História A garota dos meus sonhos - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Personagens Originais
Visualizações 191
Palavras 995
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Resolvi postar hoje pra vcs só porque to amando saber que vcs estão curtindo!

Capítulo 7 - Capítulo 7



Eu não curtia muito essas festas barulhentas, mas aqui estava eu. Era sábado e fazia duas semanas desde que eu e Annabeth transamos pela primeira vez. Não tivemos muito tempo de nos ver já que ela conseguiu um novo emprego fora do café. Eu ajudei um pouco com isso, o dono do escritório era pai de um colega de classe. Ela estava oficialmente estagiando na área dela, arquitetura. Eu confesso que já me arrependi, pois Annabeth mal tinha tempo pra mim e eu tava muito feliz dormindo com ela sempre que podíamos.

Quando recebi sua mensagem nem pensei em recusar o convite mesmo não curtindo show ao vivo. Ela e os amigos da faculdade iriam para uma festa comemorar o início do último semestre e Anna também queria comemorar sua admissão no novo escritório. Eu não lembrava como eram essas festas, mas agora que as caixas de som pareciam explodir meus tímpanos e eu parecia andar em câmera lenta precisei reunir todo o meu sentimento por Anna para não ir embora correndo daquele lugar.

- Percy! - Consegui ouvir alguém gritando meu nome por cima da música barulhenta. Era Nico, a última pessoa que eu imaginaria ver num lugar desses além de mim.

- O que faz aqui Nico? - Perguntei recebendo uma cerveja que ele me oferecia. Nico bebendo, demorei muito para processar isso. Ele parecia a ponto de desmaiar. - Tudo bem?

- S..sim. Posso perguntar o mesmo?

- Minha amiga – essa palavra demorou para sair, mas eu não podia dizer namorada ainda só transamos algumas vezes e Annabeth era muito moderninha – está comemorando algumas conquistas e eu vim com ela.

- Não sabia que curtia balada. - Ele sorriu aparentemente desdenhando de mim.

- Eu não curto, estou aqui por ela. Imaginava que você também não curtia. - Devolvi.

- Eu odeio, mas Bianca – ele apontou uma garoto que, por acaso, estava no grupo de amigos de Annabeth – minha irmã, adora essa banda. E assim como sua garota, quer dizer, amiga ela também veio comemorar o último semestre.

- As duas estudam juntos! - Constatei. - Que mundo pequeno e eu não sabia que você tinha uma irmã.

- Parece que sim. Pois é, não costumo fazer propaganda. - Ele estava tão incomodado com o barulho quanto eu.

- E onde está a sua garota? - Perguntei fazendo Nico engasgar.

- Percy... Eu... - Ele não chegou a completar.

Nico levantou-se do bar e correu para a esquerda onde uma garoto loiro e alto estava sendo visivelmente atacado, sexualmente falando, por um moreno. O loiro tentava afastar o moreno, mas sem sucesso. Felizmente Nico chegou e ajudou o loiro livrando-o dos braços do maluco que tentou agarrá-lo a força. Eu até pensei em ajudar, mas Nico era bem mais forte do que parecia.

- Will você está bem? - Nico estava bem preocupado.

- Sim, estou. Obrigado Amor. - Will abraçou Nico o que era engraçado porque Nico deveria ter uns 10 ou 15 centímetros a menos que Will.

Os dois voltaram para a mesa e eu tentei não parecer perplexo.

- Will este é Percy Jackson meu chefe e Percy este é Will Solace, meu namorado. - Nico apresentou muito ruborizado e um tanto apreensivo.

- Uau é incrível finalmente te conhecer. – Falei apertando a mão de Will, que aprecia tão jovem quanto Nico. - Agora entendo porque Nico sempre ficava tão nervoso quando falávamos de mulheres. - Will gargalhou e Nico ficou ainda mais vermelho.

- O prazer é meu Percy. - Will apertou minha mão também. - Nico ainda tem medo da reação das pessoas. Quando ele foi pra sua empresa tivemos medo do preconceito por isso ele manteve sigilo.

- Imagina. Esse moleque é muito inteligente e merece uma chance. - Eu disse e os dois sorriram cúmplices.

Por um segundo até gostei de estar ali, Will era um garoto muito legal e Nico parecia muito feliz. Até a guitarra pareceu tocar mais alto e eu olhei na direção do palco e vi uma garota sendo abraçada enquanto dançava sensual e alegremente. Meu coração falhou uma batida. Eu reconheceria aquele bunda em qualquer lugar, os cabelos dela voavam de um lado para o outro enquanto as mãos do cara deslizavam por seu corpo de forma obscena. Nico me olhou meio envergonhado e Will pareceu não entender nada.

Comecei a andar na direção dela e eu sentia som palpitar junto ao meu coração. Eu torcia no fundo para ser uma garota de cabelos compridos e alta demais, mas eu estava errado.

- Que porra é essa Annabeth? - Não consegui controlar a raiva. Eu não era ciumento, mas aquilo era demais. O garoto sumiu antes mesmo de eu decorar seu rosto. Ela simplesmente me olhou como se não houvesse nada de estranho acontecendo, seus olhos vermelhos denunciavam o quanto estava bêbada.

- O que Percy? Não seja tão careta e antiquado. - Ela disse e desmaiou nos meus braços.

Careta.

Antiquado.

Eu não era tão mais velho assim, em dois dias eu faria 30 anos. 30 anos. Porra. Aquilo ecoou um pouco na minha cabeça. Decidi que a noite estava encerrada. Peguei Annabeth nos braços e dei um leve aceno de cabeça quando passei por Will e Nico. Consegui colocá-la no meu carro e dirigi tentando assimilar o que aconteceu minutos atrás.

Deitei ela na sua própria cama depois de lhe dar um banho meio sem jeito. Olhei-a por alguns segundos e conclui que não daria certo. Ela era muito jovem e tinha uma cabeça muito diferente da minha. Eu não curtia mais esse estilo de vida, mas não iria de maneira nenhuma privá-la de passar por todas as etapas que passei na juventude. Era um direito dela, tanto as coisas boas como as ruins porque no final tudo soma para o amadurecimento do indivíduo.

Pensei em escrever alguns desaforos, mas achei que não seria o mais correto. Deixei a chave reserva no criado-mudo e sai batendo a porta.


Notas Finais


Parece que as coisas estão esquentando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...