História A lenda do raio dourado. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Tsunade Senju
Tags Naruto, narutsu, Romance, Tsunade
Exibições 480
Palavras 3.895
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa one-shot foi um desafio para mim. Sempre tive paixão em narrações na primeira pessoa. Nesta história temos essa experiência com Naruto relatando parte de sua vida. Além disso, é a minha primeira tentativa em escrever um hentai. Não estou acostumado a escrever isso, mas creio que o relato tenha ficado picante, apesar de cru em algumas partes.

Espero que gostem.

Capítulo 1 - O nascimento da lenda. (Capítulo Único)


Mesmo cansado, eu me levantava várias vezes. Perder não era uma opção para mim. A segurança de meus amigos e principalmente a dela corria risco. Minha vida não precisava ser salva, desde que ela estivesse em bem. Por essa mulher eu fiz as maiores loucuras, inclusive renunciei a mim mesmo, só para fazê-la feliz. Nunca deixei de cumprir nenhuma promessa, mesmo a mais cruel que jurei cumprir em seu beneficio. Procurei várias vezes esquecê-la, porém tudo era em vão.

 

Pein ria da minha desgraça, eu era um peso morto em batalha. Meu coração parou quando vi Hinata se arriscando por mim. Diferente do que todos pensam na vila não sou burro e tapado. Sei da admiração que a hyuuga tinha por mim. Porém sabia que esse sentimento era uma simples admiração por tê-la salvado quando criança e ter sido seu primeiro laço de amizade. Hiashi deu uma criação bastante severa para sua filha. A pobre quase não falava com ninguém.

 

Não podia deixa-la morrer ali. Fiz um trato com a raposa. Ela poderia fazer o que quisesse com o pein, desde que vencesse a luta e não tocasse em hinata. A raposa deu um sorriso sombrio. Nunca vi um ser que gostasse tanto de carnificina. Ironicamente era quem me compreendia desde meu nascimento.

 

Após o trato tudo escureceu. Não me lembro de nada. Quando acordei, estava numa mesa de hospital. Os médicos me olhavam com medo. Aqueles olhares que recebia desde minha infância voltaram novamente com toda força. Escutei atentamente o murmurinho nos corredores e descobri que minha luta destruiu 1/3 da vila. Mesmo assim salvei a vida de vários inocentes. Será que eles lembram que Pein iria acabar com toda forma de vida deste lugar? Pelo visto não.

 

Meus sorrisos, gentileza e hiperatividade escondiam um lado obscuro de meu ser. Uma parte solitária, cruel e perversa. Porém preferia esconder tudo isso e sempre tentar a confiança de todos mais uma vez.

 

Meses depois, eu estava lutando com meu maior rival. Sasuke tinha matado seu irmão e agora estava consumido pelo ódio. Konoha para segundo sua visão deveria sumir do mapa por seus crimes. Mesmo concordando algumas vezes com essa ideia, logo me lembrava do iruka-sensei, do tio do Ramén e da Ayame, da Tsunade-oba-chan, kakashi-sensei e vários outros. Eles não mereciam morrer.

 

Por pouco aquele duelo não custou nossa vida. Finalmente consegui levar Sasuke para Konoha. Ele ficou sob a custódia da ambu por vários meses além de prestar serviços comunitários. Pelo bem ou mal foi o responsável pela morte de Ochimaru, nukenin mais procurado do mundo shinobi.

 

Alguns meses se passaram. Muitos se afastaram de mim. Sakura-chan estava namorando o teme e o pior de tudo era que o maior culpado dessa história sou eu. O que mais doeu foi não ouvir um muito obrigado. Voltei da vila com o braço praticamente retalhado e um enorme buraco no peito. Em nenhum momento ela me procurou para saber meu estado. Soube por kakashi-sensei que quando voltamos para casa, ela se preocupou muito com Sasuke e não olhou um misero minuto para mim. Tinha consciência de seu amor por aquele Uchiha imbecil, porém não pensei que você ingrata dessa maneira.

 

Tempos depois, a Atasuki atacou o continente ninja. Não me importava em morrer naquela guerra. Para falar a verdade seria uma libertação se ocorresse. Não tinha família, perdi meus amigos e era odiado por quase todo mundo, salvo por algumas pessoas. Um a um, os ninjas que compunham a organização mais temida do país do fogo foram derrotados. O ultimo desafio era parar o pesadelo infinito do juubi e o maldito do mandara.

 

Pórem estava morrendo. Meu companheiro de vida, o bijuu das nove caudas, disse estava cansado de viver. Antes de ser absorvido por Mandara disse que preferia transferir todo o seu chakra para mim permanentemente. Ele dizia que se era para morrer, morreria pelo primeiro humano depois do Rikudou senin que lhe tratou como um amigo e não uma arma.

 

Mesmo implorando para não fazer isso ele se quer me ouviu. Disse ainda que me transformaria numa espécie de bijuu, mas continuaria humano. Teria a imortalidade tão desejada por Mandara, e sendo um homem não poderia ser selado em ninguém. Deveria recusar essa proposta, contudo sabia da existência de gente que não merecia morrer. Kurama falou ainda se caso me envolvesse com alguma mulher, deveria escolher aquela que me amasse verdadeiramente como eu sou. Por causa de seu presente, não deveria fazer sexo com a primeira mulher visse. Pois se ela me abandonasse depois me arrependeria. Não compreendi metade do que ele disse. Sou lento para essas coisas de relacionamento, afinal não me envolvi com ninguém e praticamente tinha poucas pessoas que pudesse chamar de amigos.

 

Kurama não insistiu e recomendou fazer o que eu tinha compreendido e tudo daria certo. Após o final dessa conversa, ele fez juntou nossos punhos e falou em uma língua desconhecida. Um clarão ofuscou meus olhos e depois disso meu hospedeiro sumiu definitivamente. Nem tive tempo de lamentar sua morte. Com o tempo ficamos realmente amigos, na verdade ele era minha companhia mais íntima. Meio ranzinza mais um confidente para todas as horas. Não me dava muitos conselhos e se irritava com boa parte do que dizia. Era sua maneira de dizer que eu era bastante exagerado e dramático em muitas coisas.

 

Voltei ao mundo real e combati o juubi e Mandara. Consegui eliminar todos. Os bijuus nunca mais seriam usados como armas e o patriarca do clã Uchiha não poderia retornar nunca mais. Não comemorei, pois apaguei após minha vitória.

 

Novamente estou numa cama de hospital. Ninguém veio me ver, exceto pela Tsunade-baa-chan. Ela realmente se preocupa comigo. Eram visíveis suas olheiras. Provavelmente vinha direto do serviço, isso quando não ficava o dia inteiro aqui. Observei em cima de uma mesinha vários objetos espalhados, normalmente utilizados por mulheres. Eu sorri pelo seu carinho. Mas quando me lembrava de que há vários meses nenhum amigo veio me visitar desde o ataque de Pein, sinceramente me senti uma arma de guerra. Algo descartável que era jogado de lado quando não fosse mais preciso. Neste momento eu pronuncio.

 

Naruto: Por que não morri junto com o juubi e Mandara seria bem melhor. Não seria um peso para ninguém.

 

Quando falei isso ela acordou e me olhava chocada. Pela primeira vez recebi um bofetada da baa-chan. Não pense que não apanhava antes. Apanhava bastante, mas eram chutes e socos poderosíssimos. Esse foi um simples tapa, mais doeu dentro de mim. A pessoa que mais se preocupou comigo nestes tempos tinha me agredido. Estava enfurecido, todavia me acalmei quando percebi seus olhos estavam cheios de lágrimas.

 

Tsunade: Como se atreve moleque miserável. Nunca mais diga uma asneira dessas. Achei que você fosse realmente morrer dessa vez.

 

Naruto: Não ia fazer falta para ninguém mesmo.

 

Tsunade: Para mim faria. Eu sou muito fechada após a morte de meu noivo há vinte anos. As coisas foram mudando quando perdi Jiraya, meu sensei e todos os que amo na guerra. Nunca tive a chance de dizer como os amava.

 

Naruto: Baa-chan ....

 

Tsunade: Você é meu ultimo laço vivo Naruto. Seu jeito carinhoso e otimista em lidar com as adversidades da vida me tocou profundamente. Você me cativou moleque. Como quer que eu viva nesta porcaria de vila hipócrita sem você. Foi para ficar ao seu lado que virei a gondaime.

 

Naruto: Desculpa baa-chan. Não sabia que era tão importante assim para você.

 

Tsunade: Nunca mais diga deseja morrer seu moleque. Você preencheu um buraco no meu coração ferido. O que coloco no lugar se você sumir?

 

Depois dessa declaração inesperada ela me abraçou com a força e chorou em meu pescoço. Fiquei mal, afinal eu era a causa daquelas lágrimas. Eu devolvi o abraço e alisei seus longos cabelos que sempre cheiram a rosas. O perfume natural daquela mulher era embriagante. Ficamos assim um tempão até adormecemos ali mesmo.

 

No dia seguinte recebi alta. Meu apartamento fora destruído e ninguém do conselho teve a decência de me entregar um. Não pedi a herança de meus pais, pois fiquei sabendo que os conselheiros tinham torrado todo meu dinheiro. Que ironia do destino, o maior shinobi não tem onde cair morto.

 

Tsunade-chan me acolheu em sua casa. Nos últimos tempos ficamos bastante próximos. Ela me dava todo o apoio e carinho possível. Acabamos ficando confidentes. Um ouvia o outro e aconselhava o melhor caminho a ser seguido. Conseguimos formar uma dupla imbatível. A shizune engravidou e se afastou do cargo de secretária. Quem será que foi chamado para substitui-la? Você acertou! Fui eu.

 

Em poucos meses conseguimos colocar ordem em konoha. Modificamos várias leis e trocamos muitos conselheiros sob o pretexto de grandes serviços prestados. Preferimos aposentar Homura & companhia a ficar aturando aqueles velhotes o dia inteiro. No lugar colocamos Kakashi-sensei,o tio Iruka e o senhor Yamahaka no lugar . Somente pessoas de nossas confianças.

 

Um aperto no peito vinha quando observava todos os meus amigos casados. Fui o único a ficar solteiro. A Hinata tentava me paquerar várias vezes, sempre procurava me seduzir das maneiras mais sórdidas, diga-se de passagem. Mesmo tendo conversado com diversas vezes que um relacionamento entre nós dois, não daria certo, ela não dava o braço a torcer. Aquela mulher estava disposta a me conquistar, porém as palavras de meu amigo Kurama sempre vinham em minha mente e me afastava dela nos momentos que quase deslizava.

 

Um dia pretendi sair definitivamente de konoha, nada me prendia ali exceto por uma pessoa. Por ela seria capaz de tirar essa ideia da cabeça. Porém tinha certeza dela não estar ao meu alcance, ou era isso que pensava. Eu aprendi amar a Tsunade-chan. Ela era uma mulher fantástica, doce, gentil, leal, engraçada, inteligente e claro brava quando estava contrariada. Mais acredita que até isso gosto nela?

 

O Ero-senin dizia que minha mãe vivia batendo em meu pai, se ele a irritasse muito, mais tudo não passava de uma palhaça entre os dois. Logo eles estavam rindo de sua pequena encenação. Assim como eu e minha loira.

 

Estava trabalhando dentro da sala da Gondaime. O ambiente era descontraído. Perfeito para minha noticia. Precisava ir embora da casa dela urgentemente. Sabe quando você esta a ponto de cometer uma loucura? Era melhor sair enquanto éramos bons amigos.

 

Naruto: Tsunade-chan.

 

Tsunade: Sim, Naruto-kun.

 

Naruto: Estive pensando e acho melhor sair de konoha. Aqui não é mais o meu lugar. Atualmente só tenho você me prendendo aqui. Preciso reconstruir minha vida e encontrar alguém que deseje acordar dia após dia com esse loiro.

 

Tsunade: Naruto-kun não vá embora... Não é nenhum incomodo ficar em minha casa.

 

Naruto: Eu sei. Mais preciso encontrar meu próprio espaço. Ninguém em konoha sequer deseja fazer negócios comigo, mesmo em dinheiro vivo. Todos fogem de mim como se tivesse uma doença contagiosa e mesmo o kurama não estando dentro de mim.

 

Tsunade: Tente construir sua vida com a HInata. Você não sempre quis uma família?! Essa é sua chance. Fique ao lado da mulher que lhe deseja.

 

Naruto: Isso não é possível. Hinata não é a mulher que desejo. A mulher de meus sonhos jamais ficaria ao lado de um baka feito eu. Posso dizer que ela é guerreira, inteligente, engraçada, sexy e uma companhia bastante agradável. Mesmo a amando com todas as forças, ela jamais iria olhar para mim como homem.

 

Tsunade (desesperada): Por favor, Naruto se declare para ela. Mais não me deixe sozinha aqui neste lugar. Eu até te ajudo a conquista-la se quiser.

 

Naruto: Isso também é impossível.

 

Tsunade: Por quê? Tenho certeza que qualquer mulher que te conhecesse melhor iria lhe desejar como seu homem para o resto da vida. (inclusive eu. concluiu em pensamentos.)

 

Naruto: Se quer tanto saber, eu direi. Talvez seja até melhor você saber disso antes de sair definitivamente deste lugar. Você não pode me ajudar a conquistar essa mulher, por que é você. Eu a amo Tsunade-chan.

 

Tsunade ficou emocianada com aquelas palavras era tudo que desejava ouvir de seu loiro há vários meses. Ela pulava de alegria por dentro. Jamais falou nada sobre seus sentimentos, pois tinha medo que Naruto não gostasse de mulheres mais velhas.

 

Naruto: Esqueça o que você ouviu. Nunca uma mulher incrível como você irá querer um jovem imprudente como eu. V....

 

O loiro não pode terminar de falar o resto. Sua loira tinha invadido seus lábios com um beijo ardente. Aos poucos eles se separaram em busca de ar e ficaram se olhando como dois adolescentes.

 

Naruto: Se isso é um sonho eu não quero acordar. Eu te amo tanto.

 

Tsunade: Eu também meu loiro. Fique comigo! Esquece essa ideia. Melhor vamos ficar aqui só alguns anos. Assim finalmente consigo passar meu posto para outra pessoa. Iria passar para você, mas acho que não deseja mais liderar uma vila que não te respeita.

 

Naruto: Eu só quero viver minha vida ao seu lado e nada mais. Konoha para mim é pagina virada.

 

Tsunade: Vamos para casa. Quero me entregar para você hoje até o ultimo de meus dias.

 

O casal retornou para sua casa. Rapidamente tiraram a roupa e se abraçaram enlouquecidamente. Naruto ficou apenas de cueca box preta, enquanto olhava o monumento a sua frente.

 

Tsunade: Vamos brincar primeiro.

 

Atendendo um pedido de sua amada, o loiro sentou numa cadeira e ficou com as mãos atrás das costas algemadas. Era possível ver o sorriso malicioso da loira. Ela sentou no seu colo e começou a rebolar, enquanto chupava seu pescoço. Era possível ouvir os gemidos de Naruto. Seu membro latejava e quanto mais ele dava sinal de vida a loira propositalmente cavalgava e esfregava com mais força. Para lhe instigar ela gemia baixinho em seu ouvido. Depois de alguns minutos o uzumaki estava queimando de excitação.

 

Naruto: Solte-me! Isso é golpe baixo.

 

Tsunade: Golpe baixo é o que vou fazer agora.

 

Agarrando o membro de seu parceiro. A gondaime abaixou a cueca e começou a massagear o pênis do loiro. Entre pequenos intervalos, a glande era lambida suavemente pela língua.

 

Naruto: AH! Não para. Tá muito bom.

 

Tsunade simplesmente sorriu e engoliu de vez aquele membro ereto. Ela chupava tudo delicadamente no inicio e gradativamente aumentava a velocidade. A sensação desta experiência era única para Naruto. Aquela boca era molhada e quentinha. Os movimentos ficaram em um ritmo constante até que não aguentando acabou ejaculando tudo dentro da boca dela, que engoliu sem derramar uma gota.

 

Naruto: Me solta daqui. Vou acabar com você.

 

Tsunade: É mesmo. Quero ver meu menino malcriado.

 

O loiro finalmente foi solto e jogou Tsunade na cama. Era sua vez de retribuir. Ele se abaixou e passou a língua na vagina da loira e começou a chupar tudo. Ele estimulava bastante o clitóris com intuito de deixar sua mulher louca. Sendo o aluno de Jiraya sabia que no ato sexual a mulher precisava ser estimulada ao máximo para atingir o orgasmo feminino.

 

Tsunade: Isso me chupa. Vai mais fundo. Que delícia!

 

Depois de alguns minutos de estimulo os líquidos vaginais escorriam para a boca do loiro. Ele achou o sabor bastante doce, por isso ficou chupando por mais tempo levando Tsunade a loucura.

 

Tsunade: Você quer brincar de torturar não é.

 

Naruto: Com certeza.

 

Os seios da loira eram massageados e chupados gradativamente pelo seu parceiro. Tsunade se espantou com o loiro, pois pensava que teria que ensinar muitas coisas. Ao contrário do que pensava, ele era um verdadeiro monstro na cama.

 

Tsunade: Vamos ver o que acha de minha espanhola.

 

Novamente o pênis de seu parceiro estava nas mãos da Senju. Dessa vez ela o ajeitou entre seus fartos seios, os pressionou e começou um movimento de vai e vem. Aqueles peitos eram perfeitos na opinião de Naruto. Quantas vezes ele não pensou coisas libidinosas na sala da hokage.

 

Tsunade: Está gostando? Sei que você desejou muito eles. Acha que não percebia você constantemente duro em minha sala?

 

Naruto: Não tem como não resistir a você.

 

Outra ejaculação ocorreu, só que dessa vez foram nos seios da hokage. Ela não se aborreceu e começou a lamber tudo.

 

Naruto: Chega de enrolação...

 

Tsunade: Pode vir com tudo. Não sou aquelas menininhas com quem você anda. Acabe comigo!

 

Naruto: Seu desejo é uma ordem.

 

Nosso herói penetrou Tsunade fazendo-a soltar um gemido de satisfação, posteriormente começou a chupar o pescoço da loira e enquanto estocava sem piedade aquela mulher. Os dois urravam de prazer. Diferente da boca, a vagina era apertada e quentinha. As sensações naquela noite foram únicas para nosso herói.

 

Estimulando o ponto G, as estocadas ficaram rápidas e rítmicas. Ele estava pronto para gozar, mais só o faria quando ela também tivesse chegado primeiro. Acabou descobrindo em uma de suas andanças com seu mestre pervertido, que as mulheres demoravam um pouco mais para chegar ao orgasmo do que os homens. A parceira vinha em primeiro lugar, não ele.

 

Tsunade: Vai Naruto mais forte... Isso... Estou quase lá .. A... A...   

 

Após tanto esperar ele finalmente ejacula dentro de sua amada. Porém aquela noite era uma criança e eles iriam fazer sexo por toda a madrugada.

 

Naruto: Tive uma ideia. Vamos de novo. Dessa vez vou canalizar chakra no pênis. Já imaginou a sensação.

 

Tsunade: Seu insaciável. Mais eu gostei da ideia. Prepare-se, pois não será o único a entrar na brincadeira. Vou apertar seu pau dentro de mim.

 

Entre cariciais e atos libidinosos se seguiram por toda aquela noite até o amanhecer, finalmente o casal consumou sua união. Naruto como discípulo de Jiraya não fez feio. Praticou muitas posições do Kama-sutra com sua amada e para apimentar as coisas sempre utilizava chakra. Esse ato feito inconscientemente acabou passando sua energia vital para Tsunade. Os efeitos seriam sentidos na manhã seguinte. Embora não soubesse, Naruto tinha compartilhado parte da herança da kyuubi com a loira durante o sexo. O sol raiou e ambos dormiam aninhados um ao outro.

 

Por volta do meio dia, os dois se espreguiçaram da cama e se olhavam apaixonadamente. Naruto elogiou a gondaime dizendo que ela estava tão bonita como uma mulher de vinte anos. Ela deu risada do galanteio. Depois do café, o loiro observou que o selo de rejuvenescimento tinha sumido. Porém como Tsunade estava jovem?

 

Naruto: Tsunade-chan. Por um acaso você aprimorou o selo de rejuvenescimento? Ontem ele estava visível, mais hoje não.

 

Tsunade: Na verdade não Naruto-kun. Como estou jovem então? Será que seu chakra modificado me influenciou?

 

Naruto: Não sei. Mas lembrei de Kurama falar alguma coisa sobre sexo e não se entregar para qualquer uma, depois receber seus poderes. Ele disse que tinha ganhado a imortalidade e juventude eterna, seria uma espécie de bijuu e continuaria humano ao mesmo tempo. Com isso nunca poderia ser selado.

 

Tsunade: Então é isso. Eu compartilho as mesmas características que você.

 

Naruto: Parece que sim. Tinha uma parte que não tinha entendido na hora, mas faz todo sentido agora. Meu corpo não poderia comportar tanto chakra sem arrebentar. Não tínhamos tempo de fazer motivações maiores devido à guerra e estar na beira da morte.  Ele dividiu seu chakra em duas partes, disse que uma seria entregue para a primeira mulher que se deitar comigo após o ritual.

 

Tsunade: Esse foi o maior presente que recebi. Obrigada Naruto.

 

Naruto: Não está arrependida? Agora você é imortal e possui juventude eterna.

 

Tsunade: Está brincando. Agora ficarei ao seu lado para sempre e ficarei gatona. Vamos comemorar.

 

Os dias se passaram e o casal acabou se casando em segredo. Eles não queriam nenhum espetáculo e rebuliço em suas vidas naquele momento. Todos da vila estranharam o rejuvenescimento de gondaime. A maioria pensará se tratar de mais um jutsu. Os anos passam e o posto de Hokage foi passado para Kakashi.

 

Tsunade: Bom pessoal. Estou oficialmente me aposentando. Agora vou curtir a vida com meu marido.

 

Todos: Nani?

 

Shizuni: Tsunade-san, desde quando a senhora tem marido? Pare de brincadeira. Você não se envolveu com ninguém após a morte de Dam.

 

Tsunade: Isso é passado agora. Encontrei uma pessoa maravilhosa e todos vocês conhecem ele muito bem. Venha aqui querido!

 

Naruto: Oi, pessoal. Como estão passando?

 

Kakashi: Naruto, por um acaso você é o...

 

Naruto: Marido da Tsunade-chan.

 

Hinata: Tsunade-chan...

 

PFUT! (Hinata desmaiou)

 

Kiba: HINATA!

 

Akamaru: AU! AU! AU!

 

Sakura: Como isso aconteceu? Não tem vergonha de casar com essa velha acabada.

 

Naruto: Sua recalcada. Saiba que a idade não é um dos meus critérios para mulheres. Eu busco coisas além da beleza e a tsunade-chan tem de sobra. Sem falar que ela não é velha.

 

Tsunade (alegre): Por isso o amo tanto.

 

Sakura: Esse jutsu ridículo não durará para sempre Naruto! Fique com alguém de sua idade?

 

Naruto: Como você ou a hyuuga? Nem em sonhos! Para sua informação, Tsunade-chan realmente rejuvenesceu.

 

Ino: Quando foi isso?

 

Tsunade: Segredo!

 

Ino/Tenten: Estraga prazer.

 

Tsunade: Brincadeira. Vamos dizer que é um jutsu que só o Naruto sabe fazer durante a relação sexual.

 

Sakura/Ino/Tenten: É mesmo. (todas direcionam seu olhar para Naruto.)

 

Tsunade: Antes que perguntem, esse jutsu só pode ser feito uma única vez, por isso.. TIREM O OLHO DELE.

 

POF! PAF! TUM!

 

Ino (babando): Alguém anotou a placa do caminhão?

 

Sakura (com medo): Fica longe de mim, mestra.

 

Tenten: Socorro Lee.

 

Lee: Tsunade-sama não acha que está exagerando?

 

PUM!

 

Lee (voando): Por que isso sempre acontece comigo?

 

Shikamaru (baixinho): Faz alguma coisa Naruto, sua mulher vai acabar com tudo.

 

Naruto (sussurrando): Eu não. Gosto quando ela fica com ciúmes das Marias chuteira e se eu faço alguma coisa para impedir levo uma surra. Viu a voadora que o Lee tomou?

 

Kakashi (surpreso): Ela é mais possesiva que dona kushina. Boa sorte com essa mulher Naruto.

 

Tsunade: Só estou cuidando do que é meu.

 

Naruto: Bem vamos embora Tsunade-chan. Nós temos muitos lugares pelo mundo para conhecer.

 

Sasuke: Boa Sorte dobe.

 

Ino: Sejam felizes!

 

Sai: É uma história bastante romântica.

 

Ino: Falando em romance quando irá me propor em casamento?

 

Sai: Quando quiser minha loirinha.

 

Todos ficam com uma gota na cabeça por Ino tomar a iniciativa. Com certeza a loira iria domá-lo por completo naquela relação.

 

Kiba: Meus parabéns Naruto. Casou com um mulherão.

 

Tenten (humilhada): Concordo. Já viu a comissão de frente? Aquilo humilha qualquer mulher.

 

Lee (acabado): Isso ai, Naruto-kun. Libere todo o fogo de sua juventude.

 

Guy: Isso mesmo Lee.

 

Shikamaru: Boa sorte, problemático.

 

O casal loiro deixou definitivamente konoha. Estranhamente, Naruto não envelhecia e esse fato foi observado quando visitava sua vila. Ele inventou uma história esfarrapada de seu clã ter mais resistência com intuito de poder lutar. Depois da morte de kakashi, Iruka e o tio do rámen, nunca o mais casal voltou para a folha.

 

Hinata se arrependeu de ser tão tímida e não auxiliar Naruto nos momentos difíceis. A hyuuga acabou casando com um civil. Sua inveja pela Tsunade aumentou muito quando descobriu o aparente motivo da juventude do casal loiro. As autoridades da vila fizeram várias buscas em busca dos dois shinobis, mas tudo foi inútil. Aparentemente os dois sumiram pelo mundo.

 

O tempo passou e era dos ninjas deixou de existir. Porém reza uma lenda deste período que sempre é possível encontrar pelas florestas asiáticas, um raio dourado sob um forte cheiro de rosas. Uns dizem que essa história não passa um de mito. Outros abordam tratar-se da passagem de um casal apaixonado destinado a viver juntos eternamente.

 

FIM.


Notas Finais


O que vocês acham, o amor tem fronteiras? Deixe sua opinião e até a próxima.

Abraços.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...