História A Herança - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Yoonseok
Exibições 1.088
Palavras 4.166
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello sweeties da titia Sweet!

Tô feliz porque demorei menos que o normal :33
Me esforcei para trazer o capítulo a tempo de desejar a vocês um feliz dia das crianças! Nunca se esqueçam da criança interior de vocês <33

Vamos para o capítulo?

Capítulo 28 - O Dom da Agonia


O adolescente trancou a porta do apartamento depois de se despedir dos mais velhos. Continuava a rir ouvindo as reclamações nada discretas de Namjoon pelo corredor do prédio sobre ter realmente de ir para a faculdade, a melhor parte era os argumentos que usava para poder faltar mais um dia alegando que Jin precisava descansar a mente, e o mais velho rebatia que se fosse esse o problema então poderia ficar em casa, mas que isso não era motivo para o herdeiro faltar à aula também. Conseguiu ouvir a risada do irmão de consideração após o berro frustrado de Namjoon até o barulho do casal sumir completamente.

Estava aliviado por ver Seokjin bem novamente, o mais velho já conversava normal, cozinhava e comia bem, e até mesmo tinha humor para brincadeiras, seu hyung estava de volta! Seguiu para a cozinha ainda com este pensamento guardando as louças que estavam secas sobre a pia, já podia se sentir contente por tudo ter acabado bem.

Quando sentou no sofá para assistir televisão e finalmente relaxar, ouviu o toque do celular vindo de seu quarto, havia esquecido o aparelho dentro da mochila. Correu em direção ao dormitório e conseguiu atender a chamada antes que esta se encerrasse.

- Oi! – posicionava o eletrônico na orelha.

- Hobi! – ouviu a voz do amigo do outro lado da linha.

- Fala Jimin!

- Você está ocupado?

- No momento não! Por quê? – se jogava no sofá novamente.

- Eu preciso conversar com alguém... E pedir alguns conselhos.

- Essa conversa e esses conselhos são a respeito do Jungkook, certo?

- Como sabe? Está tão na cara assim meus problemas serem sobre ele? – tinha um tom um tanto abatido na voz.

- Querido Jiminnie, eu sou seu melhor amigo! É claro que eu saberia sobre o que te atormenta! Até porque toda vez que você chega até mim dizendo que precisa de conselhos é porque está apaixonado e não sabe o que fazer, e nós dois sabemos bem que sua paixão da vez é Jeon Jungkook.

- Tem razão.

- Então desembuche, o que aconteceu?

- Hoje eu fui ao apartamento de Jungkook depois de muito tempo, e foi uma tarde relativamente normal entre nós. Jogamos videogame, conversamos e rimos, a mãe dele fez coisa gostosa para nós comermos e então chegamos ao assunto da confissão...

- Ah! Não me diz que ele te deu um fora, Jimin! – o amigo preocupou-se.

- Não! Isso não! Na verdade, por um momento eu tive praticamente a certeza de que seria totalmente rejeitado, mas Kook apenas pediu mais um tempo para pensar porque ainda não tem a certeza de uma resposta. Hoseok, ele nem sabe se gosta de garotos, eu fico super agoniado com isso. A pior coisa é se apaixonar por amigo hétero, é tipo um suicídio!

- Mas ele não saber se gosta de garotos não quer dizer que ele não gosta, Jimin! Raciocine direito, ele apenas está confuso. Nós também já passamos por essa fase, não é automático perceber que prefere alguém do mesmo sexo, além disso, se ele não quisesse nadinha com você e não conseguisse nem pensar na possibilidade de vocês dois juntos, ele já teria te rejeitado logo após a confissão, não enrolaria.

-... Talvez você tenha razão. – ponderava o que o amigo mais velho dizia.

- Claro que tenho razão, seu idiota!

- Mas Hobi, deixa eu continuar te contando o que aconteceu! Não fazia muito tempo que eu havia retornado para o meu apartamento hoje a tarde quando a campainha tocou e, adivinha quem era!

- Quem era?! – tentou pensar em alguém em particular – Não me diz que foi algum ex seu que apareceu, vocês acabaram relembrando os momentos de vocês juntos e agora está dividido entre o ex e o Jungkook?

- QUÊ? Lógico que não, seu doido! – ficou chocado com a imaginação fértil do melhor amigo – Foi o Jungkook! Um Jungkook chorando que se agarrou ao meu corpo assim que eu abri a porta!

- O Kook?! O que aconteceu para ele ir atrás de você chorando?

- O pai dele apareceu querendo voltar com a mãe dele e ele ficou chocado e fugiu de casa com medo de que os pais realmente voltassem.

- Como aquele filho da mãe ousa? A senhora Jeon meteu o pé na bunda dele, né?

- Sim! Mas o Kook estava com muito medo de que ela o aceitasse de volta, ficou totalmente horrorizado, Hobi! Veio correndo até mim por causa do medo! Eu nem sabia direito o que fazer, tentei distrair ele com um filme e por um tempo deu certo, mas eu percebia que ele não conseguia parar de pensar no que podia estar acontecendo no apartamento dele, aí eu decidi ir com ele ver o que aconteceu.

- E aí descobriram que o pai dele tinha ido embora?

- Sim! A mãe do Kook já estava preocupada com o sumiço repentino dele no meio de toda a discussão que teve lá, mas no final tudo acabou bem.

- Fico contente por isso, já estava ficando preocupado!

- Pode ficar tranquilo quanto a isso!... – suspirou pesado por fim.

- O que mais está te incomodando? – sabia que o amigo tinha mais a falar.

- Depois que eu cheguei em casa de novo eu comecei a pensar em tudo o que aconteceu entre mim e Jungkook, sobre eu ajudar ele com o lance das brigas dos pais e tal. – começou a falar rápido tudo o que vinha perturbando sua mente – Ele ainda não se recuperou de tudo o que aconteceu e ainda vem acontecendo na casa dele e eu tenho medo de que a minha confissão só sirva para encher ainda mais a cabeça dele, eu fiquei agoniado pensando nisso... Ou... Ou talvez... Eu fiquei me perguntando também, Hobi, será que eu não estou me aproveitando dele? Tipo, eu realmente gosto dele, mas ele pode acabar pensando que eu tento proteger ele e estar ao lado dele apenas para me poder ficar próximo e me aproveitar e eu não quero que ele pense isso! – concluiu afobado.

- Calma Jimin! Respira um pouco para falar! – suspirou – Eu não acho nada disso do que você está pensando. Você está gostando do Jungkook, e quando a gente gosta de alguém é normal querer que essa pessoa saiba disso, até mesmo para ter esse sentimento retribuído. Além de que é totalmente normal tentar proteger a pessoa que gostamos! Queremos ver a pessoa bem e até mesmo fazer o possível para ver ela com um sorriso no rosto. Jungkook não tem que pensar que você está se aproveitando dele, mas que é um garoto de sorte por num momento difícil ter uma pessoa como você ao lado, ter alguém com quem contar. Pare de paranoias!

- Você está certo...

- Só estou falando o que vejo dessa situação de vocês.

- Obrigado Hobi! Sabia que você me faria enxergar melhor tudo isso... Então devo continuar agindo normal com o Kook e esperar pela resposta dele?

- Com toda a certeza, sim! Você não vai se arrepender de esperar!

- Assim espero! – riu fraco.

- Eu ainda vou te falar “eu avisei” como referência a esta conversa no futuro!

- Torço muito para que isso aconteça enquanto estou de mãos dadas com Jungkook! – os dois amigos riram.

- Esse é o espírito! – as batidas na porta do apartamento interromperam o humor do mais velho – Jimin, eu vou ter que desligar, alguém está batendo aqui e eu preciso atender. – disse já levantando do sofá.

- Ok, Hobi. E mais uma vez obrigado!

- Sou seu melhor amigo, pode contar comigo sempre.

- Digo o mesmo a você!

- Eu sei disso! Mas preciso desligar mesmo, até mais!

- Até!

Desligou a chamada enfiando o celular dentro do bolso enquanto destrancava a porta, sorrindo de imediato quando se deparou com uma agradável visita assim que abriu a entrada do apartamento.

- Oi Hoseok!

- Oi Yoongi! – selou os lábios do namorado quando este se aproximou de si – O que faz aqui? – abria passagem para o mais baixo entrar.

- Vim ver como você está! Eu fiquei preocupado com as mensagens que você mandou hoje, mas pelas risadas que eu ouvi quando cheguei na porta do apartamento percebo que já está tudo bem. – os dois sentavam no sofá.

- Aquilo foi por causa da conversa com Jimin no celular. Não deu tempo de eu te mandar mensagem antes porque estava fazendo companhia ao Jin hyung e depois recebi a ligação... – pegou a mão do menor depositando um carinho sobre ela com o polegar – Desculpe por não avisar antes sobre a situação estar voltando ao normal...

- Então quer dizer que o Jin está bem mesmo?

- Sim! Eu fui pego totalmente de surpresa quando atravessei a porta do apartamento e não senti mais aquele clima pesado, e assim que eu pus meus olhos no hyung eu soube que as coisas estavam melhorando... – sorriu mirando o chão, mas logo voltou a mirar a face do namorado – Yoongi, eu devo muito ao Namjoon! Foi ele quem fez o Jin hyung ficar bem.

- O Namjoon não é um cara mal, você pode confiar nele.

- Agora eu sei disso. – sorriu ao mais velho – Mas deixando a história ruim para trás, me diga uma coisa, não era para você estar na faculdade uma hora dessas?

- Era! Mas eu queria ver como você estava, poxa! Fiquei preocupado quando você parou de responder minhas mensagens.

- Desculpe por ter preocupado você, Yoongito! – apertou a bochecha do loiro.

- Ei! – afastou a mão de Hoseok passando a própria na pele dolorida devido ao ato do outro – Eu sou seu namorado, é normal que eu me preocupe!

- Mas não é normal você agir bonitinho assim.

- E você não gosta que eu aja assim?

- Claro que gosto, seu bobo! – abraçou o namorado – Só não é muito comum.

- Então você prefere que eu aja mais comum? – levantou as sobrancelhas e se aproximou do ouvido do maior para sussurrar – Queria que você fosse uma estação de rádio para eu poder ouvir sua voz o dia inteiro!

- O tempo que você fica grudado no celular é pesquisando essas bostas de cantadas, né? – pôde ouvir o riso alto do namorado.

- Ah, fui descoberto! Mas eu só faço isso porque sou romântico!

- Desde quando pedreiro brega depravado virou sinônimo de romantismo?

- Ei! Pedreiro até aceito, brega também, mas eu não sou depravado! – cruzou os braços – E, aliás, você me conheceu sendo assim e gostou de mim eu sendo assim, então não pode reclamar agora, minha mãe não vai aceitar devolução!

- Ai, ele se sentiu ofendido! – cutucou a bochecha dele – Desculpa! Você é romântico sim, do teu jeito, mas é! Não vou querer te devolver por causa da tua maneira diferente de expor teus sentimentos por mim. – falava enquanto tentava abraçar o namorado que o afastava.

- Vou levar “maneira diferente” como elogio.

- Entenda como especial. – tentou consertar a situação, fazendo o loiro sorrir.

- Assim eu gostei.

E antes que o mais novo pudesse falar qualquer outra coisa, teve as bochechas seguradas pelo loiro e os lábios tomados. De início fora um toque sutil, mas, assim que teve a boca invadida, segurou a cintura magra tendo o tecido de sua blusa puxada para que os corpos se aproximassem mais. Fora um beijo calmo, as línguas se acariciavam de leve, o maior recebia um carinho morno na nuca e finalizou o contato das bocas com um selo demorado.

- Que bom que não é depravado! – sorrira assim que teve o olhar alheio conectado ao seu.

- Isso não é nem perto de eu ser depravado! – sorriu de volta num tom malicioso.

- Mas é bobo mesmo!

- Só adicionei uma observação a tua fala. – mordeu de leve o queixo do mais novo, distribuindo beijos leves pelo maxilar – E se quiser, – alcançou o ouvido de Hoseok com sussurros – posso te provar isso com ações também, o que acha?

- E-eu acredito em você! – se afastou do namorado colocando a mão sobre a orelha quente, causando risos no mais velho com seu embaraço – Mas agora que você viu que estou bem e se aproveitou um pouquinho de mim, já pode ir para a faculdade! Ainda dá tempo de você pegar a primeira aula. – puxou a mão do loiro para que se levantasse do sofá e o levasse até a porta quando o outro parou no meio do caminho.

- Não! Porque eu nem me aproveitei de você ainda e também porque eu vim para te buscar, o Taehyung quer conversar com a gente.

- O Tae? O que ele quer?

- Não faço ideia, ele só mandou mensagem falando que esperaria eu e você numa cafeteria.

- Você e eu? O hyung e o Namjoon não vão também?

- Não, porque o Tae até disse para eu não comentar com eles sobre nosso encontro.

- Isso me deixa curioso! Vou tomar um banho e nós vamos, pode ser?

- Vá logo porque eu também estou curioso! Vou esperar você aqui. – disse já deitando no sofá e começando a mexer no celular.

- Bom que você já se sente em casa, né?

- Com certeza!

Hoseok riu balançando a cabeça em negação, seu namorado era um folgado!

--

O casal entrou na cafeteria analisando o ambiente a procura do amigo, avistando a figura alta e magra na mesa ao lado de uma grande janela.

- Vocês formam um casal tão bonitinho~~ – o maior deles fizera a observação assim que teve os amigos próximos de sua mesa.

- Nós sabemos! – o loiro viu o amigo revirar os olhos para a sua afirmação quando ele e o namorado se sentaram junto a mesa.

- Não invente de aprontar para o Hoseok, Yoongi! Não quero você estragando meu otp!

- Não diga besteiras, idiota!

- Só estava brincando, seu mal-humorado!

- Não comecem vocês dois, estamos numa cafeteria! – o adolescente se pronunciara.

- Ok! Então vamos pedir alguma coisa antes de tratarmos de negócios.

- Negócios?

- Sim! Tenho certeza que vocês vão ficar tão empolgados quanto eu com a minha brilhante ideia. – acenava para uma garçonete para que ela viesse atendê-los.

- Prevejo merda a caminho! – Yoongi revirou os olhos tentando imaginar qual seria a ideia estranha da vez.

Os três fizeram seus pedidos à moça sorridente que os atendia e ficaram aguardando a chegada das tortas e cafés, o casal ainda aguardando que o outro contasse o motivo daquele encontro apenas entre os três, queriam entender porque Namjoon não poderia saber daquilo.

Depois de mais algum suspense por parte de Taehyung, a animação em que Hoseok já se encontrava apenas com a propaganda que recebia e alguns palavrões e ameaça de Yoongi sobre ir embora por afirmar não ter tempo para palhaçada, o anfitrião da reunião finalmente contara sua ideia aos amigos.

Ao contrário do que desejava, o Min teve de fato que concordar que realmente era uma ideia brilhante a de Taehyung, não havia pensado o mesmo que o amigo antes, mas tinha certeza de que poderiam fazer seus negócios darem certo. Fazia considerável tempo que não tornavam aquilo real e possuíam uma justificativa perfeita para tal, mesmo que fosse muito mais reservado e seletivo que o normal.

Apreciaram o doce das tortas tornando o líquido fumegante que as acompanhava ainda mais amargo devido ao contraste de sabores que se encaixavam, e aproveitavam o momento para discutir melhor sobre a ideia do Kim e acertarem alguns detalhes, decidindo quem seria responsável pelo quê nos “negócios”, nome que Taehyung dera a própria ideia e que fora adotada pelos demais.

 

--

 

Depois dos acontecimentos com Jin, Namjoon sentia os dias passando com extrema velocidade e o dia de sua viagem se aproximando mais e mais. Tudo parecia uma correria tendo de acompanhar Sungmin a cada reunião que o mais velho tinha para que, segundo o próprio Choi, o herdeiro aprendesse como deveria se comportar nos dois meses que ia passar no Japão.

Não gostou das palavras vindas do amigo de seu pai, mas, seguindo os conselhos de Seokjin, não demonstrou o descontentamento que sentia, tinha de cooperar com Sungmin para ter a chance de mostrar que estava se transformando no homem que ele prezava. Prometeu ao namorado que faria Choi sentir orgulho de si e tinha completa noção de que tal feito exigiria muito de seus esforços, mas sabia que era capaz de alcançar.

Afrouxou a gravata presa ao pescoço assim que o último dos senhores que os acompanhavam se retirou da sala de reuniões. Suspirou aliviado, não aguentava mais ouvir as discussões daqueles homens de idade avançada.

- Já cansado?

- Claro! Eu não estou acostumado com esses velhos, Sungmin! – observou o senhor rir de sua fala.

- Você pensou que era fácil administrar as empresas?

- Fácil, fácil, não! Mas não pensei que esses velhos fossem tão cabeça-dura!

- Como você é ingênuo, Namjoon! Ainda tem muito a aprender. – bagunçou os cabelos do mais novo – Esses velhos que investem nas nossas empresas são ambiciosos mesquinhos, por isso que quando dizemos que precisamos fazer alguma mudança, mesmo que sejam necessárias e às vezes até de emergência, eles acham que é para tomarmos o dinheiro deles, não é fácil convencê-los a confiar em nós e em nosso trabalho.

- É sempre assim?

- Sim. Além de ter bons olhos para os negócios é necessário que você possua uma ótima oratória, pois se você não for uma astuta e audaciosa raposa, vai se transformar em presa fácil para aqueles velhos lobos.

- Entendo...

- Assim espero e desejo que os últimos dias tenham sido úteis em algum ponto para o tempo que você for passar no Japão.

- Eu mentiria se dissesse que não aprendi nada, pelo contrário, passar longas horas nessa sala me fez perceber que tenho muito mais a aprender ainda, preciso aproveitar o máximo que eu puder dos workshops.

- Fico contente em te ver empolgado assim. – deu leves tapinhas no ombro do rapaz se levantando da cadeira de couro e rumando para a porta da sala – Vou deixar que você tire o resto da tarde para terminar de organizar suas coisas e descansar para a viagem. Amanhã no começo da tarde eu te busco para te levar ao aeroporto e te passar as últimas instruções.

- Ok, obrigado senhor Choi.

- Descanse criança! – se retirou acenando com a mão sem olhar para trás.

O dono das madeixas acinzentadas não hesitou em fazer o mesmo caminho que o mais velho. Ainda queria aproveitar o último dia em Seul antes da viagem que acreditava ser o marco inicial rumo ao seu grande objetivo, iria herdar com honra os negócios deixados por seu pai.

--

As malas para a viagem já haviam sido arrumadas com antecedência com a supervisão de Seokjin, que ajudou Namjoon a pensar em todas as possíveis coisas que poderia precisar nos meses que passasse fora. Nunca ficou tanto tempo fora de casa, e quando estava fora, mesmo se precisasse de alguma coisa, conseguiria dispor dela, pois antes possuía o dinheiro que queria a sua disposição mesmo que para isso precisasse dar uma chorada para sua mãe em uma ligação, e sempre tinha tudo o que queria.

Agora vivia numa situação totalmente diferente, vivia uma vida diferente, e teria que ser consciente de cada um de seus atos, cuidar devidamente de si mesmo e enfrentar o que estava por vir, mesmo que as novas experiências fugissem bastante do que estava acostumado a lidar. Amadurecer, na maior parte das vezes, exige que o ser humano saia de sua zona de conforto e Namjoon se encontrava pronto para isso.

O rapaz verificou novamente o dinheiro que possuía na carteira antes de decidir por fim que fone compraria, pois seria difícil para si viajar sem a companhia de boa música para distraí-lo no tempo dentro do avião. Havia derrubado os antigos que tinha e sem querer pisou em cima, se tornando alvo de piada do namorado pela sua costumeira falta de jeito em lidar com qualquer objeto sem destruí-lo em algum momento.

Riu sozinho se lembrando da risada estranha que Seokjin emitia quando a graça lhe atingia. Iria sentir muita falta daquele som agudo no tempo que passaria fora, também sentiria falta da voz grossa lhe repreendendo em seguida por ser tão descuidado, e principalmente do braço que veio depois quando formou um bico em seus lábios chateados por ter quebrado seu fone favorito logo às vésperas de sua viagem.

Passou no caixa para pegar pelo novo acessório e seguiu para a cafeteria favorita de seu namorado, pensava em comprar um bolo para uma despedida, sabia que a maneira favorita de Jin comemorar qualquer fato era através da comida, e se tratando de seu bolo favorito sabia que o animaria ainda mais e poderia ter um momento feliz antes de sua partida.

Era estranho para si o sentimento de saudade que já começava a sentir antes mesmo de realmente estar distante, nunca teve alguém para se despedir antes de sair, nunca deixou alguém esperando por sua volta, era um sentimento inédito para si.

Seria também a primeira vez que viajaria sem a intenção de conhecer os melhores clubes e baladas de seu local de destino, sem a pretensão de conhecer novas pessoas e se aproveitar dos corpos nativos, ficaria dois longos meses sem qualquer toque íntimo com outra pessoa até mesmo a nível de um beijo.

Por um instante se sentiu desencorajado a partir em viajar ao constatar tais fatos, porém o nome que surgiu na tela de seu celular quando este começou a tocar lhe animou novamente a enfrentar tudo aquilo. Continuar a ver o sorriso como o da foto que brilhava na tela era um dos seus motivos para se transformar num homem de verdade.

- Oi Jin! – atendeu a ligação animado.

- Namjoon...

- Pode falar.

- Desculpe ligar no meio da tarde! – havia nervosismo no tom de voz do namorado – Q-que horas acabam as reuniões de hoje?

- Elas já acabaram! Ou melhor, Sungmin me liberou cedo hoje.

- Entendo... E-então... Eu posso pedir para você vir lo-logo para cá?

- Você está bem, Jin? Aconteceu alguma coisa? – Namjoon já começava a se preocupar, flashes da semana anterior lhe preencheram a mente e lhe deixavam angustiado.

- Eu estou bem! Não se preocupe comigo... É-é com o seu apartamento!

- Pegou fogo em alguma coisa? – não sabia o que pensar.

- Não! Foi só que acho que você se esqueceu de pagar a conta de energia, estamos sem luz!

- Porra! Não acredito! – em meio a organização das coisas para a viagem esqueceu-se dos compromissos com o próprio apartamento – Me espera aí que eu vou chegar o mais rápido possível, daí vemos o que dá para fazer.

- Ok, vou te esperar.

- Logo chego, até mais.

- Até.

O celular voltou para o bolso da calça social enquanto o rapaz via o ônibus que precisava pegar se aproximando do ponto em que estava. Deu sinal para o mesmo parasse e embarcou nele.

Tudo parecia estar dando certo demais no seu dia, devia ter desconfiado que alguma coisa estava para acontecer. Só torcia para que pagasse a conta a tempo de conseguir religarem a energia naquele dia ainda, já tinha planos de passar a última noite no próprio apartamento na companhia do namorado antes da viagem.

Ficou contente quando pôde descer do ônibus e praticamente correr para dentro do seu prédio, mas o tempo dentro do elevador pareceu mais longo que o normal e fazia a agonia para resolver logo o problema da energia no apartamento crescer mais.

Ouviu o sino de que havia chegado ao andar de destino e assim que as portas metálicas se abriram a sua frente voltou a correr até a porta de seu lar. Soltou um palavrão quando percebeu que a porta estava trancada e demorou a encontrar a chave dentro da pasta que carregava.

Assim que conseguiu destrancar a entrada viu apenas um imenso negro a sua frente, já era início de noite, então nem mesmo as cortinas abertas das janelas surtiam algum efeito sobre o escuro.

- Jin! – chamou pelo namorado enquanto tateava a parede ao lado da porta a procura do interruptor de luz, queria ter certeza da falta de energia no apartamento – Cadê você, Jin? – sentiu a elevação sob seus dedos e percebeu que era o que estava procurando, apertando o botão.

- SURPRESA!

Namjoon se assustou com o uníssono entre as vozes junto ao clarão que se fez diante de si e os confetes estourando por sua sala colorindo o local. Não sabia como reagir aos sorrisos e risadas diante de si, então apenas se deixou ser abraçado pelo namorado que viera lhe receber o apertando forte entre os braços.

Toda a agonia de instantes atrás foram embora e sentia vontade de rir junto a todos os presentes. A faixa na parede denunciava o motivo da festa: “Namjoon, tenha uma ótima viagem”.


Notas Finais


Eu também desejo uma ótimo viagem ao Nam e que ele seja um bom garoto na ausência de de Jin!

Queria falar ainda que eu tô muito orgulhosa dos meninos com o novo álbum! Tem música que me deixa feliz, música que me deixa sensível, música que me faz sair dançando e música que me faz chorar. Achei tudo muito incrível!!

Enfim, vou ficando por aqui senão escrevo uma bíbli só com minhas impressões sobre Wings ><
Beijinho pra vocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...