História A Irmã do seu Melhor Amigo - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Lysandre
Tags Amor Doce, Castiel, Lysandre, Nataniel
Exibições 139
Palavras 1.783
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capitulo essa semana YAY....

Curtam o capitulo

Capítulo 25 - You almost ran the red 'cause you were lookin' over at me


Fanfic / Fanfiction A Irmã do seu Melhor Amigo - Capítulo 25 - You almost ran the red 'cause you were lookin' over at me

Novamente era segunda-feira e dessa vez tínhamos avaliações durante toda a semana, mas não se via ninguém estudando, na verdade quase todas as meninas do meu ano estavam ao redor de alguém no meio do pátio.

- Quem é tão importante para receber tanta atenção? – perguntei para Iris

- Não sei, já que essas idiotas só ficam urubuzando – ela disse rindo

- Ele é o Dakota o sobrinho do Boris, ao que parece ele vai terminar esses últimos 6 meses aqui como uma espécie de intercâmbio. – Peggy apareceu botando as fofocas em dia

 

Dake sai da roda com um monte de meninas e logo que me vê vem em minha direção.

- Quanto tempo gatinha. Estava com saudades? – diz com um sorriso como que diria Rafa, a minha amiga da Suiça, um sorriso de molha calcinhas

- Nem faz tanto assim. – dei um beijo sua bochecha – Da ultima vez que te vi você estava apanhando

- Engraçadinha.  Ele só tá vivo ainda porque tenho consideração por você – ele me levou até um banco para conversarmos e dispensou todas as meninas que saíram amuadas

- Sei

- Então como anda a vida? Me lembro muito bem da ultima vez que te vi em uma escola você queria ser minha. – ele disse malicioso

- Mas agora ela é minha – disse Lysandre aparecendo atrás de mim, depois de dizer isso ele sai me puxando deixando Dake com cara de tacho.

 

Paramos no final do corredor quando ele finalmente me soltou e eu parei de me debater.

- Dá para parar de querer agir como macho alfa – disse irritada com ele – ele é só meu amigo

- Ele não quer ser só seu amigo

- Disso eu sei. Resisti a Dake mesmo não tendo ninguém, agora você imagina eu tendo um cara maravilhoso ao meu lado – ele deu um largo sorriso

- Minha – ele disse me beijando, mas fomo interrompidos pela professora Delanay subindo as escadas

- Espero que essa cena não se repita, pois se não vou ter comunicar a direção –disse a professora

- Tudo bem professora

 

A semana foi relativamente tranquila tirando a parte da prova de Gramatica. As outras provas foram relativamente simples a prova de Artes não fechei por pouco quando confundi os elementos da Arte Românica e Clássica. Lysandre fazia de tudo para que Dake não se aproximar de mim o que já estava ficando chato. Ainda bem que já era sexta-feira e já estávamos voltando para casa. Ele ia me deixar em casa e depois eu buscaria ele para irmos para a fazenda de seus  pais, já que ficar os 6 no carro andando pela cidade iria ficar um pouco desconfortável.

 

Entrei em casa, terminei de arrumar a mala que dessa vez era um pouco maior já que estávamos em pleno inverno, tomei banho e vesti algo ao mesmo tempo confortável e estilo porque apesar de ter que passar horas no trânsito eu queria está apresentável para conhecer os pais do Lysandre.

 

- Já estou saindo Cast. – disse para Castiel que estava com Luna na sala

- Juízo.

- Juízo para vocês. Não quero voltar e descobrir que sou tia – Luna corou que nem uma pimenta e eu sai rindo da reação dela.

 

Peguei Lysandre na casa e fomos seguindo Leight. Com quase 2 horas de viagem paramos para esticar as pernas e comer alguma coisa já que ninguém havia almoçado. Comi uma lasanha congelada que havia no posto de gasolina com Lysandre e Leight e Rosa comeram um milk-shake com cheeseburger. Dessa vez pedi para Lys ir dirigindo porque eu já estava extremamente cansada e odeio dirigi e ele sabe disso.

 

Já era noite quando chegamos nos arredores da cidade. Em algum ponto do posto de gasolina e a cidade havíamos nos perdido de Leight e Rosa e estava rezando para que Lys soubesse o caminho.

Fiquei distraída com o seu sorriso bobo e o vi olhar para mim. Uma grave buzina e dei um grito. Lysandre freou bruscamente o carro.

- Você está maluco? Não viu o sinal vermelho? – eu estava alarmada

- Não. – ele sussurrou constrangido por quase causar um acidente por está olhando para mim

 

Chegamos a casa que um pouco afastada da cidade e Leight e Rosa já estavam lá ao lado de um senhor e uma senhora que pareciam mais o avó deles

- Ainda bem que chegaram – grunhiu Rosa – Pensamos que tivessem se perdido porque com o senso de orientação de vocês dois.

- Não nos perdemos, mas quase fomos mortos – dei uma risadinha olhando para Lysandre

- Mãe, pai essa é minha namorada – ele desviou do assunto falando com o casal

- Luna não é querida – falou a senhora – Eu sou a Josiane e esse é o meu marido George

- Não senhora eu sou a Ana Isabella, mas se quiser pode me chamar de Annie

- Você não se lembra Josiane, essa é a garota que nosso garoto falou que estava na banda com ele. Ela é bem mais bonita pessoalmente do quem em fotos. Eu me lembro bem desses olhos azuis, a outra tem olhos castanhos – eu olhei para meu pés constrangida

- Então queridos, vamos jantar, estávamos só esperando por vocês – disse Josiane indo para dentro da casa

- Quando você vai se acostumar a receber elogio? – perguntou Lysandre levantando meu queixo

- Nunca – dei um sorriso tímido.

 

Ajudei Lysandre a pegar as malas, depois dele reclamar muito, enquanto Leight fazia tudo e Rosa conversava animadamente com o casal.

- Meninas espero que não se importem, mas vocês vão ter dividi o quarto com seus respectivos namorados estamos no momento sem quarto de hospedes

- Tudo bem senhora – respondi

 

O jantar passou rápido, apesar de um não falar absolutamente nada e Rosa monopolizar todas as conversas. Percebi que Josiane me olhava, acho que ela não gostou muito de mim com o filho dela, mas não resolveu falar nada

 

- Sua mãe me odeia – disse enquanto me deitava na cama do Lys depois de trocar de roupa e escovar os dentes

- Ela não te odeia – disse Lys se deitando ao meu lado e começando a acariciar meus cabelos

- E como você explica o fato que ela ter me olhado estranho a noite toda?

- Ela só te acha diferente. Normal eu diria. Ela está acostumada com as namoradas do Leight terem um estilo alternativo

- E as suas namoradas?

- Só trouxe uma garota aqui e ela morava nessa cidade, meus pais já as conheciam, sua mãe morava a poucas fazendas daqui.

- Quando eu vou ser a primeira na sua vida Lys? – disse fazendo biquinho

- Você foi a primeira em muitas coisas.

- Que coisas?

- A primeira a dormir comigo, e quando eu digo isso estou dizendo só isso. A primeira a eu ouvi “Eu te amo”, a primeira que eu enfrentei meu melhor amigo por ela, e vai ser a primeira a dormir aqui. – ele disse me puxando para perto e me abraçando cada vez mais forte

- Eu ainda não estou convencida

- Eu não posso fazer nada. Você terá que acreditar na realidade. Ou...

- O que está pensando senhor gigante?

- Guerra de cosquinhas – ele disse pulando em cima de mim

- Eu não tenho cócegas, Lysandre – eu grunhia um pouco alto demais. – Isso doi. – ele ficou tentando fazer cócegas até encontra um pouco sensível  atrás dos meus joelhos e comecei a ri que nem uma retardada – eu... Eu acredito... em você

- Que bom – ele disse me dando um selinho e ficamos olhando para o teto tentando normalizar a respiração até que ouvimos uns gemidos vindo do quarto ao lado imediatamente comecei a ri desesperadamente novamente.

- Você acha que eles...? – perguntei para Lysandre ainda rindo

- Sim – ele deu um sorriso debochado

- Tenho pena de você senhor gigante.

 

Ficamos conversando tentando nos distrair dos gemidos da Rosa no quarto ao lado e por fim pegamos no sono, estava quase dormindo quando sinto um beijinho em meu nariz.

 

O dia seguinte acordei com um barulho no andar de baixo parecia algo caindo, olhei para as cortinas que não possuíam blackout e percebi que ainda era cedo. Olhei para Lysandre e ele tinha um sorriso gigante no rosto.

- Bom dia – eu disse

- Bom dia baixinha

- Você sabe que horas são?

- São 5:49 – disse ele pegando o relógio de pulso em cima do criado mudo

- Seus pais acordam bem cedo

- Sim.

- Você acha que ela precisa de ajuda?

- Acho que ela adoraria. Você pode ir descendo que eu vou no banheiro. – ele disse se levantando

- Nada disso eu vou primeiro – eu subi na cama e pulei em suas costas e o puxei para a cama de volta e ele caiu meio de costas, meio de lado para não me machucar com seu peso. Dei um beijinho em seu pescoço e sai correndo para o banheiro de seu quarto fechando. Vesti um short jeans de cintura alta já que o dia hoje estava bem ameno, e uma cardigã, cropped e desci 

 

- Dona Josiane a senhora precisa de ajuda?

- Claro senhorita, tenho um monte de coisa para fazer e ainda mais as coisas da festa, George me ajuda, mas sabe como são esses homens. – Ela me entregou uma vasilha com um monte de legumes. – Não você vai comer primeiro porque você está muito magrinha, seu pai não te mandam comer não querida – ela trocou a vasilha de legumes por um bandeja com croassiant, um potinho com geleia de morango, ovos mexidos, café entre outras coisas. – Prometo querida que amanhã vocês vão ter um café melhor é porque eu realmente estou ocupada.

- Não se preocupe senhora, isso está melhor que eu e meu irmão comemos durante uma semana. – disse pegando a baguete e passando geleia e quando ia dá uma mordida ela foi tirada da minha mão – Ei – Lysandre comia meu pão satisfatoriamente.

- Bom dia mãe – ele foi até ela e deu um beijo em sua testa

- Lys você poderia pegar leite para a gente acho que sua namorada gostaria de um pouco no café.

- Tudo bem  - disse ele saindo

- Adoro vê ele assim. Não o vejo feliz desde Lauren. Ela era uma menina maravilhosa – fiquei com uma pontinha de ciúmes

- O que aconteceu com ela? – perguntei

- Depois que sua mãe morreu ela passou a morar com o pai em Nova York eu acho, ela de vez quando aparece. Ela foi o primeiro amor da vida do meu filho

 

Será que a ex dele vai aparecer hoje? Se ela aparecer como eu vou reagi? Não dá competi com o primeiro amor da vida de alguém.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...