História A Lei do Amor : Destinos - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cheias de Charme, Geração Brasil, Malhação
Tags A Lei Do Amor, Bruno, Heloisa, Pedro, Tião
Exibições 62
Palavras 2.780
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Minha


Hospital de São Dimas

Tião permanecia no quarto quando Edu entra , o jovem beija a mão da mãe .

— Fiquei com medo de você me deixar .

— Nunca . Helô continuava debilitada mas  ver o filho lhe trazia novamente um brilho nos olhos .

— A Letícia esteve aqui estava preocupada com você . Ela é cabeça dura mas também ficou com medo . Eu liguei pra ela daqui a pouco ela chega .

— E o Bruno ? Helô não se lembrava de nada depois da batida .

— Te trouxe para cá depois da batida . Está bem .

Após poucos  minutos Letícia chega com Thiago , as duas conversam um pouco a jovem ainda não dava o braço a torcer , ao se lembrar que a mãe havia se afastado do pai por conta de Pedro . Thiago continuava como sempre um amor , o rapaz entendia os motivos da ex modelo , que se tornara uma amiga .

Thiago leva a namorada e Edu , deixando novamente Helô com o marido .

— Você sabe que não vai recuperar o amor da Letícia sem mim Helô . Ela pode se preocupar mas nunca vai perdoá-la .

— Porque esse teatro todo , nós dois sabemos você não me ama mais . Se é que um dia você me amou .

— Se você acha que eu vou deixar o caminho livre pra você se unir com aquele idiota do Pedro . Está muito enganada . – ele se aproxima do rosto dela deixando poucos centímetros de espaço — Para os meus amigos tudo e para os inimigos a minha lei .

— É melhor você se afastar dela Tião . Neste instante Pedro entra na sala , flagrando o momento entre os dois .

— Veja  se não é muita petulância . Diz o banqueiro se dirigindo a Pedro .

Apenas o empurrando Pedro , se encaminha até a cama de Helô .

— Você está bem ?

— Estou . Não se preocupe comigo .

— Eu tentei ficar , mas não quis piorar ainda mais minha situação com a Letícia , nem que ela passasse mal por minha culpa.

— Obrigado . Mas você precisa tomar cuidado . Diz ela tocando o rosto dele onde o soco de Tião deixará uma marca roxa .

— Eu estou Helô . Ele a beija de leve seus lábios se unindo e separando .

— É melhor você sair daqui por bem , ou eu chamo a segurança para te tirar deste quarto .

— Eu não vou deixar ela aqui com você . Você é um louco !

— Escuta aqui …

A porta se abre por uma enfermeira .

— A hora da visita acabou , eu terei que ministrar alguns remédios os senhores podem se retirar .

— Eu quero permanecer com ela . Pedro segura a mão de Helô.

— Desculpe senhor mas são as regras do hospital .

— Quando você abrir os olhos eu vou estar aqui . Diz Pedro se despedindo com um beijo na testa .

Os dois homens se retiram se enfrentando no corredor .

— Se acha que eu tenho medo das suas ameaças Tião Bezerra , está muito enganado . Porque eu não vou desistir da Helô . Os olhos dele brilhavam com ardor .

— Um lutador de verdade , deve saber reconhecer quando uma luta já está perdida . A voz dele não se altera , como uma ameaça velada.

A noite cairá e um novo dia nascia .

Apesar dos ferimentos o médico garantirá a Helô que em breve ela poderia voltar para casa , apesar de gostar da noticia , voltar para perto de Tião a entristecia , ambos sabiam que o casamento não fora por amor ; Helô se sentia fragilizada e Tião surgirá como uma tábua de salvação , mesmo com seus problemas ele sempre estivera ao seu lado . Não se recordava do momento em que tudo havia acabado entre eles , já havia sido a muito tempo . Nem mesmo o respeito existia , apenas o sentimento de posse que ele tentava exercer sobre ela .

— Surpresa . A voz de Pedro , a tira de seus pensamentos a trazendo para o presente .

— Ainda não começou o horário de visitas. Como você entrou aqui ? Ela sorria ao encontrar o sorriso dele .

— Eu disse que seria o primeiro para quem você olharia ao acordar .

— Na verdade você é o segundo .

— Segundo ?

— O médico de plantão já esteve aqui .

— Ele não conta .

— É tão bom ter você aqui Pedro . Ela o abraça , e ele a beija .

— Eu vou ficar do seu lado sempre . Não importa quem tente nos separar .

— Você foi louco de brigar com o Tião na galeria . Ele é perigoso Pedro .

— Helô ele pode ser perigoso , mas eu tenho um coração . Um coração que bate , luta e ama por você . E ameaça alguma que ele faça vai me afastar .

— E como você acha que eu ficaria de acontecesse algo com você ?

— Me desculpe Helô , mas ele me tirou do sério .

— Eu entendo , ele consegue fazer surgir o pior das pessoas .

— Por quanto tempo mais você precisa suportar isso ?

— Eu preciso me aproximar da Letícia .

— Eu sei , mas ela já é uma mulher .

— Ela ainda é frágil Pedro , ainda mais na companhia do Tião que faz a cabeça dela contra mim .

— Você sabe que pode contar comigo .

— Eu sei .

Eles se beijam e passam as horas seguintes juntos , até uma enfermeira avisar da visita de Edu . Pedro aproveita a visita do rapaz para resolver alguns assuntos na cidade .

— Edu você tinha que estar na escola .

— Pensei que ficaria feliz em me ver .

— Eu estou , mas a escola é importante também . Responde o abraçando .

— Papai está aqui também , ele foi falar com o seu médico . Acho que quer te levar pra casa .

— Ele quer me afastar do Pedro . Ela fala para si mesma , mas suficiente alto para seu filho ouvir .

— Eu sei . Vi o Pedro saindo do seu quarto.

— Filho eu …

— Eu sei que você e o papai não estão mais bem . E se o Pedro te faz feliz , eu aceito .

— Obrigado .

Neste instante Tião entra no quarto .

— Edu você já perdeu a primeira aula , mas eu pedi para o Miro te levar para escola .

— Te vejo depois mãe . Te amo .

— Também te amo meu amor. Estude .

Deixando o quarto Edu , deixa os pais a sós .

— Bom dia Helô .

— Ele estava melhor até você chegar .

— Tenho boas notícias .

Os olhos dela se apreendem .

— O médico lhe concedeu alta para se recuperar em casa .

— Eu estou bem aqui .

— Acha que vou deixá-la para se encontrar com aquele insolente . Não eu não sou tolo Helô .

Horas depois ao retornar ao hospital Pedro , recebe a notícia da saída de Helô , por mais que quisesse sair atrás dela ele sabia que Tião o impediria de se aproximar .

Uma mensagem vibra em seu celular .

“ Estou em casa . Com muitas saudades de você .

Te amo com todo meu coração . ”

Mesmo sem ver o nome do contato da mensagem ele reconhecia as palavras no texto .

“ Esperando ver em breve seu sorriso. ”

Pedro conseguia lhe fazer sorrir mesmo distante enquanto lia sua mensagem .

Dois dias se passaram , Helô conseguia se movimentar sem problemas , no entanto o repouso fora fundamental . Para ela quanto menos encontrasse o marido , melhor . Nem ao menos a sua vontade de permanecer em quartos diferentes fora acatada .

Ouvindo Letícia combinar de sair com Thiago e Edu com uma turma da escola . A galerista se arruma para sair . Conversar com Pedro e por mensagens era sua única força além dos filhos , mas precisava vê-lo pessoalmente .

Tomando um banho vestindo uma lingerie de renda preta , uma saia preta com camisa branca e saltos ela abre a porta do quarto .

— Boa noite querida . Diz Tião entrando no quarto deixando a pasta e o paletó sobre uma cadeira .

— O que você está fazendo aqui ? Pelo horário ela não mais esperava que ele voltasse para jantar .

— Eu vim cuidar de você meu amor . Ele responde se dirigindo a porta e trancando .

— Não , você não se importa comigo .

— Helô eu estou cansado destas brigas e discussões . Porque nós não conversamos como as pessoas civilizadas que somos .

— Não existe o que conversar , nós não somos mais um casal , não somos nem mesmo companheiros . Nosso casamento acabou . Dizendo isso ela se dirige a parede de vidro que revelava o brilho da cidade .

— Será que acabou mesmo Helô ? Ele se aproxima massageando seus ombros .

— Você não me vê como esposa ou mulher Tião . Nem mesmo me como alguém que mereça respeito . Você me enxerga apenas como sua posse. Ela interrompe o movimento se afastando .

— Isso não é verdade Helô , você é bem mais que isso . É a mãe dos meus filhos , a mulher a qual eu escolhi passar o resto da minha vida .

— É melhor para nós dois que você escolha outra .

— Você está cega por uma aventura de juventude querida , mas tudo passa .

— Sabe o que se passa pela minha cabeça quando eu penso em felicidade , eu penso nos meus filhos e especialmente eu penso no Pedro , no homem que me ama  , respeita e me faz sentir bem amada . — Você está passando dos limites . A última afirmação tocará no ego do banqueiro.

— Sim o Pedro me faz sentir bem amada , quando estou nos braços dele , o beijando o tocando eu sei que é só o que importa. Quantas vezes você não me procurou depois de me trair com a primeira mulher que lhe aparecesse . Diga . Você não quer conversar . Ela se volta de frente para ele.

— Eu lhe dei tudo que uma mulher poderia querer . Fiz todas as suas vontades . O mínimo que me deve é sua lealdade .

— Não Tião , eu não lhe devo nada . Ela diz em uma voz calma se retirando .

— Onde você pensa que vai ?

— Abra essa porta .

— Você diz que eu não a vejo como esposa , mas é justamente como a vejo . Minha esposa Heloísa Martins Bezerra . Ele se aproxima com um olhar que começava a assustá-la

— Abre essa porta e se afaste de mim .

— Não Helô , você está tão arrumada . Tão perfumada . Porque perder essa oportunidade ? Ele toca o rosto dela com as costas da mão.

— Que oportunidade ? A voz de Helô se perdia .

— De lhe ver como mulher . Dizendo isso ele se aproxima a encostando contra a parede a beijando a força .

Pela primeira vez em meses Tião a beijava desta forma , a resistência dela só tornava mais instigante a situação , a pele de Helô era como leite e seus lábios um veludo macio o perfume uma fragrância leve como rosas .

— Me solta . Ela pede , quando o ar é necessário a ele .

— Essa noite não querida . Os olhos dele tinham  fome .

A segurando pelo braço Tião a joga sobre a cama , colocando-se sobre ela , os olhos de Helô adquirem um aspecto de medo , ela tenta se livrar enquanto ele beija seu pescoço , desabotoando a camisa os olhos se deliciam com a visão a sua frente . Realmente Helô estava certa ele não a olhava a tempos , no entanto ela continuava perfeita , como se o tempo apenas a deixasse mais mulher .

— Eu vou lhe amar Helô , como você deve ser amada .

Os lábios dele a tomavam novamente de maneira bruta , desesperada as mãos dela procuram algo para se defender . Encontrando o abajur na cômoda Helô o acerta duas vezes o retirando de cima de si mas o mantendo consciente .

Se levantando ela pega a chave no chão e sai correndo não olhando para trás . Helô somente se dera conta do quanto correrá quando se encontrava em uma rua deserta. — Pedro por favor , vem me buscar. Ela diz deixando as lágrimas lhe escorrem o rosto .

— Helô onde você está ? O que aconteceu ?

Olhando para os lados ela vê uma loja de tintas e outra de artigos marinhos , usando como referência os lugares ela desliga .

Usando a referência dada pela amada , Pedro sai correndo de sua casa para encontra-la , odiava ouvir o choro de Helô e não saber o porquê delas .

Ao ver os faróis do jipe ela se aproxima entrando e o abraçando .

— Helô o que está acontecendo ?

— Pedro apenas me tire daqui . Por favor .

— Helô o que … Ele percebe os olhos vermelhos e a blusa ainda aberta .

— Que droga Pedro , por favor.

Dirigindo para pensão de Zuza , Helô se dirige para um quarto deixando Pedro e a amiga para trás .

— O que houve com ela ?

— Eu vou descobrir agora .

A encontrando encolhida , Pedro a abraça , correspondendo o ato ela o abraça debruçando sobre seu peito . A simples presença dele lhe fornecia toda segurança que precisava .

— O que aconteceu meu amor ?

— Pedro eu não sei se quero falar sobre o que já aconteceu .

— Helô eu vi o seu estado , você estava em choque . Confia em mim .

— Eu confio mas não quero que você faça nada .

— Eu não vou .

— A Letícia e o Edu saíram e eu pensei em te encontrar . Quando estava saindo do quarto o Tião chegou . Nós começamos a discutir e ele …

— Ele te bateu Helô ? Aquele canalha teve a coragem de fazer isso ?!  O arquiteto se levanta exaltado.

— Não Pedro , ele não me bateu . Ele … ele me agarrou a força , tentou … eu nunca pensei que ele fosse capaz de …

— Eu quero matar esse cara !

— Pedro se acalma. Ela se levanta se aproximando dele .

— Helô esse cara quase … eu não quero nem pensar . Pedro passava as mãos pelos cabelos .

— Eu também não . Ela o abraça.

— Você não vai mais voltar pra lá ! Helô esse homem é louco !

— Eu não piso mais os pés naquela casa . Eu amo meus filhos , mas depois de hoje eu não posso viver sobre o mesmo teto que o Tião .

— Eu vou conversar com a Zuza , amanhã eu pego as minhas coisas na casa do meu pai e vamos juntos buscar as suas . Nós mudamos para cá , até encontrar um lugar nosso .

— Está falando sério Pedro ?  

— Eu sempre estive pronto pra você meu amor . A pergunta é ; você está pronta pra começar uma vida comigo ?

— Sim , eu quero passar o resto da minha vida ao seu lado Pedro .

— Então vamos viver nosso amor sem temer o futuro . Nós temos muito que lutar eu sei mas , vale a pena .

— Eu te amo Pedro .

— Eu te amo Helô .

Se abraçando e beijando , os dois se unem em um só . Para vida . Para o Amor .

Nem o mais poderoso dos homens pode controlar o amor , ele consome e se alastra , intensifica tudo e faz mais forte quem o vive .

As leis controlam os homens . Mas o que controla o amor ?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...