História A Magia Que Nunca Foi Falada - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Exibições 4
Palavras 2.611
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Magia
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Até o proximo, surprezinha no final da primeira parte da historia bjs

Capítulo 21 - Desconfianças e a Chagada a Vila parte 2


Fanfic / Fanfiction A Magia Que Nunca Foi Falada - Capítulo 21 - Desconfianças e a Chagada a Vila parte 2

 

Desconfianças e a Chegada à Vila Parte 2.

Mãe!.---disse Carol indo em direção a Ingrid abraçando-a, assim como seus primos as suas mães, Thomas e Lucas foram levados pelos Aurores para suas famílias, que na qual moravam um pouquinho longe dali, a Sra. Toledo também reencontrou sua família, já os três meninos estavam no Ministério da Magia, numa sala desacordados segundo ordens do Sr. Johnson, estavam assim desde que eles se aproximaram da entrada da vila, pelo fato do Sr. Johnson não confiar neles, colocou-os para dormi até que resolvesse tudo com os outros já que ficou responsável por eles, depois do almoço Johnson e Ercto foram visita-los.

Olá, boa tarde!.---disse Ercto aproximando-se dos seis, que estavam sentados nos banquinhos que havia no meio da pequena vila de casas.

Boa tarde, Sr. Ercto e Sr. Johnson.---disse Carol sorrindo.

Olá.---disse Erik.

Sr. Ercto já sentiu saudade?.---perguntou Ezzio.

Também, mas viemos por que queremos falar algo importante para vocês.---disse Ercto ficando de frente para eles.

Seja o que for pode contar com agente!.---disse Fabricio e todos  falaram um “É!!!”.

Isso que me preocupa...---disse ele baixinho na qual só Victoria ouviu.

Muito bem, é um seguinte.---disse Johnson sentando na frente deles.---Assim como vocês nos também não confiamos naqueles garotos, então eu falei com o Sr. Black que é o chefe dos Aurores, e ele e os demais concordaram deixa-los sobre vigilância.

Interessante.---disse Raphael.---E quem vai vigia-los.

Se eles estão aqui por algum motivo, esse motivo é vocês.---disse Johnson.

Por que?.---perguntou Fabricio.

Por que talvez, Yorchi descobriu de quem vocês são parentes, talvez eles estejam aqui para descobrir alguma coisa da vila, e já que o Sr. Nunes era um dos principais Aurores desta vila, ele sabia coisas demais, coisas essas que com um tempo vocês vão saber.---disse Johnson.

Então vai ser agente que vamos vigia-los?.---perguntou Carol.

Sim, por que o principal interesse deles é em vocês.---disse Ercto.---Mas alguns de vocês vão vigia-los diretamente e outros indiretamente.

Como assim?.---perguntou Raphael franzido o cenho.

Não falamos nada para seus pais, mas o avô de vocês lhes deixou uma casa.---disse Ercto e ouviu um “UAU!”, fazendo-o sorrir.---Pois é ele lhes deixou uma casa igual aquelas que ficam nas arvores, vamos falar que não há casas disponíveis, para eles ficarem e como a casa é de vocês vão sempre estar indo lá até mesmo dormindo nela.

Com certeza eles iram pensar que fizemos um favor a eles, quando na verdade também fizemos a nos.---dizia Johnson.---Eles com certeza vão tentar se aproximar de vocês, então tentem descobrir coisas, mais não tão na cara tudo bem?

Sim!.---disse todos.

Mas e os outros que não conseguirem se aproximar deles?..---perguntou Raphael.

Vigiaram eles indiretamente entenderão?.---perguntou Ercto.

Sim!.---disse todos.

Ótimo.---disse Johnson.---Agora Victoria você vem comigo pois o Sr. Black que vela, enquanto vocês, Ercto vai mostrar os pontos principais da vila e onde Lucas e Thomas moram ok.

Sim.---disse todos.

Sr. Johnson eles dois sabem o que o Sr. nos falou?.---perguntou Fabricio.

Sim, com certeza.---disse Johnson por fim.

Saindo dali o Sr. Johnson levou Victoria diretamente para a frente do  Ministério da Magia, onde um homem alto, forte de semblante serio e de olhos castanhos que demonstrava bondade lhe aguardava em pé, era ninguém menos que Diadem Black.

Victoria esse é o Sr. Black.---disse Johnson.

É um prazer Senhorita Nunes.---disse o Sr. Black estendendo a mão.

Igualmente Sr. Black.---disse Victoria apertando a mão do mesmo.

Bom eu vou indo, pois há algumas coisas que precisam se arrumadas na casa, mas tarde virei busca-la.---disse Johnson se despedindo.

Vamos dá uma volta?.---perguntou o Sr. Black e Victoria confirmou com a cabeça.

Senhorita Nunes, eu cheguei a conhecer o seu avô e o pai dele, homens de coragem que deram sua vida, para proteger muitas vidas e principalmente a sua família.---dizia Black para Victoria que lhe escutava com atenção.---E é uma honra conhece-la.

Muito obrigado Sr. Black, mas não entendo o que fiz para ser uma honra o Sr. me conhecer?.---perguntou Victoria.

Você nasceu...---disse o homem parando e virando-se para ela.---Você ensinou os seus primos há acreditarem em magia, mesmo depois de uma certa idade...sempre falaram que você era diferente, estranha...especial não é?.---perguntou e ela fez que sim com a cabeça.---Na hora certa ira descobrir o por que, eu quis mostra-lhe a vila por que além de ser o chefe dos Aurore e o Ministro da Magia, pertenço uma família que assim como a sua, sempre protegeu algo muito importante e com a chegada de seus “amigos”, você principalmente terá que saber de algumas coisas, coisas que será necessário, principalmente se eles forem a ameaça que achamos que são, você compreende?.

 

Sim Sr.---disse ela confirmando com a cabeça.---Mas que tipo de coisas?.

 

Com o tempo você irar descobrir...---disse o Sr. Black por fim, Victoria ficou curiosa, todas falavam isso, mas não diziam o que era, depois dessa conversa o Sr. Black mostrou-lhe varias partes importantes na vila, partes também que só os Aurores e algumas pessoas sabiam que existiam, por questão de segurança, o Sr. Black a levou até mesmo ao pico dos Hipogrifos, que eram usados como transporte para os bruxos e bruxas da vila, e pelos Aurores também para fazer missões, lhe mostrou quase toda a extensão da vila e Victoria viu até onde seus olhos poderiam chegar, que ela era toda murada chegando a ter quinze metros de altura ou até mais, cheia de encantamentos, o Sr. Black lhe informou que a sua matricula junto com a de seus primos já havia sido feita, por ela já ter dezenove anos faria seu ultimo ano e depois como desejava, iria para a Academia de Aurores, e pela idade seus primos iriam para o segundo ano, voltando já para o Ministério Victoria lembrou-se de algo.

Sr. Black quem eram aquelas meninas e o menino, que estavam atrás de nos mais cedo?.---perguntou ela.

Assim eles fazem parte do grupo chamado Auror mirim, é como se fosse a policia mirim no mundo trouxa...---disse o Sr. Black.

Assim...---disse ela entendendo.

Só que no caso deles, eles participam desse grupo por desejarem futuramente ser torna Aurores, então eles vão vendo como são as coisas, e quando forem para a Academia não desistirem do curso, por achar puxado demais ou perigoso.---disse ele.

Entendi, Sr. Black o que aconteceu com o rapaz que eu acertei com o galho?.---perguntou Victoria e Black riu um pouco pela preocupação dela.

Há sim ele estar bem...---disse Black ainda sorrindo.---Você que velo?.

Se possível sim.---disse ela e o Sr. Black segui-o por outro caminho.

Sr. Gaster é um prazer revê-lo.---disse o Sr. Ercto apertando a mão do homem.

Igualmente doutor.---disse Gaster sorrindo para Ercto.---Então são esses os netos e bisnetos do Sr. Nunes?

Sim, eles mesmos.---disse Ercto, todos eles estavam na loja da família Gaster, os meninos estavam encantados com as corujas que ali tinham, eles nunca na vida tinham chegado tão perto de uma, era cada uma mais linda do que a outra.---Esse aqui é o Fabricio, Carol, Ezzio, Raphael e Erik.

Muito prazer em conhece-lo Sr. Gaster.---disse Carol apertando a mão do homem que sorriu para a mesma.

Igualmente minha querida, é um prazer conhecer todos vocês.---disse Gaster.

Só faltou a Victoria, mas depois agente trás ela aqui, já sabemos o caminho.---disse Fabricio.

Sr. Gaster sua loja é incrível!.---disse Erik.

Muito obrigado.---disse ele gentilmente.

É! Nunca ficamos tão perto de corujas antes.---disse Ezzio.

Querem ver elas mais de perto?.---perguntou ele recebendo um “sim!” como resposta, na mesma hora o sininho na porta tocou avisando que alguém estava entrando.---Sra. Coelho que prazer revê-la.

Igualmente Sr. Gaster, Sr. Ercto.---disse a mulher cumprimentando com um aceno de cabeça, recebendo outro como resposta.

Um segundo Sra. Coelho.---disse Gaster pegando uma gaiola que continha uma grande e linda coruja de pelos brancos.---Lana, Lana! Venha cá por favor.

Estou indo pai.---disse uma voz da parte detrás da loja, logo uma menina de pele morena, cabelos longos e cacheados e olhos castanhos bem claros apareceu era Lana Gaster, filha de do Sr. Gaster.

Minha filha mostre esta coruja para o Sr. Ercto e os jovens Nunes, enquanto atendo a Sra. Coelho.---disse Gaster já indo em direção da mulher e atendendo-a.

Sr. Ercto boa tarde.---disse ela gentilmente, recebendo um pequeno aceno de cabeça, o Sr. Ercto gostava de Lana, ela era muito educada e gentil.---É um prazer em conhece-los.---disse ela, eles começaram a fazer carinho na coruja, diferente dos primos Raphael estava observando Lana que por sua vez correspondia-lhe o olhar, Ercto viu a magia deles, estava como se fizesse uma dança delicada e harmônica, eles souberam na hora que tinham a magia ligada, Ercto e o Sr. Gaster que agora também os observava, ficou feliz por eles, todos ficaram um tempo ali na loja do Sr. Gaster e depois seguiram viagem.

Então que dizer que a filha do Sr. Gaster e o Raphael tem a magia ligada?.---perguntou Fabricio.

Exatamente.---disse Ercto enquanto andava.

Mas eu não entendo Sr. Ercto, não aconteceu nenhuma troca de carinho entre eles.---disse Carol.

Quando a magia é ligada entre um homem e uma mulher não é necessário, basta os dois se verem e saberão que tem a magia ligada entenderam?.---perguntou Ercto e ouviu um “Sim!” como resposta.

Outra pergunta.---disse Erik levantando a mão.---São quatro horas da tarde e tá fazendo um calozão e esse povo tá usando capa, não faz calor não?

Não!.---disse Ercto sorrindo pelo modo como ele falou.---Como as bruxas e bruxos não abrem mão da tradicional capa, ela é fabricada com um tecido que em dia de calor, como hoje, ela é fria e em dia frio ela é quentinha.

Genial!.---disse Raphael, o Sr. Ercto mostrou a eles onde Lucas e Thomas moravam, era numa rua onde as casas demostravam ser mansões, infelizmente eles não estavam lá, seguindo a diante viram também que tinha uma igreja ali, na qual o Sr. Ercto lhes informou que os três filhos do pastor eram nascidos trouxas.

O Sr. Black levou Victoria para ver o rapaz que ela se querer bateu com o galho de uma arvore, antes de adentrar o prédio viu que o nome do hospital era Nicolas Amorim.

Vai descobrir que quase tudo por aqui tem o nome de alguém.---disse Black ao seu lado fazendo sorrir, eles subiram algumas escadas, havia medi bruxos pra lá e pra cá pessoas chegando e saindo do hospital estava movimentado, o Sr. Black foi um pouco a frente e abriu a porta de um quarto na qual ela adentrou, logo deparou-se com o rapaz deitado na cama com a cabeça enfaixada e uma moça que estava sentada ao lado da cama segurando a mão do rapaz, era ninguém menos que Milena Craveiro, filha de um comerciante, a cara dela era de quem chupou limão ou alguma coisa mais azeda e não gostou, com esse pensamento Victoria segurou o riso.

Boa tarde Srta. Craveiro.---cumprimentou o Sr. Black.

Boa tarde Sr. Black.---disse ela mais olhava diretamente para Victoria.

Bom essa é a...---ia dizer o Sr. Black mais Milena o interrompeu.

Victoria Nunes...as noticias correm rápido.---disse ela levantando-se.

É verdade, pode nos dá licença?.---disse o Sr. Black e Milena com um sorriso, que foi totalmente forçado retirou-se.---Desculpe, ela não é muito agradável.

Deu pra perceber...---disse Victoria e aproximou-se da cama, o Sr. Black deu uma olhada no rapaz e retirou-se do quarta pra falar com o medi bruxo.---Oi.---disse ela para o rapaz que havia acordado quando ela aproximou-se.

Oi.---disse ele sentando-se na cama.

Desculpe por isso...---disse pela atadura que estava enrolada na testa dele.---Como você estar? Espero que não seja grave.

Tudo bem...bom você bate forte, mas estou bem.---disse ele sorrindo, pela preocupação dela, olhando-a bem nos olhos.---Posso fazer uma pergunta?.---disse ele e ela fez que sim com a cabeça.---Você também sentiu?.

Senti no momento que você olhou pra mim.---disse ela, ele referiu-se ao fato de sentir que a conhecia a muito tempo, ou seja, a magia que os ligava.

Mais...eu não entendo...---disse ela de cenho franzido.

O que?.---perguntou ele do mesmo modo.

Não aconteceu nenhum tipo de carinho ou algo parecido, como podemos sentir que nos conhecemos?.---perguntou ela.

Bom, até onde eu sei quando a magia é ligada entre um homem e mulher, não precisa haver troca de carinho só basta que eles se olhem.---disse ele.

Ata...e eu sou ligada a você.---disse ela e ele confirmou com a cabeça sorrindo, Victoria não sabia como agir na frente de um rapaz eu acabou de conhecer, e saber que que tem a magia ligada a dele e que com certeza futuramente será seu marido!!!, na verdade ela sabia lidar mais com seus primos do que com outros meninos, talvez por que ela já os conhecia bem, mais seus pensamentos foram interrompidos pela volta do Sr. Black.

Desculpe, não pude deixar de ouvir, vocês tem a magia ligada?.---perguntou ele de frente para os dois, que balançaram a cabeça confirmando, fazendo o Sr. Black sorrir.---Você não poderia me deixar mais contente e orgulho meu filho.

Filho?.---perguntou Victoria de cenho franzido olhando para o rapaz.

Sim, muito prazer Srta. Nunes Deneb Black.---disse ele por fim, eles ainda ficaram um tempo conversando depois o Sr. Black disse que eles ainda iam se ver muito, mais que tinha que levar Victoria embora, eles foram diretamente para frente do Ministério da Magia encontrando lá o Sr. Ercto e Johnson junto com os meninos, eles saíram dali e foram na direção de uma das entradas da vila, ao leste, chegando na frente da casa na qual pertencia a eles, ficaram boquiabertos pois era algo místico, a arvore na qual se encontrava a casa era muito grande, a escada que levava para a parte de cima passava duas vezes por dentro das raízes da arvore, eles subiram e logo que entraram tinha uma sala onde continha uma lareira e um sofá com duas poltronas uma de cada lado, eles olharam para direita e virão logo a cozinha que era bem ampla com uma mesa de dez lugares.

Bem aqui estamos, o que acharam?.---perguntou Ercto, para eles que tentavam ver cada detalhe.

Simplesmente...---começou Carol.

Inacreditável.---completou Victoria.

Isso é...não dá pra acreditar não.---disse Raphael.

Ok, vamos então aos quartos, como só tem sete quartos um pra cada, alguns de vocês ainda não poderão ficar aqui, a não ser que queiram ficar juntos.---dizia  Johnson, recebendo um “Ok” como resposta.---Muito bem então, Ezzio o seu quarto fica subindo essas escadas.---disse Johnson apontando para uma escada que tinha ao lado da pequena varanda da sala, ele foi em direção ao seu quarto, o de Raphael e Fabricio ficavam quase na mesma direção, com uma escada que ficava perto da lareira que descia seguindo por um pequeno corredor, a primeira porta era de Fabricio e mais a diante subindo apenas quatro degraus era o quarto de Raphael, por fim, o quarto de Victoria, Carol e Erik, ficava na parte mais alta da arvore, a escada que levava até lá ficava bem ao lado da porta de entrada eram dez degraus que ao chegar no final havia um pequeno espaço da esquerda o de Carol, da direita de Erik e do meio de Victoria, ainda havia um cômodo, na qual a entrada ficava na parte onde o quarto de Raphael e Fabricio estavam, mais eles só descobririam depois.

Muito bem vocês terão muito tempo para explorar a casa.---disse Ercto.---Agora escutem, como a Carol é mais apegada a mãe, há sim como você Raphael, nos seus quartos estão os rapazes, no de Carol esta Josh e no de Raphael estão Brian e Eluan.---dizia ele olhando diretamente para Victoria.

Ok.---disse todos.

Amanhã quando eles acordarem já vão saber daquela desculpa que inventamos, de que não há casa para eles, e tiveram que ficar aqui, e outra coisa não fale coisas que comprometam vocês ok?.---disse Johnson.

Ok.---disse todos por fim. 

Nox!

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...