História A filha do pastor - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Homossexualidade, Preconceito, Romance
Exibições 58
Palavras 1.567
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Mais um capítulo

Capítulo 45 - Sinto Saudades


Erick Pov

O aniversário da Jennifer estava chegando, e eu como o bom amigo que sou, já estava preparando uma bela surpresa pra ela. Mas claro que não tinha nada pronto ainda, eu precisava conversar com a Lana pra combinar tudo com ela.

Telefone Chamando*

Chamada ON

_ Alô Laninha,  coisa linda 

_ Oi Erick, Tudo bem? - ela pergunta

_ Tudo, eu só queria te chamar pra um lance

_ Que lance?

_ Sexta é aniversário da Jennifer, e eu queria fazer algo para ela, uma festa

_ Ela nem me contou sobre o aniversário dela - diz meio indignada

_ Ela deve ter esquecido, ela só lembra mesmo no dia Lana, não esquenta a cabeça com isso

_ Ta mais e ai, o que vamos fazer?

_ Eu tava pensando numa festa surpresa, você sai com ela para "comemorar", e eu o josh aprontamos tudo aqui em casa pra ela, que tal?

_ Eu acho perfeito, vou falar com ela agora, e dizer que estou chateada por que ela não me contou que o aniversário dela é na sexta

_ E ela como a boa namorada e trouxa que é, vai querer passar esse dia contigo para recompensa-la, menina você é um gênio

_ Ta bom, muito obrigado por me chamar Erick

_Não tem de que, agora você é da familia Lana

_ Até mais

_Ate mais -  ela diz e desliga

Chamada OFF

_ Pois é, agora eu tenho que ligar pro josh

Lana Pov

O aniversário dela é na sexta e eu preciso de um presente pra ela, mais o que eu vou dar pra ela?

Ah já sei o que fazer

pego

 o telefone e disco o numéro de Jennifer

Chamada ON

_Alô, Lana?

_ Jennifer, você quer ir comigo no Shopping hoje?

_ Quero sim, o que vamos fazer lá? Assistir um Filme?

_ Pode ser, mais eu quero comprar uma roupa pra mim, e queria que você desse sua opinião

_ Ta bom amor, de que horas eu te busco?

_ Você ta ocupada agora?

_ Não

_ Então vem agora

_ Ta, eu to indo

quando estou prestes a desligar, ela diz rapidamente

_ Hey Lana

_ Oi 

_ Eu te amo -  ela diz e eu respondo abobalhada

_ Eu te amo mais

E desligo o telefone

Chamada OFF

Corro pro banheiro e me banho rapidamente, termino o banho e saio do banheiro enrolada na toalha, e quando estou prestes a tirar a toalha do corpo para me vestir, ouço batidas na porta.

_ Quem é?  -  pergunto

_ Sou eu, Lana

_ Entra ta aberto, Jennifer

Ela entra e estanca na porta, e fica me olhando dos pés a cabeça

Ela fecha a porta e caminha em minha direção, e acaricia o meu rosto

_ Linda -  ela sussura enquanto aproxima sua boca da minha

Quando estamos prestes a nos beijar, ouvimos batidas na porta e nos separamos rapidamente

_ Lana Você está vestida? -  meu pai me pergunta  

_ Eu to trocando de roupa, pai - eu digo 

_ Tudo bem, Chama a Jennifer pra almoçar com a gente

_ Ta bem, pai 

_ Eu fiz lasanha - meu pai fala

_ Daqui a pouco eu desço

_ Não demore

_ Tudo bem, Pai

Ouço seus passos até a escada, e depois não os ouço mais

_ Foi por pouco - Jennifer diz meio Pálida

_ Que susto -  falo com o coração a mil

_ Agora me dá esse bocão aqui - ela e diz e toma minha boca em um beijo carinhoso e terno.

O beijo dura alguns instantes, só tendo fim pela necessidade de respirar

_ Agora vira, pra eu trocar de roupa

_ Mais eu já vi tudo ai -  ela diz apontando pro meu corpo e eu coro

_ Jennifer! -  falo repreensiva

_ Mais eu vi mesmo

_ Se continuar me fazendo vergonha, vai passar um bom tempo sem ver -  digo ameaçadora

_ Que isso mulher, eu tava só brincando -  ela diz com um sorriso amarelo e se vira, ficando de costas pra mim.

_ Acho bom mesmo

Me viro e troco de roupa rapidamente, e quando me viro de volta vejo Jennifer me encarando na cara dura, com um sorriso malicioso no rosto

_ Você tava me olhando esse tempo todo? - pergunto irritada

_ QUEM? EU? NUNCA! - diz ela cínica

_ Tava olhando sim, saiba que estou de greve pra você - digo e ela arregala os olhos

_ G-greve de que?

_ Você sabe de que? -  digo ameaçadora

_ Não Lana, eu não tava olhando, eu não tava -  ela diz e eu reprimo a vontade de rir que se instalou em meu ser, com o seu visivel desespero.

_ Não quero nem saber, agora vamos que meu pai está nos esperando para almoçar -  digo e saio do quarto, e ela me acompanha emburrada.

_ Chegamos na cozinha e meu pai estava de avental, verificando a lasanha no forno

_ Olá Jennifer, eu senti sua falta faz um bom tempo que não vem aqui -  ele diz caloroso enquanto se encaminha e abraça jennifer

_ Desculpe Matt, foi falta de tempo mesmo - ela diz correspondendo o abraço

_ Pai, Jennifer e eu vamos ao shopping, quer que compremos algo para você?

_ Não precisa não filha.

_ Tem certeza?

_ Tenho pai

O almoço foi regado a conversas divertidas e historias vergonhosas minhas da parte de meu pai, me fazendo corar.

_ Bem, nós ja vamos pai, até mais tarde

_ Vão com Deus, e tomem cuidado no caminho

_ Tudo bem papai

Saímos em direção ao shopping , Jennifer sorrindo o tempo todo, pegando em minha mão durante o caminho.

Após alguns minutos chegamos no shopping e fomos em direção a minha loja preferida

Eu a trouxe no shopping para tentar descobrir o que ela queria de aniversário.

_ Jennifer! - a chamo

_ Oi!

_ Por que você não me contou que seu aniversário é na sexta? - digo com uma expressão raivosa

_ Ein? Nossa é mesmo! Desculpa é que eu não lembrava - diz ela sorrindo envergonhada.

_ Como uma pessoa pode esquecer do próprio aniversário?

_ Eu esqueço, e vai por mim, não há muito o que comemorar

_ Claro que há, você vai fazer 18 anos, vai virar adulta, iniciar uma nova fase da sua vida.

_ Eu só preciso de você, Lana

_ own, eu te amo

_ Eu também te amo

_ Tá! Agora vamos comprar a minha roupa - digo e arrasto para a ala dos vestidos.

Comecei a provar os vestidos, escolhi alguns e fui até os provadores experimenta-los.

Jennifer Pov

Lana ja tinha saído há alguns minutos com os vestidos em mãos e ainda não tinha voltado, então eu decidi dar uma volta pela loja, afim de encontrar algo para mim. Eu sinto falta da minha família, sinto falta da minha mãe, e do meu pai. E nunca uma verdade me doeu tanto. Eu sentia falta dos nossos momentos, até mesmo de nossas brigas, o que pode ser até estranho para algumas pessoas, mais eu sentia falta disso também.

Eu fico pensando em como seria se eu não fosse lésbica, ou se eles tivessem me aceitado, e confesso que a primeira opção nunca me atraiu muito, mais nem assim deixo de questiona-la em minha mente. Mas pensando bem, se eles tivessem me aceitado, talvez eu não tivesse conhecido Lana, e não teria a chance de poder me apaixonar, de amar e ser amada. É aquilo estava escrito em meu destino, eu me lembro bem uma vez que Lana me disse que : Deus tem um plano na vida de todos nós, talvez ainda não fosse o momento de nos conhecermos. Há males que vem para bem, não é o ditado? Pois bem, uma mal aconteceu, para que um bem maior surgisse, e mesmo com todas as dores que me foram causadas, mesmo com a saudade latente no peito, com a tristeza de ter que passar o dia do meu aniversário longe de meus pais, eu não mudaria nada. Por que ter o amor de Lana foi a melhor coisa na minha vida. Antes tudo era escuridão, e hoje cada fresta de casa porta, emite uma luz forte, não do tipo que cega, mais do tipo que guia.

_ Amor? - ouço sua voz e me viro em sua direção.

_ Nossa, uau.  - digo abismada pela forma tão incrível que o vestido acentou em seu corpo.

_ Ficou bom? - ela pergunta tímida

_ Ficou perfeito! - digo sorrindo

_ Eu vou experimentar mais um, e você quetinha ai viu!? Eu ja vi que a caixa ta te dando mole desde que chegamos. - ela diz e aperta os punhos em sinal de raiva e acabo rindo.

_ Eu sou uma mulher comprometida, senhorita - digo com uma pose orgulhosa, e ela gargalha.

_ Okay, então a moça comprometida fique ciente que só deve olhar pra namorada dela.

_ Eu nunca pensaria diferente - eu digo e ela volta ao provador.

_ Eu olhei para fora da loja e vi uma piano enorme em frente, e senti uma alegria misturada com uma tristeza.

Alegria por que o piano me fazia sorrir, e triste por que ele me trazia lembranças, e as lembranças eram dolorosas. Não do tipo ruim, mais do tipo que você lembra e pensa : Nunca mais vai ser igual.

E passei mais alguns instantes o encarando, sentindo a melancolia tomar conta do ambiente.

Lana pov

Ao sair do provador não vejo jennifer em lugar algum, então a procuro com o olhar e a encontro na porta da loja, encarando o belo e enorme instrumento. Eu ja sabia o que ela queria, sabia do que tanto ela sentia falta, ela sente falta da família. E a única forma dela se lembrar de uma forma boa de seus pais era tocando.

_ É meu amor, eu já sei o que te dar te presente.

Continua...


Notas Finais


E ai o que acharam?

Me deixem saber!

Comentem

Beijos
E até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...