História A Imperatriz - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 258
Palavras 1.933
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E aí amores? Hihihi

Capítulo 2 - Seu futuro marido


E foi então que ele começou a descobrir tudo o que queria sobre ela. Assim que toda aquela confusão acabou, começaram as festividades. Sasuke a observou por um tempo. 


Ele observou como tratava os outros, ela era dócil e gentil. Viu ela gargalhando com a bronca que recebeu de Chiyo, uma senhora conhecida. Infelizmente até agora não tinha descoberto nada sobre ela, mas ele iria descobrir logo. 


Sakura era atrevida, isso ele percebeu de longe. Ela não tinha papas na língua, falava o que pensava, também não conseguia conter suas ações. Sua emoção vinha acima da razão e ele notou que isso a incomodava. 


Ela também era falante e animada, possuía um gênio forte e não queria um homem. A maioria dos "caras" ali a respeitavam, a adoravam e isso o irritava. Mas parecia que ela não tinha a mínima noção da beleza que possuía e não estava nenhum pouco interessada em qualquer pessoa do sexo masculino. 


Isso o instigou. 


Quando ela chegou ao bar, lançando um sorriso aberto para todas as pessoas que vinham pela frente. Ele ficou desnorteado, assim como todos os homens que viam aquele sorriso. Mas ela nem ligou, isso a deixava sensual. E então quando ela tirou aquela capa, aí sim ele queria muito o emblema de sua família para marca-lo em suas costas. 


As curvas de Sakura, eram perfeitas. A roupa vermelha, um pouco colada para o azar de Sasuke, realçava seus seios e a cintura fina. A calça preta, deixava evidente as pernas roliças e o bumbum redondo e empinado. E ele sentiu o efeito disso, Sasuke Uchiha estava animado. 


E em um momento cortante, um outro fato veio em sua cabeça. Sakura possuía magia. Como? Ela poderia ter nascido com muita sorte, sim. Mas ele sabia que apenas famílias com um pouco de sangue "original" ou "real" nasciam com magia. Normalmente, nascer com sorte, significava que um Imperador traiu sua esposa. Sim, um bastardo. 


Eles viravam escravos durante alguns anos, por serem frutos de um erro. Uma lei que foi abandonada a alguns anos pelo Império Uchiha. Então, de onde vinha aquela garota. 


E foi com esse pensamento que ele usou sua magia. Dono de um poder ocular surreal, ele hipnotizou Guin, o dono do bar bastante conhecido pela garota. 


— Quantos anos Sakura tem? — Ambos estavam em um beco escuro, de frente um para o outro. Sasuke usava a capa para cobrir seu rosto. 


— Vinte e sete, apesar de parecer dez anos mais jovem. — O senhor respondeu, sorrindo. No genjutsu dele, tudo estava as mil maravilhas. 


— Quais são seus sonhos? 


— Não sei direito, rapaz. Mas parece que ela sonha com um mundo melhor. Ela é uma mocinha muito gentil e bondosa, sei que liberta muitos escravos pelos países e continentes que passa. 


— A origem dela, de onde vem? 


— Parece que seus pais eram donos de um império no meio da floresta, e ele caiu na Quarta Guerra. Ela foi criada por Chiyo e Tsunade Senju, uma imperatriz do norte e Chiyo era sua criada. 


— Sua magia? 


— É brilhante, ela é formada em medicina também. Dizem que ela batalhou muito, já que foi traficada quando o império de seus pais caiu. 


— A quanto tempo a conhece? 


— A anos, trabalhava nesse mesmo castelo. Desde pequena vi essa garota crescer, porém ela saiu de casa aos quatorze anos e voltou esses meses. 


— Uma andarilha? 


— Talvez, Chiyo diz que Sakura ajuda quem não pode se ajudar. Ela encara isso como uma missão divina, uma missão deixada por seus pais. 


— Quando ela parte? 


— Amanhã mesmo, pelo que sei. 


— Para qual direção? 


— Acho que o Império Uzumaki. Pelo que sei ela quer visitar uma amiga chamada Hinata, qual salvou a vida a tempos atrás. E também, deter os Empire. 


— Empire? 


— Sim, um grupo escravista. 


Sasuke não sabia disso, para ele não existia mais esse tipo de coisa, afinal a ordem foi essa. Rapidamente, usou seus olhos para poder apagar a memória do homem, o mandou em direção ao bar e só quando chegasse no bar, iria lembrar que foi atrás de uns homens que saíram sem pagar. Porém fugiram. 


Sasuke tinha que planejar cada movimento, teria que saber conquistá-la, domá-la e aí então, ela seria a imperatriz. A sua imperatriz. 


~•~ 


Ele estava escorado em uma árvore, estufando o peito e tomando coragem. Quantas vezes já falou com uma mulher e nunca tinha ficado nervoso desse jeito. Mas era como se tudo pudesse dar errado a qualquer momento. 


E realmente, aconteceu. Quando uma kunai foi lançada em sua direção, ele soube que nenhum dos dois estavam sozinhos. Viu Sakura andando normalmente, ela parecia perdida em pensamentos e isso o deixou com um cuidado maior com a mesma. Ela era desatenta, isso fazia seu senso de proteção aumentar. 


E foram em pouquíssimos segundos que ele ativou o Sharingan e ele viu mais de cinco homens escondidos atrás de árvores, arbustos e pedras. 


Sakura ainda andava tranquilamente, totalmente transbordando em seus próprios pensamentos. 


Ele teria que protege-la, e merda, isso não fazia parte de seu plano. Quando mais uma kunai com explosivos foi lançado em direção a ela, ele não teve escolha. 


Sasuke pulou do tronco onde estava, pegando Sakura pela cintura e jogando uma outra kunai em direção aquela, fazendo a explosão ir ao chão. Ele equilibrou seu corpo com o dela em cima do tronco de árvore que estava do outro lado da trilha que ela seguia. 


— O que... — Sasuke olhou para ela, seus olhos verdes estavam arregalados e surpresos. 


— Acho que tem gente que não te quer viva. — Viu a boca da garota se abrir e logo suas sobrancelhas franziram. O braço dela se ergueu e logo percebeu que ela ia tentar se separar. — Nem pense nisso, são cinco homens e provavelmente utilizadores de magia. 


— Vou utilizar meus punhos na cara deles. — Sakura ainda olhava para a explosão. 


— Não, o que? Você está me escutando, é perigoso. — Sasuke exclamou, franzindo o cenho. 


— Você pode me soltar, por favor? — Ela disse gentilmente. 


— Você está surda? — Perdeu a paciência. 


— Olha só, obrigada. Posso ter sido pega de surpresa, mas agora estou atenta e quero muito socar os imbecis. Agora, me larga. — Sakura tirou as mãos dele de sua cintura e pulou para o meio da trilha. 


Sasuke estava chocado, com um pouco de raiva e visivelmente atraído. Ela era teimosa e audaciosa. Mas também estava preocupado, não com a garota em si, o problema era que; ele que devia proteger a sua "doce imperatriz". E onde ele estava? Parado. 


Pulou do tronco onde estava, ficando de costas para as costas de Sakura. 


— Tudo bem, não é como se eu fosse deixar você enfrentar qualquer um sozinho. — Resmungou alto o suficiente. 


Foi ali que tudo começou, a boca de Sakura se abriu em surpresa. Ela não esperava nada das pessoas e nunca esperou, não indagava que um estranho a salvaria e iria ajuda-la a se livrar de uns 'caras'. 


Sasuke esperou o ataque, sabia que iriam ataca-lo primeiro, talvez por o acharem mais forte ou por qualquer coisa do tipo. E foi o que aconteceu, sentiu o calor das costas de Sakura saírem de suas costas e três homens virem em sua direção. 


Uma kunai veio em direção ao seu rosto e ele apenas desviou, em seguida uma faca e novamente Sasuke se esquivou. Correu em direção aos homens, e então veio uma magia em sua direção; Bola de fogo. 


Seus olhos negros reviraram enquanto ele continuava correndo. O homem do meio arregalou deus olhos, olhando para seus "amigos". 


E ele foi o mais esperto, assim que viu as chamas antes alaranjadas começarem a ficar pretas; ele teve certeza. Deu passos para trás e correu, não sem antes gritar seus amigos. — Saim já daí. 


Logo, um braço enorme e roxo foi rodeado pelas chamas negras. Em seguida o mesmo braço esmagou os dois homens, não os matou. Um imperador não mata, não teme. Um imperador ensina, matar um bandido é muito fácil. Agora, ensina-lo é quase impossível; faze-lo sofrer e pensar nas pessoas que matou; fazer alguém se arrepender por ser quem é. 


Sasuke é uma das poucas pessoas que tem uma visão privilegiada do mundo. Um garotinho que cresceu durante uma guerra, sendo protegido sempre por seu irmão mais velho. Ele sabia que a morte era uma benção e pessoas podres de espírito, não mereciam essa benção. 


— Yokuio! Droga, eu vou matar você. — Um dos homens que lutavam com Sakura informou. 


Isso Sakura, a mesma travava uma luta corpo a corpo com uma muralha de mais de 2 metros de altura. 


— Não, Sanji. Ele, olha bem para ele. Não existe esse tipo de poder em homens como nós. 


— Frutos de magia falsa. — Murmurou Sasuke. 


Neste mundo, existiam pessoas que fariam tudo para ter magia, eram chamados de Frutos da Magia Falsa. 


As chamas negra envolviam o braço roxo, os homens atingidos estavam no chão queimando, levemente. O outro estava escorado em uma árvore com os olhos arregalados. 


— Da um tempo vocês dois, nossa missão é a vadiazinha aqui... — Ele mal terminou de falar, um chute com uma força sobrenatural foi acertado em seu rosto. 


— Ah, a vadiazinha aqui vai triturar você. — A voz de Sakura rasgou de raiva por sua garganta, em seguida a mesma deu impulso no ar, chutando a barriga do homem e o fazendo voar quilômetros junto com o outro. 


Depois da luta, o outro homem se rendeu. Sasuke os amarrou em uma árvore e invocou um corvo mandando um recado ao vilarejo mais próximo. Ambos seguiram em viajem, andando um pouco mais. Os dois permaneciam calados, mas não por muito tempo. 


Sakura estava surpresa, nunca tinha acontecido nada do tipo antes. Sasuke estava se sentindo estranho e por mais inexplicável que pareça, com uma vontade imensa de falar alguma coisa. 


Já era noite quando eles finalmente chegaram a cidade de Kosagloa, uma cidade que dividia e separava o Centro do Sul. 


— Acho que nós precisamos conversar. — Propôs Sasuke, e ficou surpreso consigo mesmo. Sasuke era um homem de poucas palavras, não gostava de interagir ou de pessoas. Podia ser facilmente como um imperador antissocial. 


— Realmente. — Sakura sorriu gentilmente. Em seguida ela respirou fundo e começou a parar ser falar, sobre aonde eles iram conversar e isso assustou um pouco Sasuke. — Que tal na taberna do CEU ou não, quer dizer no Bar de Darvi. Se bem que tem bar nos hotéis. Espera, não que a gente vá ficar no mesmo hotel. Aí meu deus, eu estou piorando a situação. 


Sasuke sorriu levemente, ela estava constrangida e vermelha. Sua face expressava terror e a risada sem graça da moça foi o bastante para despertar uma gargalhada no jovem Uchiha. 


— Não é engraçado. — Sakura murmurou apertando as mãos em sua capa. Ela estava confusa. 


O desconhecido era bonito, ela tinha que admitir. Tudo bem, ele era lindo. Mas ela estava andando a horas com um homem que mal sabia o nome, tudo bem que ele a salvou e tudo mais. Porém, isso era assustador. Ela poderia deixa-lo inconsciente e fugir, porém alguma coisa a impedia. Talvez o deus do destino, e isso, sim, isso a deixava apavorada. 


— Vamos descansar em um Hotel, amanhã de manhã conversamos sobre tudo e irei te explicar minha missão. A propósito Sakura, meu nome é Sasuke. 


O seu futuro marido



Notas Finais


Gente eu fiquei pasma com vocês no capítulo anterior, eu realmente não esperava tanto apoio e carinho. Vou ser eternamente grata a vocês, então obrigada por tudo. É muito bom ver seu trabalho ser valorizado e receber um retorno daqueles. 💜

Vamos parar com o chororó e vamos falar dessa história né, amores. Hihihi. Bom, vamos do começo, bem eu fiz o possível para deixar o capítulo convincente. Que, autora-sama, como assim miga, tá louca da cebola roxa? — para quem leu friends — Sasuke não se apaixonou ainda, ele está encantado e nesse capítulo ele começa a gostar da nossa Saky-chan. Sim, isso mesmo povo. Ele está gostando dela.

Eu deixei o diálogo para o próximo capítulo, que infelizmente não vai sair no próximo domingo (dia 4). 💜
Sorry, e sim no dia 11. Mas espero que entendam que se a autora aqui, ficar de recuperação tchau tchau fanfic's. Hihihihi 💜 (além da depressão da nerd aqui) mas isso é possivelmente impossível graças aos deuses.

Gente, deixa eu só dar uma Pszinha aqui. Esse deus do destino que Sakura disse é uma "mitologia/crença/religião" que é da fanfic, a cada coisa que existe, existe um deus. Tipo, caiu lama no Sasuke e Sasuke ficou fedendo, é tudo obra do deus do fedor. É a "religião" da Sakura, que era a do reino dela e é a única coisa que ela carrega em si —alem dos cabelos— deles. #olhaospoiler

Enfim, até a próxima💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...