História A Lei do Casamento - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lee Ji-eun "IU", Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Uee, V
Tags Baseado Em Fatos Reais, Bromance, Bts & Gfriend, Bts Iu, Casamento, Longfic, Menção Jikook, Menção Sinrin, Menção Vhope, Slash Jihope, Slash Namjin, Yoongi!topsweek, Yoonseok!flex
Visualizações 64
Palavras 1.943
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii boa noite <3

Capítulo 27 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction A Lei do Casamento - Capítulo 27 - Capítulo 26

Capítulo Anterior (Ciúmes)

Mãe de Yoongi o procurou e pediu pra conversar em particular.

Yoongi apareceu no apartamento da ex.

Hoseok foi pego.

*

CAPITULO 26: Respire

 

» ♂♂ ♂♀ ♀♀ «

Anoiteceu e, Hoseok, sai sozinho de seu apartamento. Depois de ter cumprido seus compromissos de pagar contas, comprar algumas roupas novas e feito compra da casa - já que Namjoon neste dia ainda cumpre plantão - Jung finalmente sai de casa para poder aproveitar o resto da noite. Mas surpreendentemente é pego por dois caras desconhecidos e é levado para um carro preto de vidro blindado.  Antes que peça socorro, sua boca é tapado pelas mãos secas e com cheiro estranho de um deles. 

Hoseok já sabia que uma hora ou outra isso iria acontecer, e então finalmente encontra o rosto daquela mulher na sua frente, a responsável por colocar homens para persegui-lo. Eles o colocaram de joelhos e tiraram uma touca preta do rosto, para poder ver com seus próprios olhos uma mulher magra esquelético, branca e cabelos extremamente negros, longos e ondulados. Seus lábios estão avermelhados tanto quanto a cor das unhas das mãos e dos pés calçados em um salto caro. Contando também com vestido vermelho e vulgar.  Muito linda, mas não aos olhos do sequestrado.

–– Eu já estava com saudades de você... Amante! –– Diz cínica para o rapaz que o fuzila com os olhos, pronto para qualquer passo em falso, atacá-la, mesmo com ambos os braços presos por esses caras. Hoseok realmente sabe o motivo de parar em sua frente depois de muito tempo.  

–– Diz logo o que você quer, Kim HyunA. –– Pede com dentes cerrados. Ela lhe aponta um sorriso irônico, pronto para entrar nesse joguinho de ironia, para ver quem levaria um “troféu”. É típico dela, simplesmente pelo seu interesse de ser poderosa.

–– Está passando da hora de você me pagar.

–– Devo de te dizer isso de novo? Eu só estava fazendo o meu trabalho! –– Se defende.

–– De ser namorado de aluguel? –– Completa arqueando sobrancelhas. –– Trabalhinho de quinta –– Revira os olhos.

–– Não tenho culpa se uma mulher esperta como você tenha caído tão fácil daquele jeito –– A provoca escapando seu sorriso de canto. Mesmo se sentindo provocada, preferiu não “castigá-lo” por simplesmente estar com tempo curto para ele. Ela quer e pronto esse dinheiro.

–– Você não é professor agora?

–– Acha que professor ganha 10 mil dólares mensalmente? Tsc! Você é linda, mas é burra. –– Ela revira os olhos, cansada de ser ofendida dessa forma. É bonita, mas é muito “raposa” em querer dinheiro e vida boa.  Se aproxima do rosto dele e segura seu queixo para ser encarada nos olhos bem de perto.

–– Eu queria te bater muito, mas muito mesmo... –– Diz em sussurros. E então solta seu queixo violentamente e se afasta. Hoseok, com rosto inclinado de lado recusa-se continuar olhando-a. –– Mas sorte sua que não tenho mais tempo pra você. Arranje logo meus 50 mil dólares em duas semanas ou eu acabo com você.  –– Ele a encara ainda trevoso.

–– Por que você não procura outro idiota pra passar perna? Não percebe que sou apenas um professor?

–– Foi você quem estragou o meu plano, então é você que vai me pagar! –– Indaga.

–– Realmente ainda faz de tudo pra ter dinheiro e vida boa, tsc! –– Murmura sem importar se ela ouviu ou não. –– Eu vou dar um jeito pra você! –– Promete, sem mesmo saber por si se conseguirá juntar todo dinheiro –– Você não quer dinheiro completo?! Eu disse que eu teria que levar tempo pra juntar. –– Hesita ela em silêncio, tentando estudar seu rosto e interpretar seus olhar. Não se convence com suas promessas, podia até dar mais um pouco de tempo se o mesmo concordasse em...

–– Será que você –– Se aproxima mais uma vez e Hoseok recua o rosto, ainda ajoelhado. Ela se sentia no poder –– É bom de cama?

–– Você não dormiu comigo?! –– A provoca. Sua boca escapa um sorriso debochado. Ela torna a ficar séria, pois o sentido dessas palavras foi por ter caído em sua armadilha.

–– Idiota! –– Quando os homens ia se aproximar pra bater, ele protesta.

–– Espera! –– Eles param pelas ordens da líder, quando estende uma de suas mãos. –– Vou arrumar um bom partido e rico pra você. Você quer? –– Ela hesita ainda olhando pra ele –– Não fui namorado de aluguel? Tenho meus contatos! Vai recusar? Conheço muito homens ricos e você pode ter mais que 50 mil dólares. De qualquer forma você não vai conseguir arrancar nenhuma grana de mim, mesmo que me mate. –– Ainda séria, hesita demorado para ver se vale a pena confiar mais uma vez nele. –– Quer essas duas semanas?

–– Uma semana! –– Exige. Ele revisa os olhos e confirma que será mesmo esse tempo. Então ela ordena que o solte, e ameaça. –– Se não conseguir nada no que me prometeu... Eu vou te capar e não conseguirá mais foder ninguém.

Hyuna está determinada de arrumar um bom partido rico nem que tenha que se casar para ter vida boa. Por causa do Hoseok que os planos antigos dela foram por água abaixo e agora quer que ele resolva.

 

♣♥

Yujin organizava seu apartamento pelo tempo livre e, vendo que está chegando a hora do jantar, vai até geladeira e pega ingredientes e começa a cozinhar. Cuidadosamente e carinhosamente, prepara a comida diretamente para alimentar seu filho ou filha. Sim, um jantar de amor, alimentos saudáveis. 

Não convidara ninguém pra lhe fazer companhia, pois ainda está envergonhada de contar com seu irmão, mesmo que sua cunhada seja compreensiva com sua escolha de se tornar mãe. Seok Jin é um irmão protetor e carinhoso, mas também não aceita a ideia de assumir pra toda família sua gravidez sem ao menos se casar.

De repente, recebe inesperada visita. Olha o interfone e descobre que é sua mãe. Abre a porta e se encaram por alguns segundos; Madame a olhava sombrio e ao mesmo tempo intrigada. Embora continuasse confusa pela sua presença, abre o espaço, cabisbaixa, para a mesma entrar.

–– O pai do bebê está? –– Yujin levanta os olhos pela pergunta. Se anunciara para família que procurava por bancos, como é que saberia que teria algum pai específico?

–– Não. –– Confirma e Madame invade. –– Você comeu? –– Pergunta formal.

–– Sim.

Sra Choi se sente em casa e espera sua filha terminar de preparar o jantar. Mesmo que ela tenha feito somente uma porção, e como Madame não havia lhe avisado, apareceu somente pra lhe fazer companhia, não querendo deixá-la sozinha, não por hoje, por simplesmente ser sua filha. Ainda espera que ela conceda seu pedido de deixar a criança para trás e seguir sua vida. Yujin se sente aliviada por sua mãe ainda não tocar no assunto da gravidez, embora sinta que a qualquer momento possa acontecer.

–– Achei que eu nunca mais iria te ver –– Confessa Yujin. Sra Choi hesita a olhando comer bem.

–– Eu percebi que não é discutindo que as coisas se resolvem –– Confessa –– Eu estava muito magoada com você. –– A filha abaixa cabeça –– Não vai me dizer quem é o pai?

–– Omma, eu não procurei o banco para assumir a paternidade. –– Mesmo que seja sua mãe, não quis contar toda a verdade.

–– Yujin-ah –– Tenta ser amigável –– Você não sabe o como vou sofrer com isso. Se realmente quer ter esse bebê, meu peito vai doer e vou querer tirar minha própria vida. Você não tem ideia que lá fora é envergonhoso –– Yujin emociona, essas palavras desperta suas feridas bem lá no fundo, por saber que passará por isso. Mas não é só isso. –– As pessoas vão odiar a nossa família, eu fiz de tudo para mantermos.

–– Manter uma imagem de família perfeita? –– Pergunta sem discutir, segurando-se para não chorar, embora seu peito queira uma chuva de lagrimas.

–– Essa gravidez vai manchar a nossa família. –– Continua dizendo meiga e com paciência, mas também sente um bolo de medo dentro de si –– Você já cometeu um erro de admitir isso antes mesmo de se casar. Por que você não tira logo? Você pode desmentir, dizer que fez aquilo por estar com raiva. Se não fizer, ninguém vai querer se casar com você. Por favor, Yujin-ah, seja responsável. Aborte esse bebê. Vamos juntas fazer isso amanhã, huh? Quer acabar com a vida de sua mãe? Quer que eu me mate? –– Yujin não consegue se conter, aquela nuvem negra de seu coração explode em formato de choro amargo. Aquele pedido de sua mãe, a insistência de tirar seu bebê que criara um grande amor, continua a machucando bastante. Machuca também sua mãe, uma Madame pobre de alma, ameaçar se matar justamente por isso. Seria mais uma pessoa importante, tirar sua própria vida.

É decepcionante saber que a sociedade que vive neste século onde preocupações no mundo teriam que ser outra coisa mais importante, se preocupam com mulheres que decidem se tornar “mães solteiras”, como se isso a levassem para isolamento de pessoas desqualificadas. Isso é fato!

***

Depois do jantar, Yujin se vê sozinha em seu quarto. Sua mãe fora embora triste simplesmente sem dizer uma palavra, mas que havia prometido voltar para, juntas, irem tirar o bebê.  

Sentada no chão com braços apoiados na cama, pensa bastante o que fazer para impedir que sua mãe prossiga com ideia absurda. Não consegue pensar bem, sua mente está afetada pelas más emoções e medo. Ter que encarar o mundo com bebê nos braços não será fácil. Já basta quase perder o emprego, quem diria todas as mulheres grávidas?! Com certeza umas passam por situações piores que as outras, contando também a maior rejeição que todas, que é rejeição da própria família. Queria tanto que esse mundo mudasse a visão para com mulheres grávidas solteiras. Mesmo casadas, elas não tem todo direito quanto homens. Eles são a favor da família. Os empresários apóiam família, mas só empregadas arranjarem um filho mesmo uma profissional, ganham poucos direitos financeiramente no período de resguarda.

–– Ssi. Peço perdão por tudo o que minha mãe tem dito. –– Acaricia a região do útero –– Eu amo você e nada disso vai mudar. Um pai pra você não vai faltar, porque sou sua mãe e também seu pai –– Sorri triste –– Respire Yujin-ah... Isso é só um começo.

Kim Yujin precisa continuar com cabeça erguida, pelo seu bebê.

***

Outro dia, Yujin aparece na faculdade para mais um dia de trabalho quando é pega surpreendentemente pelo Diretor. O mesmo fizera questão de se aproximar e contar ótima novidade. 

Com olhos lacrimejados, finalmente Yujin volta pra sua sala de aula e é recebia por seus alunos do curso. Ela sabe como isso aconteceu e se sente agradecida por eles. Felizmente há pessoas boas no mundo. Felizmente voltara a ser professora de Psicologia.

 

♂♀

 Jimin em seu segundo sono da madrugada, delira febril e geme o nome de sua irmã como pedido de ajuda.

–– JiSoo-ah... JiSo... –– Ainda dorme, mas sua inconsciência precisava de ajuda por sentir uma pontada forte de dor no interior direito da barriga. –– Sisteeeer. –– Choraminga. Sonhara com o rosto de sua irmã, sempre que precisava, contava com sua ajuda. O que lhe restou fora apenas saudades e dúvidas “Por que você foi embora? Por que você me deixou?”

Finalmente acorda e pega seu celular que ficara no estante ao lado, e disca para numero que o “bug” do seu cérebro a chama como um pedido de socorro urgente. De tanto chamar, finalmente a pessoa atende. –– Jisoo-ah... Me ajude! –– Murmura.   

–– Jimin? –– Yujin, que acordara pelo toque da chamada, se levanta ao se falarem por desconfiar que ele esteja passando mal. Ele está consciente de que é Yujin, mas orgulhosamente a chama pelo outro nome, o nome de sua querida e amada irmã, quem sente tanto sua falta.

Park Jimin precisa de sua ajuda.

*


Notas Finais


Gostaram? Comentem o que achou do capítulo e qual a sua teoria sobre Hoseok e tal de Hyuna rsrs. Sim, peguei nossa Hyuna que tem macaco de bunda vermelha (Red) EHEUHEUHE pra ser uma personagem :v

Pra quem viu na tag que vai ter CL e Moonbyul, calma que elas irão aparecer em algum capítulo :v

Vou deixar links de minhas fics novas, quem qiser dar olhada, vão gostar.
https://spiritfanfics.com/historia/intocavel-imagine-jin-9937269
https://spiritfanfics.com/historia/estrela-9811598

Obrigada e até segunda :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...