História A Life Without Masks - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Tags Romance
Exibições 149
Palavras 2.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha eu aqui gente!

Bem, acabei de chegar em casa e estou escrevendo este capítulo há algum tempo já que faz... 12 dias, acho que não posto.

Antes de tudo, queria pedir que lessem uma Fanfic de uma amiga minha, (Uma Vida Através do Espelho) é muito importante pra ela de verdade. Então por favor comentem e curtam pra que ela não venha perder as esperanças. 😢

Capítulo 28 - Baloon Ride - Part II 🎈🆙


Com a habilidade da Alya na cozinha, terminamos rápido. Fizemos uma salada de legumes, um frango assado, os básicos (arroz, feijão, etc).

Coloquei a mesa para comermos enquanto a garota preparava nosso suco.

Alya me dissera que a mãe só iria estar em casa à tarde. Por isso ainda não tinha chegado. 11:49.

A comida estava simples, mas deliciosa. Novamente, eu fui tomar banho no primeiro andar e ela no mesmo banheiro da noite anterior.

Alya tinha me emprestado um roupão assim, não precisávamos nos arrumar no banheiro. Tínhamos combinado de colocar somente as roupas íntimas e ficar com o roupão.Subi com as pontas do cabelo pingando.

Estava ouvindo algo. Alya tinha conectado o Bluetooth entre o rádio e o telefone, estava tocando Cheap Thrills. A vi espalhando os instrumentos que iríamos precisar para fazer o cabelo. Parece que eu não fui a única que lavou o cabelo.

- Pronta? - Ela perguntou.

- Claro!

Ela pôs uma poltrona em frente ao espelho e pediu que eu relaxasse, confiei na minha melhor amiga. Uma parte da minha mente pedia para eu tomasse cuidado, mas a ignorei.

Fechei os olhos e prestei atenção somente nos movimentos que ela fazia em meu cabelo. Sentia a temperatura do secador e da prancha. Acabei adormecendo sem querer.

- Hey! Ah, sério? Marinette? Marinette!

- Oi? Desculpa, Alya.

- Tudo bem

Finalmente olhei no espelho.

- O QUÊ? Alya! O que você fez com meu cabelo?

Ele estava claro, parecia que tinha perdido a cor natural e ao longo do cabelo ia clareando. Não estava ruim, só me assustei me perguntando o que meus pais iriam falar se vissem.

Mas estava lindo! Minhas pontas estavam onduladas e não cacheadas, o que irá com certeza se destacar quando eu pôr a touca.
(Link do cabelo nas Notas Finais)

- Calma, amiga, é uma tinta temporária, irá sair da próxima vez que você lavar o cabelo.

Soltei um suspiro longo de alívio. Nem percebi, mas tinha prendido a respiração.

- Está tão ruim assim? - Ela abaixou a cabeça triste.

- Não! Pelo contrário, está lindo! Mas eu não sei o que meus pais falariam. Já que nós estamos acostumados com a clássica beleza chinesa.

- Ah...

- Agora sua vez, Madame - Eu disse saindo da cadeira e tentando animá-la o que foi fácil - Ao invés de alisar ou cachear, posso fazer um penteado?

- Tudo bem, faça sua mágica!

Comecei desembaraçando e sequei. Passei a prancha e depois peguei alguns elásticos de cabelo e fui fazendo a trança. Como o cabelo dela é longo, deu um efeito bem diferente do que no meu, só espero que ela goste. (Link do cabelo nas Notas Finais)

- Pode abrir os olhos agora... - Eu disse virando a poltrona para o espelho - Seja sincera. O que achou?

Ela tomou um susto quando viu.

- Você PRECISA me ensinar a fazer essa trança - Eu dei um sorriso de orelha a orelha.
 
- Maquiagem? - Perguntei.

- Maquiagem! - Ela gritou.

{Nino}

Acordei bem atrasado... 12:40!

Fiquei fazendo a playlist da Alex até tarde. Mas já tinha separado minha roupa: Uma calça preta, uma blusa branca com uma raposa, um casaco quadriculado laranja, cinza e preto para pôr na cintura caso eu não sentisse frio, um chapéu côco preto e uma bota de cano curto mostarda. (Link da roupa nas Notas Finais)

O Adrien disse que estava bom, e como o cara já está acostumado com esse tupo de coisa, confiei nele.

Coloquei todas as peças e a bota na bolsa, peguei minha bicicleta e fui correndo do até a casa dele.

{Adrien}

Tinha combinado com o Nino de passar aqui para terminarmos a comida e irmos direto. Como ele ainda não apareceu, ficou tudo por minha conta.

Mas como a nossa chef me ajudou, foi bem mais rápido. Acabamos 12:55, estava lavando as mãos quando a campainha tocou que bem uma louca.

Sequei-as rapidamente e abri a porta.

- É sério, cara, me desculpa.

- Tá tudo bem, Nino - Eu disse permitindo-o entrar - Eu tive uma ajudinha profissional.

Nesse momento, Pepe entrou com as cestas de piquenique já prontas e as deixou em na mesa de centro da sala.

- Mais alguma coisa, senhor Adrien?

- Não obrigado! - Eu agradeci com um sorriso.

Ela fez uma pequena reverência e saiu.

- Vamos almoçar? - Ofereci.

- Não obrigado, tô tranquilo

Peguei a bolsa do ombro dele e coloquei na escada.

- Vamos logo, cara... - Tive que empurrar ele até andar.

Como passamos a manhã inteira na cozinha, não tivemos tempo de fazer o almoço. Comemos um macarrão instantâneo.

(Autora: Mais conhecido como Miojo tá gente? 😂😂)

Eu fui tomar banho no meu quarto e ele foi no banheiro do corredor. Não demoramos muito. Na verdade ele não demorou.

Tive que ficar no mínimo 10 minutos na frente do espelho por causa da minha juba. Mesmo depois do creme é necessário fazer alguns ajustes. É sério. Tava uma bosta.

Fiz minhas higienes e me vesti, desci para esperar o Nino enquanto colocava as cestas no carro. Ele não demorou muito.

Até que ele ficou bem.

Esqueci da hora! 14:21! Demoraríamos um pouco até chegar a Notre Dame, mas acho que dava.

Eu fui dirigindo no outro carro. Dessa vez, um dos meus favoritos. Um jeep estilo militar preto (Imagem parecida no link das Notas Finais).

- Wooowwww - Nino disse surpreso - Tem certeza?

- Tenho.

Entramos no carro e eu peguei o controle que estava no guarda-sol. Apertei o botão e o portão se abriu automaticamente. E saímos em disparada para rua ensolarada.

{Marinette}

Estávamos prontas. Saímos de casa eram 14:15, tempo suficiente. Decidimos ir andando até o ponto de ônibus; Como estava calor, decidimos guardar as toucas.

Não sei se foi imprensão ou não, mas percebi alguns olhares. O ônibus demorou um pouco mas não mais do que o esperado.

Estávamos em Notre Dame exatamente às 14:45 da tarde. Tiramos algumas fotos para nos distrairmos e conversamos.

Eram 15:04 quando os meninos chegaram. O carro era diferente, então eles tiveram que baixar os vidros e buzinar para notarmos.

Entramos no carro e Alya já impaciente não se segurou:

- Nós dissemos para não se atrasarem!

- Quando os carros voarem sobre o trânsito, você me avisa! - Adrien exclamou rindo.

Eu e o Nino só ríamos, Alya colocou uma música altíssima no rádio. Provavelmente eletrônica, mas quando chegou o refrão, eu e ela demos a louca, começamos a gritar:

I need you, I need you, I need you right now
Yeah,
I need you right now
So don't let me, don't let me, don't let me down

(Link da música na descrição)

Quando acabou a música, foi a vez deles cantarem, beeemmm desafinadamente pra falar a verdade:

I'm falling...
So I'm take my time of my ride
Ouh ouh
Taking my time of my riiiiiiiiiiideeeee    

- Okay... Já tá bom - Alya falou rindo enquanto Nino abaixava o rádio.

Me apoiei os braços nos bancos da frente e cheguei para frente para falar com os garotos.

- Agora, a dúvida que não quer calar... - Olhei para o Adrien - Onde estamos indo?

Eu nem tinha percebido, mas já tínhamos saído da cidade. Estávamos em uma estrada que parecia não ter fim; Cercada por verde, esquerda e direita. As únicas saídas eram: Voltar de onde ou seguir em frente.

- Você sabe onde estamos, não sabe Adrien? - Já estava começando a ficar nervosa.

- Claro que sei! - Ele exclamou. Encostei no meu banco novamente tentando não passar a preocupação para os outros.

De repente, Adrien virou o volante e pude perceber que havia um portão de madeira sendo aberto. Um sítio.

Ele estacionou e disse animado:

- Chegamos, pessoal! - É todos descemos.

- Okay, chegamos... Mas onde exatamente? - Alya retrucou.

- Vocês já vão descobrir - Ele disse indo pegar algo no porta-malas.

Cestas de piquenique. Tudo isso por um piquenique? É sério? Tem lugares muito mais perto da Notre Dame e mais bonitos na cidade. Adrien bateu o porta-malas e trancou o carro. Eles foram nos guiando. Subimos uma pequena colina para ver algo que nunca tive a chance de ver pessoalmente.

Dois balões gigantes. Cheio de gás, um vermelho com duas listras, uma preta e outra verde; E o outro listrado amarelo e azul. Os dois esperando por nós, pelo menos eu acho.

Eu e Alya descemos a colina correndo e gritando que nem loucas enquanto os meninos riam de nós. Tiramos muitas fotos.

Não tínhamos notado, mas havia uma mulher nos encarando com um sorriso gigante que deixava seus olhos similares a olhos orientais. Não parecia ter mais que 20 anos.

- E aí, Camryn? Está tudo pronto?

- Claro, senhor Agreste...

- Adrien - Ele falou corrigindo-a corando um pouco - Me chame de Adrien, sim?

- Sem problemas - Ela se levantou - Os dois estão prontos, mas o senhor disse que precisava colocar algo então não os pus no ar.

- Ah, claro! Obrigado, Cam! - Ele pegou as cestas e pôs duas em cada balão.

(Cam = apelido de Camrym)

Estávamos prestes a entrar todos em um balão. Quando a mulher nos parou.

- Senhor... Quero dizer, Adrien... Os balões só suportam duas pessoas cada um.

- Parece que vamos ter que nos dividir - Ele se dirigiu à todos nós dessa vez.

- Tudo bem, então... - Eu disse - Ahn... Eu vou a ...

- Vou com a Mari! - Anunciou Adrien me interrompendo - Tudo bem pra você, M'Lady?

- Tá - Eu disse dando ombros.

- Então está certo, eu e Mari, Nino e Alya... - Adrien disse à garota.

- Só escolherem os balões - Ela fez um gesto abrindo os braços para depois colocá-los na nuca.

Nino chegou mais perto da Alya a rápidos e curtos passos. Adrien se aproximou de mim e perguntou aos sussurros:

- O vermelho, certo?

- Vermelho! - respondi com um grande sorriso por ele ter lembrado.

- Vermelho - Ele disse e pegou a escada.

Creio que era para a menina conseguir ligar, quero dizer acender o balão.

- Já que é assim cara, vamos no amarelo mesmo né, Alya? - Nino disse.

- Pra mim tá okay contanto que essa coisa não caia e me mate - Ela disse cruzando os braços.

O moreno aproveitou a chance e colocou o braço em seus ombros. O que ela permitiu. Estava quase gritando pra eles se beijarem quando Adrien me chamou.

- Sim? - Fui andando até ele que estava mais próximo do balão do que todos nós.

- Trouxe algum gorro ou toca? Se não eu posso te emprestar a minha.

- Trouxe sim, mas está na... - Me virei para minha melhor amiga - Alya?

- Fala, amiga - Ela estava prestando atenção nas chamas do nosso balão, que já estava aceso.

- Cadê a sua bolsa? 

- No carro. Quer a toca agora?

- Por favor. - Ela foi caminhando rápido. Não demorou muito pra voltar mexendo na bolsa.

- Marinette, onde você colocou a toca? Antes de sairmos de casa?

Veio um flash na minha memória e lembrei que deixei-a em cima da mesa do quarto da Alya.

- Argh! Deixei na mesa - Ela fechou a bolsa.

- Você só não perde a cabeça porquê está grudada. Você quer a minha emprestada?

- Não, não está tudo bem, Obrigada.

A garota loira agora já tinha "ligado" os dois balões.

- Está programado? - O loiro perguntou.

- Sim senhor! - Ela respondeu sem pensar duas vezes.

- Como assim programado, maninho?  - Nino perguntou o que todos queriam saber.

- É um dispositivo novo que a Camrym criou, tem um botão no balão que faz com que ele pouse. Como nós não vamos muito longe, não tem muito risco de alguém se perder.

- Okay... Até aí tudo bem - Disse Alya - Mas e a altura?

- Corda - Ele pegou uma bem longa que estava enrolada no chão parecia ser um pouco gasta, mas ao mesmo tempo parecia forte - Vocês preferem ficar parados ou "passear" um pouco no ar?

- Passear! - Eu disse. Fui corajosa porque eles preferiram ficar somente no ar presos pela corda.

- Okay... Só usaremos uma corda então Camrym.

- Podem subir - Camryn disse.

Ela tirou um pano verde do chão que escondia dois ganchos que estavam enterrados e pareciam que iam bem fundo. A garota fez um nó profissional com uma ponta da corda e a outra fez a mesma coisa, só que no balão.

Já no nosso ela só pôs a corda no fundo para algum caso de emergência ou algo parecido. Os balões já estavam cheios e começando a flutuar. Entramos todos no balão e subimos.

Era lindo, o campo aberto agora parecia uma pintura a óleo. Era totalmente maravilhoso, em todas as minhas viagens de avião, nunca vira algo assim.

Agora já estávamos longe da Alya e do Nino. Enquanto eu admirava a paisagem, Adrien procurava uma corrente de ar segura que pudesse segurar o peso.






TO BE CONTINUED....






Or not😈


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...