História A garota que você feriu. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Perdão, Recomeço, Reviravolta, Traição
Exibições 28
Palavras 1.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá!!!
Cheguei com mais um cap. desculpa a demora gente,meu celular foi possuído por um demônio ainda desconhecido por mim e eu não sei,nem encontrei alguém pra exorcizá-lo.
Por esse motivo,não sei quando vou voltar a postar outra vez,mas não vou abandoná-los,prometo.

É isso,boa leitura!

Capítulo 7 - Capítulo 06


Pov.Ivory

Já é noite e eu estou trancada no meu quarto,encolhida num canto da cama,todas as luzes estão apagadas,apenas o reflexo da luz da lua entra pelas janelas,que reflete nas paredes o balançar dos galhos das árvores do jardim e o uivo do vento forte torna o ambiente ainda mais sombrio.

Ouço as vozes alegres da minha mãe e da minha irmã lá embaixo,elas estão conversando animadamente e não parecem temer os demônios noturnos que se escondem nas sombras,nem parecem ouvir as vozes que me sussurram no ouvido,e acho que não sentem o frio arrepiante que sinto agora apesar de estar quente aqui dentro.Elas amam a noite,até mais do que o dia.E eu?Bom,eu não gosto do dia,mas não o odeio como a noite.

Não era assim antes,eu costumava adorar o dia e amar a noite,principalmente quando a lua estava em todo o seu resplendor.Eu costumava sair para o jardim,me deitar no gramado entre as flores e observar o céu,o brilho das estrelas ao redor da lua,isso me fascinava,era o ponto alto do meu dia.

Isso mudou quando o conheci,foi durante uma noite,eu observava as constelações e sonhava com o dia em que me tornaria astronauta,estava tão compenetrada em minhas observações que não o ouvi chegar,até que ele parou diante de mim,encobrindo a minha visão do céu,seu sorriso gentil me encantou,conversamos por um tempo,ele deitado ao meu lado me contava histórias engraçadas e sempre me fazia rir.

Me encontrar com ele no jardim,conversar,rir,olhar o céu e sua magnitude tornou-se uma rotina excepcional,e assim foi durante dias,até que ele me convidou para ir ver as mudas de flores na estufa,achei estranho,mas o seu argumento de que elas ficavam ainda mais linda quando iluminadas pela lua me convenceu,e eu fui.

Quando chegamos lá a sua aproximação tornou-se mais invasiva,ele me tocava enquanto me explicava o processo de podagem das plantas,não falei nada,pois achei que era algo natural dele,avançamos mais um pouco ante que bruscamente paramos no meio da estufa,suas mãos estavam em mim,me apertando e prensando contra uma das estantes—acho que é assim que se chamam onde as plantas são podadas.

—Você é tão linda.—Disse no meu ouvido,me apertando ainda mais contra o seu corpo.

—O q-que vo-você...—Gaguejei,o medo formando um nó em minha garganta.

—Shhhh...—Me silenciou,com seu rosto no meu pescoço,inalando.—Você cheira tão bem,é tão malditamente linda,seu corpo de menina me deixa louco.

—Por favor,não faça isso.—Pedi aos prantos.

Meu corpo convulsionava,eu sabia o que ele queria,apesar de nunca ter tido relações sexuais com ninguém,a forma possessiva com que me apertava e o a malícia na voz denunciavam suas intenções,não era necessário ser um sábio para entender.

—Não me peça isso,princesa.—Senti suas mãos em minha bunda,apertando forte.—Tenho planejado isso a dias,te desejo como um louco e você...você vai ser minha.

Havia um tom de ameaça nessa afirmação,qualquer tentativa minha de me livrar do seu aperto seria inútil,ainda assim eu tentei,soquei seu peito,chutei suas partes íntimas,gritei,me esperneei,mas tudo era em vão.Eu não tinha como lutar,ele era duas vezes maior que eu e tinha o dobro da minha força.

—Por que?O que eu fiz contra você?—Questionei e nesse momento o medo se misturava a raiva,a revolta e a tristeza.—Por que eu?

—Porque você é linda,e porque você me provocou.—Sua voz ainda era baixa e ameaçadora.

—Eu não...

Suas mãos subiram meu vestido,tiraram meu sutiã e calcinha,eu continuava a lutar no ímpeto de me livrar dele,correr e fugir,não iria nunca me entregar tão facilmente,mesmo sendo pequena e fraca.

Ele apertou meu pescoço com a mão esquerda e enfiou uma perna entre as minhas,enquanto abria o botão,desfazia o zíper e descia as calças junto com a cueca até o meio de suas coxas,seu membro pulou para fora já duro,minha resistência o excitava.

Fui virada de costas para ele,senti seu pau duro no meio de minhas pernas,se esfregando num vai e vem repulsivo.Apertei meus dedos na madeira que eu segurava com tanta força que eles doeram,ele segurou meus quadris e empinou minha bunda,num movimento rápido e forte senti seu membro me rasgar,eu gritei e berrei,doeu,doeu muito,mas a dor de ser usada,violentada fisicamente não se comparava com a dor emocional,a dor de perder a dignidade e a inocência de maneira rude,sem piedade.

Ele continuava seus movimentos,mas eu entrei em uma espécie de anestesia,não sentia seu membro entrar e sair de mim,podia ver ele se movimentar pelo canto de olho mesmo estando com a visão embaçada pelas lágrimas,era como se meu cérebro estivesse numa espécie de bolha,eu não conseguia sentir nada fisicamente,eu estava fria como se a morte fosse meu próximo destino e confesso,era isso que eu queria:morrer.

Minutos depois,o que para mim pareceu uma eternidade,ouvi um gemido rouco,mais alto do que os que ele soltava a cada estocada e percebi quando ele me soltou e se afastou de mim,me deixei cair fraca no chão úmido e frio,ele ainda gemia e eu escutava um barulho estranho,na minha frente ele segurava seu membro duro e o masturbava com movimentos frenéticos,quase violentos,sua cabeça pendeu para trás e um líquido cremoso branco saiu dele e caiu perto do meu rosto.

Depois de se vestir ele se agaichou perto de mim e disse,ainda ofegante:—Você não vai contar nada do que aconteceu para ninguém,entendeu?Se alguém ficar sabendo eu faço coisa pior,não só com você,mas também com a sua linda irmãzinha e a sua mamãe.E não se preocupe bebê,isso.—Apontou para nós dois.—Isso vai acontecer mais e mais vezes,e nunca se esqueça que a culpa é sua.

Levantou-se e foi embora,fiquei deitada no chão,tremendo com o frio,chorando copiosamente,tomada pela raiva por ele,por ser um covarde,e por mim que fui ingênua e permiti sua aproximação.

Naquele dia eu morri,sou uma morta viva que consome álcool e drogas para esquecer,nem que seja por míseros instantes que a vida é uma maldição,um fardo que eu tenho que viver por ser uma uma porcaria e não ter coragem de acabar com esse tormento.Vai ser assim sempre,eu sei,ele vai continuar me ameaçando,mandando bilhetes,me usando,e eu não vou poder fazer nada,porque sou fraca.E ele pode fazer pior.

Agora eu estou aqui,encolhida num canto do meu quarto,inerte na penumbra sombria,com frio,ouvindo minha mãe e minha irmã rindo,sem demônios para enfrentar,sem medo de que tu

Maldita noite.Maldita lua.Malditas estrelas.E maldito Daniel.


Notas Finais


O que acharam.Quero saber.
Até mais...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...