História A F€ra. ~Imagine Kim Namjoon - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga
Tags Imagine, Kim Namjoon, Novela, Ramance, Shoujo
Visualizações 70
Palavras 1.332
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capítulo escrito... Espero que gostem e BLA BLA BLA kkkkkk

Boa leitura

Capítulo 7 - Dúvidas


Fanfic / Fanfiction A F€ra. ~Imagine Kim Namjoon - Capítulo 7 - Dúvidas


Passaram-se os dias e os remédios que Yang levava pontualmente no horário sempre retornavam intactos na bandeja de prata que ela insistia esperançosa em levar para ele naquele quarto, eu vi seu desapontamento nas curvas de seus sorrisos ao chegar na cozinha enquanto eu a esperava sentada perto do balcão.

O mais triste era as visitas, infelizmente constantes, da mãe de Kim Namjoon. Ela o levava ao limite até o mesmo explodir e usar de todo seu sarcasmos e arrogância com a mãe, as vezes escutava o meu nome soar de forma estridente vindo da sala da onde os dois quase sempre travavam suas guerras, ele insistia em me usar para provoca-la mas também não se atreveu a me puxar para o meio do tiroteio verbal, o que foi esperto já que eu não asumiria nada, contaria a verdade o deixando sem munição diante da própria mãe.

Esperei Yang ajeitar tudo e se sentar na bancada de frente pra mim cortando seus temperos com rapidez.

-E então? 

-Ele não quis nem se quer abrir a porta. >>Estava séria e preocupada.

-Lamento não poder fazer nada. >>Realmente eu lamentava, Yang tentava mas não conseguia esconder seu afeto materno pelo rapaz e o quanto a recusa dele pela vida a deixava mal.

-A culpa não é sua, ele... >>Suspira. -...ele está decidido a... >>A voz falhou e os seus lábios se torceram se precionando um contra o outro.

"Decidido a morrer">>Pensei com um misto de sentimentos, estava abalada vendo Yang sofrer dia após dia, estava sentindo um aperto estranho no peito, "se ele morrer não vou mais ve-lo sorrir daquela forma que ele sorrir pros rapazes do BTS, não vou mais ouvir suas melodias no piano que insisto em me escorar no corredor para escutar em segredo", pensei nisso notando uma raiva crescer em mim, enquanto eu lutei junto com à minha mãe pela vida ele se entregou tão fácil a doença.

-Ele não vai morrer...>>Boto as mãos no balcão me levanto. -...não vou deixar.

>>Ela parou de cortar os temperos e me encarou com seus olhos já marejados. -Mas...

-Mas agora eu estou decidida a tudo. >>Lhe lanço um sorriso largo e saio dali cruzando a sala e subindo os degraus da escadaria de dois em dois, ao chegar em frente ao quarto bati três vezes e já fui pegando na maçaneta a girando e entrando no quarto, ele estava sentado na beira da cama(de costa para mim) encarando a porta de vidro que dava acesso a varanda.

-Vá embora. >>falou ainda imóvel sem muita veemência na voz.

-Eu aceito.

>>Ele virou a cabeça de leve pra me olhar de canto. -Aceita o quê?

-Aceito fingir ser sua noiva para se livrar da sua mãe nada maternal.>>Tratei com sinceridade e descarada.

>>Noto o canto de sua boca se curvar minimamente. -Em troca?

-Em troca eu quero que você faça o tratamento.>>ele vira o rosto em direção a porta da varanda de novo.

-Não.

-Sim.

-Eu queria uma noiva para me livrar da minha mãe até que eu morra, agora você me vem com esse preço ridículo e contraditório.

-Você não quer morrer.

>>Seu corpo se contrai e ele tenta disfarçar passando a mão no cabelo rebelde. -S/n você não sabe de nada.

-Eu sei que você gosta dos seus amigos, deveria ser menos egoísta e pensar neles já que não se importa consigo mesmo. >>ríspida.

-Mesmo assim você continua sem saber nada.

-O que sei já me basta e acredite, não tenho o mínimo interesse de descobrir mais.

-Não se mete onde não foi chamada.

>>respiro fundo buscando paciência em mim. -o que você tá precisando é de sossego dessa família pra se curar, depois vai poder voltar a sua vida normal e sem tempo algum para sua mãe, pai e quem mais queira encher o teu saco.

>>Escuto ruídos como se fosse risadas. -não devia falar com o seu chefe desse jeito.

-mil perdões senhor Kim Namjoon. >>Me mantenho firme.

-ok... >>ele volta a virar a cabeça me olhando de canto só que agora com um sorriso malicioso que me atingiu em cheio fazendo meu corpo reagir a ele. -...minha noiva.


Eu estava enlouquecendo sozinha, pulsações estranhas brotavam nas palavras mínimas de possessão... Minha... Minha... Isso ecoou rouco e grave pelo meu corpo. Atordoada assentindo me viro saindo do quarto, do lado de fora me escorei na parede com as mãos na cabeça.


-S/n deixa de safadeza que isso não vai dar certo.>>sussurrei pra mim mesma e depois me endireitei ficando ereta e saindo tentando passar naturalidade.


  .•°°•..•°°•..•°°•..•°°•..•°°•..•°°•.


Hoje vamos na segunda seção de quimioterapia do Namjoon e o seu corpo já apresenta mudanças, está com os músculos menores e o tom de sua pele mais pálido que o natural, sua boca começa a criar pequenos machucados dos remédios fortes que ataca seu fígado e o corpo não poder fazer muita coisa pois está fraco.

 Ele com seu mal humor repeli qualquer tentativa de conversa paralela para destrair, eu por minha vez apenas olhava pela janela do carro enquanto ele dirigia com os olhos fixos na estrada, assim que chegamos ele foi logo atendido pelo especialista no consultório enquanto eu me mantive no corredor de braços cruzados apoiada na parede, eles só saíram para ir em outra sala e iniciar o tratamento que ao acabar noto Namjoon sair de dentro da sala visivelmente abalado, seus olhos caídos e os seus ombros curvados mostrando cançasso.

-Pronto Namjoon, por hoje acabamos. >>o médico rir anotado algo na prancheta em suas mãos.

-Até que fim. >>Passa a mão no cabelo respirando fundo.

-Nós nos vemos semana que vem. >>estende a mão e o Namjoon a pega a balançando em comprimento.


Ficamos em silêncio por uns minutos andando pelo corredor do hospital um do lado do outro, ele de cabeça cabeça baixa com uma mão no bolso e a outra indo ao resto para ajeitar os óculos que estava começando a escorregar.

-E então... >>tossir um pouco discretamente. -O que ele disse senhor Namjoon?

-Nada.>>Respondeu secamente sem elardes.

-Mas como assim nada? >>paro e ele faz o mesmo me encarando.

 -Sério que vou ter que te contar tudo?>>olhar fixo.

-Sim? >>falo como se fosse meio que óbvio. -Sou sua cuidadora não sou?

-Não importa. >>se vira e sai andando me obrigando a dar uma rápida corrida me posicionando de novo ao seu lado.

-Quando você vai aprender que importa sim? >>buffo.

-Não quero falar disso, a gente tem assunto mais importante agora.

-Que assunto? 

>>pensativo demora uns segundos para responder. -Minha mãe quer um jantar de noivado pra apresentar você pra toda família e os amigos.

>>arregalo os olhos. -Como assim? A gente nem tá noivo de verdade, você disse pra ela que não precisa né?

-Eu disse...

-Uffa>>levo uma mão ao peito.

-Mas ela ignorou.

-Não acredito nisso...

-Bora pro carro, te explico melhor lá.

Assim que chegamos no estacionamento entro no carro botando o cinto de segurança e o observando dar a volta em frente ao carro e entrar no banco do motorista ao meu lado, fechou a porta pois o sinto e ligou o carro.

-creio que agora podemos falar sobre o nosso "jantar de noivado". >>crio aspas no ar com o meu tom irônico.

-sim, podemos. >>responde inabalável dando uma última curva no automóvel fazendo entrarmos em alta estrada.

-Então...?>>falo com leve impaciente o observando olhar a estrada extremamente atento com uma postura melhor que à de antes.

-Vou te explicar o que tá acontecendo. >>Pausa. -Ao que tudo indica ela ainda não acredita totalmente que isso tudo é verdade.

-Você quer dizer nós dois.

-Isso.

-Porquê ela ainda não acredita?

-Bem... >>leva uma mao fechada a boca tossindo baixo e discretamente. -Ela diz que só pode ser provocação ter você como mulher.

-E o que tem de errado comigo? >>Paro de o encarar e me análiso.

-Muita coisa.

 >>Volto a encara-lo com os olhos estreitos. -então sua mãe não acredita porque não ando 24 horas por dia toda arrumada?

-É... >>foi um "é" puxado e meio duvidoso.

-O que vamos fazer?

-Não me resta muita coisa, vamos fazer esse maldito jantar e convencer ela de que é verdade nós dois.

-Nosso problema é bem maior que isso senhor Namjoon, ela não quer nós dois juntos.

-Vou dar um jeito em você.

-Ham?? Como assim um jeito em mim?

-Deixa tudo comigo.

"porquê não tó com uma impressão boa?" >>penso.




Notas Finais


Fanfic tá se desenvolvendo em um ritmo tão rápido kkkkkk

Enfim, até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...