História A lenda do Senhor do universo - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 5
Palavras 1.944
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Canibalismo, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 21 - A ruína dos titãs


   Passou bastante tempo andando , não tinha pressa, para Tânatos aqueles negócios poderia finalmente ser a arma definitiva contra os anjos e humanos , a qualquer custo desejava à ajuda dos Titãs, ficou a metade do seu tempo imaginando propostas que nenhuma criatura recusaria, jóias, conhecimento , território, calculou tudo para não desperdiçar.
    Faltava poucos minutos para dá uma hora e Craw ainda não tinha retornado para ele era melhor que isso não ocorresse, sabia do temperamento de Elizabeth, era inevitável que o deus dos demônios a convencesse a mudar de ideia em relação a ele.
    Não gostava muito dos cães nem de nenhum demônio, achava todos repugnantes e feios, se olhava no espelho e sabia que era um humano belo até de mais, só não entendia o motivo de Griciane não amar ele, sim ele tinha uma paixão cega por ela assim como Hank tinha por Elizabeth, procurou formas de chamar atenção dela e essa com certeza ia atingir o objetivo. Vários demônios estavam reunidos na superfície, na ausência de craw ,Morte tinha recebido o poder máximo para mandar neles e ali todos estariam preparados para uma marcha, ocorria tudo da maneira que Tânatos queria, Morte deseja a morte dos humanos , ele deseja a morte dos anjos e se todos eles morrer poderá conquistar o coração da sua amada já que ela teria vários materiais de estudo ou ao menos era o que ele pensava.
   Os quatro cães estavam juntos discutindo de que maneira poderiam destruir a humanidade em um único ataque , peste e fome sempre falava de métodos demorados mas que com o tempo ia ter sucesso, já Guerra queria um combate direto pois era como ele dizia , eles não tem experiência em batalha são aptos a morrer a qualquer momento, Morte apenas ouvia pois o encontro com ela era iminente. Essa discussão duraria mais tempo se Tânatos não tivesse interrompido a conversa deles:
- cães, tenho algo para dá a vocês - Guerra se vira
- e o que séria a tal ponto de interromper nossa escolha de estratégia Tânatos!
- restam apenas alguns minutos , creio que Morte com seu conhecimento tão abrangente já tenha escolhido , não é mesmo? - ele olha para Morte mas ele não responde - contudo se vocês forem andando até lá irá demorar bastante tempo e isso não é algo que queremos , principalmente você Guerra que deseja exterminar todos numa grande batalha - Guerra não responde mas sorrir ao ouvir aquelas palavras
- o que deseja dá a nós meu querido humano? - disse Guerra olhando ele com chamas nos olhos
- um meio de locomoção que se identifica com cada um de vocês - assobiou e quatro cavalos vieram em sua direção, não eram cavalos comuns cada um tinha uma característica única.
    O primeiro um cavalo cinza, magro até os ossos, a carne viva, tremia devido a grande fome que sentia , naquele exato momento devorava o corpo morto de um enorme urso comendo até mesmo os ossos, não se cansava nunca de correr e sempre estava com fome, foi destinado a Fome.
   O segundo era vermelho mas não vermelho natural mas sim seu sangue que corria fora do seu corpo e a cada passo era tonelada de dor, tanto para ele quanto para os fracos que estava perto dele, de vez em quando sangue jorrava de sua boca sujando todo o chão e várias moscas voavam em volta dele , emitia todo tipo de doença possível, esse foi entregue a Peste.
   O terceiro era negro e tinha olhos dourados demonstrando uma enorme fúria, aonde ele passava deixava um pequeno sinal de destruição, era o mais veloz e forte de todos , era negro como a noite para que ninguém possa enxerga-lo e assim ter sua morte executada com muito sofrimento, este era o cavalo da Guerra.
    O quarto e último era puro osso, emitia uma energia escura como se vestisse um manto que escondia sua aparência sombria, por onde passava a vegetação a sua volta morria , assim como pequenos animais , apesar de sua essência ela amou a companhia de seu novo dono a Morte que foi o primeiro a montar na criatura , esse era o melhor presente que todos os quatros poderiam ter:
- você sabe como dá um presente para demônios, até parece que leu minha mente
- talvez eu tenha lido - ele rir - está quase na hora , farei com que ela venha quando ela chegar assim não haverá erro para vocês
- como vou saber que não trapaceou? Que fez antes do tempo?
- também quero dá um fim a meus irmãos portanto não vou negar à ajuda de vocês, agora estou indo
- para onde?
- terminar assuntos que Craw pediu para eu resolver por ele.
   Tânatos se retirou, nesse mesmo momento os quatro subiram em seus cavalos dando a chamada para os demônios e começaram a correr em direção ao massacre. Já Tânatos andava com muita calma admirava o Sol apesar de não gostar muito da luz considerava aquele uma das únicas criações bela de Kalim, além é claro de sua amada, sentia que após resolver aquele último assunto finalmente colocaria um fim a existência desnecessária de seus irmãos.
   Chegou até a montanha, sua sombra estava projetada nos pés dele e quanto mais adentrava em direção a ela mais era consumido , sentia que era observado por uma criatura grandiosa maior até mesmo que Craw ou Elizabeth, pensava ele que era algum dos titãs por isso não temia aqueles olhos, pois achava que não devia. Finalmente chegou ao vilarejo dos titãs onde dois deles o aguardavam, pegaram Tânatos com suas enormes mãos, parecia uma criança afinal era apenas um humano.
   Foi entregue diante do rei dos titãs,que estava sentado no seu trono dourado esperando pacientemente pelo mensageiro que nesse caso era o próprio Tânatos:
- olá pequena criatura como se chama? - sua voz parecia um trovão, Tânatos não deixaria ele o intimidar com tamanha presença
- olá rei dos titãs, sou Tânatos um humano e você possuí nome?
- me chamam de Hiperion e o que deseja vindo ao meu encontro Tânatos?
- Hiperion em algum momento você chegou a participar de uma guerra?
- guerra? Sim e não desejo colocar meu povo em outra
- você não tem escolha, essa guerra envolve todo o mundo , se não participar perderá tudo
- ninguém pode tomar essas terras Tânatos elas pertencem a este mundo
- essa guerra é para lutar por elas Hiperion , os humanos acham que esse mundo os pertencem e entrará em guerra contra os demônios que tenta impedir eles , vamos nos unir aos demônios e estabelecer paz Hiperion! - o titã bate no braço do trono com seu punho dourado
- guerras não traz nada mais do que uma paz momentânea, depois de algum tempo outras guerras virão e esse mundo será tingido pelo sangue da guerra, me recuso a isso
- um lugar será garantido para você e seu povo , esse mesmo se desejar , basta nos ajudar
- criança, vivemos nesse mundo a mais tempo que os animais que nele andam, sempre fomos livres , não vamos nos tornar escravos vivendo em espaços delimitados
- aquilo foi apenas uma forma de dizer, nosso rei será grato se ajudar, além desse lugar ainda poderão andar por esse mundo, aposto que nunca andou no mundo lá fora
- não aceito , esse mundo garoto conheço cada pedaço dele com as minhas mãos estive fugindo por ele à muito tempo , não apenas eu como meu povo
- é difícil negociar com você, sabe ainda temos jóias, vai amar todas elas - ele tira uma sacola contendo um rubi e uma Saphira - veja - Hiperion olha bem para aquelas jóias e diz
- chama esses míseros pedaços de pedra de jóias? Há quanta petulância - ele chama um dos titãs que traz para ele um minério titânico branco - veja garoto isso sim é algo de respeito e que pode ser admirado - Tânatos ficou por um momento maravilhado com aquela jóia sem saber o que falar , mas tinha muita determinação e deveria cumprir sua missão
- de fato nunca vi algo mais belo em minha vida mas ainda tenho algo que você não tem
- o que seria?
- conhecimento, não apenas meu , como dos demônios e anjos , sobre nossa origem
-  não temos interesse em vidas menores , apenas queremos ser deixados em paz - Tânatos se irrita - saia daqui não vou levar meu povo para uma morte sem sentido , chega de sofrimento , não nos envolva em suas guerras ridículas
- você não tem muita escolha Hiperion, vamos fazer assim você tem um tempo para escolher se vai nos ajudar ou não, esse tempo é até tudo escurecer, nesse caso quando anoitecer que é assim que chamamos nesse mundo
- hunf , anoitecer? Até com isso vocês fizeram nesse mundo que antes era livre, essa guerra - porém não teve tempo dele terminar, com uma pronúncia que apenas Craw sabia que Tânatos tinha ouvido uma vez, da mesma maneira ele o fez e a noite veio
- tempo esgotado rei dos titãs, mas não se preocupe você viverá para sofrer por toda eternidade
- o que? Acha que pode me ameaçar - ele se levanta rapidamente - pagará por ameaçar meu povo - mas Tânatos estava calmo , calmo até demais
- sabe Hiperion , uma vez eu olhei para a escuridão e ela olhou para mim e me disse " que um dia ia retornar para se vingar daqueles que o aprisionaram em correntes titânicas" - o rei olhou para ele assustado - sim seu pior pesadelo e ainda disse que queria você sozinho para ter tempo de torturar você a tal ponto que irá implorar pela morte
- está mentindo garoto!
- será mesmo que eu estou? Vou dizer apenas uma coisinha - as trevas de Tânatos ficaram tão intensas e cheias de ódio e fúria que parecia criar vida própria e com apenas algumas palavras ele fez o rei dos titãs se arrepender por toda eternidade - O Abismo ! - uma energia maligna parecendo um buraco negro começou a sugar tudo para dentro dele , vários titãs foram sugados construções, Hiperion corre para tentar ajudar mas , o titã mais poderoso vermelho como sangue vivo segura ele e o empurra no seu trono dizendo
- você é nosso rei , o nosso orgulho e você é o único que deve continuar a viver , por nós - este era tão poderoso que se jogou no buraco negro e ele foi fechado graças aos esforço do titã, um pedaço de seu dedo caiu sendo a única parte que escapou do buraco negro feito com parte das sombras do Abismo.
    Tânatos desapareceu, correu para presenciar o massacre que estava prestes a acontecer, estava satisfeito com o massacre que ele próprio tinha feito. Da grande cidade memorável dos titãs que apenas Tânatos havia visto pessoalmente, restará apenas o trono do rei dos titãs, o dedo de Xarnum o titã da guerra e o rei dos titãs Hiperion que naquela noite gritou de sofrimento, arrependimento e fúria por ter perdido todo seu povo, um humano deu a ele opções que só traria sofrimento e esse humano foi a ruína de seu povo, agora apenas o rei restava carregando o fardo de todo seu povo e sendo o último titã vivo a caminhar na Terra, titã cujo desejo era vingar seu povo e acabar com esse mal que estava se ploriferandando em seu mundo



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...