vestiu uma linda roupa, que a deixava mais sexy do que já é, ela vestiu um vestido preto tomara-que-caia de couro curto, uma bota salto que até acima do joelho preta, e por fim uma jaqueta preta também, só falta a maquiagem e seu cabelo. Margo abriu a porta do quarto para Peter não ficar esperando, ao abrir a porte Peter se espantou, sempre achava ela bonita agora ele acha ela linda.

—Gostou?

—Adorei

—ótimo... Vou terminar de me arrumar, pode se sentar.

Margo foi até uma de suas mochilas e pegou toda sua maquiagem, não era muita, mas o suficiente para deixar ela linda. Margo fez uma bela maquiagem, seus olhos estavam totalmente pretos, e isso destacava seus olhos azuis, passou também um batom roxo meio avermelhado, estava mais branca do que o normal, por conta da base e do pó, suas bochechas estão levementes avermelhadas, mas nem da para perceber.

Margo voltou a uma de suas mochilas e pegou uma pente para seu cabelo, começou a pena-los se olhando no espelho, por um momento ela parou de pentear seus cabelos, olhou-se para o espelho, viu que sua cara não estava nada boa e se lembrou de uma frase que seu pai dizia quando ela era pequena e se machucava “Não importe oque esteja sentindo ou oque esteja fazendo, sempre tenha um sorriso erguido no rosto! Essa pode ser sua maior arma!” As lágrimas de Margo imploravam para sair e molhar todo seu rosto, porém a mesma foi forte, ergueu sua cabeça e um sorriso surgiu em seu rosto, Peter a olhou e viu como a mesma estava, foi até ela pegando em seus ombros falando em seu ouvido “Não importa quem você é, de quem você é filha ou oque você fez... Você vai ser sempre minha melhor amiga!”, Margo somente suspirou pegou suas coisas e foi pra fora da casa.

Peter e Margo foram até a garagem e pegaram uma moto que seu pai não usa a anos, Peter que ia dirigir e isso o assustava, mas não assustava Margo. Peter subiu primeiro, Margo logo atrás segurando em sua cintura, e os dois foram até a boate. Peter e Margo estavam bem próximos da boate, porém Margo pediu para ele parar em um beco próximo do bar, para os capangas de seu pai não verem suas coisas. Margo desceu primeiro Peter foi logo atrás.

Os dois entraram na boate, de um lado tinha várias mesas sendo atendidas por meninas super sexys, no centro tinha várias pessoas dançando, na frente tinha um tipo de “palco”, com quatro barras de polidance, porém só três estavam sendo usadas por garotas. E do outro lado tem a área V.I.P, onde seu pai está, com várias mulheres ao seu redor, incluindo a Harley, seu pai sinalizou para Margo ir até ele, porém ignorou sorriu jogou o cabelo para frente e continuou andando.

Margo subiu no “palco” e começou a dançar com as outras meninas que estavam lá, provocando seu pai. Margo descia e sensualizava, deixando seu pai furioso. Margo viu que seu pai precisava de mais uns “empurrõezinhos” para acabar com a festa, então foi para uma mulher, a que estava ao lado dela, e a beijou levando seu pai a loucura, porém ele continuou parado observando tudo furioso.

Margo parou de beijar a moça e olhou para seu pai, percebeu que ele ainda estava só observando, Margo virou o rosto um pouco para baixo e sorriu para seu pai. A mesma foi até as pessoas que estavam lá na frente e puxou Peter para o palco, a mesma o levou para o centro do palco. Começou a dançar normalmente com ele, porém ela viu que seu pai continuava do mesmo jeito, então beijou Peter, quando parou Peter estava sem entender nada, Margo só sussurrou “vai na onda”, Margo foi mais ousada e começou a retirar a blusa de Peter, levando o coração do garoto a mil. A mesma continuou a dançar com ele, seu pai ficava cada vez mais furioso, Margo riu do pai, a mesma começou a tirar sua jaqueta, estava cada vez mais difícil de Joker se controlar, Margo continuou, dessa vez ela retirou seus sapatos, faltava bem pouco para seu pai se descontrolar, então Margo teve a brilhante ideia de começar a abrir o zíper de seu vestido, mas antes dela abrir seu vestido por inteiro Joker não aguentou mais e começou a gritar “A PORRA DA FESTA ACABOU!”.

Margo sorriu, pois tinha conseguido, a mesma aproveitou a multidão indo em bora e isso cobria o palco, a mesma falou pro Peter “ Pega sua blusa e vamo”, Margo e Peter pegaram suas coisas e foram embora rindo. Eles conseguiram chegar no beco sem ser vistos, Margo e Peter aproveitaram para se resvestir (essa palavra existe?). Quando terminaram eles subiram na moto e foram embora para a nova casa de Margo, rindo o caminho todo.

Continua...                           


Notas Finais


Jornal com os personagens: https://spiritfanfics.com/perfil/caralhosfofas33/jornal/personagens-6609714
E aí? Gostaram?
Paro ou continuo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...