História A irmã Sakamaki - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Personagens Originais, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Yuma Mukami
Tags Demon, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki
Exibições 47
Palavras 1.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 19 - Saindo


Fanfic / Fanfiction A irmã Sakamaki - Capítulo 19 - Saindo

Aí esta você!

Espera... O que esta fazendo?

Você esta me assustando!

Isso não tem graça!

Demon acordou e logo se sentou, aquilo já estava começando a atormenta-la.

Suspirou e se viu naquele quarto, olhou para o lado e viu Carlos dormindo ao seu lado e isso a fez corar levemente lembrando do dia anterior.

Levantou-se e vestiu sua roupa lentamente e sem fazer barulho, não queria acordar o garoto e também esperava sair sem ser percebida, mas obviamente o plano deu errado.

Assim que tentou girar a maçaneta delicadamente, acabou se estressando e abrindo a porta com tudo fazendo um grande barulho e consequentemente acordando o de olhos âmbar.

Carlos: -Demon? Aonde vai? –Perguntou se sentando na cama, seu tórax definido e seus braços musculosos ficaram a mostra fazendo a ruiva dar uma leve mordida no lábio inferior.

Demon: -Eu preciso me alimentar e ...Ir a um lugar –Falou com um olhar triste, que tentou disfarçar dando um sorriso forçado.

Carlos: -Eu vou junto! –Ele se vestiu rapidamente sem nem dar tempo da vampira falar alguma coisa, se dirigiu para fora da casa e a trancou.

Demon: -Não precisa... Eu vou sozinha –Ela disse enquanto tentava se livrar dele o mais rápido possível, mas acabou falhando miseravelmente.

Carlos: -Eu te acompanho –Sorriu e pegou na mão da garota, que não teve escolha a não ser ceder e ir atrás de um pobre coitado que vai sacia-la.

Carlos: -Posso te perguntar uma coisa? –A de olhos verdes fez que sim com a cabeça enquanto observava as pessoas que ali passavam caminhando normalmente.

Até que um garoto passou, distraído e foi puxado para um beco escuro e ...Acho que já sabem o que aconteceu ali, não é mesmo?

Dali, a jovem vampira saiu com a boca cheia de sangue, que foi prontamente limpado pelo loiro que parecia prevenido para situações como essa.

Demon: -O que queria perguntar mesmo? –Voltando a andar, o loiro respirou fundo e começou a olhar a paisagem, aquela pergunta estava martelando em sua cabeça mas ele tinha medo de perguntar mesmo assim.

Carlos: -Ham... Por que você não me morde? –Aquela pergunta acabou surpreendendo a mais nova, que olhou para ele, mas com uma expressão enigmática.

Demon: -Eu sinto que não devo –Falou sem mais rodeios e colocou as mãos nos bolsos da calça, parecia um pouco estranha aos olhos de Carlos mas isso ao mesmo tempo a atraía nela.

Depois de vários e vários minutos de caminhada, eles chegaram a uma mansão rústica. A mansão Mukami.

A ruiva entrou no jardim e encontrou os corpos dos seus amigos... Eles estavam realmente mortos, um sobre o outro em uma pilha.

Ela se ajoelhou na frente de seus amigos e começou a chorar, enquanto Carlos olhava aquilo surpreso. Decidiu reconforta-la, a abraçou enquanto ouvia seus soluços sem poder fazer muita coisa.

                                                                               (...)

Terminando de enterra-los, os soluços da pequena ainda podiam ser ouvidos, porém eram mais baixos e menos frequentes. Já as lágrimas saiam constantemente de seus olhos.

Carlos: -Que tal irmos passear naquele lago? –Ele sorriu pegando na mão da vampira num gesto de reconforta-la, que acabou dando certo e gerando um leve sorriso em seu rosto.

                                                                            ***

Shu pegou Yugi e o colocou em seus ombros, Subaru observava com dó a faca que foi usada para cortar as algemas do humano, e agora estava toda torta.

O menor conseguiu sair sem problemas do buraco e logo depois o platinado saiu e ajudou o loiro a fazer o mesmo.

Várias pessoas o olharam. Claro, estavam todos sujos e desnutridos e provavelmente com uma olheira enorme por conta do péssimo lugar até para dormir. Até Shu estava assim.

O mais velho logo desapareceu procurando por sangue. Já Subaru, puxou o menor para um restaurante onde ele pudesse saciar sua sede e sua fome.

O coitado mal conseguia andar de tão acabado que estava. “Humanos são tão frágeis” pensava o TPM eterna enquanto olhava-o com uma expressão de interesse.

No restaurante, ninguém queria sentar perto dos dois e os garçons sempre se afastavam rapidamente deles. Pedindo algumas comidas com cara de desesperado, Yugi batucava os dedos sem parar.

Aquilo não parecia incomodar o garoto a sua frente, que olhava incessantemente para o pescoço do de olhos bicolores tentando ignorar sua sede que martelava nele a cada segundo mais forte.

O gerente caminhou com passos rápidos até a mesa dos meninos com um olhar curioso e suspeito, olhando bem para ele já poderíamos notar que era um homem ganancioso que apenas pensava em dinheiro.

Gerente: -Com licença, vocês são de onde? –Perguntou com um olhar analítico e um sorriso falso em seus lábios.

Subaru: -Do que isso importa? –Perguntou sem nem olhar o homem a seu lado, não estava a fim de conversar e muito menos dar satisfação para estranhos.

Yugi: -Desculpe senhor, ele é assim mesmo... Mas por quê quer saber da onde somos? –Mesmo fraco, ele conseguia ser educado e cuidadoso.

Gerente: -Apenas fiquei curioso –Tentou se disfarçar e recebeu um olhar mortal em troca. Talvez eu nem precise falar de quem foi.

Subaru: -É por causa de nosso estado não é??? Só por que estamos assim???? –Aumentou a voz logo se levantando, como se fosse entrar em uma briga.

Gerente: -Não, não. Claro que não garoto! Desculpe incomodar –Falou logo se retirando com uma cara feia. Os dois eram mais espertos do que ele pensava.

Depois de servidos os pratos, o moreno se serviu delicadamente, mesmo que estivesse morrendo de fome.

Aos olhos do maior, o garoto que estava se servindo ao seu lado, parecia muito frágil e precisava de proteção... Mas era algo que não tinha.

Mas só quando estavam de saída, descobriram que estavam sem dinheiro e vendo o gerente como era, não iriam sair de la sem pagar.

Pensando em como iriam sair dali, eis que um certo loiro entrou pela porta do restaurante. Estava ótimo, nem parecia que havia passado dificuldade.

Caminhou lentamente até o balcão e teve uma breve conversa com o balconista.

Logo depois foi até os dois garotos e disse que já havia pago a conta e que eles deveriam ir se arrumar antes que encontrem outros problemas.

Shu olhou de relance para a vidraça e pode jurar que viu sua amada a alguns metros de distância, mas se convenceu de que não era ela e decidiu ignorar aquilo.

 


Notas Finais


Oiee
Desculpem a demora para postar, desculpem mesmo
Maaaas, eu estou de férias agora!!!
E vou tentar postar bem mais!
Uhuuu
Comemoração.
O cap ta fraco eu sei, mas não podia mais deixar vocês esperando né?
Ah!!! E muito obrigada pelos 83 favoritos!!!
Eu só preciso de um favorito pra bater meu record
Por favor, help
E eu estou pensando em fazer um especial sobre isso. O que acham?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...