História A Garota do Café - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Originais, Personagens Originais, Romance
Exibições 19
Palavras 1.499
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Espero que gostem *-*

Capítulo 1 - Como tudo começou


Logan Collins era o sonho de qualquer garota. Com vinte e dois anos, Alto, moreno, com incríveis olhos castanhos. Tinha qualquer uma aos seus pés e amava se vangloriar por isso. 

Filho de um dos empresários mais famosos de Londres, John Collins, nunca faltava-lhe nada. 

Faculdade ele fazia apenas por obrigação, afinal, era extremamente milionário, não precisava disso. 

Se tinha uma coisa ele odiava era as festas irritantes que seu pai dava e o obrigava a ir. Segundo ele, aquela era uma forma dele "conhecer seus futuros clientes". Uma idiotice já que ele nem queria trabalhar no mesmo ramo que o mais velho. 

_ Gostando da festa? _ Will Turner, seu melhor amigo, se aproximou com uma taça, aparentemente de vinho, na mão. 

_ Estou me divertindo tanto. _ Sua voz soou irônica.  

O amigo riu. 

_ Adoro ver esses caras fingindo que são amigos um do outro quando na verdade só querem dinheiro. _ Falou. 

_ É, eu também amo ver isso. _ O outro sorriu enquanto bebia um pouco do vinho. _ Há, amanhã teremos prova. Você sabe, né? 

_ Faculdade... _ E então em seguida, Logan riu. _ Meu pai acha que vou ser um bom empresário. Dá pra acreditar? 

_ Cara, por que você não cursa outra coisa? _ Will perguntou. _ Se não gosta disso, acho melhor sair enquanto da tempo. 

_ Meu pai me mataria. _ Respondeu, e não demorou muito para caírem no riso.  

Os dois olharam para os homens engravatados ao seu redor mais uma vez. 

_ Eu já cansei disso. _ Logan encarou o amigo. _ Que tal um café? 

_ Vão matar a gente quando perceberem que sumimos. _ Will falou. 

_ Vamos logo. 

Os dois nem precisaram de muito disfarce pra sair, afinal, ninguém ali prestava atenção nos dois jovens e seus pais estavam longe. 

Saíram de casa rapidamente, e andaram até a garagem para pegar o carro de Logan. 

Deram partida e, antes de abrir o portão, o porteiro os olhou como se soubesse que os dois estavam "fugindo". Mas pareceu nem ligar, apenas deu um "Boa noite" e abriu o caminho. 

O carro de Logan era um conversível cinza, o moreno gostava de atrair os olhares das pessoas. 

_ Ficar ouvindo a conversa chata daqueles caras é cansativo. _ Will o olhou. _ Meu pai fez questão de me apresentar para cada um deles. Chatice. 

_ Achei que quisesse ser empresário. _ Logan disse sem tirar o olhar da pista. 

_ Quero. Mas odeio a parte das reuniõezinhas particulares. 

Antes que Logan pudesse abrir a boca para concordar, sentiu seu celular vibrando no bolço do paletó. 

Tirou uma das mãos do volante para atende-lo. 

_ Quem é? _ Will perguntou. 

Logan encarou o visor do celular por uma fração de segundo antes de voltar a olhar a pista. 

_ Laure. _ Respondeu enquanto revirava os olhos. _ Essa mulher não me deixa em paz. _ E desligou o aparelho. 

Will riu alto.  

_ Eu disse pra você não transar com ela. 

_ A garota me dá mole a séculos. _ Encarou o amigo. _ Ela implorou por aquilo. 

_ Pelo menos ela é gostosinha. _ O amigo disse. _ Eu pegaria ela se não fosse louca. 

_ Pode ficar com ela todinha pra você. 

_ Prefiro não arriscar. _ Will disse. 

Não demorou muito para chegarem a um café, cujo sempre iam para conversar. 

O moreno estacionou o carro na pequena área que ali existia para coloca-lo. Segundo Logan, aquilo não podia ser chamado de estacionamento, afinal não era tão grande. 

Ao entrar no aposento sentiu o calor do lugar o invadir. Era aconchegante. 

Sentou em uma das mesas com Will e esperou que alguém para os atender 

_ Eu não acredito que estou em um café num domingo á noite. _ O moreno falou. 

_ É, nem eu. _ Will o olhou. _ Eu ia sair com a Alice. 

Alice Morgan, uma das garotas mais esnobes da faculdade. Bom, esnobe mas gostosa. Ela já havia passado na cama do Logan muitas vezes. 

_ Você trocou uma noite de sexo com a Morgan pelo um jantar idiota com os amiguinhos dos nossos pais? _ Perguntou. _ Que pena de você. Aquela garota é um furacão. 

_ Não preciso de detalhes. _ Will disse. _ Já estou me sentindo mal por dar um toco nela. 

Logan apenas riu. 

_ E você?  

_ E eu o que? 

_ Quem será a próxima vitima de Logan Collins?  

_ Ela pode estar em qualquer lugar por ai. _ Respondeu brincalhão. 

_ Com certeza. _ Will concordou. 

_ Com licença... _ Uma terceira voz se fez presente na conversa. _ O que vão pedir? 

Uou. Aquilo que era uma garçonete. Como que o moreno nunca a tinha visto antes? 

_ Um cappuccino pra mim. _ Logan conseguiu ouvir a voz do amigo. 

_ E para o senhor? _ A garota o encarou esperando que ele falasse alguma coisa. 

_ A mesma coisa.  

_ Algo mais? _ Perguntou. 

Você.

_ Não, nada mais. _ Sua voz saiu firme. 

E quando ela se afastou, ele a seguiu com o olhar. 

_ Gostou do que viu, Logan? _ Will zombou. 

_ Você perguntou da minha próxima "vitima", certo? _ O olhou tentando fazer o amigo entender o que se passa na sua mente. 

_ Não brinca! _ Will não demorou a captar as coisas. _ Ela parece ser certinha demais. _ E encarou a garçonete que entregava alguns pedidos no balcão do lugar. _ Não vai rolar, cara. 

_ Você ta duvidando da minha experiência, meu caro amigo? 

_ Não estou duvidando, só acho que essa garota não é igual as da universidade. _ O amigo respondeu. 

_ Garotas são todas iguais, Will. _ E completou. _ Aposto que ela vai me dar o maior mole quando perceber que eu sou filho de um empresário. 

A conversa ainda fluiu por mais alguns minutos. Logan tentava convencer Will de que iria conseguir passar uma noite com a garota do café enquanto Will dizia que isso não ia acontecer. 

_ Cala a boca. Ela esta voltando. _ Falou em tom baixo para o amigo. 

Logo, a garçonete se aproximou, trazendo com ela duas xícaras. 

_ Aqui esta, dois cappuccinos. _ Falou enquanto colocava os copos na mesa. _ Se precisarem de mais alguma coisa é só chamar. 

Antes que ela se distanciasse, Logan se pronunciou. 

_ Eu preciso de algo... _ Ela o encarou, aparentemente esperando ele continuar falando. _ O numero do seu celular. Será que rola? 

_ Desculpe? _ A garota pareceu um tanto incrédula. 

_ To chamando você pra sair. _ Soou como se fosse óbvio. 

_ O senhor nem sequer me conhece. _ E então, a garota olhou rapidamente para o balcão, provavelmente vendo se alguém observava que ela estava demorando mais do que o normal ali.  

_ Bom, estou pedindo o seu numero para a gente se conhecer.  

_ Não, isso não é uma boa ideia. _ Ela falou. _ Desculpe.  

Antes que ela pudesse sair, o rapaz se levantou e entrou na sua frente. 

_ Esta me dando um fora? _ Perguntou atônico. _ Você sabe quem eu sou? 

Aquilo não acontecia.  

Ninguém o rejeitava. 

_ O senhor pode me deixar voltar para o meu trabalho? 

_ Sou filho do John Collins, o empresário. 

A garota não pareceu abalada ou surpresa com tal revelação. 

_ Bom, meus parabéns para o senhor. _ E completou. _ Agora eu realmente preciso trabalhar.  

_ Você sabe quantas garotas gostariam que eu chamasse elas pra sair? 

_ Nada o impede de ir atrás delas. 

Como assim? Ela realmente não iria aceirar? 

_ Esta acontecendo algo aqui senhor Collins? _ Era Philip, o dono do lugar, e o maior puxa saco de gente com dinheiro. _ Você esta perturbando os clientes, senhorita Clark? 

_ Ela não fez nada. _ Logan respondeu sem desviar o olhar da moça em sua frente. _ Esta tudo bem. 

_ Tem certeza, senhor?. _ O homem ainda parecia desconfiado.

_ Esta tudo bem, já disse. _ Foi direto.

_ Certo. _ Ele cedeu. _ De qualquer forma, não hesite de me chamar se acontecer qualquer coisa.  

_ Claro. _ Concordou e não demorou muito para vê-lo se afastar. 

A garçonete, a sua frente, não falou mais nada. Seu olhar se prendeu ao dela por um estante e quando pensou em dizer mais alguma coisa, ela deu meiia volta para continuar seu trabalho. 

O moreno ainda a seguiu com o olhar antes de sentar-se na mesma cadeira que eu estava antes. 

Só acordou do seu estado de transe quando a voz de Will se fez presente.

_ Isso foi muito engraçado. _ O amigo disse.

_ Foi mesmo, muito engraçado. _ Ironizou.

_ Eu disse que ela não ia cair na sua. 

_ Cala a boca Will! _ Mandou irritado.

Aquela garota o intrigou de um modo que nenhuma outra pessoa tinha feito antes.

Por que afinal ela deu-lhe aquele fora?


Notas Finais


Não se esqueçam de deixar um comentário, okay?
Bjos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...