História A garota do Tempo - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags A Garota Do Tempo, Naruto, Romance, Sasusaku
Exibições 524
Palavras 3.439
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Hentai, Josei, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Aeeeeeeeee! :3

Capítulo 9 - A garota do tempo: Previsão 9.


Fanfic / Fanfiction A garota do Tempo - Capítulo 9 - A garota do tempo: Previsão 9.

A garota do tempo.

Manhã de sol com possibilidade de chuva ao anoitecer. A previsão de hoje também é de muito vento e, olhares profundos...

 

— Bom diaaaaa! – Sakura exclamou, tão logo entrou no café, era um estabelecimento perto da sede, onde os mais próximos da equipe iam vez ou outra, o clima era agradável e também agitado, na verdade, tudo em Nova York parecia agitado, Sasuke ainda estava se acostumando.

— Hey, Tutu? – Gaara cumprimentou, com um sorriso de lado, ela revirou os olhos e se sentou.

— Vai se catar, Gaara.

— Estou magoado.

— Você chegou cedo hoje, geralmente sempre chega por último – Konan observou.

— É? Quem está faltando?

— Yahiko, Yugito, Dayse, ah, aquele cara novo também.

— Só o Sasuke bancou o novato certinho, foi o primeiro a chegar – Gaara provocou.

— Em minha defesa eu tive medo de me perder – Sasuke declarou, meio ofendido.

— Uuuuhhh.

— Mané.

— Vocês são horríveis, você ainda não tem carro, Sasuke? – disse Konan.

— Ainda não, mas tenho que arranjar, antes que eu enlouqueça, não suporto ficar sem carro.

— Faça como a Sakura, a louca pega metrô e taxi – Konan riu, e Sakura deu de ombros, pegando um pãozinho da cesta no centro da mesa.

— Eu não gosto de depender de qualquer meio de transporte, quando eu morava em Brookwood, a casa dos meus pais era fora da cidade, eu tinha que andar dois quilômetros até a beira da estrada e esperar a droga do ônibus.

— Ué, ia de cavalo – disse Yahiko logo chegando atrás dele, Yugito ocupou o outro.

— Cavalo?

— Seus pais não são donos de um haras?

— Vai se ferrar cara, por isso eu vim pra cidade assim que deu, e comprei meu carro.

— Pobre homem que não vive sem os luxos da tecnologia, acho que você vai se acostumar com Nova York mais rápido do que imagina, Sasuke – Gaara concluiu.

— Esse cara tem namorada? Ele precisa de alguém pra segurar essa língua dele.

— Hahaha.

— Ninguém suporta muito tempo – disse Yugito.

— Já esperava.

— Hey loira, deixou uma coisa cair.

— O quê? – Gaara sorriu maldoso.

— Seu queixo, ele sempre cai quando me vê.

 — Uuuuhhh!!!

— Ah, me poupe.

— Eu esperava mais – Sasuke provocou.

— E você, cowboy? Não deixou ninguém em Bama? – Konan indagou.

— Hn? Eu? Nah, só a minha mãe mesmo.

— Eu falei com Itachi ontem ele disse algo sobre sua mãe comemorar e seu quarto virar uma sala de chá francesa. – Gaara se meteu.

— Em primeiro, Itachi não é de confiança, é duro dizer isso de um irmão e um juiz, mas ele não é de confiança, segundo, eu saí da casa dos meus pais antes mesmo de ir pra faculdade, terceiro, eu vou enfiar esse bolinho na sua goela.

— Terceiro! – as meninas escolheram, Idate, Yahiko e o resto dos homens jogaram pedaços de comida ou papel no ruivo.

— Quanta maturidade, quanta maturidade – ele resmungou, balançando a cabeça.

— Agora você quer maturidade...

Vários bipes soaram pela mesa, alguns pegaram os celulares, outros olharam no telefone.

— Ih, hora de ir pro trampo.

— Já deu.

— Circulando moçada.

— O Sasuke paga a conta?

— Quem deveria receber cortesias não sou eu?

— Hahaha – Cada um foi deixando um trocado e saindo, atravessaram a rua pela faixa junto a um bolo de pessoas. Sakura correu meio atrasada por ter ido ao balcão comprar uma caixa de cafés expressos e outra de rosquinhas.

— Vai tomar tudo isso? – Sasuke indagou, ela se espantou e ele também mas tomou a caixa cheia de copos fervilhantes de café das mãos dela antes que um desastre se fizesse — Opa!

— Meu deus, desculpe! Você se queimou?

— Estou bem, e você?

— Apenas com vergonha de mim mesma – Chegaram ao outro lado e ela arrumou o casaco ainda posto pela metade e a bolsa. Sasuke arrumou a mochila por cima do ombro também.

— Acontece, mas vai tomar tudo isso? Não me diga que virou uma Workaholic?

— Não são pra mim, tá? – Ela riu, tomando-lhe a caixa, Sasuke a viu seguir para a direção oposta em que o resto deles ia, e a seguiu, curioso. Sakura se apressou sobre os saltinhos pela calçada até entrar num beco, e ele também, não gostando de vê-la se enfiar num lugar assim sem nem prestar atenção.

Seguiu-a pelo beco até uma curva e parou quase segurando-a quando notou um beco sem saída onde haviam várias barracas de papelão e outras tralhas improvisadas. Ele viu um par de pernas em calças velhas e sujas escapando de uma delas.

— Sakura...

— Shhhii – Ela ciciou, indo até onde havia uma lata de lixo virada, deixou os expressos e a caixa de rosquinhas lá e se afastou, dando a volta e puxando Sasuke pela mão. — Vamos, ou vamos nos atrasar.

— Sim...- ele a seguiu olhando para trás, vendo os que os mendigos ainda dormiam.

— Eles têm ficado por aqui ultimamente.

— Não seria porque está bancando o papai noel? – Ela riu e meneou a cabeça.

— Mesmo que eu sempre traga algo, a polícia uma hora os encontra e expulsa, e eu levo apenas o café da manhã, eles passam o dia caminhando por aí, tadinhos.

— Tome cuidado, huh?

— Claaaaro – Ela falou como uma criança traquinas, Sasuke puxou a mão que segurava e a fez voltar e encara-lo.

— Eu não ouvi um “prometo” sabe? – Sakura bufou adoravelmente.

— Prometo! Agora vamos trabalhar? É o seu segundo dia, muito cedo para se atrasar, não?

— Ah, obrigado! – Ele se indignou, falsamente. Sakura estapeou seu ombro e entrou, ambos foram para o elevador, ela se recostou no vidro, e ele observou lateralmente, sua beleza, ela segurava um blazer na verdade, era de um tom creme muito claro, bem como toda a sua roupa, era estranho vê-la de calça social, mas não estava menos bonita, ela parecia ainda mais adulta e séria. Ele sentia menos fragilidade vindo dela, mas não menos doçura.

— Eu pense que só fosse dar as caras aqui pela noite – Comentou.

— Hum? Eu gosto de ficar aqui, mas eu vim mais cedo porque vou fazer uma matéria fora do meu quadro.

— Wow, sério?

— Você ainda está se acostumando com a programação?

— Confesso que não me meti muito a conhecer tudo, sou bem focado na minha área.

— Aham sei.

— Juro, não sou muito de ver TV, sou mais de ler jornal, então.

— E o seu blog? Eu acho ele bem interativo, embora você não faça vídeos – Sasuke a fitou desconcertado e de boca aberta.

— Você... acompanha meu blog? – Sakura piscou e se empertigou, suas bochechas coraram e ela se mexeu meio que, provavelmente, querendo se fundir a parede do elevador, o fitou como se tivesse sido pega em flagrante.

— Eu gosto de esportes... Quer dizer, da forma como você fala...?

— Obrigado?

— Não me olhe assim! Não é tão estranho!

— Não acho estranho! Mas não achei que tipo... você me acompanhasse...?

— Eu tentava de vez em quando, até pensei em te mandar mensagem, mas me senti estranha...

— Estranha porquê? – O elevador abriu e ela seguiu para fora, ele também, sem tirar os olhos dela.

— Ah, sei lá, fazia muito tempo? Talvez você não lembrasse de mim, eu não sou muito boa em chegar nas pessoas também.

Seriamente? Ele morreu por cinco anos em frente o computador, com a página do facebook dela aberta, pensando mil formas de como chama-la, e agora, descobriu que, pelo menos vez ou outra ela esteve no mesmo impasse.

— Um dia você me mata. – Sakura sorriu, sem entender nada.

— Como?

— Nada, eu iria adorar ter mantido contato com você, Sakura – Ela piscou novamente surpresa e envergonhada. Então suspirou, e sorriu docemente, provando quão madura estava, ela teria corrido dele se ainda estivessem no colegial. Ele desejou ter certeza que ela nunca mais corresse dele de novo.

— Vamos fazer assim – Sakura decidiu, e os dois pararam em frente a porta da ala de jornalismo. — Eu nunca mais deixo de falar algo importante pra você,  e você faz o mesmo pra mim, sim?

— Combinado?

— Combinado.

— Certeza?

— Certeza!

— Promessa? – Ela estendeu-lhe o mindinho — Tá bom, entendi, não precisa disso.

— Agora eu querooo! – Sasuke suspirou, e olhou em volta, e estendeu o mindinho que parecia um dedo maior perto do dela, Sakura o segurou com empolgação. — Promessa de mindinho!

— Promessa...

— Viu? Nem doeu. – Ele sorriu, admitindo e então as portas se abriram e Idate apareceu, os encarou, e encarou seus dedos unidos. Sasuke se empertigou, nervoso.

— Iiiih! Sakura já te pegou numa promessa de mindinho também?

— Hein?!

— Hehehe, peguei! – Sakura de gabou, Idate gargalhou e se voltou para a enorme sala — Pessoal! A Sakura pegou o mindinho do Sasuke também!

— Ih, bem vindo ao time!

— Mais um!

— E lá vamos nós!

Sakura riu e soltou o dedo dele, Sasuke a fitou acusativo e ela acenou seguindo para outro corredor.

— Você prometeeeeu.

— E não só eu – Resmungou, ela acenou e sumiu na curva, Sasuke meneou a cabeça e entrou junto de Idate.

— Bem vindo ao time!

— Sério?

— Uma coisa sobre Sakura Haruno, aquele rostinho fofo é a maior arma de persuasão já inventada!

— Vou tatuar na minha cara.

— Hahaha.

֍

 

... Quem cresceu nos últimos dias e também sai de Iowa fortalecido é o senador da Flórida, Marco Rubio. Ele terminou em terceiro lugar e se consolida como uma alternativa republicana menos radical. Mas foi entre os democratas que a tensão da apuração atravessou a madrugada...-

Sasuke girou na cadeira e se voltou para o computador, tinha que terminar o artigo logo se quisesse ir para casa cedo.

Ao fundo podia ouvir a voz de Yahiko e Yugito no comando do jornal, e as de alguns colegas no entorno. Seus dedos passaram pelo teclado diversas vezes antes de encarar novamente a tela do computador, arrumar erros, assistir mais um pedaço do jogo gravado que tinha que comentar e então voltar a digitar, esse padrão que já estava acostumado, e que quando entrava, dificilmente saia antes de terminar.

Agora vamos com as previsões para esta quarta-feira, com Sakura Haruno, hey, Sakura? – Sasuke afastou as mãos do teclado, e girou na cadeira voltando-se para a TV mais próxima.

— Boa noite, Yahiko, boa noite Yugito – Sakura cumprimentou, usava um vestido floral solto na altura das canelas, e o cabelo preso em um coque. — Vamos começar com os ventos fortes na Louisiana, alguns agricultores tem tido problemas...

— Que arraso – Ele ouviu, e viu Guren se aproximar pelos corredores, com os olhos ainda na tela — Ela sempre arrasa, não é?

Sasuke teve a impressão de que ela não parecia tão satisfeita em afirmar isso.

— Ah, sim, ela é fantástica.

— Hahaha, todo mundo acha – Ela riu, e se recostou na mesa dele. — E você, como vai? Ainda não correu daqui.

— Eu não sou muito de correr das coisas, estou indo bem.

— Que bom, terminando seu artigo?

— Ainda hoje, eu espero.

— Sei como é, minha ponta parece simples mas é de matar, no entanto – Ela suspirou — Já temos a capa de amanhã – Disse, então jogou sobre a mesa, ao lado do teclado dele, uma folha com uma capa da revista Coven, que é propriedade da KGK também. Sasuke só tirou a atenção de Sakura na TV, porque viu Sakura naquela imagem. Ela estava na roupa daquela manhã, sentada em um sofá num lugar bem claro, sua expressão era dispersa da câmera, um tanto séria, até misteriosa.

Ele ia enfiar duplicar aquilo e espalhar pelo apartamento.

— Uau, incrível, ela está linda.

— Uhum.

— Sério, ela está demais, uau! – Guren deu de ombros, não muito interessada, olhando as unhas longas e tingidas de azul metálico.

— Vou avisar ao responsável pela arte.

— Dê meus parabéns, ela está incrível, quer dizer, ela já é fantástica, mas agora, uau. – Guren o observou longamente, e suspirou.

— Sei...

— Vai vender como água – Sasuke afirmou, bem humorado — Eu posso ficar?

— Vai ter que esperar até amanhã – Ela resmungou, tomando-o.

— Droga.

— Enfim, vai fazer algo depois que sair daqui?

— Eu? Só estava pensando em cair na minha cama. – Guren sorriu, ele sentiu um arrepio. — Quer dizer... Estou moído, sabe? – Levou a mão as costas apertando algum lugar dolorido.

— Bem, é só que...

— Hey, Sasuke! Não vai se esquecer hein? – Gaara avisou, do outro corredor, Sasuke se ergueu um pouco na cadeira para pode vê-lo acima das separações.

— Hein? – Gaara fez uma careta e se aproximou.

— Já esqueceu! Que mané!

— Esqueci do...

— Termine esse relatório logo cara, vamos todos sair pra um happy hour daqui a pouco sim?!

— Vamos? Combinamos isso?!

— Acho que esqueceu de dizer ao Sasuke, Gaara, de toda forma...- Guren disse.

— Claro que eu disse, na hora do almoço! – Sasuke o fitou como se ele tivesse batido a cabeça, eles não almoçaram juntos, ele havia aproveitado a hora para ir ver um bom carro para alugar.

— Vamos todos assim que o pessoal terminar o jornal – Indicou a TV — Yahiko, Yugi e Sakura?

— Sakura?

— Claro! Você tem que ver a carinha dela bebendo cerveja, cara!

— Ela bebe cerveja?!

— Você não sabe o que tá perdendo! Eu disse, combinamos, sim?

— Ah...- Sasuke o encarou e encarou a mulher que mandava um olhar irritado para o ruivo. — Claro! Onde eu estava com a cabeça, a mudança me deixou tonto, vamos sim!

— Isso aí! Ah, Guren você também vai né, gata? – Guren bufou recolhendo a foto e Sasuke deu uma olhada saudosa para a imagem.

— Tenho que terminar minha coluna, e estou com dor de cabeça.

— Oh, que pena, fica pra próxima então.

— Claro...- ela deu a volta e foi embora, Sasuke pressentia que se tivesse algum poder ela fulminaria Gaara com ele.

— Nossa.

— Vai ficar me devendo.

— Eu me senti uma isca – Ele admitiu. Gaara riu e bateu em seu ombro.

— Sobre Guren, gostosa pra cacete, topa tudo.

— Uau...

— Mas não topa uma coisa chamada “liberdade” saca? Dois encontros e ela está se mudando pro seu apartamento.

— Eu te devo grana? Porque eu vou agora sacar, cara, salvou minha vida.

— Acontece, e ela tem o péssimo costume de achar que deve ser a primeira a chegar nos novatos, acho que ela se sente a fêmea alfa por ter sido a primeira garota dessa nova equipe.

— Sei, acho que ela está procurando casamento no lugar errado.

— Hahaha, vamos lá, termine isso ou vai ficar pra trás pra ser o primeiro lanche da remessa nova pra Guren.

— Nem pensar. – Sasuke riu, voltando ao trabalho.

Eram quase dez da noite quando terminou e o zelador já estava limpando um lado da ala, o outro era ocupado apenas por quem virava a noite com matérias e coberturas para o site da KGK.

— Boa noite. – Ele cumprimentou, pegando o casaco e a bolsa, e saindo.

— Boa pra que vai – Comentou o outro rindo com uma caneca de café fumegante. Sasuke assentiu sabendo muito bem o que era corujar por uma matéria.

Seguiu pelo corredor e quando entrou no elevador suspirou, repensando se daria conta de voltar pro serviço amanhã, fazia tempo que não bebia com colegas e amigos, e ele gostava de beber e farrear, no fim, sempre exagerava um pouco quando ficava muito tempo sem esse escape.

— Segura! – Ouviu, e instintivamente, pôs a mão entre as portas, impedindo que se fechassem, elas recuaram novamente e ele se afastou vendo Sakura adentrar correndo, quase escorregando no piso. — Ai, obrigada!

— Você quase fez drift!

— Esses saltos são complicados – Ela admitiu, pondo a bolsa ao lado dos pés e desamarrotando o vestido de tom predominantemente lilás, então vestiu um blazer verde escuro.

— Vi sua capa de amanhã – Sakura o fitou, surpresa e ele sinalizou, beijando as pontas dos dedos como um chefe francês, o que a fez rir — Uh la lá!

— Você! Como conseguiu ver?

— Guren me mostrou, você estava linda, vou ser o primeiro a comprar.

— Obrigada, Guren te mostrou é? Então é verdade que ela...

— Está me cercando? Até ouço a trilha de Tubarão quando ela vem.

— Que malvado!

— Sem maldade, ela parece ótima, mas não estou interessado, muita coisa pra me adaptar.

— Ela é meio... Hum, galanteadora, mas é boa gente, embora eu acho que ela não goste muito de mim.

— Quem não gosta de você? Sério, você é como vídeos de gatinhos.

— Jura?! – Ele se sentiu idiota por dizer isso.

Aquilo era pior cantada que já disse, e que bom que ela não notou que era uma cantada, seria vergonhoso. Adorava fazê-la rir, embora não entendesse porque ela o achava engraçado. Mas quando a cantasse, esperava mais algo como um rubor bonito, um sorriso, e com a graça de deus, um beijinho.

— Então você vê vídeos de gatinhos?

— Eu não estou sequer perto de te responder isso.

— Promessa de mindinhoooo – Sakura cantarolou, pegando a bolsa do chão. Sasuke olhou para o teto e suspirou, afundando as mãos nos bolsos.

— São bons... pra relaxar...

— Ownt, posso te recomendar uma página...

— Você para!

— Hahahaha! – O corredor saiu e os dois foram para fora. — Sabe onde fica o bar?

— Não, me dá uma carona?

— Mas é na outra esquina.

— Aah...

— E eu nem tenho carro! Vamos lá, não pode ser sedentário, sua mãe vai ficar decepcionada se não comer e se exercitar.

— E convenhamos ela já está decepcionada o bastante.

— Parabéns, ovelha negra da família!

— Obrigada, obrigada! – Ele se curvou e Sakura riu, descendo os degraus, seus saltos vacilaram para um pouco de gelo acumulado ali, e ela escorregou um degrau pra baixo. Sasuke a segurou indo para a calçada logo.

— Opa.

— Esses saltos são assassinos! – Ele riu, e a fitou, agora praticamente a sua altura, o coque se desmanchando e deixando uma longa parte cair ao lado do rosto, ar quente escapando de suas narinas. Sakura o fitou longamente e concluiu com um sorriso gentil — É muito bom te ter por aqui, Sasuke.

— É muito bom ouvir isso.

— Hahaha, você me faz sentir em casa – Sasuke a soltou suavemente, ela ainda tinha um perfume suave e floral. — Me faz lembrar a escola, foi um ano tão bom.

Os dois seguiram pela calçada lado a lado até chegarem a faixa de pedestre. Sasuke inspirou.

— Eu também sinto, mas, esses são bons tempos também, não? – Fitou-a e ela concordou, soltando os cabelos de vez.

— Eu sinto falta de Brookwood, quer dizer, fiquei pouco tempo lá, mas você e o pessoal faziam eu me sentir no meu lugar.

— Você nunca pensou em voltar?

— Brookwood é a minha terra natal, minha primeira casa, mas aqui, aqui é o meu lar agora.

— Entendo.

— E pra você?

— Ah, qualquer lugar que eu seja feliz? Eu não sou muito apegado com a terra, amo a cidade, e amava estar perto dos meus pais, mas é como um chamado, sim? Eu sinto que devo, e vou.

— Você é como um pássaro.

— Ah?

— Quando achar seu ninho, vai voltar – Ela concluiu, alegremente.

— Que filosófico – Sakura bateu em seu ombro e caminharam pela outra calçada.

— Fortinha hein? – Ela riu e passou na frente, girando sobre os saltos.

— Mais do que imagina!

Sasuke já sabia o quanto ela era forte, e talvez difícil de domar.

— Hey... você vai ter algo pra fazer na sexta?

— Hum? Sexta, nesta sexta?

— É.

— Hum, acho que o de sempre e tirando que vou levar Lilith ao médico.

— Lilith? O demônio?!

— Claro que não, é a minha cadelinha! Oh, você tem que conhecê-la, Sasuke! Ela é um amor!

Com esse nome? Mas antes um cachorro do que um namorado.

— Vou adorar, amo cães.

— Oh, ela vai adorar você também! Vai conhece-la na sexta, eu sempre a levo pra passar a tarde comigo no trabalho, todos já estão acostumados, ela um anjo!

— Claro...

— Vou leva-la pra uma consulta de praxe, mas e sobre sexta, o que planeja? – Eles pararam diante da entrada de um bar, pelas vidraças Sasuke viu os colegas deles ocupando duas mesas em meio a um ambiente cheio, Yahiko estava no balcão praticamente disputando um pedido.

— Ah... Estou pensando se quer sair comigo pra jantar, estou meio solitário, mas ao mesmo tempo, não precisando de... tanta companhia, sabe? – Sakura encarou ele e depois a vidraça e então riu.

— Sim, eles são muita companhia...

— Pois é...

— Eu sei como é, me sentia meio deslocada, mesmo conhecendo Gaara, e o que ele faz? Me arranja um apelido.

— Eu preciso saber o significado!

— Não precisa não!

— Poxa...

— Mas sobre a sexta feira, talvez eu tenha uma viajem marcada nesse fim de semana, mas ainda não é certeza, então... Eu posso te avisar na sexta, mesmo que meio em cima da hora?

— Claro! Não vou estar fazendo nada mesmo.

— Ótimo! E eu já sei o lugar perfeito pra te viciar em passeios gastronômicos!

Ela poderia vicia-lo em qualquer coisa se fosse pra estar com ela, Sasuke suspirou e fitou-a intensamente.

— Vou estar ansioso.

Sakura o fitou, e então sorriu, e corou, sua boca pequena abriu e fechou, e ele queria poder beija-la agora, mas também era incrível encarar seus olhos verdes tão de perto novamente.

— Eu também, Sasuke.

Ele não poderia querer mais nada, pelo menos até sexta.


Notas Finais


SÓ EU TO ANSIOSA PELO ENCONTRO? HEHEHE

As noticias parecem mais antigas por conta da cronologia da fic que ainda é do começo desse ano http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2016/02/donald-trump-perde-votacao-em-iowa-nas-previas-para-eleicoes-nos-eua.html


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...