História A Irmã de Harry Potter e a Pedra Filosofal - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Draco, Grifinória, Harry Potter, Irmãos, Jenna, Romance
Exibições 106
Palavras 1.409
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Aqui estou!

"Hoje a festa a sua...Hoje a festa é nossa...."

Ok, chega de palhaçada! Aqui não é globo!

Perguntinha: Vcs viram a propaganda da coca pro Natal, tá mt foda xnt <3

Sobre a fic agora, hj vai ser o cap em que a Jenna e o Draco se encontram pela primeira vez!

Boa leitura e espero que gostem

Kisses
*3*

Capítulo 4 - Cap 3: Quem é esse garoto, Harry?


Fanfic / Fanfiction A Irmã de Harry Potter e a Pedra Filosofal - Capítulo 4 - Cap 3: Quem é esse garoto, Harry?

Desejei ter uns vinte olhos para poder ver tudo que tinha no beco diagonal! Virava a a cabeça para todos os lados possíveis, assim como Harry, ouvi uma mulher sair da farmácia, reclamando que o fígado de dragão estava caro demais!!  Ouvi um pio baixo, me fazendo virar para uma loja chamada Empório das Corujas, a coruja que havia piado era preta com os olhos escuros, achei ela tão linda, fiz um pouco de carinho no seu bico, fazendo ela sorrir e bicar gentilmente meu dedo. Hagrid me chamou e infelizmente eu tive que deixá-la. 

- Gringotes - Hagrid anunciou

Havíamos chegado num edifício branco que se erguia acima das lojinhas. Diante das portas de bronze, usando um uniforme vermelho e dourado havia uma criatura que Hagrid disse que eram duendes num tom baixo enquanto subíamos a escada até o duende.

Havíamos chegado num edifício branco que se erguia acima das lojinhas. Diante das portas de bronze, usando um uniforme vermelho e dourado havia uma criatura que Hagrid disse que eram duendes num tom baixo enquanto subíamos a escada até o duende.

A criatura era bem mais baixa que a gente, poderia me confundir seriamente com um anão ou coisa do tipo, porém ele parecia mais inteligente que eu e meu irmão juntos, passamos por ele e vimos uma porta prateada com as letras gravadas em ouro:

Entrem, estranhos, mas prestem atenção
Ao que espera o pecado da ambição
Porque os que tiram o que não ganharam
Terão é que pagar muito caro,
Assim, se procuram sob o nosso chão
Um tesouro que nunca enterraram,
Ladrão, você foi avisado, cuidado,
pois vai encontrar mais do que procurou.

- Não lhes disse?Só loucos tentariam roubar o banco – Hagrid fez questão de nos lembrar, eu sei que sou louca, mas não ao ponto de roubar um lugar que fazem um poema para te avisar dos perigos que tem!

Depois de um tempo, fomos até um duende que não estava fazendo naquele momento, e Hagrid pediu.

- Bom-dia – Hagrid cumprimentou educadamente – Viemos sacar algum dinheiro do cofre dos senhores Harry e Jenna Potter.

- O senhor tem a chave? – O duende perguntou, parecia meio irritado, apesar de me encarar com curiosidade

Hagrid começou a esvaziar seus bolsos no balcão, deixando alguns biscoitos mofados no local, fazendo o duende franzir o nariz enquanto Harry observava o duende do nosso lado pesar um monte de rubis.

Quando Hagrid finalmente achou a nossa chave, o duende analisou e disse que estava e ordem. Hagrid pegou uma de Dumbledore e disse que é sobre o objeto no cofre 413.

Tentamos descobrir o que era o objeto no cofre 413, mas Hagrid disse que não podia falar pois era parte dos negócios secretos de Hogwarts e que o emprego dele vale mais do que a vontade de contar. Revirei os olhos, saiba Hagridinho -  Não arrumei nenhum nome melhor- que eu sempre descubro o que quero.

Quando chegamos no nosso cofre, abri muito a boca, quase tocou no chão – exagerada?Eu sei que sou – se os Dursley soubessem, morreriam de inveja! Estou pensando seriamente em levar tudo e jogar na cara deles, ou jogar tudo numa sala e mergulhar no dinheiro, assim como um pato faz em um desenho animado, esqueci o nome dele!!

Hagrid explicou que as moedas de ouro são os galeões, que 17 sicles formam 1 galeão e que 29 nuques foram 1 sicle. Depois fomos até o cofre 713, Hagrid pediu para ir devagar só que segundo Grampo, não tinha outra velocidade, eu preciso dizer que amei isso ser tão rápido??Parece uma montanha-russa!! Só falta eu berrar e levar as mãos ao alto!

Achamos melhor – Hagrid achou – começarmos primeiro a comprar o nosso uniforme. Fomos para a loja de uma tal de Madame Malkin.

Eu fui para um lado com uma outra atendente enquanto a própria Madame fazia as roupas de um garoto loiro enquanto Harry esperava. Como não tinha ninguém na minha frente e tinham vestes do meu tamanho, paguei e fui até a parte masculina, vendo os dois garotos, meu irmão parecia um tanto quanto desconfortável, será que o outro é chato?Eu achei lindo!

- Harry?Estou pronta! – Exclamei me sentando na cadeira mais próxima – Esse lugar é simplesmente demais!! Tudo é demais!

- São irmãos? – O outro garoto perguntou, parecia um pouco animado, apesar de sua voz arrastada

- Sim, gêmeos! – Respondi - Vai pra Hogwarts também? – Perguntei

- Vou – O garoto respondeu

Seu rosto era pálido, seus cabelos loiros e lisos, seus olhos eram acinzentados, ele era super-fofo!! Apesar de que a personalidade não parecia ser assim

- Onde seus pais estão? – Mordi o lábio inferior, doía um pouco falar dos meus pais

- Estão mortos. – Harry respondeu secamente

- Ah...Lamento – O loiro respondeu, parecia que não lamentava nada na minha opinião – Mas eram do nosso povo, não?

- O que quer dizer? – Perguntei, logo percebendo que ele estava perguntando se nossos pais eram bruxos, bati na testa e respondi – Eram bruxos, sim – Respondi – Por que?Qual o problemas se eles fossem trouxas?

- Não são do nosso mundo – O loiro respondeu me encarando de cima a baixo – Nem mereciam estar em Hogwarts – Me levantei

- Talvez não, mas se sabem fazer magia, por que não? – Perguntei, ele iria retrucar quando a costureira disse que já tinha acabado, ele me encarou de cima a baixo novamente e foi embora

Fiquei pensando naquele garoto enquanto tomava o meu sorvete de baunilha com chocolate. Aquele garoto era muito bonito, mas o que tinha de beleza tinha de idiotice, por que quem era filho de trouxas não podia ir a Hogwarts?Se conseguem fazer mágicas, que vá! 

De repente, Harry fez perguntas como o que é Quadribol, depois ele contou tudo que o garoto disse a ele e depois a mim.

- Vocês não pertencem a família de trouxas. Se ele soubesse quem vocês são....Pelo que ouvi, ele cresceu ouvindo o nome de vocês e da família de vocês!

Descobri que Quadribol é o esporte dos bruxos. Meio que o futebol só que com vassouras e no ar, Hagrid não soube explicar como funciona. Na escola, tem 4 casas: Grifinória, a dos corajosos e ousados; Sonserina, dos astutos e a maioria do mal; Corvinal, a dos inteligentes e a Lufa-lufa, dos leais. Nem preciso de teste para saber que minha casa será a Grifinória

Por último, fomos comprar nossas varinhas enquanto Hagrid foi comprar nosso presente de aniversário – Harry insistiu para ele não comprar, vou deixar bem claro que eu não falei nada.

Assim que entramos, Olivaras disse que nos esperava. O único bruxo que NOS esperava e não esperava só o meu irmão. Começamos a testar várias varinhas, mas com o Harry não dava nada certo.Até que ele pegou uma de azevinho e pena de fênix, que finalmente, funcionou com ele.

Logo, foi a minha vez. Ele me encarou e eu acabei erguendo o braço direito, as coisas foram até o meu braço para medi-lo, assim que acabou, ele franziu o cenho e pegou uma varinha da caixa. 

- Trinta centímetros de comprimento, farfalhante, feita de salgueiro, acho que se recorda de uma igual a essa. – Assenti

- A da mamãe era assim, só que um pouco menor – Respondi – Tinha dito que era boa para encantamentos – Ele sorriu

- Vejo muito dela em você, senhorita Potter

Pagamos o senhor Olivaras e saímos da loja, assim que saímos encontramos Hagrid com duas gaiolas: A primeira tinha uma coruja branca com algumas manchinhas pretas e a outra....A Outra era a que eu tinha dado carinho mais cedo!! Eu não acredito que ele comprou ela e me deu!!

- Sério?? – Ele sorriu ao ver eu sorrindo feito uma doida enquanto a coruja preta piava alegremente – Harry fica com a branca

No final, eu e Harry acabamos indo sozinhos para a nossa casa com os trouxas! Mas eu simplesmente não me importo com isso, eu vou para Hogwarts e pronto!!

- Vou dar o nome de Edwiges – Assenti com o comentário de Harry – E a sua?

- A minha se chamará Dark Swan – Respondi – Significa Cisne Negro – Ele sorriu

- Não deveria se chamar Dark Owl? – Perguntou ele – Afinal, esta ave é uma coruja e não um cisne

- Você deveria ir pra Corvinal, seu nerd!! – Harry começou a rir

Ficamos a viagem toda conversando sobre como deveria ser Hogwarts e que os professores deveriam ser um máximo! Afinal, qualquer coisa é melhor do que conviver com aqueles trouxas!


Notas Finais


Dark Swan: http://s2.glbimg.com/wl6HrzkP3f9kSSFiweFf8r7uc2FJZ0k3syupaGheT0tIoz-HdGixxa_8qOZvMp3w/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2013/02/27/coruja_rara_interna.jpg

Até logo!! Pfv respondam a pergunta que fiz nas notas finais, não quero ser ignorada

Kisses
*3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...