História A garota de óculos •| Imagine Kim Taehyung |• - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Imagine Kim Taehyung
Visualizações 168
Palavras 1.474
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


PQ dois caps num dia ?
PQ Sim! depois dessa, ate eu to anciosa!!!
Vamos pro cap REVELAÇÃO meu povo.
Espero que gostem, até la embaixoo ^^

Capítulo 9 - Os óculos


Fanfic / Fanfiction A garota de óculos •| Imagine Kim Taehyung |• - Capítulo 9 - Os óculos


POV. TAEHYUNG 

Ela me olhou triste e pude notar que algumas lagrimas caíram nas lentes dos óculos, pelos quais ela parecia ter tantos segredos. Ela limpou os olhos; sorriu; e começou.

- antes de tudo Tae... eu gostaria que soubesse que... apesar do que você  vai ouvir de mim...por mais que... você  me abandone...eu te peço que, nunca me esqueça....Foi um curto tempo de amizade mas... eu tenho certeza, que eu nunca poderei me esquecer de você. Por que... você  foi o unico...  que me salvou.

Você foi o unico ao meu lado.

Essas palavras foram como uma facada pra mim. Eu não  sabia o que estava por vir, mas eu sabia que com certeza, não  seria fácil  de ouvir...


- tudo começou quando eu tinha dez anos de idade. Eu tinha acabado de chegar da escola. eu e meus pais morávamos em uma casa afastada da cidade, meu pai era esctitor, e minha mãe  trabalhava como medica em um hosptal publico. Minha mae nunca estava em casa quando eu chegava, ela sempre chagava a noite, e eu passava o dia com meu pai.  Era um dia de chuva, então, depois do almoço eu... acabei dormindo no sofá  da sala. Quando eu acordei, meu pai estava sentado em frente à lareira, de costas pra mim... já  era hora de minha mãe  ter chegado.... mas ela não  chegou... meu pai disse que ela demoraria no trabalho, e falou que iriamos brincar um pouco ate ela voltar...  ele me pegou no colo... me levou até  seu quarto.... me deitou em sua cama.... e simplesmente....

 Me violentou.

Ouvir isso, foi como... como se alguém  tivesse me sufocando, eu quase não  conseguia respirar, estava intalado. Tentei falar algo, mas nada saia, e ela contando isso assim... numa naturalidade completa... sem qualquer expressão no rosto, como se estivesse simplesmente me contando uma historia boba, que você  escuta na escola, ou em qualquer outro lugar. Ela apenas não  demonstrava sentimento algum.

- não se sinta assim tae - ela disse me olhando nos olhos sorrindo fraco - não  existem motivos para você  ter pena... De uma assassina. É  apenas isso que eu sou, foi apenas isso...que eu fui naquela noite. Uma criança, idiota e inocente que... não  tinha a menor ideia do que estava fazendo. Eu me sentia tão... tão... indignada, eu... me machuquei profundamente por que... meu pai, era um exemplo pra mim, e ele ter feito aquilo comigo... eu... só  conseguia sentir nojo dele. Naquele momento, eu não  o via mais como meu pai... eu o via apenas como um homem, que me causou muita dor, que me machucou. E a unica coisa que eu sabia, era que eu nunca mais, Queria sentor essa dor de novo.

Então  eu o matei.  Eu matei o meu proprio pai. E eu nunca, Nunca, vou me perdoar pelo que eu fiz. - eu não  tinha reação.  Eu apenas a encarava sem saber o que dizer.

- (S/n), eu... 

- nao tae. Não  é  só  isso... isso, foi apenas o começo.  Duas semanas depois do enterro do meu pai, minha mae me entregou esses óculos,  os oculos dele. Como uma memoria para que... eu sempre me lembrasse que.. mesmo que o meu pai tivesse feito aquilo comigo, ele semore foi meu pai, e isso, eu sempre reconheci.  Minha mae me deu os óculos, com o intuito de eu apenas guardá-los como uma mera lembrança dele. Mas eu os quis pra mim, eu queria usá-los, para sentir sempre a presença do meu pai comigo, e foi o que eu fiz.  Mas eu... percebi que... essa foi a pior escolha da minha vuda. Já  na primeira noite, depois de receber o óculos, eu tive minha primeira alucinação com meu pai. Eu ouvi vozes, elas me diziam coisas horríveis, e pendiam tanto para o lado que eu fiz certo em matar o meu pai, quanto para o que eu era um monstro desalmado, uma criança que matou o proprio pai. Desde então... elas nunca mais pararam, eu nunca mais consegui sair desse terrível pesado que eu mesma criei. Minha vida nunca mais foi a mesma. 2 anos depois, minha mae decidiu me levar a um psiquiatra, e eu fui diagnosticada com esquizofrênia. Eles disseram que não  tinha cura, e que pra cada pessoa, existe uma causa. No meu caso, os medicos disseram que poderia ser algo que me lembrasse aquele dia... que me lembrasse o meu pai.

- os óculos - falei encarando o chão. 

- exatamente. Os óculos.  Minha mãe  não  se lembrava de exatamente nada, que pudesse me conectar àquele dia, como uma lembrança forte. Eu não  a lembrei dos óculos, pois os médicos  disseram, que qualquer coisa relacionada a essa memoria, deveria ser excluída da minha vida. E eu não queria me desfazer deles. Eu escolhi ficar com eles... eu escolhi sofrer, para nunca esquecer, o mal que eu calsei à minha mãe, ao meu pai, e a mim mesma. Eu escolhi sofrer, pra me punir. Eu escolhi sofrer... em troca de viver.    

E assim a minha vida passou, ao final dos meus 13 anos, eu já  não  contava com ninguém  além  da minha mãe.  Mudamos de casa, de bairro, e até mesmo de cidade. Eu não  tinha amigos.....pois todos sabiam da minha condição - ela riu irônica - e quem gostaria de ser amiga de uma louca não  é?! - ela começou a chorar, misturando soluços com as palavras - exatamente. Ninguém gostaria.  

Eu passei os ultimos 6 anos da minha vida sozinha tae. Eu não  podia contar com ninguém, Alem da minha mãe - ela para de falar e fecha os olhos apertando-os, e suspirando profundamente. Ela abre os olhos lentamente, e me encara - eu já  não  viviva mais.... 

ela me encara com os olhos cheios de lagrimas e suspira novamente.

- 6 anos se passaram, e minha mae descobriu um tratamento psicológico, que só  existe aqui na Coréia.  Ela passou  os ultimos anos  procurando algo para me tirar disso tudo, algo que pudesse me salvar de mim mesma, e ela finalmente encontrou... ela veio tão  animada... - ela sorriu oljado o chão -  me contando que agora, finalmente tudo daria certo, que nós  ficariamos bem... que eu,  ficaria bem. Ela estava tão  feliz... mas eu confesso... eu.. pra mim, já  não  faria mais diferença entende?  Era como se eu... já... estivesse morta. Pra mim tanto fazia estar viva ou não... eu só  estava ocioando o lugar que eu mesma tirei de alguém. Era apenas isso pra mim. Mas a minha mãe... ela... estava tão  feliz por mim... - ela aperta os olhos novamente - eu não  queria estragar a felicidade dela, então, eu apenas vim....

Eu... nunca achei que a minha vida poderia mudar tanto... quando cheguei aqui, pela primeira vez em anos, eu... estava feliz... - ela me olhou e sorriu - sabe por que ? - fiz que não  com a cabeça - 

Por que eu conheci você  Kim Taehyung. 

 No momento em que ela disse isso, eu comecei a chorar. Eu não  sabia que por traz de uma menina tão doce como ela, havia um pasaado tão  amargo como o que ela tinha....

- VOCÊ  tae, você me tirou da solidão. Você  conseguiu mudar a minha vida, você  conseguiu fazer o milagre, de me fazer querer viver de novo. E isso foi algo... que ninguém  tinha feito por mim antes. Você  foi um amigo pra mim tae....

- Você  foi a minha salvação. 

 Ela disse por fim, me olhando com aqueles lindos olhos, que continham toda a felicidade, mas ao mesmo tempo toda a tristeza do mundo, e mesmo assim, ainda sempre tem um sorriso estampado no rosto. A unica coisa que eu consegui fazer, foi correr até  ela, e lhe dar um abraço. Eu a apertei fortemente, enquanto chorava em seu ombro, e ela chorava no meu.

- por que não  me disse isso antes (S/n)..?! Eu teria entendido, eu teria apoiado você! - felei a apertando mais

- eu tive medo tae... tive medo de perder o meu unico amigo... por causa dessa droga de doença... eu tive medo de você  me abandonar!  - ela disse e começou a soluçar, eu pude sentir suas lagrumas escorrendo pelo meu pescoço.

- eu nunca vou te abandonar! Eu sempre vou estar aqui, eu vou ficar com voce, eu vou cuidar de você, eu prometo... eu prometo____. - ela soluça e me aperta mais forte, encaixando o rosto em meu peito.

- obrigada tae... obrigada por ficar comigo... obrigada por cuidar de mim... obrigada por não  desistir de mim....

Essa menina... ela precisa de alguém ao lado dela.. ela precisa de carinho, amor, e cuidado, mais do que ninguém... ela precisa de alguém que fique ao lado dela pra tudo. E eu não  posso  deixá-la num momento desses.

- Você pode contar comigo. Pode ter certeza, que eu vou estar sempre aqui (S/n)... eu vou estar sempre com você.  

eu nunca vou te abandonar.







Notas Finais


Gente, eu juro ora vocês, que eu chorei muito, escrevendo esse cap. Sério, eu sou muito emotiva😭
Em fim, esse foi o cap, espero de verdade que tenham gostado, por que eu escrevi com muito carinho. Obrigada a todos que estão lendo, e até o proximo Bjjs🖤🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...