História A Garota Do Calendário: Janeiro (Camren) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren
Exibições 220
Palavras 1.126
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aí pessoas, beleza? Então... preparados pro Lepo-Lepo? Kkkkkkkkkk.
Ouçam as músicas que recomendei nos capítulos passados ok? Ou o que preferirem. Sem enrolação, vamos lá! 😈😈😈🔥🔥🔥😌😏😏😏

Capítulo 11 - Capítulo 11


— Exatamente. — Ela mordeu meu pescoço, arrastando os dentes pela base esbelta.

Cada nervo, cada poro, cada molécula minha estava concentrada em se fundir a essa mulher.

Sem rodeios, ela me jogou na cama e olhou para baixo.

— Tire o vestido — exigiu. Seus olhos estavam escuros, repletos de luxúria. Eu podia dizer que ela estava tentando se controlar, pois abriu e fechou as mãos, os tendões em seu pescoço inchados de desejo.

Puxei o vestido sobre a cabeça e fiquei de joelhos, usando um sutiã azul-escuro e fio dental combinando. Ao me ver exposta, ela respirou fundo e assobiou.

— Sua vez. Tire o terno — eu disse, enquanto passava as mãos sobre as taças do sutiã. Sua mandíbula estava apertada quando ela deixou cair o paletó e a gravata rapidamente, e abriu a camisa para revelar o seio bronzeado que eu tanto amava. Mordi o lábio. — Tudo. Quero tudo de fora. — Minha voz soou rouca e necessitada.

Lauren sorriu. Lentamente, tirou o cinto e baixou a calça. Pegando um preservativo do bolso, rasgou-o com os dentes e o colocou em sua ereção, tudo sem quebrar o contato visual. Levei a mão às costas e abri o fecho do sutiã. Assim que sua calça caiu no chão, a peça a seguiu.

— Cacete, não consigo nem olhar para você. — Sua voz estava cheia de admiração. — Tão linda. — Ela apertou os dentes com tanta força que eu pude ouvir o barulho.

Minha sobrancelha se ergueu e eu observei toda a sua glória nua. Alta, bronzeada, músculos definidos e um pau duro e grosso, pronto para dar prazer.

— Você também não é nada mal — falei enquanto apreciava a vista. — Prove — ela provocou com um sorriso. Minhas palavras de ontem à noite se voltaram contra mim, revelando que ela prestava muita atenção nas nossas interações. Isso me deixou feliz, tonta, de uma forma que eu não queria pensar muito a respeito.

Engatinhando para a beirada da cama, coloquei as mãos em seu seio rígido. Inclinei-me e lambi um mamilo. Ela gemeu e grunhiu baixo quando mordisquei o pedaço de carne. Suas mãos envolveram meus cabelos. Levei o rosto para perto do delw e oscilei sobre seus lábios, próxima o suficiente para que ela pudesse sentir minha respiração. Ela lambeu a boca, preparando-se para aquele primeiro toque. Mas eu não cedi. Em vez disso, beijei apenas o canto de seus lábios.

— Está brincando comigo? — ela perguntou, em um tom divertido. Passei o queixo ao longo de sua bochecha. Em seguida, mordisquei e lambi o lóbulo de sua orelha.

— Do que você está falando? — sussurrei, certificando-me de soprar ar suficiente contra o ponto sensível, de modo que ela entendesse minha intenção.

Seus dedos seguraram meus quadris e se enrolaram em minha calcinha, puxando-a para baixo sem a menor cerimônia. Engoli em seco quando o ar encontrou meu centro molhado.

— Acho que você está — ela respondeu e, em seguida, empurrou-me para trás, sobre a cama. Caí em uma lufada contra a nuvem confortável de cobertores.

Assim que abri os olhos, suas mãos estavam em meus joelhos. Ela os afastou, viu meu sexo úmido e dolorido e gemeu. Passou um dedo pela umidade. Também gemi quando ela acariciou meu feixe de nervos sensível e apertado.

— Vou te devorar. — Seus olhos brilharam para os meus. — Mas primeiro preciso estar dentro de você. Ela se posicionou sobre a minha fenda e colocou apenas a ponta ali dentro. Arqueei, querendo mais, precisando de mais. Usando a força do torso, ela pairou sobre mim. — Olhe para mim enquanto possuo você pela primeira vez — disse, com um rosnado sexy e possessivo. E eu olhei. Assisti enquanto ela me tomava centímetro por centímetro.

Os lábios do meu sexo foram estendidos, sua espessura me fazendo sentir completa, no limite da capacidade, mais que qualquer outro amante que já tive. Gemi, inclinando a cabeça para trás, sem ser capaz de olhar enquanto ela enfiava os últimos centímetros para dentro. Já estava muito profundo.

— Camila — ela sussurrou, com a voz tensa. Meus olhos se abriram e encararam seu olhar repleto de luxúria. Apoiando-se nos cotovelos, ela segurou meu rosto com as duas mãos. Levou os quadris para trás e começou a se mover enquanto seus lábios tomavam os meus. Unidos naquele momento como um corpo só, não havia Lauren ou Camila. Havia apenas nós.

O beijo foi ardentemente sensual, molhado e avassalador. Ela mergulhou a língua em minha boca, da mesma forma que seu pau entrou em meu corpo. Com precisão, profundidade e muito prazer, exatamente como eu me sentia, estremecendo com o esforço. Envolvi as pernas e os braços ao redor dela, segurando-o enquanto ela me penetrava cada vez mais, seu membro alcançando lugares que eu nem sabia que existiam. Ela desencadeava sentimentos tão intensos que eu gritei e me agarrei a ela quando a primeira onda de orgasmo atingiu meu corpo.

— Puta merda, Camila. Você me aperta de um jeito tão gostoso. Mais uma vez, linda. — Lauren me conduziu pelo orgasmo, mas não encontrou sua própria libertação. Nossa, a mulher tinha uma energia... Tirei a sorte grande quando minha tia me encaminhou para ela.

Lauren chupou meus lábios e, em seguida, saiu de dentro de mim. Antes que eu pudesse protestar, ela me virou e puxou meu quadril para cima.

— Porra de traseiro perfeito. Caramba, Camila. — Ela deu um tapa em um lado, voltando para o calor entre minhas pernas antes mesmo que a ardência provocada pelo contato deixasse minha pele.

— Porra, você sabe mesmo o que está fazendo — gemi, empinando os quadris. Ela agarrou minhas laterais e estabeleceu um ritmo punitivo. Eu podia ouvir os sons dos nossos corpos se chocando um contra o outro.

— Preciso daquele apertão no meu pau de novo — Lauren rosnou quando se inclinou sobre mim e colocou a mão entre minhas pernas. Seus dedos se concentraram em meu gatilho, e eu me perdi. Estremecendo ferozmente, as paredes do meu sexo apertaram seu pau duro até que ela rugiu. Mais três estocadas rápidas e todo o seu corpo ficou imóvel sobre a minha bunda enquanto ela pulsava dentro de mim.

Lauren desabou sobre meu corpo, sua respiração saindo em ondas curtas contra os pelos da minha nuca. Nós duas estávamos sem fôlego, perdidos em nosso prazer. Ela saiu de dentro de mim e me puxou para seus seios. Passamos os minutos seguintes nos beijando como adolescentes. O quarto cheirava a mar, sexo e restos mortais do meu perfume, Trésor. Praticamente a perfeição. Se pudesse engarrafar esse cheiro, eu o usaria todos os dias.

Deitadas juntas, me curvei contra seu seio.

— Então, me conta alguma coisa...

Lauren riu.

— Você poderia ser mais específica?

Dei de ombros.

— Me conta algo sobre você. — Com um dedo, tracei círculos sobre seu peito.

Ela suspirou.


Notas Finais


Então, o que acharam? 😂😂😏😏😏😏🔥😈😈😈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...