História A Filha Do Sol & Da Lua - Capítulo 52


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Deuses, Grega, Lua, Mitologia, Romance, Sol
Visualizações 12
Palavras 1.579
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oieeee pessoassss!
Tudo bom??
Então, não postei terça, pois fiquei sem meu pc e meu celular :/ Tinha que estudar para provas e tals.
Vou recompensa-los no sábado ou domingo com outro capitulo.
Só isso mexxxxmo!
BOA LEITURA!!!!!!

Capítulo 52 - A recuperação de Theo


[Noelani On]

Assim que Theo entrou, Dioniso nos convidou para entrar. O lugar era imenso, abrigava campistas e alguns do acampamento Júpter. Os campistas de cada chalé dormiam separados dos outros. 

A maioria dos campistas ficam em seus esconderijos e só saim para comer. Os campistas que ficavam do lado de fora, armados eram apenas os do chalé de Ares. Afinal, os mais corajosos.

Tinha algo de errado com Theo. Não sabia exatamente o que, mas perto de Lilá ele fingia estar bem...Até o dia que Theo não acordou mais.

Eu e Diogo ficavamos revezando as horas para ficar ao lado de Theo. As vezes Dioniso vinham visita-lo, mas ele não poderia fazer nada.

E assim foi se passando os dias. Quando não estava com Theo, estava treinando ou tentando dispersar Lilá. 

Era a minha hora de ficar com Theo. Quando cheguei na enfermaria improvisada, ela estava com mais pessoas do que imaginei. Dioniso estava em pé, ao lado do professor de esgrima do acampamento Júpter. A enfermeira media sua temperatura enquanto a outra preparava ambrosia. Diogo estava em pé ao lado de Theo. Me sentei na cadeira vaga e peguei sua mão. 

''Achamos que é envenenamento....'' Diogo falou

''Não temos provas concretas de que seja isso...'' O professor de esgrima falou. 

''Pelos deuses Dalode! Envenenaram meu filho!'' Dioniso falou.

Aquilo me surpreendeu, os deuses geralmente nos chamam de filhos. Não sei se era por convivencia que Dioniso o chamava assim, ou pelo fato de ser um dos seus filhos favoritos.

''Que seja! O que importa é que Diogo teve um ato heroico e nos avisou com antecedencia. Se não.....Seria tarde de mais..'' Dalode disse.

Antes de Dioniso responder, as portas da enfermaria se abriram. Lilá entrou correndo pela enfermaria, gritando.

''ONDE ESTA ELE? ONDE ESTA O MEU PITCHIQUIRICO!?ELE ESTA PERGUNTANDO POR MIM?'' Lilá disse enquanto se apoiava na beirada da cama dele para tentar respirar.

Soltei a mão de Theo e fiquei encarando-o, tentando ignorar o drama de Lilá.

''O que ela esta fazendo aqui?'' Ela perguntou ainda ofegante

''Eu lhe faço a mesma pergunta!'' falei me levantando e encarando-a

''Eu sou mais importante...'' Lilá começou vindo em minha direção ''Eu sou a NAMORADA dele...''

''O que acontece é que eu sou....'' comecei mas Lilá havia me prendido. A namorada era sim mais importante que uma amiga ''A amiga dele..'' conclui

''Não fale bobagens...Vocês não se falam a semanas!'' Lilá disse

''Escuta...ele foi envenenado sua estrambelhada!'' Falei tentando manter a compostura perto de Dioniso, afinal ele era um deus. ''E fique sabendo que eu sempre achei ele interessante!'' completei

Nesse exato momento, Theo começou a gaguejar. Lilá correu para meu lado e pegou sua mão.

''Ah...viu? Ele sente a minha presença!'' Lilá disse me provocando ''Não se preocupe Pitchiquirico! Eu estou aqui...''

''No-el....No-ela-ni....'' Theo disse ainda fraco. 

Aqui chamou minha atenção. Olhei imediatamente para ele.

''Noe....lani...'' Theo continuava a gaguejar.

Lilá suspirou e me encarou. Ela nem sequer segurou o choro e saiu correndo para fora da enfermaria.

Me sentei imediatamente na cadeira e peguei sua mão. Fiquei olhando-o mais atentamente agora. Diogo apenas continuou olhando para o chão ignorando o choro estridente da irmã.

''...Ããn, tão jovem para sofrer as desilusões do amor.....'' Dioniso começou ''Bom...já podemos ir...Theo ficara bem..''

Todos sairam imediatamente da enfermaria. Diogo parou na metade do caminho e me encarou com um sorriso timido nos lábios.

Soltei um suspiro envergonhada ''Não diga nada...'' falei

O que só fez Diogo rir mais. Soltei um riso baixo e Diogo se distanciou.

[Perda de Tempo]

Depois de três dias, Theo acordou sem recordar o que estava acontecendo. Ele acordou e foi direto para a cantina, onde estavam todos os campistas. 

''Alguém poderia me dizer como terminei com ela?'' Theo perguntava ao encarar Lilá e ver que ele estava com uma expressão estranha em sua face.

Diogo olhou para mim, esperando que eu lhe explicasse.

''Você falou....enquanto dormia...'' eu disse pensativa.

''Falei? Estranho...'' Ele disse e voltou a comer

Assim que acabei, fui para a minha árvore improvisada. Meu pai sabia o que estavamos passando. Por isso presentiou os seus filhos com uma árvore. Ao redor dela não parava de nevar, afinal, amavamos o frio. 

[Noelani Off

[Theo On]

Não havia nada para eu fazer, então fui dar uma visitinha a Noelani. Nunca havia entrado direito em seu chalé antigo. Nunca sequer reparei nos detalhes. Diogo me disse que era uma árvore, estranhei, afinal ficavamos debaixo da terra e Noel em uma árvore. 

Quando encontrei a árvore de Zeus, fiquei com um mal pressentimento. Dependendo do angulo que você olha, a arvore tem o formato de um punho. Por isso alguns campistas marcavam de se encontrar perto do punho de Zeus.

''OLÁ?'' Gritei lá para dentro.

Ninguem respondeu. Entrei e prendi a respiração. O lugar era dividido em dois. Uma parte organizada, que consistia na cama de Noel e a outra parte, era bem bagunçada. Tinha uma grande estante, que continha pergaminhos e livros diversos. Havia também uma mesa com um cadeira que me parecia bem confortável. Nela estava todos os tipos de armas que você pode imaginar. O arco de Noel estava jogado sobre sua cama, as flechas espalhadas no chão, sua faca sobre a mesa junto com algumas espadas. Me aproximei daquela mesa e percebi que haviam vários mapas de guerra enormes e antigos. 

O uniforme do acampamento de Noel se destacava naquele lugar gélido. Uma peça alaranjada em torno de um quarto branco. A armadura de Noel estava pendurada em uma parte da janela de sua árvore, as placas pratas refletiam os flocos de neve caindo do lado de fora.

Noel estava no funco do quarto, revirando velhos pergaminhos.

''Toque, toque'' eu disse para chamar sua atenção

Ela levou um susto e se virou para me encarar.

''Ah....oi. Não ouvi você.'' Noel disse

''Está tudo bem?'' Perguntei

Ela franziu a testa, olhando o pergaminho em suas mãos.

''Só estou tentando fazer uma pesquisa. O labirinto de Dédalo é imenso. As histórias em nada concordam. Os mapas simplesmente levam do nada a lugar nenhum.'' Noel disse 

Pensei sobre o que ouvira do labirinto de Dédalo. Como o labirinto tenta distrair você. Perguntei-me se Noel já saberia disso tudo.

''Vamos conseguir...'' eu prometi

O cabelo dela havia se soltado, e caía como uma cortina negra e emaranhada em volta do rosto. Os olhos azuis estavam escuros. Parecia que uma tempestade estaria por vir.

''Eu queria liderar uma missão, mas não sabia que seria tão complicado assim....'' Noel falou

''Você vai se sair muito bem.'' falei tentando anima-la.

Ela olhou para mim agradecida, mas então baixou os olhos para todos os livros e pergaminhos que havia tirado das prateleiras.

''Estou preocupada Theo. Talvez eu não devesse ter escolhido que você fosse. Nem ao Diogo ou ao Adrew.'' Noel disse sem me encarar

''Ei, nós somos seus amigos. Não perderíamos isso.'' Falei

''Mas....'' ela se deteve

''O que foi?'' perguntei ''A profecia?''

''Eu sei que esta tudo bem...'' disse ela baixinho

''Oque dizia mesmo?'' perguntei tentando me recordar

Nesse momento ela fez algo que me surpreendeu de verdade. Ela piscou para evitar as lágrimas e estendeu os braços. Dei um passo á frente e a abracei. Meu estomago se contorceu freneticamente.

''Ei, esta.....tudo bem.'' falei dando tapinhas em suas costas.

Eu tinha consciencia de tudo no quarto. Tinha a sensação de conhecer todos os detalhes que aquele quarto guardava. O cabelo de Noel tinha cheiro de sabonete de limão. Ela estava tremendo.

''Dalode talvez tenham razão...'' murmurou ela ''Estou transgredindo as regras. Mas não sei o que mais posso fazer. Preciso de vocês três. É o que parece certo.''

''Então não se preocupe com isso.'' consegui dizer ''Tivemos um monte de problemas antes e conseguimos resolve-los.''

''Isso é diferente...'' Noel começou ''Não quero que nada aconteça com....nenhum de vocês'' 

Atrás de mim, alguém pigarreou.

Era Malcolms, um dos filhos de Atena. O rosto dele tinha um tom vermelho vivo.

''Hã, desculpe'' ele disse ''A prática de arco e flecha está começando, Noelani. Dalode  pediu que viesse buscá-la.''

Afastei me de Noel, minhas mãos ainda estavam em seu quadril.

''Estávamos só olhando mapas.'' eu disse, um tanto tolo.

Malcolm me fitou.

''O.k.'' ele disse separando bem as palavras.

''Diga a ele que ja estou indo.'' pediu Noel, e Malcolm saiu apressado.

Ela esfregou os olhos.

''Vá em frente, Theo. É melhor eu eu colocar minha armadura e procurar minhas flechas.'' Noel disse olhando a bagunça de seu quarto

''Quer ajuda?'' perguntei e me senti um idiota. Noel olhou para mim com um olhar malicioso ''Não para a roupa....Para as flechas...'' falei

''Dispenso as duas ajudas...'' ela disse e começou a procurar suas flechas espalhadas no chão.

Assenti, sentindo-me confuso como nunca me sentira em toda a vida. Eu queria sair correndo da árvore....mas, ao mesmo tempo não queria.

''Noelani?'' eu disse ''Sobre sua profecia. O verso sobre a missão suicida...'' estava prestes a completar a frase, mas Noel me interrompeu.

''Você está me perguntando qual a missão? Eu não sei...'' ela respondeu sem tirar os olhos do chão.

''Não. Outra questão. Estava pensando, como iremos para uma missão sem saber oque teremos que fazer?'' completei

Ficamos em silencio. Noel pensava e eu continuava a encara-la.

''É melhor ir andando Theo. Prepare-se para a missão. Eu....eu vejo voce de manhã.'' Noel disse

''Deixei-a ali, fitando o chão a procura de suas flechas. Eu não conseguia me livrar da sensação de que um de nós não voltaria vivo dessa expedição.

CONTINUA....


Notas Finais


Foi isso gente! Espero que tenham gostado!
Prearem o seu emocional, pois teremos mortes!
UM BEIJO
TCHAU!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...