História A Herdeira de Merlin - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Draco Malfoy, Fred Weasley, Gina Weasley, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lord Voldemort, Pansy Parkinson, Ronald Weasley, Sirius Black
Tags Draco Malfoy, Fred Weasley, Harry Potter, Herdeira, Lingua-encantada, Merlin, Romance
Visualizações 69
Palavras 2.944
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Famí­lia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura amores.

Capítulo 38 - Little Brother


Fanfic / Fanfiction A Herdeira de Merlin - Capítulo 38 - Little Brother

E é assim que nós sabemos

Tudo isso ficara bem

Estes são os tempos em que vamos perceber,

Quando nossas memórias desaparecem

Às vezes é preciso tempos como estes para saber

Você está no lugar certo

Times Like These - The Eden Project

Deixei um bilhete na cama de Hermione avisando que talvez de manhã ela não iria me encontrar na cama e que não precisava se preocupar. Coloquei minha bota de cano alto novamente, jeans pretos, uma regata branca e meu sobretudo. Prendi meus cabelos e passei rímel, tudo na maior velocidade e com o maior cuidado para não acordar as meninas. Peguei minha bolsa e joguei todo o meu material em cima da cama, colocando apenas o cálice, a pena e meu inseparável caderno de desenhos.

Iria visitar o Reino de Merlin hoje novamente e já havia listados algumas perguntas a fazer.

Assim que cheguei na sala precisa, graças a Deus não sendo pega por ninguém, fiz todo o procedimento na velocidade máxima e esperei. Como sempre, a sensação de ser puxada para baixo e me atingiu e não deu muito tempo para que eu estivesse deitada naquele quarto novamente.

Olhei ao redor do quarto, que parecia um quarto de princesa. As cortinas estavam fechadas e eu levantei para abrir, no começo sentia um pouco de tontura, mas depois de me concentrar passou. O sol estava nascendo e ao longe, dava para ver uma aldeia e mais e mais arvores, eu sorri com a vista. Tudo lá parecia um sonho, um fruto da minha imaginação.

Sai do quarto e passei pelos milhares de cômodos com tochas em cada porta, desta vez apagadas, até chegar as grandes escadas. Fui direto ao Salão que da última vez meu pai se encontrava comendo. Desta vez estava vazio, nenhum sinal de vida. Passei pela porta ao lado do Salão, que parecia ser a cozinha que da última vez pessoas saiam de lá com comidas a serem servidas.

A cozinha é enorme e antiga. Fornos a lenha, milhares de instrumentos de madeira, moveis um tanto quanto medievais. E uma mesa no centro, aonde Nathaniel e Liz encontravam-se comendo, sem falar dos outros milhares de criados trabalhando ali que mal notaram minha presença por conta da pressa.

Cheguei perto do casal e disse:

–Impressionante, é sempre vocês que eu encontro.

Madame Liz se assustou e colocou a mão no peito.

–Santo Merlin! Você quer me matar do coração? –ela virou para mim, parecendo brava.

–Liz, ela é a Herdeira –Nathaniel a reprendeu.  –Trate-a com respeito.

Todos pareciam ter escutado oque Nathaniel disse e viraram para me olhar, fazendo pomposas reverencias que me deixaram constrangida. Qual era a necessidade?

Liz, mesmo contra vontade fez uma reverencia.

–Não se preocupe Liz, eu também não vou com a sua cara. –disse me sentando ao lado de Nathaniel. Algumas pessoas, como ele, riram e outras, como Liz, ficaram chocadas.

–Com licença –ela disse, parecendo extremamente brava e saindo como um jato.

–Ops.

Nathaniel riu da minha expressão.

–Peço perdão por ela. Não é que ela não vá com a sua cara, ela apenas tem medo. –ele disse dando de ombros.

–Medo? –eu ri. –ela tem dez vezes o meu tamanho!

–Não disso, apesar que tamanho não é nada quando se tem os poderes de Merlin. Mas ela tem medo que eu me separe dela para ficar com você.

Olhei para ele. Nathaniel era muito lindo, mas eu amava Harry, mesmo que ele fizesse isso iria ficar sozinho. E além disso, Liz pode ser uma vaca, mas era linda com seus cabelos pretos longos e seus olhos verdes.

–E porque você faria isso?

–Porque existe uma profecia que diz que iremos casar.

Eu engasguei com o ar.

Sem possibilidades dessa profecia acontecer, eu nem casar quero. Imagine casar com ele e ser corna, além do mais para tal de Liz, não mesmo.

–Essas profecias são loucas.

–Eu também achava, até você chegar e Liz que já acreditava, quando você chegou ficou paranoica. Ela gasta todo o tempo dela comigo agora e toda vez que você chega, ela se torna amarga.

–Sorte sua –ele riu –e azar meu.

–Eu não chamaria de sorte, quando eu vou no banheiro ela fica me esperando na porta!

Eu ri alto.

Essa menina é maluca!

–Parece que somos azarados então. –ele concordou com a cabeça. –Você pode me levar até meu pai? Não tenho certeza de quanto tempo vou poder ficar aqui e tenho muitas perguntas.

–Imagino. Ele está na biblioteca, acorda mais cedo que todos e vai dormir mais tarde também, apenas no caso de você chegar em um horário como esse. Aliás, gosto das suas roupas.

–Ahn, obrigada –eu ia falar que eu também gostava das dele, mas... –As suas são estranhas.

Ele riu com a minha resposta e eu mordi os lábios para que mais nenhuma bobagem escapasse.

Nathaniel me levou até a biblioteca onde conversei com o meu pai da última vez, me deixando na porta. Ele pediu licença e foi embora, eu lhe dei um tchau e o amaldiçoei por me deixar sozinha. E se estivesse mais alguém ali?

Eu bati na porta e para o meu alivio, só ele estava naquela enorme biblioteca, pelo menos que eu possa ver. Fui ao seu encontro e lhe dei um abraço apertado que ele retribuiu com a maior alegria.

–Quanto tempo fiquei fora? –perguntei quando nos separamos.

–Uma semana apenas. –ele disse com um sorriso enorme. –mas se quer saber, pareceu uma eternidade.

–Foram meses, na verdade.

–O tempo é diferente, você irá se acostumar. Então, ainda tem perguntas não é mesmo?

Ele parecia ter lido minha mente.

–Milhares, mas a principal é: como eu faço para buscar o meu irmão?

–Humm... bom, é bem fácil na verdade. Você só tem que abrir um portal e o mago daquela história assim que ver vai mandar Jason para cá, coisa de minutos por conta da diferença do tempo.

–Ótimo, como crio esse portal?

–Agora?

–É, não quero ele preso por minha conta e por mais que eu não me lembre dele, algo no meu peito dói, como se precisasse dele.

–Isso se chama saudades.

–É, eu sinto saudades dos meus pais também.

Christopher olhou para baixo, como se doesse ouvir aquilo e eu percebi que havia tocado em uma de suas feridas.

–E quando fico fora –continuei –também sinto a sua. Sabe, diferença de tempos... –o sorriso cresceu em seu rosto e eu me senti aliviada. –ótimo, o que eu preciso fazer?

–Eu não sei se devo mas, você é a Herdeira acima de tudo então...

–É, eu sou a Herdeira e vou buscar Jason com ou sem ajuda.

–Você fala igual sua mãe. Venha comigo.

Aquilo me fez estufar o peito. Queria saber mais sobre ela, urgentemente.

Ele me levou para o canto da biblioteca, que é enorme, e de lá puxou um dos livros, que abriu uma passagem secreta. Parecia coisa de filme, mas ele andou pelos corredores da passagem secreta e me levou a uma sala enorme, com milhares de portais azuis ao lado de um pedestal. Do outro lado do pedestal, havia também uma estante de livros enorme e algo como um painel ao lado, que não parecia nada medieval.

Ele digitou algo naquele painel e um livro simplesmente foi para frente. Ele pegou aquele livro e colocou no pedestal do meio, ao lado do maior portal.

–E porque eu tenho que cortar minha mão? –disse indignada.

–Porque não tem como transferir um portal como esse para a sua história, isso pertence ao Reino de Merlin. Somente você e Merlin podem criar um portal do nada e somente vocês podem ativar esse. Os outros, os menores, os escritores da Ordem também podem, mas só acontece se todos estiverem juntos, o que é impossível já que alguns morreram .

–Eu preciso saber mais sobre essa tal de Ordem.

–E irá, mas antes preciso lhe dar uns avisos. Você não lembra de Jason, mas ele lembra de você, então será bem difícil. Sem falar que, você vai ter que explicar isso tudo para ele e se puder me ajudar e facilitar as coisas, contando que eu não abandonei vocês.... –eu assenti com a cabeça, com pressa e ele continuou. –ele não irá poder ficar aqui, os Bourbons já invadiram o Reino e não seria muito difícil fazer mais uma vez, então, você terá que o levar com você...

–Oque?

Isso não estava nos meus planos. Iria resgata-lo de uma vez e o deixar aqui para que meu pai lidasse com ele.

–Se somente eu já estou mudando toda a história, imagine então nós dois. –continuei, tentando mostrar para ele que aquilo era uma péssima ideia.

–Considere isso como uma ajuda, você mal lembra da história antiga, talvez ele possa te ajudar. Ele era fã disso também?

–Eu não sei, eu não me lembro dele! –disse totalmente frustrada.

–Bom, então vamos imaginar que sim, uma ajuda certo? Sem falar que, somente você tem poder para protege-lo e se ele ficasse aqui seria um motivo para os Bourbons atacar, colocando em risco todos que moram no Reino.

–E como eu explico isso para Dumbledore e o resto?

–Vai escrever a história dele assim que chegar e tornar ela real. Assim que você colocar a mão naquele livro e ligar o portal, ele vai sugar toda a sua energia e a de Jason, então ambos vão para história. –ele me abraçou apertado. –preciso que você volte mais cedo e traga Jason, eu quero vê-lo. Na próxima vez vai poder ficar mais tempo e então eu tiro todas as suas outras dúvidas certo?

–Espera! Como quer que eu escreva a história se não sei nada sobre ele? Você diz que somos gêmeos, mas não somos parecidos e não aparentamos ter a mesma idade.

–Bom, reza a lenda que quando vocês nasceram, um amigo nosso da Terra conseguiu te proteger, mas Jason foi levado junto com os Bourbons por um ano, até ser resgatado. Não sabemos como já que a Terra deveria ser livre de magia, mas há uma aldeia lá como o Reino, em que o tempo é diferente e enquanto correu um ano para você, foram dias para Jason. Provavelmente nem ele se lembra por conta do véu. Eu não sei direito, não tive notícias depois que vocês saíram do reino, eu ouvi várias coisas e não sei qual das são reais, pelo jeito essa é. O tempo passa diferente na história que ele está agora, então se ele parece mais novo talvez fique até mais velho que você...., eu sei que é difícil, mas você tem que ir agora. Prometo te contar tudo depois, mas você precisa voltar logo.

–Certo, eu prometo voltar mais cedo. –disse caminhando até o portal.

Olhei para trás e o meu pai me olhava com um sorriso confiante no rosto.

Suspirei fundo e coloquei a mão no livro.

Em um instante, tudo era preto.

xxx

Quando eu acordei, levei um susto ao ver um menino ao meu lado. Demorei para recordar que aquele garotos de olhos azuis, semelhantes aos meus e cabelos castanhos semelhantes ao do meu pai era Jason, meu irmão. Ele parecia estar em um sono sereno, com sua calça jeans e camisa larga.

Eu queria me lembrar dele, mas tudo o que eu tenho são pequenos fragmentos que eu sonhei com ele. Era triste e me deixava com raiva, minhas memórias foram arrancadas e eu nem ao menos tive escolha. A vida dele foi arrancada e agora ele não faz a menor ideia do que está acontecendo. Entre as batalhas de Hogwarts, nós dois tínhamos a nossa e agora estávamos no meio de duas.

Peguei meu caderno de desenho e comecei a escrever. Escrevi que eu fui adotada, mas era mais complicado adotar meu irmão, então enquanto o processo não saia, meus pais fizeram um acordo para que ele pudesse ficar em casa enquanto não fosse adotado. Anos depois a assistente social levou ele e nunca mais deu notícia. Dumbledore fez o mesmo acordo com o ministério para ele, assim como fez comigo, com receio de que ele fosse igual a mim e meus poderes, mas após de anos e todos os testes feitos provando que ele não tinha o mesmo nível de poderes, o diretor resolveu finalmente leva-lo para Hogwarts. Ele não ingressou no começo do ano por dúvida do ministro, que acha que ele tinha meus poderes, demorando para Dumbledore provar e assim que o ministro autorizou ele o trouxe para cá. Eu li e reli a história, não havia margem para erros e quando não achei nenhum, Jason começou a acordar.

Ele levantou em um pulo e olhou o lugar todo até seu olhar se encontrar com o meu. Ele veio correndo em minha direção e me deu um enorme abraço de urso, me levantando do chão e me girando. Era um bom abraço e eu me sentia muito feliz por ver ele, por mais que não me lembre de nada.

–Eu não acredito. –ele disse apertando minhas bochechas e mexendo no meu cabelo. –achei que não iria sair de lá nunca! Aquele tal de mago é um retardado, me diz que era tudo uma pegadinha?

–Não, não era. –disse ainda receosa. –humm... posso lhe fazer uma pergunta?

Ele confirmou com a cabeça andando pelo lugar.

–Quantos anos você tem?

–Oras, como assim quantos anos eu tenho? Você adora se gabar que é um ano mais velha, que eu sou seu irmãozinho...

Ele realmente não lembra que somos gêmeos. E olhando ao vivo em a cores, ele não parece ser mais novo como nos sonhos. Esse negócio de tempo nas histórias é muito complicado.

–Então, Herdeira de Merlin hein? –ele disse virando para me olhar. –Onde estamos?

–Hogwarts.

Ele começou a rir como se tivesse contado a piada mais engraçada do universo.

–Essa é boa e você namora o tal de Henry Potter não é mesmo? –ele disse ainda rindo.

–É Harry e bom... sim.

Ele parou de rir na hora.

–Pera, isso é realmente verdade?

Confirmei com a cabeça.

–É muita coisa para assimilar, primeiro minha irmã é a tal de Herdeira de Merlin que precisa salvar um Reino, depois tem esse vilão que nos sequestrou do nosso pai e supostamente deixou nossa mãe morrer e ainda aquele velho doido vem falar que somos gêmeos! Gêmeos Danielle! Isso é impossível, eu nasci depois e nossa família nos abandonou lembra?

–Então você sabe do nosso pai?

–Nosso pai? Eu sei o que aquele velho doido inventou.

–Seja quem for, ele não é doido, estava contando a verdade.

Ele pareceu estar meio zonzo e se sentou na cadeira que eu estava, lendo o que eu tinha escrito no papel. Cada vez mais confuso conforme lia.

–O que é isso? –ele perguntou depois de ter relido.

–Seu bilhete para Hogwarts. Certo, pelo jeito você sabe metade da história e vai me contar o que sabe depois, mas agora não temos tempo, não faço ideia de quanto tempo passamos aqui... Você sabe que eu tenho o poder de transformar as coisas em realidade apenas lendo em voz alta certo? –ele assentiu com a cabeça – e você sabe que eu amo a história de Harry Potter, certo? –ele assentiu com a cabeça e revirou os olhos. –Resumidamente, quando eu te li para dentro daquela história, o véu que não deixa os humanos perceberem a magia que corre por volta do mundo, apagou suas memórias da minha mente.

–Você não lembra de mim? –ele perguntou, parecendo muito triste e meu coração doeu por ele.

–Não, mas na história de Harry Potter não há esse véu por conta da magia então aos poucos eu vou me recordando por sonhos. De qualquer forma, eu não tinha você e me sentia sozinha e quando descobri meus poderes uni o útil com o agradável tornando o universo de Harry Potter real. Assim que deu te tirei da história e aqui estamos. Eu estou estudando aqui desde do começo do ano...

–Aonde eu estava, já fez um ano. Cheguei a pensar que nunca mais iria te ver.

–Me desculpe por isso, o tempo passa diferente em cada universo e assim que eu consegui eu te busquei. Eu vou tornar essa história real lendo, então você segue o roteiro desse papel. Assim que eu terminar de ler vai se tornar real então, se puder escreva tudo o que lembrar, porque com o tempo, assim como eu, você vai achar que o que foi lido é realmente verdade e vai começar a esquecer de nossa vida antiga.

Ele arregalou os olhos

–Dos nossos pais?

–Não, isso não. Eles fazem parte disso e nós iremos vê-los assim que der. Oque você vai esquecer é da tecnologia antiga já que Harry Potter se passa anos antes do que estávamos, vai esquecer como é estudar normalmente...

–De qualquer forma, nunca estudamos normalmente lembra? –Quando ele percebeu que eu não me lembrava, chacoalhou a cabeça parecendo irritado. –Nós fazíamos de tudo para sermos expulsos...

–Eu só me lembro de eu fazendo tudo sozinha para ser expulsa, mas aposto que seria bem melhor ao lado do meu irmão. –eu disse e ele sorriu fraco.

Deve ser muito difícil para ele mesmo.

–Voltando. Faça isso, para não se esquecer. E na história, não se vemos a muito tempo então faça cara de surpresa quando me ver.

–Certo. Vamos, estou pronto, desde que eu não volte para aquela história, você pode ler. –ele disse massageando as mãos, parecendo bem nervoso.

Eu ri e comecei a ler, sempre alternando os olhares do papel para ele.

Quando li a última palavra um enorme estalo se fez presente e no minuto seguinte Jason não estava mais ali. 


Notas Finais


Eu falei que eu voltei pra ficar, mas ninguém acredita! Olha eu aqui mais uma vez...
Esse foi um dos capítulos mais gostosos de escrever e muita coisa vai mudar daqui em diante, então me digam se vocês tem alguma dúvida em relação ao Reino de Merlin ou a família extremamente confusa da Danielle que eu explico no próximo capitulo ou nos comentários! Também me digam oque vocês acharam, gostaram do Jason? Os comentários que me motivam e me fazem postar mais, então se você é um fantasminha e quer outro capitulo rápido acho melhor sair da sombra.
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...