História A Mad Family - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman, Esquadrão Suicida
Personagens Bruce Wayne (Batman), Coringa (Jack Napier), Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Pamela Lillian Isley
Tags Batman, Esqudrão Suicida, Harley Quinn, Lucy Quinzel, The Joker
Exibições 80
Palavras 3.253
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Luta, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi Tartaruguinhas,
Gente eu estou tendo umas semanas um pouco agitadas,
Estou meio desmotivada e sem criatividade,
Eu tenho algumas provas semana que vem e alguns trabalhos para fazer,
E eu preciso saber se vocês realmente querem que eu continue com a fic,
Então por favor me digam se estão gostando, me digam se vocês acham que eu preciso mudar alguma coisa, sugestões etc.
Mas enfim, era esse o meu recadinho!
Boa leitura amores!!!!!

Capítulo 22 - Worried


Fanfic / Fanfiction A Mad Family - Capítulo 22 - Worried


Lucy P.O.V:
    Ao me despedir de Clint continuo andando até minha casa.
    Chegando em frente ao portão eu grito para o porteiro para que ele abra o portão, ele rapidamente o faz e eu ando normalmente até a mansão.
"Mãe?" Chamo entrando na casa.
    Ninguém responde então eu ando até a sala e a encontro deitada no sofá dormindo.
    Me aproximo dela e começo a dar tapinhas no braço dela para acorda-la.
    Faço isso até ela acordar e olhar para mim.
"Palhacinha? O que foi?" Pede ela sonolenta enquanto se espreguiçava.
"Acorda! Eu preciso te contar 2 coisas importantes" Falo sentando ao lado dela.
"Acordei!" Diz ela se levantando com um sorriso e com uma cara de disposição.
"Tudo bem,  primeira coisa é que eu e o Clint..."
"Espera! Não fala! Vocês estão namorando né?" Pede ela me interrompendo.
"Sim" Respondo com um sussurro.
    Ela solta um gritinho que ela abafa com suas mãos e começa a fazer uns sons esquisitos e a sorrir, esquisita.
"Doida" Digo para ela que para de ter seu ataque de felicidade e se controla.
"OK, eu tô bem, mas agora o que mais você quer me contar?" Pergunta ela um pouco mais séria, porém ainda sorrindo.
"Bom..." Começo, mas me interrompo no meio da frase.
Não,
não preocupe ela com isso,
ela está grávida,
ela não precisa saber,
isso vai incomodá-la demais.
    As vozes começam a sussurrar para mim essas palavras, elas parecem se preocupar, elas estão certas.
"Não, não é nada" Completo séria.
    Ela me olha um pouco desconfiada, mas depois dá de ombros e se levanta.
"Aonde você vai?" Pergunto para ela.
"Dormir...Se o seu irmão deixar, ele tá literalmente me arrebentando por dentro!" Diz ela colocando as mãos em sua barriga e andando até as escadas que a levará até o segundo andar onde ficavam os quartos.
    Fico sentada no sofá pensando naquela maldita ligação.
Assustada?
Bebê Chorona, deveria ter vergonha de ficar com medo de uma ameaça boba como essa!
Hahahahahahahahahahahaha
♪ ♫ Bebê Chorona! Bebê Chorona! ♪ ♫
"Calem a boca!" Sussurro para as vozes que cantarolavam em minha cabeça.
♪ ♫ Bebê Chorona! Bebê Chorona! ♪ ♫
"Calem a boca!" Digo com minha voz um pouco mais alterada.
♪ ♫ Bebê Chorona! Bebê Chorona! ♪ ♫
"CALEM A BOCA!" Berro completamente irritada.
    ...
    Elas param de cantar e se acalmam, minha cabeça começa a doer muito então me levanto e vou andando (praticamente cambaleando) lentamente até a cozinha.
    Chegando no aposento vejo o Coringa e entrando em casa, parecia um pouco cansado, e eu percebi que estava com alguns hematomas e algumas partes de seu terno roxo estavam rasgadas.
    Ele pareceu não notar minha presença até eu andar até a geladeira e pegar uma garrafa d'água.
"Como foi o trabalho?" Pergunto para ele em voz baixa.
    O Coringa olha para mim e sorri.
"Incrível, é muito divertido brincar com o meu melhor amigo, o Morceguinho"
    Me permito sorrir por uns três segundos, e então ele some, minha dor de cabeça parece piorar.
"Tudo bem com você?" Pede o Coringa curioso.
"Sim, é, é só dor de cabeça" Digo tomando a água que havia pegado.
"Vozes?" 
"Sim, mas como você..."
"Também tenho esse problema, assim como a sua mãe, você se acostuma" Conta ele andando até seu quarto.
    Pensei em contar para ele sobre a ligação, mas ele provavelmente iria rir, então fico quieta, sentada em cima da mesa da cozinha, olhando para o nada e pensando em nada.
    Fico assim por mais ou menos uns 15 minutos, mas meu sono me vence então vou até meu banheiro e tomo um banho quente e então vou dormir.


No dia seguinte
    Acordo cansada, mas como hoje eu tenho que ir para a escola eu vou me arrumar.
    Visto uma calça preta rasgada nos joelhos, uma bota preta, uma regata roxa e uma jaqueta de couro.
    Passo uma base, um rímel e um batom roxo escuro, e prendo meus longos cabelos verdes em um rabo de cavalo.
    Pego minha mochila e vou até o galpão,tinha deixado meu carro no Shopping, porque eu preferi vir caminhando e conversando com Clint então eu vou até a sala que Papai havia preparado para meus capangas.
    Chegando lá Christian Simmon (Sabe  aquele capanga moreno, meu braço direito) vem em minha direção.
"Chefe" Diz ele com a voz abafada por causa de sua bandana roxa, que cobria sua boca, como sempre.
"Eu quero que você vá lá no Shopping, pegue meu carro e o traga aqui" Digo jogando as chaves para ele.
"Sim Chefe" Então ele se retira.
    Saio da sala e ando até o portão, fico esperando Chris chegar com meu carro.
    Depois de 7 ou 8 minutos esperando ele aparece e desce do carro me entregando a chave.
    Eu, então, simplesmente entro no carro e dirijo até a escola.
    Chegando em frente ao prédio eu estaciono meu carro e as vozes começam a gritar:
Pare com esse drama com a ligação!
Eles não precisam saber!
Eles não vão gostar de saber!
E nem querem saber!
"Arg! Eu mereço" Falo para mim mesma saindo do carro.
    Entro na escola normalmente ignorando todos que passavam e olhavam para mim.
"Lu!" Chama Alexa correndo em minha direção.
"Alexa, o que foi?" Pergunto olhando para ela que parecia muito animada e irritada ao mesmo tempo.
"Sabe o riquinho?" Pede ela arfante.
"Damian?" 
"Sim, então, ele vai estudar na mesma sala que a gente!" Conta ela com uma expressão esquisita que eu me esforçava para entender.
"Tá, e daí?" Pergunto sem entender ela.
"Vem, vamos lá incomodar ele!" Diz ela me puxando.
"Ai meu Deus sua louca!" Digo enquanto ela me arrastava até a sala de aula.
    A morena me puxa por um corredor comprido e lotado de corredores, seguimos por esse caminho até eu conseguir ver um jovem, a criança estava a uns 3 metros a nossa frente.
    O garoto que se encontrava sentado em um banco de madeira lendo um livro tinha aparentava ter no máximo 14 anos de idade, ele estava concentrado em sua leitura, tanto que não reparou que eu Alexa estávamos o observando.
    Alexa desvia o olhar do menino e olha para trás, o motivo era que Judy e Nox se aproximavam sorrateiramente, e ficam paradas ao nosso lado olhando para o menino.
"Quem é aquela cria desgraçada?" Indaga Nox olhando na direção de Damian.
    Olho para o menino e respondo zombeira:
"Ele é o riquinho"
    Judy olha para mim e depois para o menino com uma expressão de dúvida no rosto.
"Ele é o filho de Bruce Wayne?" Pede ela.
    Alexa concorda com a cabeça e depois olha para Judy e pergunta:
"Cade a menina loba?"
    Nós escutamos alguns ruídos atrás de nós e nos viramos para ver uma enorme loba preta de olhos castanhos andando até nós.
"Quer fazer o favor de se transformar em uma pessoa! Você está na escola" Diz Nox fingindo estar brava.
    A Loba pende sua cabeça para o lado e fica olhando para as asas de Nox, mas depois de um tempo ela simplesmente se levanta e volta a ser um ser humano normal (que tem orelhas de lobo no topo da cabeça e uma longa cauda né).
"O que eu perdi?" Pede Duda.
    As meninas e eu apontamos para Damian, que ainda não havia desviado os seus olhos do livro que estava lendo.
"Oh, o riquinho" Diz a Menina-Loba com uma voz calma.
    Duda se transforma em loba novamente e fica encarando o menino por um tempo, e então se transforma em humana.
"Suspeito" Sussurra ela para si própria.
"O que é suspeito?" Pergunto confusa.
"Ele, ele parece querer alguma coisa, uma informação, mas algo me diz que ele não vai a achar em seu livro" Conta a Menina-Loba em voz baixa.
    Todas as meninas olham para a menina curiosas e confusas então Judy pergunta:
"Como você sabe?" 
"Instinto de loba, mas eu não sei o que ele quer" Responde ela olhando para o menino que estava concentrado em seu livro.
    Olho para Damian que parece ter percebido nossa presença e olhava para nós com uma expressão estranha, como se não estivesse com medo, mas estivesse preocupado.
"Que se foda" Digo andando até ele.
"Lucy, espera!" Chama a Menina-Loba em vão.
    Eu já estava em frente ao garoto e estava pronta para brincar com ele quando as meninas chegam ao meu lado e Alexa sussurra em meu ouvido para que só eu escutasse:
"Cuidado com o que você vai falar sua louca"
"Tá, que seja" Sussurro para ela.
"É sério" Diz ela.
"Oh, espiãozinho!" Digo para Damian que levanta o seu rosto para olhar para mim.
"Falou comigo?" Questiona ele sério e frio.
"Não, falei com o banco!" Respondo irônica.
"O que você quer?" 
"O que importa aqui não é o que eu quero é o que você quer" Falo apontando para o rosto dele.
"Eu não quero nada!" Exclama o menino.
    Neste momento Judy se aproxima e toca a testa do menino, como se estivesse absorvendo informações, porém Damian se afasta irritado.
"Ei! Eu não terminei! Seu pai não te ensinou boas maneiras?" Pede Judy irritada.
"Sim, mas e os seus?" Questiona Damian igualmente irritado.
"Meus pais foram mortos na minha frente a 12 anos atrás" Conta Judy sorrindo.
    Damian fica mudo por um tempo e abaixa a sua cabeça envergonhado dizendo:
"Me desculpe, eu não sabia" 
"Eu sabia, e eu tô pouco me fodendo se eles morreram ou não" Fala Judy indiferente.
    Depois Judy vem do meu lado e murmura:
"A Menina-Loba tá certa, ele quer alguma coisa, mas ele não me deixou ver o que era" 
"Tudo bem"
    Então Alexa, que ouviu o que Judy disse fala:
"Meninas, vamos, eu acho que já deu por hoje" 
"OK, vamos" Concorda Duda que provavelmente também tinha escutado o que Judy disse.
    As meninas andam para a sala de aula e eu as sigo, olhando uma ou duas vezes para Damian que nos acompanhava com o olhar como se nos analisasse, da mesma forma que Duda olhou para ele anteriormente, porém ele dá de ombros e volta a ler seu livro.
    Continuo seguindo minhas amigas que andavam até onde um grupo de meninas estavam conversando.
    As garotas que lá estavam ao nos ver saem de perto cochichando e rindo, mas ninguém se importou e então Alexa pergunta:
"Judy, sabe o que ele quer?"
"Não, mas a Menina-Loba tá  certa, não parece ser alguma coisa que ele vá encontrar no livrinho dele" Comenta Judy brincando com seus cachos enquanto se apoiava em um dos armários.
"Que merda!" Xinga Alexa irritada.
"Quer saber, que se foda o que ele quer, ele é só uma criança" Falo me irritando.
    Minhas amigas se entreolham por um tempo e concordam, mas a curiosidade vence Nox e ela pergunta:
"Tá, eu sei que a gente não deveria ligar, mas alguma de vocês sabe alguma coisa sobre aquela criança?"
"Bom, eu sei que ele é um prodígio" Comenta Judy "Mas eu só sei isso mesmo"
"Alguma coisa da família dele?" Questiono ficando curiosa.
"Ele é filho do bilionário Bruce Wayne, eu não sei quem é a mãe dele, mas eu sei que ele tem 3 "irmãos adotivos", por assim se dizer e uma meia-irmã" Conta a Menina-Loba olhando para o nada.
"Quem são os ''irmãos adotivos'' e a "Meia-irmã" dele?" Pergunto fazendo aspas com as mãos.
"Eu não conheço os irmãos, mas a meia-irmã dele se chama Helena Wayne" Fala Duda olhando para mim.
    Helena Wayne, Helena Wayne, Helena Wayne, onde foi que eu já escutei esse nome? Lembro que minha mãe falou dela uma vez e alguma coisa sobre a Mulher Gato.
"Já ouvi esse nome, mas não conheço ela" Digo para mim mesma em voz alta.
    Quando comento isso o sinal toca e nós andamos até a sala de aula.
    Chegando lá vemos Damian sentado em uma das primeiras mesas da sala.
"Mas o que você pensa que está fazendo aqui?" Indaga Nox para o menino.
"Eu vou estudar aqui" Responde o garoto sério.
    Eu começo a rir descontroladamente e o garoto olha para mim com uma expressão assustada, parecia temer minha risada então eu paro de rir aos poucos.
"Você não deveria ir estudar com os outros menininhos ricos dessa merda de escola?" Pergunto séria e assustadoramente.
"É que eu..."
    Quando ele iá responder o Sr. Spencer entra na sala de aula seguido pela Sra. Stefen (a diretora do colégio) e todos na sala olham para eles que ao verem todas as meninas ao redor da mesa de Damian o Sr. Spencer diz, ou melhor, grita:
"Parem de incomodar o aluno novo! Ou dou zero para todas vocês!" 
    Eu e as meninas nos entreolhamos por um tempo, reviramos os olhos e vamos nos sentar no fundo da sala.
"Alunos e alunas, acho que já perceberam que há um aluno novo com vocês na turma" Conta a Sra. Stefen sorrindo alegre e carinhosamente.
"Grandes Merda!" Grita Chuck que estava com seus pés em cima de sua mesa.
"Sr. Collins, me respeite e tire esses seus pés de cima de sua mesa!" Diz a Sra. Stefen muito irritada.
"Não tô afim" Fala Chuck a provocando.
"Enfim, esse aluno se chama Damian Waye e ele..." Continua a Sra. Stefen ignorando Chuck.
    Ela continua seu blá, blá, blá e eu cutuco Clint, que estava olhando para o teto completamente entediado.
"Seu sobrenome é Collins?" Pergunto tentando segurar uma gargalhada.
"Sim, Clint Collins, dá pra ver porque que eu não te contei" Diz ele zombando seu próprio nome.
"Não é tão ruim" Digo pegando sua mão e entrelaço meus dedos nos dele e sorrio.
    Depois de uns 20 minutos falando a Sra. Stefen vai embora e o Sr. Spencer começa a dar sua tediosa aula.
    O dia foi um saco, como sempre e o Sr. Spencer só liberou Damian para o recreio, o que é injusto, mas eu não ligo.
    Então a aula termina e eu vou para casa.
    Chegando em casa eu estaciono o carro de qualquer jeito e vou até o galpão, não estava com fome então nem me preocupo em ir almoçar.
    Como sempre o galpão estava com sua aparência de cassino, o cheiro de fumaça de cigarros pelo ar, vários capangas passando de um lado para o outro conversando e olhando para mim de vez em quando, vejo Chris em um canto do aposento, ele conversava com meu pai, não decido me meter na conversa e continuo meu caminho até a Sala de Treinamento, porém, quando estava abrindo a porta que dava acesso para a mesma sinto um toque gélido em meu ombro. Era o Coringa.
    Me viro para encara-lo, ele sorria, era um sorriso assustador e macabro, mas levemente ansioso e entediado.
"O que você quer?" Questiono olhando nos seus olhos, que como Harley havia dito eram iguais aos meus.
"Você precisa ser mais má"
"O que você..." Começo a questionar mas sou interrompida por ele que tapa minha boca com sua mão, me impedindo de falar.
"Você não tem permissão de falar ainda" Fala ele sério "Entendeu?"
    Como não me atrevo a falar nada simplesmente concordo com a cabeça.
"Ótimo, agora, não é porque você fez um crime que agora você pode descançar, veja eu por exemplo, é claro, você não pode se comparar comigo até porque eu sou o Rei e você não passa da Princesa" Ele se enterrompe e solta uma gargalhada, minhas pernas bambeiam por um segundo, aquela risada era uma risada alta, rouca, divertida e assustadora ao mesmo tempo, ele tenta se controlar e aos poucos sua gargalhada se torna uma risada, e sua risada se torna um sorriso "Onde foi que eu parei mesmo?...Oh, é mesmo, você precisa ser mais como eu e menos como...Como, que seria um bom exemplo?...Oh, como a Bichana, por exemplo, só fica roubando bancos quando ela precisa de dinheiro para comprar leite para os gatinhos dela" Ele ri de seu próprio comentário e então ele pergunta "Você quer ser uma vilã como eu?"
    Como ele não tinha me dado permissão para falar eu continuo quieta.
"Que menina bem criada que você é" Diz ele rindo "Mas agora eu deixo você responder a minha pergunta" 
    Ele então retira sua mão de meu rosto e eu respondo firmemente:
"Quero" 
    Ele me encara sério por um tempo, mas depois em questão de um segundo, sua expressão muda de sério para contente e sorridente.
"Perfeito, mas se você quer isso tem muito o que treinar, então, seja mais ativa" Fala ele enquanto andava até as escadas que o levarão para o segundo andar do galpão.
    Quando ele desaparece nas escadas eu me permito respirar tranquilamente, era esquisito como um homem poderia ter um sorriso tão...Sei lá, intimidador? Não sei se existe uma definição correta.
    Me recupero da conversa e vou treinar, fico confinada na Sala de Treinamento até as 7 da noite.
    Quando estava indo para a mansão encontro Harley alimentando Bud e Lou.
    Ela vestia uma blusa roxa, que ficava incrivelmente grande nela (provavelmente ela pertencia ao Coringa).
"Oi mãe"
"Palhacinha, você não veio almoçar hoje?" Pergunta ela enquanto acariciava a cabeça das hienas.
"Não, não tava com fome" Respondo andando até ela.
    Sua barriga estava muito grande, ela percebe que eu olhava diretamente para sua barriga e fala:
"6 meses"
"Grandão" Digo para meu irmão "Só não se atreva a querer roubar meu lugar, a favorita aqui sou eu!" 
"Ciúmentinha né?" Questiona Harley rindo.
    Abro minha boca para falar alguma coisa, mas não tinha argumentos então a fecho novamente e concordo com a cabeça.
"Vem, vamos comer alguma coisa" Harley pega minha mão e me leva até a cozinha.
    Nancy estava servindo o jantar, ela havia preparado uma macarronada então não demoro para me servir.
"Mãe" Chamo ela enquanto colocava uma garfada de macarrão na boca.
"O que foi Palhacinha?"
"Você acha que o Jay vai ser mais parecido com o Papai ou com você?" Questiono com a boca cheia.
"Não sei, isso na verdade não me importa, o que importa é que ele é meu filho e seu irmão, não importa a aparência" Fala ela se servindo.
"Eu quero que ele seja parecido com você, já não basta eu ter a pele cor de giz e o cabelo verde" Digo rindo.
"Verdade, mas por falar no seu pai, ele está esquisito ultimamente" Comenta Harley se sentando ao meu lado.
"Ele é esquisito" Digo comendo meu macarrão.
"Eu sei, mas ele parece, sei lá, ansioso, ele deve estar planejado uma Piada ou coisa assim" Fala ela sentando-se ao meu lado.
"É deve ser isso" Comento pensativa
    Depois de jantar vou tomar um banho, um longo e relaxante banho.
    E como estava exausta deito em minha cama e fico pensando em algumas coisas que me preocupavam.
    Preciso relaxar, ultimamente tenho pensado muito naquela ligação, algo nela me preocupava, não tenho medo de seja lá quem for a pessoa que estava do outro lado da linha quer, não ligo se ele quer me matar, o fato de não ter contado para ninguém me irritava, precisava contar para alguém, mas não vou fazer isso, é bobeira, uma piada.
    Não é só isso que me preocupa, me preocupa o fato de eu precisar ser "mais má", mas por hora, eu vou relaxar um pouco.
    Estou também preocupada com aquele moleque, Damian, não sei o que ele quer, mas ele quer saber algo, eu sinto isso.
    Meus pensamentos são interrompidos pelo meu sono que vem se aproximando lentamente, e depois toma conta de todo meu corpo e eu adormeço.


Notas Finais


Bom é isso.
;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...