História A história de um Hyuuga. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto, Originais
Personagens Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kaguya Ootsutsuki, Kakashi Hatake, Karin, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Orochimaru, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Temari
Visualizações 42
Palavras 2.044
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Harem, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Cap especial guys, esse capítulo será contado inteiramente por Ren, como se ele estivesse contando uma história, sobre algo que aconteceu então terá um estilo um pouco diferente.

Capítulo 7 - Não importa o que...


Minha mãe me odeia?

Uma vez, há muito tempo, Naruto me fez essa pergunta.

Ela estava segurando uma boneca de pano em suas mãos, uma coisa velha que ela tinha conseguido. Era seu favorito de volta naqueles dias, sempre levando para a cama com ela sempre que ela dormia, o que explicava porque ela tinha isso com ela.

Ela estava usando seu pijama, uma camiseta grande de homem, que chegava dos seus ombros até os seus pés, seus cabelos eram um ninho de pássaro emaranhado era uma bagunça.

Seu canelo não era longo então, mal alcançanva a ponta do seu queixo.

Eu podia dizer que ela estava chorando de novo.

Você não pensaria que ela sem sentia assim, vendo o quão extrovertida ela era, mas naquela época Naruto era um verdadeiro bebê chorão, ela choraria quase todos os dias.

Apenas chore, deixe todas as suas dores e mágoas saírem juntos com as suas lágrimas, eu falo mentalmente.

Nunca quando alguém está assistindo, nunca, então era sempre quando ela estava sozinha, como se não fosse suposto deixar os outros vê-la quando ela chorava.

Mas meus olhos podiam olhar para além das paredes que a escondem, além das longas milhas que nos separavam, não havia lugar para se esconder para chorar que não conseguia encontrar.

Eu conhecia todas as vezes que ela chorava e, no entanto, não havia nada que eu pudesse fazer.

Toda vez que eu entraria na sala, entrando para ver o que estava errado, ela imediatamente se animaria, colava em um grande sorriso radiante e fingia que nada aconteceu.

Se eu só deveria rir quando estou feliz, então ... então ... então eu não farei nada além de chorar o tempo todo.

Eu perguntei, quando lutámos pela primeira vez na Academia, perguntei-lhe se ela nunca deixaria que outras pessoas a vejam chorar, então, como era suposto que eles saibam que ela estava com dor ela me contou isso.

Porque ninguém se importará, não há ninguém para sequer notar.

Eu não tinha levado isso a sério, na verdade, mas talvez eu deveria ter.

Eu realmente odiava vê-la chorar, mas odiava vê-la fingir que não estava chorando ainda mais.

As crianças não devem agir como adultos, eu já lhe disse, não eu, Naruto? Atuando tão sábio e corajosa, você deve deixar coisas difíceis assim aos velhos como eu e apenas chorar o conteúdo do seu coração.

Ela costumava ter pesadelos também não muito, mas o suficiente para eu tomar conhecimento, ainda me lembro da primeira vez que eu a vi tendo eles.

Foi durante uma das vezes que eu estava dormindo na sua casa, quase adormeci no quarto de hóspedes quando uma hesitante batida na porta me acordou.

Ela estava parada ali, seu corpo tremendo a meio caminho da sala enquanto a outra metade estava escondida atrás da porta mal aberta.

Ela colocou a cabeça na sala, mas recusou-se a entrar, como se ela tivesse gastado toda a sua coragem para chegar tão longe, e ela não conseguiu entrar no resto do caminho.

Ela estava olhando para mim, de um jeito que apenas as crianças pequenas podiam, seus olhos azuis lindos tinha medo neles.

Posso dormir com você esta noite?

Acabei de levantar o cobertor e acariciar o local ao meu lado.

Depois daquela noite, ela nunca mais se incomodou em perguntar, como se soubesse que ela sempre seria bem-vinda, sempre entrando silenciosamente no meu quarto, com cuidado para não me acordar, antes de deslizar silenciosamente debaixo do cobertor e entrar na minha cama.

No entanto, ela ainda não me tocava.

Naquela época, nossa amizade ainda era nova, incerta e não testada.

Ela não tinha certeza do que era e não tinha permissão para fazer, nem sabia se poderia segurar minha mão sem pedir permissão primeiro.

Era como se ela não conhecesse os limites do nosso relacionamento, o que realmente significava para sermos amigos.

Lembro-me de acordar às vezes para encontrá-la deitada ao meu lado, com a mão esticada para mim como se quisesse me agitar para acorda ou simplesmente me abraçar, sentir o calor e o toque de outro ser humano durante a noite.

Mas ela sempre estava com muito medo.

A mão dela pairava, apenas uma pitada de cabelo fora do alcance, quase, mas nunca tocando.

Ela simplesmente esperava, com a mão pairando no ar, muito assustada para se aproximar, mas não querendo se afastar.

Então ela apenas segurou sua mão lá, esperando que algo acontecesse, para alguém cobrir o resto da distância e segura a sua mão.

Há quanto tempo ela está esperando assim? Não apenas comigo, mas com todos, esperando desesperadamente que alguém venha por ela.

Lembro-me de como ela chorava quando ignorei a mão inteiramente e a alcancei ela, puxando-a para um abraço, como ela soluçava no meu peito, segurando minha camisa com os seus pequenos punhos, enquanto eu a segurava e apertava o meu abraço para que ela pudesse dormir, e desejando que todos os seu pesadelos a deixem.

Essa foi a única vez que Naruto me permitiu vê-la chorar.

Você é real?

Ela me perguntaria cada vez que ela se seria insegura, agarrando-me tão forte como se eu fosse tudo o que a impedisse de se afogar, soluçando no meu peito enquanto eu continuava a acariciar as suas costas.

Por favor, não vá embora.

Fique por favor?

Ela salvou a aldeia tornando-se o recipiente de um Demônio, tornou-se seu herói, e essa foi sua recompensa uma solidão tão profunda que eu nem poderia começar a compreender, umq que todo o dinheiro que eles lhe deram, todos os elogios que eles a diziam, nem conseguiram ajuda com a sua solidão, mesmo que só um pouco.

Desde então eu decidi que Naruto nunca mais dormiria sozinha, nunca quis que ela acordasse assustada e sozinha em um apartamento vazio e escuro nunca mais.

A partir de então, sempre que puder, eu dormiria em seu apartamento de classe alta junto com ela e quando eu não pudesse, quando eu precisava volta para a minha casa, eu a levaria junto comigo.

Então, ao longo dos anos, acostumei-me a acordar apenas para encontrá-la dormindo ao meu lado na minha cama, primeiro como lugar de refúgio da noite e os terrores que seguravam, e mais tarde, quando seus pesadelos diminuíram em número antes de desaparecer inteiramente, como um lugar em que encontrou conforto.

Naquela noite, porém, era diferente.

Ela não tentou se esgueirar para o meu quarto, embora eu pensasse que poderia.

Ela estava agindo o tempo todo, mais calma e subjugada, era sutil para que os outros não tivessem notado, mas eu fiz.

Então naquela noite eu tinha me assegurado de não adormecer e ficava acordado, esperando sua chegada, depois de uma hora, quando ouvi sua porta estremecer e o som de pequenos pés no chão do corredor, pensei com certeza que viria.

Ela não o fez.

Desta vez, não importava quanto tempo eu esperasse por ela chegar, ela não iria até meu quarto.

Então, em vez disso, forcei-me a ir até ela, o chão de madeira frio sob meus pés descalços, saí do meu quarto e fui em direção à sala de estar.

Ela estava me esperando, como se soubesse que viria.

Naquela noite, ela me contou um segredo.

Ela estava sentada no lado de fora da casa, enquanto ela estava banhada ao luar, com os joelhos dobrados tocando no seu peito.

Ela não olhava para mim quando falava, em vez disso, seus olhos vermelho de sangue estavam fixados na boneca de pano, uma que tinha uma cabeça cheia de cabelos coloridos carmesins.

Eu matei minha mãe.

Essa foi a primeira vez que Naruto já mencionou sua mãe para mim.

Eu tinha esquecido completamente de Uzumaki Kushina, e o que significava para Naruto conhecer o nome de sua mãe.

Seria seu aniversário amanhã e, como todos os anos, ela queria vê-la, para visitar e dizer olá, para finalmente conhecê-la, mas ela estava com muito medo.

Acho que ela me odeia.

Ela havia ouvido que os adultos falavam sobre esse dia, sobre o tempo que a Kyuubi atacou, eles não sabiam que ela estava lá, é claro, Naruto sempre foi bom em se esconder, então eles conversaram livremente, nunca suspeitando das minúsculas orelhas que ouviram.

Ela ficou em silêncio e ouviu atentamente enquanto falavam sobre o incidente, sobre a razão pela qual o Kyuubi se libertou da prisão, sobre como o selo que o mantinha selado já estava enfraquecido devido à gravidez do anfitrião anterior, enfraqueceu ainda mais quando ela entrou em trabalho de parto.

Foi assim que Naruto aprendeu que sua mãe morreu dando à luz ela.

Ela não conseguia entender tudo, não inteiramente, mas ela entendeu o suficiente.

Uzumaki Kushina morreu porque escolheu tê-la.

Porque Uzumaki Naruto nasceu, Uzumaki Kushina morreu.

Então, sem olhar para mim, sem olhar para nada além da boneca que ela apertou em suas minúsculas mãos, ela me perguntou, com uma voz tão baixa que eu tive que me concentra para ouvir isso mesmo no silêncio do ar livre, se eu pensava que a mãe dela a odiava.

"Nunca", respondi, e eu sabia que era a verdade.

Ela olhou para mim, então, com os olhos livres de lágrimas, eles já haviam secado, ela me pediu com uma voz cheia de muito choro, como eu tinha tanta certeza.

Eu disse a ela que era natural que os pais adorassem seus filhos.

'Não importa o que?' Ela perguntou.

"Não importa o que", confirmei, balançando a cabeça.

"Mesmo que eles sejam a razão pela qual eles morreram?" ela perguntou, desesperada por uma resposta. "Mesmo que seus filhos fossem os que os mataram?"

Era engraçado que, de todas as pessoas, tinha sido eu que ela havia perguntado, talvez a única pessoa no mundo que possa responder com sinceridade a essa pergunta.

Eu tentei não pensar nessa noite, fingindo que nunca aconteceu, eu não queria pensar sobre isso, para não lembra sobre esse evento, mas para ela... se fosse por causa dela, por sua felicidade, eu faria isso.

Pensei em meus dois filhos, meus meninos gêmeos, pensei naquela noite que um veio para me mata.

Ainda me lembro tão vividamente a, dor, o arrependimento e, acima de tudo, a sensação de confusão esmagadora.

Lembro-me de pensar que era estranho, sentindo-se tão frio e quente ao mesmo tempo, de como meu corpo sentiu como gelo enquanto eu estava deitada no chão frio em uma piscina de meu próprio sangue, e ainda assim minhas costas estavam tão quente.

E acima de tudo, lembro-me de um ser consumido por uma única questão que estava destruindo a minha alma.

Por quê?

Essa única palavra foi o que encheu meus pensamentos finais quando morri.

Eu tentei falar, tentei pergunta enquanto eu estava lá sangrando no chão, através de toda a dor, através do silêncio, tentei forçar minha boca a se move e fazer a pergunta, porque? Mas tudo o que se espalhou por meus labios era sangue, não palavras.

Eu ainda tentei, mesmo enquanto o sangue deixava encharcado o meu queixo e meu peito, enquanto o mundo escurecia sobre mim, eu continuava perguntando.

Por quê? Por quê? Por quê?

E de alguma forma, acho que ele me ouviu.

Ele estava de pé sobre mim enquanto eu morri, observando, tentei ver seu rosto, mas não podia, estava muito escuro, ou talvez fosse apenas minha visão que estava escurecendo.

Eu não podia dizer o que estava sentindo, sua expressão escondida nas sombras, ele estava com raiva, sorria, zombava, ria, chorava? Eu não sabia.

No final, nunca consegui ouvir sua resposta.

Talvez ele tivesse me dado uma, mas se assim fosse, eu já estava morto quando aconteceu.

Ainda assim, se você me perguntou, depois de tudo isso, depois de toda a dor e traição, ainda amava meus filhos? Então eu só poderia dar-lhe uma resposta.

Olhei para a garota, Naruto, enquanto ela me observava com tanta fervor, esperando minha resposta.

Não entendi por que pensava que eu saberia, porque acreditava que eu poderia responder a essa pergunta.

Eu nem compreendia por que acreditava que eu lhe diria a verdade, em vez de trivialidades vazias, mas, por algum motivo, Naruto sempre acreditou em mim, confiou em mim com cada gota de sua alma, mesmo quando se tratava de coisas que eu não deveria saber.

Então, quando ela me perguntou se um pai ainda amaria seus filhos, mesmo que eles acabassem matando eles, ela confiava em qualquer resposta que eu lhe daria, não seria uma mentira.

E ela estava certa - eu disse a ela a verdade.

"Sim." Não hesitei na minha voz, sem incerteza em nenhum lugar para encontrar "Mesmo que eles acabassem mortos por eles, um pai, uma mãe, sempre amariam seus filhos", falei com um sorriso honesto "Não importa o que."

Era natural que os pais amassem seus filhos.


Notas Finais


Deixem o feedback.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...