História A Mafia Coreana - Capítulo 13


Escrita por: ~

Visualizações 141
Palavras 1.952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Festa, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá armys
Boa leitura armys!

Capítulo 13 - Just a normal day


Com o dia mais ensolarado de todo o mês, tivemos a ideia extraordinária de sair como pessoas normais e irmos até um clube para beber e conversar sobre as coisas da vida. Fazia algum tempo desde a terrível e sangrenta festa que Hoseok deu, ele ficou três dias se desculpando devido aos acontecimentos ocorridos sendo que a maioria de nós nem estava mais com raiva do nosso amigo alaranjando. 

Era diferente o fato de irmos tomar bebidas alcoólicas no meio da tarde de um dia de sol, a maioria dos indivíduos sairia e se encaminharia até a praia mais próxima, contudo a máfia que só se vestia com roupas pretas não parecia gostar muito do ambiente de areia, que era extremamente desgostoso, de acordo com Jimin. 

Durante os últimos dias venho estranhando a falta de problemas em minha vida conturbada, tudo encontrava-se muito calmo, muito leve e fácil. Sei que a qualquer momento de deslize, poderíamos acabar todos com uma bala presa dentro de nossos crânios. Sempre saia de casa com duas armas e carregamento, não confiava mais na vivência sem acontecimentos. 

Até o mínimo barulho me fazia ficar em alerta, virava minha cabeça até para as crianças que pisavam nos finos gravetos do chão. O menino de cabelos prateados já me avisou que eu parecia um pedófilo assassino ao fazer isso, porém não me importava. A nossa segurança estava em primeiro lugar. 

— Chegamos! — avisa Jin levando o grupo inteiro a olhar o grande imóvel que possuía uma entrada com seguranças na frente. — Gostei do lugar, parece ser de gente com dinheiro.

— Só deve ter as pessoas que cagam dinheiro lá dentro. — murmura Yoongi com sua mão sobre os olhos tampando-os do sol. 

— É por isso que estamos indo 'pra lá. — diz Jungkook sorrindo. 

— Cala boca, você 'tá usando uma blusa roubada e fica se pagando de rico. — o moreno responde e sai andando até o local. O mais novo põe sua mão sobre seu peito fingindo estar abalado pela fala do outro, vou até o menino e ponho minha mão em seu ombro. 

— Pelo menos, a blusa fica bonita em você. — digo e saio andando, só ouço o som dos sapatos batendo contra o chão e o de cabelos castanhos escuros encontrava-se do meu lado esquerdo.  

Perto da entrada, os seguranças nos olham de cima a baixo, não nos deixaram entrar de primeira com receio de sermos pessoas normais. Namjoon que encontrava-se atras de todos se posicionou na frente, assim que os homens coloram seus olhos no chefe, pediram perdão por duas ações e deixaram que nosso grupo entrasse. 

O local era escuro com música alta e luzes piscando, várias pessoas conversavam e riam entre si aproveitando o clima que o ambiente lhes trazia. Nos sentamos em uma mesa próxima ao bar. 

— Aqui não é tão ruim assim. — disse Hoseok se largando em umas das cadeiras. 

— Já vi melhores. — comenta Jin apoiando sua cabeça em sua mão.

— Tenho certeza que deve ser um daqueles clubes swing. — Namjoon fala olhando o bar e decidindo qual bebida iria tomar. 

— Desculpa, esse tipo de entretenimento é só você que gosta. — retruca o de cabelos rosados lançando um olhar mortal na direção do outro que finge não ter ouvido. 

— Esses lugares são ótimos 'pra quando você já tentou de tudo na vida. — diz Jimin que tinha uma cerveja na mão, como ele a pegou, nunca saberei. — Quando já tiver feito todas as posições existentes, vá a um swing. 

— Isso é uma boa ideia, mas para você ter feito todas as posições de sexo, precisa ser muito 'transante. — digo pensando nas posições que já havia feito em minha vida e quantas ainda existiam. 

— Você não é virgem? — pergunta Jungkook surpreso. 

— Não. — respondo indignado. — Vamos ter um pouco de senso, acharam mesmo que eu era virgem? 

Olhos os rostos de meus companheiros vendo que todos ficaram em um silêncio repentino, isso só faz com que minha raiva aumentasse. 

— Sem comentários. 

— Mas você não veio de uma fazenda no interior? — questiona Jin. 

— Sim, porém vivem humanos lá também, além dos animais. E, por incrível que pareça 'pra pessoas sem noção como vocês, nós temos vontades carnais. — a cada palavra que dizia, meu tom aumentava e me aproximava da mesa, enquanto os outros iam se encolhendo em suas cadeiras. — Bando de idiotas. 

— Você é muito agressivo, devia fazer uma meditação de vez em quando. — Jungkook faz uma sugestão fingindo estar fazendo a meditação. 

— Quem precisa de meditação é você que sai gritando por aí por qualquer coisa. — respondo levantando minhas sobrancelhas. 

— E, qual seriam essas coisas? 

— Que tal a dois dias atrás quando Jimin pegou seu casaco e você fez um escândalo? 

— As roupas são minhas, que ele compre as dele. — diz o menino cruzando os braços. 

— Da próxima vez que você se meter em encrenca, espero que ninguém te salve. — o prateado fala batendo na cabeça do mais novo, que passava sua mão no local atingido.  

— A gente cria o indivíduo, e é isso que recebemos. — Yoongi recita olhando longe e balançando sua cabeça em negação. — Devíamos ter deixado ele em um beco. 

— Gente, vocês não acham estranho que não vem tendo nenhum ataque direcionado a nós ultimamente. — pergunto passando minha mão no meu braço, observando meus arredores. Sentia olhos em cima de mim. 

— Taehyung, nem todo mundo não gosta da máfia. — Hoseok tenta explicar entretanto acaba se corrigindo. — Na verdade, todo mundo nos odeia, mas não é sempre que teremos agressões ocorrendo. 

— Você que pensa. — Jin interrompe. — De acordo com uma estatística que fiz, dos sete dias da semana, temos problemas em seis deles. 

— Esquece tudo o que eu acabei de te falar. — dita o alaranjando.

— Só peço que mantenham atenção ao o que acontece, pode surgir alguém tentando fuder com o nosso grupo até do teto. — o chefe da uma pequena dica, mesmo não precisando estar em seu papel. 

Continuamos conversando, até que chega um momento que todos já estavam cansados e queriam ir para casa. Pagaramos tudo que consumimos e nos dirigimos até a saída, quando as portas foram abertas, naves com armas gigantes, centenas de homens vestidos com armaduras brancas estranhas e armamento pesado apontado na nossa direção, possuía três tanques no final da rua. Ao mostrarmos nossas faces, todo o armamanrto foi apontado até nós. 

— Voltem para dentro! — grita Namjoon fechando a entrada e correndo novamente dentro da balada. 

Passávamos rapidamente entre as outras pessoas do local, esbarrando e empurrando muitas das vezes. Alguns caiam no chão e outros nos xingavam por termos derrubado suas bebidas, todavia acho que no momento, nossas vidas eram certamente mais importantes que álcool. 

Sabia que no momento que estivéssemos mais despreparados, algo deste tamanho ocorreria. Retiro minhas armas da cintura e atiro em alguns inimigos que encontrava. Yoongi que direcionava todo o grupo, para por alguns segundos e olha todos os lados analisando se tinha uma saída, entretanto ele põe seus olhos na porta da escada que levava até o teto.

— Vamos 'pro teto! Agora! — grita e toma dianteira na nossa fuga, sou o último da fila seguindo logo atras de Jungkook que me olhava preocupado de vez em quando. 

Saio protegendo minhas íris do sol com o meu braço, no momento em que a minha visão se adapta, vejo Jin andando freneticamente com ambas as mãos em seus cabelos. Faço questão de trancar a porta com o cadeado solto que tinha do lado. 

— Eu não tenho a mínima ideia da identidade desse exército e o motivo de estarem nos perseguindo! — fala o de cabelos rosados em pânico. 

— Não era somente um exército, também tinha tanques e jatos modernos. — recita Jimin com seus braços cruzados. — Não sei o motivo de estarem atras de nós, somos somente uma máfia de merda. 

— Exato. — digo me aproximando da roda. — Somos um bando de meninos sem noção e eles vem como se fossemos os maiores criminosos já existentes. 

— Talvez tenham reconhecido que somos bons e uma certa ameaça a eles. — sugere o mais novo ali levantando os ombros. 

— Claro que não! — Hoseok se pronuncia com uma expressão sarcástica. — A gente foi buscar um 'cara que mora em um lugar abandonado e passou a maior parte da sua vida treinando, além de que você levou uma bela surra. Se isso é ser um mafioso de primeira linha, não sei mais nada sobre a vida. 

— Se acalmem. — Namjoon fala pela primeira vez desde que nos mandou correr. — O que devem se preocupar agora é como iremos sair daqui com vida, e não sobre quem são os indivíduos que desejam a nossa morte. 

— Chamarei alguém da máfia para vir nos pegar de helicóptero o mais rápido possível. — Jin avisa pegando seu celular e discando o número, do nada começamos a ouvir um barulho alto de motor, no fundo da paisagem era possível ver os jatos se aproximando com alta velocidade.

— Fodeu 'pro nosso lado. — murmura o de cabelos pretos retirando algumas pistolas que tinha no cinto. — Bem no dia em que deixei as minhas melhores armas no apartamento. 

— Os segurem o máximo que podem enquanto os chamo. — dita o mais velho correndo onde poderia ficar escondido. 

Sinto as balas enormes passarem de raspão contra minhas vestes, as naves voavam perto de nossas cabeças, sentia os fios finos do meu cabelo ricochetearem contra o ar. Começo a tentar atirar em pontos onde acho que seria o tanque dos jatos com o objetivo de os explodir, entretanto era difícil por estar me movimentando a vários lugares impedindo que fosse acertado. Há um momento em que finalmente consigo derrubar uma das naves de modo com que está caísse e explodisse atingindo parte do inimigo na rua, os meninos veem o que eu estava fazendo e tentam reproduzir. Vários dos objetos voadores caiam sem parar, no entanto, quanto mais derrubávamos, mais vinham ao nosso encontro. 

Vejo que todo o meu carregamento tinha acabado, e só me restavam pouco menos que três balas no revólver, só poderia usá-lo em algum estado de emergência suprema. Noto como todos encontravam-se nervosos, nunca tinham enfrentando uma situação com tal magnitude na sua carreira de criminosos. 

Uma das aeronaves direciona suas grandes armas a uma certa pessoa de cabelos castanhos escuros, entro em um estado de paralisia e medo ao ver que Jungkook viraria pó. Corro até o menino e me jogo em cima de si, os tiros passam e atingem o outro prédio. Pego o meu revólver que possuía as últimas balas e as atiro contra o jato, que por fim, acaba explodido no pavimento. 

— Presta atenção no que ocorre ao seu redor, por favor. — peço ainda com minhas mãos em sua cintura fina, ele semicerra seus olhos de raiva. — Estou cansado de ficar o salvando o tempo todo. 

— Você consegue ser chato até quando não dá, incrível. — diz como se estivesse descobrindo algo extraordinário. Ambos nos levantamos e nós encaminhamos até o centro onde os nossos companheiros estavam. Todo o grupo se encontrava com as costas coladas, os que ainda obtinham balas, as atiravam, nada que lhes desse muito tempo. 

— Jin! Se eles não chegarem agora, não existirá mais a máfia coreana! — Eu grito jogando meu revolver no rosto de um dos homens de armadura branca que tentou subir com uma escada. 

— Eles finalmente chegaram! — grita Jimin apontando. 

— Como entraremos lá dentro? — questiona Jungkook batendo a cabeça de um dos oponentes contra o seu joelho. 

— Temos que pular lá dentro! — grita o rosado tomando distância e pulando dentro do helicóptero, fazemos o mesmo que ele entrando dentro do lugar um pouco mais seguro. Enquanto fazíamos a nossa fuga vergonhosa, os membros que vieram fazer o resgate atiravam nas aeronaves inimiga. Teríamos muito o que discutir quando chegarmos na base, pois além de Syndicate, agora temos um exército inteiro na nossa cola. 


Notas Finais


kjkkkkgente eu não tenho foco para dias de postar, a semana inteira me deu preguiça de fazer tudo.

Mas, pelo menos postei capítulo eineinein
o título pode ter feito com que vocês pensassem que era só uma parte normal da história e PAH

Estejam sempre preparadas
kaka de pássaro

Eu acho que o cap está bem ruim coco chato, mas foi necessário, me desculpem eu to com muito sono mesmo.

Muito obrigada por terem lido
espero que tenham gostado
xoxo, sarrah


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...