História A Jornada de Luna - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Origem dos Guardiões, Como Treinar o seu Dragão, Enrolados, My Little Pony, Transformers, Valente
Personagens A Fada dos Dentes, Banguela, Bicho-papão (Pitch Black), Bumblebee, Coelhão, Flynn Rider, Jack Frost, Megatron, Mérida, Norte, Optimus Prime, Princesa Celestia, Princesa Luna, Rapunzel, Rei Sombra, Sandman "Sandy", Soluço, Stasrcream
Tags Amizade, Comedia, Conflitos, Drama, Festas, Revelaçoes, Romance, Tragedia
Visualizações 1
Palavras 3.141
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá! Espero que gostem!
Boa leitura!

Capítulo 9 - A Part of the Story


Bee acordou quando escutou sons de cortinas sendo abertas. Abriu lentamente os olhos enquanto gemia quando sentiu os raios do sol bater em seu rosto. Olhou para o lado e avistou Rapunzel, arrumando as cortinas e abrindo as janelas.

- Rapunzel? (Perguntou confuso. Mérida olhou para ele e aproximou-se da borda da cama).

- Bom dia, Bee (Sorriu) Você adormeceu por um bom tempo.

- Ugh... Quanto tempo eu dormi? (Perguntou colocando uma mão em sua cabeça para tentar aliviar a dor).

- Uns três dias (Respondeu) Como se sente?

- Péssimo. Parece que fui atropelado por uma manada de elefantes (Resmungou).

- Então você está melhor do que eu.

- Luna! (Bee quase gritou quando ouviu a voz de Luna).

- Oi Bee (Sorriu levemente. Luna estava prestes á falar novamente, mas foi interrompida quando Bee a agarrou pelos e a abraçou fortemente).

- Eu fiquei tão preocupado! (Disse com a voz meio trêmula) Você está bem?

- Maios ou menos. Apenas sinto uma enorme dor de cabeça (Sorriu quando Bee afastou e sorriu também, ajeitou-se ao lado dela na cama).

- Aqui Luna (Começou Rapunzel, erguendo uma pequena xícara com um líquido meio marrom) Esse chá vai fazer você se sentir melhor.

- Obrigada, Rapunzel (Luna pegou cuidadosamente a xícara e bebeu o líquido).

- Vou deixar os dois á sós (Rapunzel sorriu e saiu do quarto).

Luna tomou o último gole e colocou a xícara em cima da cômoda ao lado da cama.

- Você não devia se sentir assim.

- Huh? (Bee olhou confuso para Luna) Como assim?

- Bee, eu tentei te matar, assim como tentei matar minhas amigas. Não mereço sua preocupação ou perdão (Disse tristemente enquanto abaixava a cabeça).

- Luna, olhe para mim (Murmurou enquanto segurava seu queixo e levantava seu rosto para que possa encará-la) Eu até posso não saber o que aconteceu com você, mas, a culpa não foi sua.

- Como não? Eu mesma me culpo por tentativa de homicídio (Disse com a voz meio trêmula).

- Mas não foi sua culpa, Luna! Além disso, Mérida e Rapunzel disseram que essa não foi a primeira vez que isso acontece. Pode me explicar? (Levantou uma sobrancelha).

- Não acho que isso seja uma boa ideia...

- Não confia em mim?

- N-Não é isso! É que... Não acho que seria uma boa ter que contar sobre isso para você...

- Por que acha isso?

Quando Luna ia responder, escutaram baterem na porta do lado de fora do quarto.

- Luna! Posso entrar? (Perguntou Rapunzel).

- Claro! (Respondeu e Rapunzel entrou no mesmo momento).

- Precisamos de você lá embaixo. Poderia nos acompanhar?

- Eu já volto (Luna olhou para Bee e deu um leve beijo em sua bochecha, saindo do quarto ao lado de Rapunzel).

- *Suspiro* (Bee levantou-se da cama e fechou um pouco as cortinas, deitando-se novamente na cama. Ficou encarando o teto por um bom tempo e seus pensamentos eram focados somente em Luna, ele estava realmente preocupado com ela) Estou preocupado com ela... O que ela está escondendo? (Enquanto pensava distraidamente, sentiu seus olhos ficarem um pouco pesados e uma vontade enorme de adormecer) Por que me sinto tão sonolento? (Se perguntou quando se sentou na cama e notou que sua visão começou á ficar meio borrada. Entranhou um pouco, mas quando pensou em levantar-se da cama, simplesmente adormeceu).

Abri os olhos quando senti uma brisa gelada passar pelo meu corpo. Olhei ao redor do local, mas era um fundo inteiramente preto. Onde eu estou? Que lugar é esse? Como eu vim parar aqui? Enquanto eu estava perdido em meus pensamentos, escutei passos próximos do lugar onde estou. Olhei ao redor e não tinha ninguém, mas os passos continuaram.

- Olá, Bumblebee... (Disse uma voz meio distante, mas ao mesmo tempo assustadora).

- Quem é? (Perguntei com medo da resposta).

- Apenas um aliado... Não tenha medo...

Olhei para o lado e vi apenas dois olhos avermelhados olhando para mim.

- Q-Quem é você? (Perguntei dando alguns passos para trás).

- Eu sou apenas uma pequena alma solitária... Eu estive vivendo por aqui há anos... Sozinho. A escuridão é a minha única companhia por aqui.

- O que você quer? (Perguntei em um tom meio sério, mas sentia medo por dentro).

- Faz um grande período de tempo que eu não converso com alguém. E sempre que eu tento conversar, essas pessoas permanecem em silêncio ou acordam para que não possam escutar minha voz. Sabe, é realmente horrível quando as pessoas ignoram você... Quando te evitam ou tentam te esquecer...

Respirei fundo.

- Qual é o seu nome?

- Eu tenho vários nomes... Mas, prefiro que me chame de Discórdia! (Um homem alto, de mais ou menos 1,82m de altura, saiu da escuridão. O mesmo usava um terno meio marrom, fiquei completamente surpreso quando notei que havia uma asa de morcego e uma asa de pássaro em suas costas, uma causa de dragão e – o que parece para mim – chifres em sua cabeça).

- D-Discórdia? (Perguntei aflito).

- Hm, pela sua expressão facial, suponho que já tenha escutado esse nome antes, não é? (Perguntou com um sorriso maléfico).

- Hm... Talvez...? (Menti).

- Então, Luna realmente não se lembra de nada...

- O que você sabe sobre a Luna? (Perguntei com um tom sério, pude sentir meu medo indo embora quando ele revelou o nome de Luna).

- Não lhe devo satisfações agora, humano... Mas, com o tempo vocês vão saber... (Ele disse dando alguns passos para trás) E não vai demorar... (Riu).

- Ei! (Gritei e corri na mesma direção em que ele estava, mas parece que ele desapareceu no mesmo momento em que eu ia acertá-lo).

Comecei á andar sem nem mesmo saber para qual direção eu estava indo. Parei de andar e notei que estou na beira de um enorme penhasco com um rio logo abaixo. Dei alguns passos para trás, mas algo agarrou meus braços e me impediu de me mover.

- Você não pertence á ela (Disse uma voz feminina, logo a pessoa me arrastou novamente para a beira do penhasco e me jogou de lá).

(...)

- Bee!

Bee sentiu mãos pequenas e macias em seu rosto e abriu os olhos rapidamente olhando em volta, ele estava em uma floresta. Abaixou um pouco a cabeça e viu Luna, olhando para ele com uma expressão preocupada enquanto segurava seu rosto com as mãos. Bee a olhou confuso e olhou ao redor, tentando entender a situação.

- Como eu cheguei aqui? (Perguntou confuso).

- Eu é que pergunto! Eu estava indo para seu quarto, mas você não estava lá, apenas à janela do quarto estava aberta, e então eu vi você entrando nessa floresta pela janela e corri desesperadamente para cá! Você anda muito rápido! Quase me perdi de você (Respondeu fazendo carinho nas bochechas de Bee com o polegar).

- Desculpe, eu... Não sei o que deu em mim... (Gemeu quando sentiu uma pontada na cabeça).

- Tudo bem. Vamos voltar para casa? (Sorriu).

- Sua perna... (Murmurou surpreso quando viu a perna de Luna, que estava sangrando com uma enorme marca de mordida).

- Ah, eu pisei em uma armadilha para ursos. Não se preocupe comigo... (Luna deu alguns passos para trás, mas sentiu sua perna machucada, agora inflamada, tremer e acabou caindo contra Bee, que a segurou rapidamente).

- Você está bem? (Perguntou preocupado).

- Sim, estou bem. Não se preocupe co- (Antes que Luna terminasse de falar, Bee passou um braço em volta de sua cintura e outro atrás de seus joelhos, em seguida levantando-a do chão, estilo noiva) Isso não é realmente necessário... (Murmurou enquanto corava).

- Você está machucada, pequena. Vai inflamar mais do que já está...

- Mas eu posso me... (Luna se calou no mesmo momento em que Bee encarou seu rosto seriamente) Obrigada... (Corou mais).

- Eu gostava mais de você quando não era teimosa.

Luna passou os braços em volta do pescoço de Bee enquanto o mesmo a carregava de volta para casa, de acordo com as instruções de Luna já que Bee não tinha a mínima ideia de onde estava.

- Sabe, eu não sou tão teimosa assim... (Retrucou).

- Sim, você é (Falou como se essa fosse à milésima vez que ela foi teimosa).

- Seu chato... (Mostrou a língua para ele).

- Não mostra essa língua para mim, mocinha (Brincou e Luna mostrou novamente em provocação) Vou lhe dar uma surpresinha quando chegarmos em casa.

- Que medo... (Debochou).

Assim que ambos chegaram em casa, Mérida havia dito que faria o almoço enquanto Rapunzel avisaria aos professores que eles não iriam para a escola por alguns dias. Enquanto isso, Bee e Luna foram para o mesmo quarto que estavam antes. Bee colocou Luna na cama e pegou um pequeno frasco de remédio e passou cuidadosamente pela perna de Luna, que gemia por causa da dor. Quando terminou de passar, pegou um lenço que tinha em uma das gavetas da cômoda e enrolou sobre o machucado.

- Acho que vai cicatrizar daqui á alguns dias (Comentou Bee enquanto se levantava do chão).

- Obrigada... (Murmurou) Mas sabe, não precisava ter me carregado até aqui...

- Eu falei que você era teimosa (Debochou).

- E eu falei que você é chato (Retrucou mostrando a língua).

- E sabia que eu falei que não era para você mostrar sua língua? (Sorriu).

- Eu não ligo! (Mostrou novamente a língua).

- Mostra de novo que você verá o que acontece se me provocar... (Luna mostrou novamente em provocação. Bee aproximou-se de Luna e lambeu seu pescoço).

- Eh?! Be... Ahm! (Luna assustou-se com a atitude dele e tentou se afastar, mas ele segurou seu rosto e sua cintura).

No segundo seguinte seus lábios estavam juntos, Luna fechou seus olhos sentindo seu rosto esquentar conforme suas línguas se entrelaçavam em um beijo lento. Seu coração começou á palpitar dentro de seu peito quando Bee aproximou-se mais e a beijou com mais vontade. Após alguns minutos, Bee se afastou enquanto Luna abria os olhos e olhava Bee com o rosto corado, ambos ficaram em um silêncio constrangedor enquanto se encaravam.

- Chama isso de beijo? (Luna debochou).

Antes que Bee pudesse dizer ou fazer algo, Luna agarrou Bee pelos ombros e o empurrou na cama, ficando em cima dele. Luna aproximou seu rosto no dele, que ficou completamente surpreso pela atitude repentina de Luna. Luna segurou o rosto de Bee com suas mãos e o beijou enquanto fazia carinho nos cabelos dele. Mesmo surpreso, agarrou a cintura de Luna e com a mão livre segurou o rosto dela e aprofundou mais o beijo enquanto se virava na cama ficando por cima de Luna. Ambos ficaram assim por alguns minutos, então se afastaram e ficaram se encarando por uns segundos.

- Luna! O almoço está pronto! (Mérida gritou do andar de baixo).

- Já vou! (Gritou de volta e olhou novamente para Bee) Vamos?

- Argh, eu queria ficar aqui com você... (Disse manhoso).

- Eu também. Mas temos que ir, estou faminta (Sorriu).

- Ok... (Bufou).

Ambos saíram do quarto e foram para a sala de jantar, era bastante aconchegante, sem falar do grande espaço e um maravilhoso aroma pelo ambiente. Mérida já estava comendo enquanto Luna e Bee pegavam seus pratos e sentavam-se na mesa. Os três conversavam bastante e de vez em quando davam algumas risadas.  Luna disse que ia adormecer um pouco e levantou-se da cadeira, subindo ás escadas e indo diretamente para seu quarto. Bee olhou confuso para Mérida, que permanecia com o rosto sério.

- Sabe Bee... (Começou Mérida, respirando profundamente) Eu sei que você, de fato, está curioso para saber um pouco sobre nós, não é mesmo?

Bee não respondeu, apenas concordou com a cabeça.

- Bem, antes de tudo, saiba que nós não somos o que todos pensam.

- Como assim?

- Isso mesmo o que você ouviu. Definitivamente, você viu quando Rapunzel utilizou o cabelo dela para curar os ferimentos de Luna. E isso é realmente anormal para um ser humano fazer. Onde eu estou querendo chegar? Bem simples. Rapunzel é uma princesa nasceu com aquele poder devido á uma flor que, somente com uma canção especifica, pode curar uma pessoa ferida, assim como também pode fazer com que as pessoas velhas fiquem mais novas (Mérida explicou enquanto Bee escutava com atenção) Eu sou apenas uma princesa com grande habilidade de arco e flecha que, definitivamente, encontrou uma bruxa e pedi para que ela me desse algo para mudar as escolhas e outras coisas sobre a minha mãe, mas, infelizmente ela me enganou e minha mãe se transformou em um urso.

- Uau... (Comentou surpreso).

- Eu sei, mas no final deu tudo certo... Enfim... (Suspirou) Sobre a Luna... Ela é bem mais diferente do que nós e infelizmente sofreu mais do que você pode imaginar... Ela vem de outra dimensão (Bee arregalou os olhos em surpresa) Uma dimensão onde há apenas seres e criaturas que existem apenas em seu mundo. Não há apenas animais místicos e sobrenaturais, mas também, magia e super poderes. Existem apenas quatro tipos de seres da sua espécie: O Terrestre, que cuida da comida e arquitetura; O Pegasus, que cuida do clima temporal; Unicórnio, que pode utilizar magia, tanto para o bem quanto para o mal; E enfim, os Alicórnios, os seres mais raros que se pode encontrar em qualquer dimensão. Alicórnios nascem somente da mistura de Pegasus com Unicórnios, ou seja, são híbridos e a maioria pode ser imortal. Os Alicórnios possuem magia e podem voar, mas, também podem ser considerados como reis ou rainhas, somente se nascerem de uma linhagem real.

- Então, se Luna veio dessa dimensão, qual deles ela é?

- Ela é uma Alicórnio.

- E ela vem de uma linhagem real?

- Sim. Ou seja, ela também é uma princesa (Os olhos de Bee se arregalaram novamente) O problema é que, mesmo ela tendo poderes e a liberdade de voar, ela é incapaz de fazer essas duas coisas.

- Por quê?

- Há uma barreira mística em nosso mundo. Desde que ela veio para cá, seus poderes foram bloqueados e suas asas desapareceram. E eles só poderão voltar quando a lua de sangue subir aos céus. Mas, infelizmente, não só os poderes de Luna que irão ser desbloqueadas, mas também, todos os que vieram com ela.

- Como assim? Ela não veio sozinha?

- Infelizmente não. Tanto ela quanto outros seres de sua dimensão vieram junto desde aquele ocorrido...

- Que ocorrido?

- Vamos voltar mais atrás (Respirou fundo) Entre os anos de 1437 e 1440, os seres da sua raça, que na época eram chamados de Kryptenios, dominaram sua dimensão, cujo nome era Neverland. Os decidiram reinar um pequeno continente chamado Equestria. Nos anos seguintes, vários descendentes nasceram, e a população foi ficando cada vez mais cheio. Então, em 1690, nasceram os primeiros alicórnios, seus nomes eram Rochelle e Joshua, ambos de famílias diferentes. De repente, após eles serem testados pelos cidadãos e pelos reis, a rainha decidiu que eles seriam bons escolhidos para que possam cuidar do reino, já que eles eram honestos, generosos, fiéis e responsáveis ao reino, já que os reis eram mortais e não podiam ter filhos por um problema de DNA, teriam que dar o trono para outra pessoa que seja fiel e generoso. Eles aceitaram e tomaram o trono, e no mesmo momento eles se casaram e tiveram muitos filhos.

- Então, após muitos herdeiros, finalmente nasceu as duas irmãs: Selena, a Rainha da noite; e Cosmos, o Rei do dia. Eles foram os únicos e primeiros á controlar a lua e o sol. Todos que adoravam a linhagem real ficaram realmente surpresos quando descobriram que os reis conseguiam controlar corpos celestes. Mas, os dois irmãos sabiam que deveriam puxar essa responsabilidade para alguém que seja imortal para que possam cuidar do reino e do planeta, caso contrário, o sol e a lua iriam parar de aparecer e todos iriam morrer. Então, eles decidiram ter apenas dois filhos, cada uma iria passar seus poderes para seus filhos, e assim o reino continuaria em ordem e equilibrado. Caso esteja perguntando, por que eles não passaram os poderes para uma pessoa confiável e fiel? Simplesmente por que naquela época os roubos e mortes começaram á ocorrer, assim como roubo de energia e poderes de outros seres, então, já estava difícil saber em quem confiar e no que confiar.

- Um tempo depois, nasceram os primos: Solaris e Luna. Selena e Cosmos passaram seus poderes para os primos, que foram conhecidos como: Solaris, o príncipe do dia; E Luna, a princesa da noite. Solaris foi capaz de usar seus poderes para levantar o sol pra trazer o dia para seu reino. E Luna foi capaz de trazer a lua e as estrelas para iniciar a sua noite. Luna e Solaris são hospedeiros e descendentes de Rochelle e Joshua, por isso as aparências de ambos eram idênticas. Joshua tinha cabelos loiros com mechas laranja, pele branca e olhos violeta; Rochelle tinha os cabelos ruivos, pele morena e olhos turquesa. Só que, muitos diziam que ambos trariam uma nova Era, uma Era em que o reino de Equestria entraria em uma eterna paz e... (Antes que Mérida pudesse continuar, Rapunzel entrou rapidamente na casa e trancou a porta da sala de estar, a mesma estava pálida e muitas lágrimas saíam de seus olhos) Rapunzel? O que aconteceu? Está pálida!

- Preciso falar com você particularmente! Onde está Luna? (Perguntou em desespero enquanto respirava com um pouco de dificuldade).

- No quarto (Respondeu sem entender a situação).

- Ótimo! Siga-me! Eu descobri algo!

- Bee, eu volto á te explicar mais tarde. Não conte para Luna sobre o que conversamos! (Disse enquanto acompanhava Rapunzel para fora da casa).

Bee, no entanto, permaneceu parado no mesmo lugar com a mesma expressão aflita, pensando sobre a conversa de agora á pouco.

“Nossa, eu não posso acreditar que estou namorando a filha de uma deusa. Não que eu esteja achando isso ruim, só estou... Chocado. Apesar de que faz um pouco de sentido, Luna realmente tem um charme de uma princesa, sem falar que é responsável e tem atitudes e ações de uma. Mas, eu ainda estou confuso. Por que Mérida não quer que eu conte á Luna? Bem, de qualquer forma, não vou dizer á Luna. Mesmo sabendo que não gosto de mentir para ninguém, principalmente para Luna. Por falar nela, acho melhor eu ver se ela está bem”.

 

Levantou-se da cadeira e subiu ás escadas, indo para o quarto onde Luna estava. Abriu lentamente a porta e notou que a mesma estava deitada na cama, dormindo tranquilamente enquanto se encolhia debaixo do cobertor. Sorriu e aproximou-se da cama deitando ao lado de Luna e abraçando-a enquanto adormecia.


Notas Finais


Obrigada por lerem! O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...