História A Herança - Capítulo 34


Escrita por: ~

Visualizações 25
Palavras 1.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


De volta com mais capítulo de "A Herança" Cassandana, Ciro e Nitetis na capa. Como podem perceber, o tempo passou, e os personagens estão sendo interpretados por outros atores, Ciro, por exemplo, agora é o Thiago Lacerda, qualquer dúvida olhem no elenco, ou já sabem, imaginem como quiser os personagens. Vamos ao capítulo...

Capítulo 34 - Chegada da herdeira, Adeus da rainha.


Fanfic / Fanfiction A Herança - Capítulo 34 - Chegada da herdeira, Adeus da rainha.

                         
                           551 a.C.           

                 Reino da Pérsia

Desde a conquista da Média, o rei Ciro II, há cada dia, prosperava mais, Pasárgada já era uma grande cidade, após a conquista, estava sendo ampliada,  e se tornou a capital do império medo-persa aquemênida.

Ciro também já tinha seus herdeiros, agora além do filho primogênito príncipe Cambises II, de oito anos,  teve outros dois filhos, príncipe Ehsan, filho da segunda esposa egípcia, princesa Nitetis, de dois anos, e agora Cassandana esperava mais um filho. Cassandana... Sua rainha, ela havia conquistado seu coração, e mesmo assim, ele a magoou, a fez sofrer.

Flash Back On

O primo do rei, Histaspes que havia se tornado um dos generais de Ciro; eram três Histaspes, Hárpago e Dário. O guerreiro persa, falava sobre a chance de uma aliança política.

— Eu sei que seu maior desejo era se casar com Joaquina, mas isso não é mais possível... 

Ciro tentou fingir não se importar, com o comentário, mas nãontava, não conseguia entender o porque de Joaquina ter se casado com outro, se o amava. Ou ele havia saído totalmente do pensamento, e do coração dela? 

— Deveria então fazer uma aliança com o faraó Amósis. — completou o persa, primo de segundo grau do rei.

Ciro, como sempre pensou um pouco.

— Não vejo motivos, o Egito cada vez mais enfraquecido,  principalmente depois daquela batalha contra Nabucodonosor, anos atrás.

 — No entanto, eles continuam um reino livre.

— Está sugerindo que eu me case com uma filha do faraó?

— Exatamente, soberano. Evitará uma guerra. E ainda poderá ter Amósis,  como aliado nas próximas guerras. 

— É melhor tê-lo como aliado, do que como um possível inimigo. — Ciro concordou.

— Então podemos enviar a correspondência para o Egito? — quis saber Histaspes. 

— Sim, pode enviar.

A aceitação de Cassandana sobre seu  casamento com uma princesa egípcia, já era algo, que ele saberia que teria total compressão:

— Se é para bem do reino,  case-se com a filha do faraó, ela será bem recebida por mim, e por todos no palácio. — disse Cassandana,  e  abraçou o seu rei.            

                  ***             

            Reino do Egito

Para a princesa Nitetis, a notícia foi a melhor que já receberá na vida...

Nitetis se sentia uma entrusa em seu próprio lar. Filha do faraó Apries, que foi assassinado por seu general Amósis, tornando-se rei do Egito. Não suportava aquele homem, que poupou sua vida, que a matasse também, era melhor, do que vê o usurpador de seu pai, reinar no Egito.

Se sentiu um pouco vingada quando o rei da Babilônia, Nabucodonosor lutou contra o Egito, mas a luta apesar de ganha pelos caldeus, nada mudou  apenas enfraqueceu o reino. Nitetis esperava pelo dia que o faraó fosse derrotado de uma vez por todas que o Egito caísse!

A rainha Iset sempre a tratou bem, dela não havia nenhum ressentimento. Ela dançava plenamente pelo harém, se destacando entre as demais, quando a rainha entrou.

— Eu tenho uma excelente notícia, Nitetis. — avisou a rainha.

— Pelos deuses, diga soberana, receber boas notícias, é raro para mim.

— O rei da Pérsia, deseja se casar com você, Nitetis.

— O rei que conquistou a Média? Mas, porque Ciro II teria interesse em me desposar? Não se encantou por minha beleza, afinal nunca me viu. Uma aliança política?  Não... Meu pai está morto. 

— Na verdade, Ciro gostaria de se casar com uma filha de Amósis. — explicou  a soberana das duas Terras.

— Mas ele não vai fazer isso. A única filha ainda solteira do faraó, já está prometida, como sempre acontece.

— Porém, Ciro não sabe disso. Você será enviada como filha de Amósis, filha do faraó. Não deve dizer a verdade a ele.  

Ao ficar sozinha,  a princesa egípcia chorou.  De raiva, e ao mesmo tempo alívio. 

— O maldito usurpador encontrou uma forma de me despachar do Egito, se livrar de mim.  Mal sabe o quanto eu desejei isso. Ciro da Pérsia, meu futuro esposo, graças à ele eu me verei livre disso aqui.

Ciro da Pérsia, pensou a princesa egípcia, estava se tornando cada dia mais poderoso, com o tempo, poderia guerrear ao Egito, e vingar seu pai. Mas, para isso, ela precisava fazer com que Ciro se apaixonasse por ela.                              

                     ***

Foi depois do casamento de Ciro com Nitetis que os problemas começaram, Cassandana desde o primeiro momento, que a viu, viu também o olhar de desejo de Ciro, para ela, e não podia culpá-lo, Nitetis era muito bela. Cassandana estava com ciúmes, se sentindo deixada de lado, mas guardava para ela. Não imaginava que Nitetis fosse deixar Ciro tão fissurado.

Nitetis logo engravidou do rei, ganhando ainda mais prestígios, e então nasceu um menino, príncipe Ehsan. Tempos depois, foi Cassandana que engravidou novamente. A gravidez a aproximou de Ciro novamente.                   

                   ***

Cassandana sorria com a pequena em seu colo, depois de uma gravidez complicadíssima, ela podia dizer que ainda bem que disse sim para a filha, porque os magos, disseram que somente uma sobreviveria. 

Nunca duvidou daquelas palavras, e desde quem vivesse fosse a filha, a rainha não se importava. A soberana se sentia fraca, como nunca, dolorosa, mas ver aquele rostinho tão esperado, e a felicidade de Ciro, fez a rainha sentir com o dever cumprido,  como tudo tivesse valido a pena. A princesa tinha os olhos de Ciro. O rei da Pérsia, estava com os olhos marejados, ao conhecer sua filha.

— Nossa princesa. Seu marido, estava completamente de volta, a gravidez os aproximou novamente. 

— Como ela se chamará? — perguntou Ciro.

— Eu pensei em Atossa, era o nome de minha falecida mãe.

 — Será Atossa. Princesa Atossa da Pérsia.   

Flash Back Off

Nitetis percebeu um afastamento de Ciro, desde o anúncio da gravidez de Cassandana. Foi quando percebeu que ele amava a primeira esposa, e isso nunca mudaria, Ciro a desejava muito, mas ele definitivamente não a amava.  

Inicialmente, sentiu inveja da rainha, e até raiva, ela nunca havia tido tanta atenção como recebeu de Ciro, e de repente perdeu sua atenção.  Mas, foi tomada pela preocupação, ao saber da situação da rainha,  nunca,  jamais desejaria mal a Cassandana. 

— Tem notícias da rainha? — Nitetis perguntou a rainha-mãe, Mandane, assim que a mesma adentrou o harém.

Mandane suspirou tristemente. 

— Continua no quarto, muito enfraquecida e debilitada. — a mãe de Ciro, contou.                     

                    ***

Em seus aposentos, a Rainha Cassandana recebeu a visita de Soraya.

— Soberana, eu trouxe algumas frutas. — disse uma serva, ao se aproximar com uma bandeja. — Os magos pediram que eu trouxesse.

— Não sinto fome, apenas sede.

A serva pegou o jarro de água, e a serviu.

— Precisa se alimentar, soberana. — falou Soraya, com preocupação, enquanto a rainha bebia água.

 A rainha aquemênida, falou:

— Sinto me fraca em demasia,  no parto de Cambises, que também foi complicado, mas não fiquei assim.

 — Dessa vez as coisa foram mais complicadas. Mas a princesa Atossa está bem,  e a soberana ficará também ficará, essa fraqueza passará.

— Eu estou cansada de ficar deitada,  mas, me sinto tão fraca...

— Tenha paciência, o repouso agora é necessário. — Soraya disse, e segurou as mãos da rainha.

— Soraya, eu quero te agradecer por sua amizade, você quando dama, sempre me servia com carinho e empenho, e depois casou se com o general Dário, tornou-se nobre, mas continuou a mesma de sempre, gentil, e minha amiga. Pegue minha filha, no berço, por favor. — pediu.

Assim Soraya fez, segurando a pequena nos braços, com cuidado.

— Obrigada. Será que pode atender mais um pedido meu?

— Peça, minha Rainha. O que quiser!

— Peça ao rei que ele venha me ver. Diga que é muito importante.

O rei da Pérsia, e da Média, assim que ouviu que Cassandana desejava vê-lo, deixou o trono, e se encaminhou para os aposentos reais.

Encontrou a rainha deitada, de olhos fechados, a pequena Atossa, deitada ao lado dela.

— Estou aqui, meu amor. — sussurrou, tocando o rosto da rainha.

Ainda de olhos fechados, ela sorriu, ouvindo a voz do rei, que a tranquilizou. Abriu os olhos, e encontrou a imensidão verde que eram os olhos de Ciro, em seu belo rosto. O homem que ela amava.

— Tenho tanto orgulho de ti, deu um império a nosso povo, meu amor.

— Já eu, me sinto mal pelo que fiz a você... — confessou, arrependido.

— Do que está falando

— Te trai com Nitetis.

— Traição!? Mas ela é sua esposa. — falou Cassandana, serenamente.

— Mas não tinha necessidade de agir, como eu agi, te desprezar. Tudo pelos meus desejos.

— Nunca me senti traída, ou excluída. Vocês dois são... Existem casais que tem uma coisa de pele.

— Exatamente, o que sinto por Nitetis é desejo. 

— Pare de se culpar, meu amor. Não se pode mudar o passado, só o futuro.

— Quando nos casamos, você se lembra do que me disse? — Ciro a questionou. 

— O que exatamente? Eu te disse muitas coisas....

— Mas há algo que eu nunca esqueci, me disse que alcançaria meu coração, Cassandana.

— E eu consegui? — perguntou ela. 

— Sim, eu me apaixonei, eu a amei, eu a amo.

Cassandana sorriu fraco. 

— Como é bom ouvir isso,  mas sei que também ama Joaquina, se ela não tivesse... —  ela não completou. — Eu pediria que ela fosse sua nova rainha, mas eu acho que algo errado, nessa história, sempre achei... Investigue.

Ela mudou de assunto, e olhou para filha, que dormia.

— Chame as servas, para colocarem Atossa no berço. 

Ciro se negou. 

— Eu mesmo farei, não é problema nenhum, segurar minha filha nos braços.

Ciro segurou Atossa, com delicadeza, e o colocou no berço.

— Nossa filha fará parte do futuro da Pérsia. — afirmou a Rainha. — Eu sei que pode parecer uma bobagem o que vou dizer, mas... Eu não senti por Cambises, nosso primogênito, seu herdeiro, o que sinto por ela. Não faço distinção entre eles, os amo igualmente, mas sinto como se todo o futuro da Pérsia, dependesse dela.

Ciro tocou o rosto da esposa,  com carinho. 

— Minha mãe passou por algo parecido... — disse ela.  — Ela se foi, tempos depois de ter meu irmão  Otanes, seu segundo filho.

— Não diga isso, você ficará boa logo... E voltarei a governar com minha rainha, ao meu lado.

 — Acreditar nisso, é enganar a mim mesma, eu nem mesmo consigo segurar minha menina... Minha maior preocupação é Atossa. Cuidará dela, me prometa, Ciro. E Cambises tão rebelde, diferente da gente, seu jeito, sempre me preocupou. Cuide deles, de meus filhos. Sei que é um rei, tem responsabilidades com uma nação, mas Cambises, Ehsan e Atossa, precisam do pai.

O soberano percebeu que se tratava de uma despedida. Cassandana havia o chamado para se despedir dele.

— Eu cuidarei. — prometeu. — Cuidarei de nossa herdeira. De todos os meus herdeiros.

— Fica aqui comigo, estou com medo...

— Eu ficarei, meu amor. Não precisa ter medo. — sussurrou ele. 

E o soberano ficou, até que Cassandana fechou seus olhos para sempre.

Ciro chamou os magos, e pediu que preparassem tudo para o sepultamento da rainha. Seu corpo ficaria numa tumba menor, até que ficasse pronta uma torre, para que ela sempre fosse lembrada. Voltou para o trono, arrasado, Cassandana era seu porto seguro, o que faria sem ela? 

— Aqui estou, soberano. — disse o arauto, após entrar no salão, e o reverenciar.

 — Declare luto por todo meu reino, pois Cassandana, rainha da Pérsia,  morreu.


Notas Finais


Atossa, filha do Ciro, nasceu. Tenho um amor por essa princesa, vocês não tem noção. Ela será mãe do rei Assuero ❤ Infelizmente, Cassandana partiu alguns dias após o nascimento da filha 💔. E Ciro já tem uma nova esposa; casou tempos depois da conquista da Média, com Nitetis do Egito, com que teve seu segundo filho, príncipe Ehsan (seu nome era Bardiya, ou Esmérdis em grego, mas coloquei Ehsan, pq é persa, e eu acho bonito!) No próximo capítulo, Joaquina retorna, vamos saber o que aconteceu com ela!     


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...