História A filha do pastor. - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Min Yoongi, Sexo, Suga
Visualizações 69
Palavras 1.449
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Preparem os corações, muitas emoções nesse capítulo. ❤

Leiam as notas finais, é importante.

Capítulo 16 - Sobre lembranças, o beijo inesperado e o segredo revelado.


Fanfic / Fanfiction A filha do pastor. - Capítulo 16 - Sobre lembranças, o beijo inesperado e o segredo revelado.

— Você é tudo isso apenas por não perceber que é tudo recíproco, seu pamonha — ele continuava parado. Tinha seus olhinhos marejados. — Droga, Yoongi! Por que tudo tem que ser assim?

Nesse momento, uma dor de cabeça intensa me atingiu, era a pior dor de cabeça que eu já havia sentido, tirando o dia do crack. Eu iria cair, senti Yoongi me segurar forte antes de tudo se apagar.


[...]



Abri meus olhos.

Olhei ao redor, estava em meu quarto. Lembrei-me da dor de cabeça e então fechei os olhos.

Algumas lágrimas cairam, pois eu me lembrei de tudo. Tudo.

Precisava contar isso para Yoongi, mas não tinha palavras.

Levantei e vi um bilhete do meu pai, dizendo que haviam saído mas que Yoongi estava em casa.

Corri para o andar de baixo, Yoongi estava em pé, de costas para mim. Fazia algo na cozinha. Fui até ele a passos determinados e segurei com força seu braço. Ele soltou tudo o que tinha em mãos, e quando eu vi, já estava feito. Eu já havia o beijado.



— Quando eu estou... Com você... Me sinto bem.

Ri fracamente.

— Não minta — o olhei.

— Eu não estou mentindo. — Disse.

Acariciou minha mão e com sua outra, fez um singelo carinho em meu rosto. Sorri e ele retribuiu. Vi Yoongi se aproximar e dessa vez não me afastei. Ele observava cada traço do meu rosto e eu fazia o mesmo com ele.

— Você é linda — sussurrou, aproximando-se mais.

— Você também — disse, envergonhada com as palavras que saiam facilmente da minha boca.

Yoongi sorriu e juntou nossas testas. Eu fitava seus olhos negros, e ele os meus. Estavamos perto a ponto de nossos narizes roçarem um no outro. Ele se aproximou mais um pouco, eu quase sentia a textura de seus lábios.

Lentamente, fui fechando meus olhos, esperando por aquilo que eu também queria, mas não admitia. Senti os lábios dele tocarem os meus com delicadeza, e me permiti aproveitar a maciez de sua boca. Foram vários segundos naquele selo, até que senti ele se afastar. O olhei confusa.

— Você não me quer como eu te quero, e eu não vou forçar na...

Ri de sua gentileza, mas o cortei, aproximando nossos rostos outra vez, e levando uma de minhas mãos à sua bochecha fofinha. Mordi meus lábios e juntei-os aos de Yoongi.

Não me julguem, precisava mais dessa sensação.



— Acho melhor eu ir na corretora agora.

— C-Corretora?

— É, Yoongi! Esperava que eu e meu pai morássemos com vocês para os séculos dos séculos e amém?

— Na verdade sim!

O olhei envergonhada e ele colocou uma mecha do meu cabelo atrás de minha orelha.

— (S/n) você é o que eu tanto pedi aos ventos. Você é a luz que a escuridão da minha vida busca! Eu... Droga... Aish! Eu... Eu preciso de você, (s/n).

Percebi o esforço que ele fazia para dizer isso e contive um sorrisinho. Assenti limpando suas lágrimas e o dando um sorriso triste. Peguei sua mão e deixei um beijinho ali.

— Fica com Deus, Yoongi, eu vou indo. — Disse.

Pensei que seria como aquelas cenas de filme que as mãos se soltam lentamente enquanto um vai embora deixando o outro pra trás, mas, tratando-se de Min Yoongi, o momento era imprevisível. Segurou minha mão.

— Ah, mas não vai mesmo! — puxou-me para si e me abraçou forte. Suspirei derrotada ao envolver meus braços em seu corpo.

— Me deixe sair, Yoongi... — Disse, ainda abraçada com ele.

— Eu não estou te prendendo, (s/n). — Yoongi disse.

— Está sim.

— Estou mesmo!

Segurei o riso e me soltei dele.

— Estou indo! Se cuide, e por favor, não se drogue — disse acariciando seu rosto.

— (S/n)! Fica comigo! — segurou meu braço.

— Que? — corei.

— Fica comigo!

— Co-como assim? — perguntei. Sentia meu rosto queimar.

— Me beija — disse, olhando em meus olhos. Corei ainda mais (se é possível).

Arregalei os olhos e ali permaneci, estática, apenas olhando para Yoongi.

— (S/n), meu amor... — O olhei. Ele parecia desolado.

— Ah, eu... V-vai beijar a Hyu...

— Por favor, a última vez que eu te peço. Eu só... Eu só preciso te beijar mais uma vez.

O olhei. Por que ele parecia tão sincero? Fechei meus olhos e suspirei. Droga, Min Yoongi, eu não posso me apaixonar.

O olhei outra vez. Ele estava ofegante e me olhava intensamente.

— ARGHHHH! — Exclamei. — Eu te odeio, Min Yoongi.

Dito isso, me aproximei dele e puxei a sua nuca de encontro a mim, suas mãos automaticamente foram uma para minha cintura, e a outra para minha nuca, aprofundando o beijo e me puxando mais para si.

Pediu passagem com a língua e eu concedi, fazendo com que nossas bocas se entrelaçacem. Passei meus braços pelo seu pescoço, adentrando minhas mãos em seus cabelos.

No final do beijo, ele mordeu meu lábio inferior e eu dei um selinho em seus lábios. Estávamos ofegantes e com as testas juntas. O dei outro selinho e me afastei dele, logo virando as costas e engolindo o choro que queria vir.



Eu havia recordado de tudo. Tudo o que aconteceu com Yoongi durante todo o tempo em que tivemos contato.

Ele não me afastou.

Envolvi meus braços em seu pescoço e senti as mãos dele irem para a minha cintura. Uma de suas mãos subiu e foi ao meu pescoço, puxando-me mais ao seu encontro. Depois subiu ao meu rosto, deslizando-se ali delicadamente e levando todas as lágrimas junto.


P.O.V. Min Yoongi


Ela não tem noção do quanto eu a amo. E ela também não tem noção do quanto vai doer dizer isso para ela. Assim que nossos lábios se separaram e ela me abraçou forte, eu soube que não podia mais adiar. Lembro-me da conversa que tive com minha mãe minutos antes dela sair.

— Filho... Quando pretende contar a ela? Amanhã, quando estiver indo? Já passou tempo demais, Yoonnie.

Minha mãe estava deitada na cama ao meu lado, fazia carinho em meus cabelos.

— Eu... Tenho mesmo que fazer isso?

— Coloque na balança, meu amor... O quanto ele importa para você?

— Muito.

— A ponto de deixar ela?

— Ela nunca vai me perdoar...

Lágrimas escorriam pelo meu rosto naquele momento, assim como escorriam agora. Decidi que deveria contar para ela.

— Por que está chorando? — sussurrou. Me afastei de seu abraço e virei de costas. Ela ia vir a minha frente, mas eu a impedi, dizendo:

— Não, não olha para mim. Eu tenho que te contar algo.

Ouvi seus passos pararem.

— T-Tudo bem... Desculpe.

— MeuTioEstáDoenteEEuVouEmboraDaquiParaFicarComEle.

Ela ficou em silêncio diante das palavras sérias e extremamente rápidas que eu soltei.

— ... Para onde?

Ouvi sua voz fraca e não ousei me virar.

— Los Angeles.

Ela ficou em silêncio por mais tempo ainda, eu já estava chorando outra vez. Ela sabia que seria impossível manter um relacionamento a quase 20 mil quilômetros de distância.

— Quando você vai? — seu tom de voz era choroso e isso acabava comigo.

Amanhã.

Minha voz estava saindo por um fio.

— E o que vai acontecer com... Com nós dois?

— Nós vamos esquecer um do outro e então viver a nossa vida.

— Vai ficar m-muito tempo lá, n-não vai?

Percebi que ela estava chorando.

— Vou.

Os minutos de silêncio estavam perturbadores e, estranhando o fato de ela não ter dito nada, me virei, mas não a encontrei mais ali.

O resto do dia foi horrível, pois (s/n) não retornou. E o pior: checando algumas de suas redes sociais, Suran se deparou com uma foto, postada no Instagram pelo Jackson. (S/n) estava em pé, de frente para uma pia que eu julgo ser da cozinha, fazia algo ali, enquanto Jackson estava aparentemente sentado de costas para ela.

Me contive para não jogar o celular na parede ao ler a legenda.


Projeto de esposa... Hahah

#AquiComEla

#MinhaPequena


Então... Tudo o que ela me disse era mentira...? Ela gostava de Jackson?

O restante do dia foi extremamente perturbante, pois (s/n) não havia retornado ainda, e eu ia embora amanhã.

A noite passou lentamente, chegou o dia da viagem e eu já havia descido com minhas malas. Mark estava um pouco chateado, segundo ele, havia se acostumado com minha presença. Minha mãe estava arrasada, mas era o seu irmão e ela sabia que o tio precisava de cuidados. Minah não estava bem, ela não queria que eu fosse. Eu também não queria ir.

As horas se passaram e meus olhos se encheram de lágrimas ao ver apenas Mark, minha mãe e Minah no aeroporto.

— E-Ela não voltou, Yoongi... Eu sinto muito...

A verdade é que eu tinha tentado ligar para ela uma centena de vezes, mas não fui atendido. Ela me bloqueou em suas redes sociais. Estou completamente sem chão.

Entrei no avião contendo meus soluços. Ela sequer veio dizer um tchau. Ela... Ela só não se importou com isso.


Notas Finais


Podem me matar 😅

Não sei o porquê dessa reviravolta toda, mas era preciso.

Fiquem tranquilas, vai passar MUITO tempo sem eles se verem, mas, eu também odeio enrolação, então, provavelmente a quebra de tempo vai ser longa e o reencontro já no próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...