História A garota Black - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags A Garota Black, Andressa Black, Fred Weasley, Harry Potter
Visualizações 331
Palavras 2.993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capítulo três - Atração


Andressa L. Black Narrando

— Vocês assistirão a aulas com o restante dos alunos de sua casa, dormirão no dormitório da casa e passarão o tempo livre na sala comunal. As quatro casas chamam-se Grifinória, Lufa-Lufa, Corvinal e Sonserina — A professora Minerva dizia e com toda sinceridade do mundo eu não ouvi nem o começo do discurso dela — A Cerimônia de Seleção vai se realizar dentro de alguns minutos na presença de toda a escola. Sugiro que vocês se arrumem o melhor que puderem enquanto esperam.

Olhei para minhas vestes e arrumei um pouco a gravata que me apertava, eu queria poder deixar ela solta no meu pescoço, mas provavelmente a Professora Minerva iria me fazer arrumar ela quando ela estivesse de volta.

Os Alunos do primeiro ano não paravam quietos e todos eles pareciam afobados com a cerimônia.

— Eu realmente não entendo para que tanto nervosismo para uma seleção — Uma voz disse atrás de mim e eu me virei para olhar.

Um garoto de olhos castanhos, cabelos loiros e encaracolados. Ele parecia muito velho para ser do primeiro ano.

— Você não se lembra de mim né — Ele disse risonho e se aproximou de mim. Fiz uma cara confusa.

— Deveria? — Perguntei em duvida, ele me parecia um pouco familiar.

— Na verdade não, estudávamos na mesma escola, mas não nos falávamos, apenas nós víamos pelos corredores. Sai daquela escola porque sinceramente não fazia meu estilo — Ele disse e estendeu a mão para mim — Sou Daniel Meadowes — Apertei sua mão.

— Sou... — Fui interrompida antes de dizer meu nome.

— Andressa Black, eu sei — Ele falou soltando minha mão e cruzou os braços com um sorriso divertido no rosto — Fiquei sabendo que quase foi expulsa, mas sua mãe deu um jeito de te transferir.

— A diretora de Beauxbatons só me transferiu porque se ela me expulsasse eu iria derrubar metade do colégio antes de ir embora — Falei seria e ele deu uma gargalhada. Antes que ele pudesse falar qualquer coisa ouvimos a voz da Professora Minerva:

— Me acompanhem — Daniel pegou minha mão e saiu me puxando, ele empurrou alguns alunos do primeiro ano, ficamos bem na frente atrás da professora e fomos seguindo ela.  

Atravessamos a enorme porta dupla que dava para um enorme salão que era iluminado por milhares de velas que flutuavam no ar sobre quatro mesas compridas, onde os outros alunos já se encontravam sentados.

As mesas estavam postas com pratos e taças douradas. No outro extremo do salão havia mais uma mesa comprida em que se sentavam os professores e eu vi meu padrinho sentado lá, nossos olhares se encontraram e ele deu um leve sorriso em minha direção, dei um pequeno sorriso para ele.

Paramos de andar ficando de frente para mesa dos professores, percebi que Daniel ainda segurava minha mão e eu a soltei. A Professora Minerva colocou um banquinho de quatro pernas diante da gente. Em cima do banquinho ela pôs um chapéu pontudo todo remendado, esfiapado e sujo. A Professora Minerva então se adiantou segurando um longo rolo de pergaminho.

— Quando eu chamar seus nomes, vocês porão o chapéu e se sentarão no banquinho para a seleção.

Logo ela foi chamando os nomes dos alunos do primeiro ano e o primeiro aluno foi uma garotinha de cara redonda e cabelos cor de mel, ela foi para Corvinal. E assim seguiu a seleção dos alunos Lufa-lufa, Corvinal, Sonserina, Sonserina, Corvinal, Grifinória etc.

Parecia que nunca ia chamar a mim e ao Daniel, eu já estava impaciente e batia meu pé em um sinal de impaciência, enquanto Daniel dava risadinhas baixa da minha cara. Eu estava com fome e cansada, não tinha comprado nada da tia que passava com o carro de doces, já que depois que o Dementador foi embora eu passei o resto da viagem conversando com Cedrico.

Voltei na cabine apenas para pegar minhas vestes e quando estava prestes a entrar na cabine, meu padrinho ia saindo e ele parecia aliviado em me ver. Ele me puxou para um canto, me contou que Harry tinha desmaiado por conta do Dementador, mas que já estava bem e que ele estava comendo chocolate para se sentir melhor. Ele perguntou onde eu estava e se eu estava bem, contei para ele o que aconteceu, omitindo a parte que o Dementador fez uma reverência para mim, eu e Cedrico combinamos que seria um segredo entre mim e ele. Depois da conversa com meu padrinho eu entrei na cabine sem nem olhar para nenhum dos que estava presente ali, peguei minhas veste e sai à procura de um banheiro para trocar de roupa.

Se tem uma coisa que eu sou, é orgulhosa e naquele momento para mim não me importava se Harry tinha desmaiado ou não, eu ainda estava com raiva dele, ele estava bem, não estava? Não ia precisar de mim, além disso, eu não sou remédio e ele tem os amigos dele.

Voltei a prestar atenção na seleção quando Daniel me deu uma cotovelada de leve, acho que ele percebeu que minha mente estava em outro lugar e eu olhei para ele, ele apontou para a Professora Minerva, que tinha acabado de chamar o último aluno, que foi direto para Sonserina.

— Agora vou chamar os alunos transferidos de outra escola — Minerva pegou outro pergaminho e então chamou o primeiro nome — Meadowes, Daniel.

Daniel deu um sorriso e piscou para mim, foi andando lentamente até a Professora, se sentou no banquinho com um sorriso muito galanteador e eu pude ouvir suspiros das garotas de Hogwarts, ela colocou o chapéu em sua cabeça. Passou alguns minutos e o sorriso de Daniel sumiu do rosto dele, no lugar do sorriso tinha uma careta, o que eu estranhei. Mas logo o chapéu falou:

— Grifinória! — A casa que era vermelha e dourada aplaudiu muito e Daniel sorriu com isso, ele saiu do banquinho e se sentou com os seus novos companheiros de classe.

— Black, Andressa — A professora chamou e um burburinho começou por todas as quatro mesas.

“Black tipo, Sirius Black?”

Ouvi alguém dizer e outra pessoa falar: “Não sei”. Revirei os olhos e andei com passos decididos até o banquinho, a Professora Minerva me cumprimentou com um aceno de cabeça e eu fiz a mesma coisa.

Sentei no banquinho e ela colocou o chapéu na minha cabeça.

— Ora, ora o que temos aqui? Uma Black! — O chapéu falava na minha cabeça — Lembro-me da seleção dos seus pais, foi uma surpresa para todos. — Eu me surpreendi, ele falou meus pais e pela primeira vez em muito tempo eu escutei alguém, não necessariamente alguém, se referir ao meu pai.

Minha mãe e meu padrinho nunca falam do meu pai e sempre que eu insisto no assunto eles dizem: “Eu já falei que ele morreu Andy. Agora para de fazer perguntas” e eu como uma boa Lodge, não desisto nunca sempre pergunto e tento descobrir alguma coisa, achar alguma foto ou carta, mas é como se minha mãe tivesse apagado todos os vestígios dele.

— Poderia colocar você na lufa-lufa pelo que vejo é muito fiel aos seus amigos, mas não seria certo com você — O chapéu tornou a falar — Teria muitas chances na Grifinória, pois você tem muita coragem e é leal a aqueles que ama — Ele parou um pouco e eu encarei os alunos sentados em suas mesas, todos em silêncio absoluto, esperando o resultado, algumas cochichava no ouvido dos seus amigos, mas nada que pudesse atrapalhar o silêncio — Você poderia ser da Corvinal, tem bastante inteligência e criatividade, mas tem uma mente muito má, ambiciosa e astuta, faria qualquer coisa para alcançar seus objetivos — Ele falou e passou um tempo calado, ele estava demorando a dizer o meu resultado mais do que ele demorou com qualquer outro aluno — Você seria perfeita na Sonserina.

Remus Lupin Narrando

Eu estava sentado na mesa dos professores assistindo a seleção dos alunos do primeiro ano e sempre aplaudindo quando eles eram selecionados para alguma casa. Quando finalmente acabou e os alunos transferidos de outra escola teriam sua seleção, sim os alunos. Tinha mais um aluno além da Andy, um garoto que tinha uma aparência muito familiar para mim, mas eu não conseguia me lembrar.

— Meadowes, Daniel — Minerva o chamou, o vi sorrir para Andy e quando vi o sorriso dele e raciocinei com o seu sobrenome eu me lembrei de uma pessoa do meu passado.

FlashBack on

— Vai ficar aí parado? — Ela falou correndo e eu fui atingido por mais uma bola de neve.

Era um final de semana, eu estava no meu quarto ano e eu não tinha ido para Hogsmeade, eu estava cansado por conta da Lua cheia que tinha passado. Então eu tinha resolvido passar o dia no jardim lendo um livro e me surpreendi quando a garota, uma das minhas melhores amigas, apareceu do nada alegando que queria me fazer companhia e me jogou duas bolas de neve.

Comecei a correr a trás dela, enquanto ela corria de mim e eu às vezes jogava bolas de neve nela e ela em mim. Eu podia ouvir o som da sua gargalhada, me fazendo ficar feliz e sorri junto, esquecendo completamente o cansaço. Finalmente consegui pegar ela, mas a gente acabou tropeçando e eu acabei caindo por cima dela.

— Você está bem? — Eu perguntei ainda em cima dela e encarando seus olhos, me fazendo ficar perdido neles.

— Estaria melhor se você estivesse me beijando agora — Ela falou e sorriu, me fazendo sorrir junto.

— Você é impossível, Dorcas Meadowes — Falei rindo e ela colou seus lábios nos meus.

FlashBack off

— Grifinória — O chapéu gritou para todos ouvirem e eu fui despertado das minhas lembranças, comecei a bater palmas vendo o garoto se levantar e caminha para mesa da Grifinória.

Ele era muito parecido com ela, a única coisa que mudava era a cor dos seus olhos. Seria possível ele ser filho da Dorcas? Ser meu filho?

Dúvidas e perguntas começaram a rondar minha cabeça, mas logo afastei essas perguntas, já que Minerva tinha chamado Andy para sua seleção.

Fred Weasley narrando

— Black, Andressa — A professora Minerva chamou e todo o barulho que tinha no salão tinha sumido. Alguns murmuravam sobre o sobrenome dela e se perguntava se ela tinha alguma coisa relacionada a Sirius Black.

Ela pareceu não notar que todos ficaram incomodados e curiosos por ela ser uma Black, porque ela caminhou decidida até o banquinho e a Professora colocou o chapéu em sua cabeça.

— Black? — Percy murmurou para mim e George que estava sentado do meu lado — Ela é da família Black também? Que nem Sirius Black? Já não basta ser da família Lodge? — Ele falou, mostrando que já conhecia a garota e parecia sentir pena da garota.

Não era novidade que a Família Lodge era conhecida por praticar arte das trevas e seguir os dois maiores bruxos que foram tão temidos no mundo mágico, Grindelwald e Voldemort.

Fazia alguns minutos que Andressa estava sentada naquele banquinho, o chapéu seletor estava demorando mais do que de costume para selecionar ela para alguma casa.

E por alguma razão eu desejava que ela ficasse na Grifinória. Passei a observá-la mais atentamente e apoiei minha cabeça na mão a observando. Ela sem dúvidas era muito bonita, tinha uma expressão de alguém arrogante, mas ao mesmo tempo parecia amigável e divertida.

— GRIFINÓRIA — O chapéu falou alto para todos escutar e eu fui um dos primeiros a me levantar e aplaudir ela, junto com Harry, George e o novo garoto, Daniel.

As pessoas parecia não saber se aplaudia ou se ficavam com medo da garota, que poderia ser possivelmente ligada a Sirius Black. Mas naquele momento eu não estava ligando para isso, eu apenas a observa se aproximar da mesa da Grifinória com um sorriso presunçoso no rosto e parecia muito feliz de ter ficado na Grifinória.

Ela se sentou ao lado do menino novo, Daniel, se eu não me engano e eles fizeram um toque. Acabei por fazer uma careta, eu não tinha ido com a cara do garoto desde que o vi entrando no salão, segurando a mão de Andressa.

— Acho que alguém está com ciúmes — Ouvi George falar e olhar em direção a Andressa que escutava algo que Daniel falava.

— Não estou não — Eu disse olhando para ele agora —  Nem a conheço direito — George deu uma risadinha. Harry que estava sentado do meu outro lado olhou na mesma direção que George e suspirou, eu sabia que ele estava escutando a nossa conversa.

— Não precisa conhecer para sentir alguma coisa — George disse com um ar superior — E quando se tem competição, é claro que vai sentir ciúmes.

— Eu não sinto nada por ela, já disse e vou repetir, eu não a conheço — Eu disse e nessa hora Harry me encarou como se tentasse ver dentro de mim para ver se eu falava a verdade.

— Se você não for investir nela — George falou sorrindo malicioso — Eu invisto — Ele disse olhando na direção dela.

Olhei feio para ele e Harry também olhou feio para ele, parecia que queria matar ele, mas eu sabia que ele só estava falando aquilo porque queria me provocar.

George tinha brincado comigo o caminho todo até Hogwarts, dizendo que eu estava encarando demais a filha da Belle e que provavelmente até a mãe dela percebeu que eu fiquei interessado nela, que até apaixonado eu tinha ficado, o que me deixou encabulado com tal afirmação, porque eu realmente tinha sentido algo por ela. Porém não era nada demais, tenho certeza de que o que eu senti por ela, era a mesma coisa que eu sentia por todas as garotas de Hogwarts que eu ficava, atração.

Olhei na direção de Andressa e ela pareceu perceber que eu a encarava já que me olhou sorriu e eu devolvi o sorriso.

Andressa L. Black narrando

Eu tinha ficado feliz de ir para Grifinória, já que era a casa do meu padrinho e da minha mãe. Mas por um momento ali sentada eu achei que o chapéu seletor iria me colocar na Sonserina, porém eu acho que ele mudou de ideia na última hora.

— Então acho que agora podemos ser amigos — Daniel disse sorrindo para mim e eu o encarei séria.

— Talvez — Eu disse e ele riu, a gente fez um toque.

— Achei que você era difícil e olha só eu tinha razão — Ele falou com um sorriso vitorioso no rosto.

Percebi alguém me encarando e quando procurei pela mesa quem me encarava vi, Fred Weasley me olhando meio pensativo e eu sorri para ele, que prontamente sorriu de volta. Ele estava sentado no meio de Harry e George e eu estava sentada de frente para Rony que estava sentado ao lado de Harry.

— Mal chegou em Hogwarts e já está paquerando — Daniel falou baixinho para mim  e eu o olhei séria.

— Não estou paquerando ninguém — Revirei os olhos quando ele arqueou as sobrancelhas e fez uma cara de “não acredito em você”.  

Logo a conversa foi interrompida pelo diretor da escola, Alvo Dumbledore, tinha alguns palmos de cabelos e barbas prateados, óculos de meia-lua e um nariz muito torto.

— Sejam bem-vindos para mais um ano em Hogwarts! Tenho algumas coisas a dizer a todos, e uma delas é muito séria. Acho que é melhor tirá-la do caminho antes que vocês fiquem tontos com esse excelente banquete…Como vocês todos perceberam, depois da busca que houve no Expresso de Hogwarts, a nossa escola passou a hospedar alguns dementadores de Azkaban, que vieram cumprir ordens do Ministério da Magia — Ele fez uma pausa — Eles estão postados em cada entrada da propriedade e, enquanto estiverem conosco, é preciso deixar muito claro que ninguém deve sair da escola sem permissão. Os dementadores não se deixam enganar por truques nem disfarces, nem mesmo por capas de invisibilidade — acrescentou ele brandamente, olhei para Harry e nossos olhares se encontraram — Não faz parte da natureza deles entender súplicas nem desculpas. Portanto, aviso a todos e a cada um em particular, para não darem a esses guardas razão para lhes fazerem mal. Apelo aos monitores, e ao nosso monitor e monitora chefes, para que se certifiquem de que nenhum aluno entre em conflito com os dementadores.

Dumbledore fez nova pausa; percorreu o salão com um olhar muito sério mas ninguém se mexeu nem emitiu som algum.

— Agora, falando de coisas mais agradáveis — continuou ele —, tenho o prazer de dar as boas-vindas a dois novos professores este ano. Primeiro, o Profº. Lupin, que teve a bondade de aceitar ocupar a vaga de professor de Defesa contra as Artes das Trevas.

Batia palmas olhando para o meu padrinho que se levantou e fez uma leve referência a todos. Logo o diretor apresentou outro professor, Rúbeo Hagrid.

— Bem, acho que, de importante, é só o que tenho a dizer. Vamos à festa!

As travessas e taças de ouro  se encheram inesperadamente de comida e bebida. Meus olhos brilharam e eu percebi que eu realmente estava com muita fome.

 

O banquete seguiu calmamente enquanto eu comia e conversava com Daniel sobre quadribol e várias outras coisas. Logo a hora de recolher chegou e eu e Daniel seguiu o monitor da Grifinória, Percy Weasley.

Quando cheguei perto da porta do salão um garoto loiro que falava algo sobre seu pai ser amigo íntimo do ministro da magia esbarrou em mim, me empurrando para o lado para que ele pudesse passar.

— Olha por onde anda — Eu disse irritada para o loiro e ele se virou para mim preste a falar alguma  coisa, mas sua boca fechou imediatamente — Perdeu a língua?

— Sou Draco Malfoy — Ele falou estendendo a mão para mim e eu olhei para mão dele e depois para o seu rosto.

— Tanto faz, presta atenção quando andar por aí achando que é dono do mundo, Malfoy — Eu disse e sai andando para acompanhar Percy, Daniel e os outros alunos.

Consegui alcançar Percy e os outros, conseguindo descobrir que Percy Weasley é  um cara muito chato, que foi tagarelando o caminho todo até a sala comunal da Grifinória sobre regras e não sei mais o que.

 


Notas Finais


OPAAA TUDO BOM???

Gostaram do ponto de vista do Fred?? E do de Remus?? Gostaram do Daniel??? Logo logo vocês vão ter um ponto de vista da Annabelle e creio eu que vocês vão gostar! hihi E a aparição de Draco? SOS Andy não gostou nadinha dele ter esbarrado nela.

Dessa vez eu não demorei nadinha para publicar esse capitulo, talvez eu demore um pouco para postar o outro :( To doente demais e essa semana eu tenho mais provas (Saco), mas enfim espero que gostem desse capítulo! Obrigada a todos que comentaram no capítulo anterior, eu amo os comentários de vocês <3

Até a próxima!

beijoss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...