História A Magia Que Nunca Foi Falada - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 1
Palavras 3.877
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Magia
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente mil desculpas por ter demorado...metade da historia estava pronta só que deu um bloqueio enorme e não conseguia escrever o final, mas em fim esta ai e espero que vocês gostem, e aos que favoritaram ficarei muito feliz se comentarem.Bom até o próximo bjs.

Capítulo 33 - Conhecendo o Trio de Ouro Parte 1


Fanfic / Fanfiction A Magia Que Nunca Foi Falada - Capítulo 33 - Conhecendo o Trio de Ouro Parte 1

Conhecendo o Trio de Ouro Parte 1

 

Depois dos últimos acontecimentos os Nunes finalmente se sentiam em paz, mesmo que seus filhos estivessem indo para uma guerra eles sabiam que conseguiriam derrota Hozuki, não sabiam como...só sabiam, assim como muitas outras pessoas eles estavam hospedados na casa dos Miller, ou melhor dizendo no Campo Miller, pois tanto a casa dos Miller como as outras casas que as outras pessoas ocupavam ficava numa floresta somente da família, era um lugar muito grande havia varias casas que se misturavam com as imensas arvores que em seus topos havia pequenas plataformas para os Auror ficarem vigiando, com todos os ataques que estavam acontecendo o lugar estava um pouco mais cheio, pois antes só viviam ali os Miller, alguns famílias de seus empregados e de alguns Auror amigos da família, o presidente da MACUSA confiava plenamente no Sr. Miller e toda vez que alguém não tinha para onde ir ele sabia que podia contar com seu velho amigo, afinal ele era uma das poucas pessoas que sabia toda a historia do Campo Miller e daquela família tão importante de Aurores. Muitos diziam principalmente os mais idosos, que a floresta em que a família ocupava já existia muito antes dos EUA se fundado e que eles sempre protegeram as pessoas, tanto bruxos como trouxas, não somente os mais velhos, mas também os livros de historia da magia contavam que a família se estabeleceu na floresta e que as pessoas não somente bruxos, mas também elfos, duendes e alguns trouxas fizeram suas casas ali para serem protegidos por eles, e em troca dessa proteção ofereciam seus serviços e sua total lealdade a eles, por esses e muitos outros feitos principalmente na idade media e na época de Grindelwald a fama deles aumento muito, mas enganasse quem pensasse que eram mesquinhos e gostavam de esbanjar, mesmo com toda a fama e a fortuna que possuíam eles eram uma família simples e de grande coração, que gostavam de ajudar as pessoas.

Depois que os meninos foram para Londres muitas reuniões estavam sendo feitas para tentar descobrir qual era o livro que Hozuki tanto queria, mas não estavam tendo sucesso...mesmo ninguém sabendo qual era o livro sabiam que se caísse nas mãos dele seria o fim, o clima estava um pouco tenso na mansão Miller, clima esse que não passou despercebido por Rosa que vira e mexe era convidada pela Sr. Miller para um chã da tarde como agora...enquanto via seu neto Tom Miller, filho do seu caçula brincar com um dragão de pelúcia em cima de uma toalha no jardim, ela e Rosa conversavam.

Nana outro dia me disse que vocês se deram bem no campo.---disse a Sra. Miller tomando um pouco de chã.

Há sim! Nos faz  lembrar um pouco a Coruja Imperial...---disse Rosa olhando ao redor.---Um lugar lindo e único.---disse e então viu um Auror chamar a Sra. Miller no caminho que dava a mansão.

Dei-me licença Rosa, eu já volto.---disse a mulher afastando-se, mesmo que neste tempo Rosa estivesse olhando para Tom que dava uma gargalhada muito gostosa toda vez que seu dragão soltava uma fumaça semelhante ao fogo, mas que não queimava nem era toxica, ela não deixou de perceber que a Sra. Miller ficou com seu semblante preocupado.

Sra. Miller a senhora esta bem?.---perguntou Rosa.

Estou...estou bem...é que segundo nosso informante Hozuki consegui-o mais dois objetos...um cordão e uma espada.---disse ela olhando para o chão.

Nos vamos conseguir, é só esperar com fé.---disse Rosa segurando a mão dela.

Há sim...apesar de tudo eu tenho fé.---disse levantando o cenho.---Até por que como dizem, coisas ruins só acontecem para que melhores possam vim, não é?.---disse recebendo uma confirmação de Rosa, antes delas voltarem a conversar Rosa olhou para o céu que mostrava que o sol já estava se retirando-se e disse “Senhor a onde quer que eles estejam ajude-os...por favor”.

----------x----------

Assim como em Hogwarts a torre de Astronomia do Castle Wizard era a mais alta da escola, que desde que foi fundada passou a ser o lugar preferido de muitas pessoas, mas agora só havia uma ali...alguém que olhava o céu onde algumas estrelas já podiam ser vistas, seus olhos eram tão azuis quanto o céu noturno e tão brilhantes quanto as estrelas que observava, mas que agora demostravam tristeza...respirando fundo olhou para baixo e viu alguns alunos irem para suas casas, outros já retornavam ao castelo, sempre sobre o olhar atento dos Hataki que ficavam na entrada perto do grande portão.

Achei você...---disse uma voz que o fez da um sorriso de lado e olhar para trás, voltando depois sua posição original para frente.

O que faz aqui sozinho?.---perguntou outra voz.

Pensando...---disse ele distraidamente.---Vocês já não deviam estar em casa?

Talvez sim, mas decidimos vim te procurar, já que você não compareceu a aula de Feitiços.---disse a menina apoiando-se na grande como ele estava.

É, até por que você não é de faltar aula e por que somos suas amigas, não é Lana?.---perguntou a menina.

Mas é claro, e também Lucy e eu prometemos a Carol que ficaríamos de olho em você.---disse Lana.

E eu fiz essa promessa a Raphael e a Fabricio...---disse vendo-as confirma.---Estou com saudades deles...e vocês?

É claro que estamos...como não sentir saudade deles?---disse Lana revirando os olhos fazendo-os rir.

Mas sabemos que isso que estão fazendo, mesmo sendo perigoso, é muito importante.---disse Lucy olhando-o.

É, e sabe de uma coisa? Não devemos nos preocupar...até por que sabemos quem vence no final.---disse ela olhando bem nos olhos do amigo.---A luz sempre vencerá as trevas.---disse vendo-os confirmar.

Lucy, Teddy, Lana vocês estão ai?.---perguntou uma voz já chegando no topo da escada.

Helena? O que faz aqui?.---perguntou Teddy.

Viemos chamar vocês, pra imos todos juntos pra casa!.---disse ela sorrindo pra eles.

Viemos?.---perguntou Lucy franzindo o cenho.

É, Laura estar lá em baixo.---disse ela, eles aproximaram-se da escada em caracol vendo-a olhar para cima, sorrindo quando os viu.

Vocês estavam nos procurando todo esse tempo?.---perguntou Lana de modo que Laura pode ouvir.

Não exatamente, estávamos ajudando o Sr. Oddinos, pois uma porção do primeiro ano deu errado e ele ficou literalmente com uma cara de sapo com cabelos rosa pink!.---disse Laura tentando não rir, sua voz ecoando pelas paredes.

O que completou tudo foi a cara de horror dele!.---disse Helena rindo ao lembra-se do professor carrancudo de porções.

Tai uma coisa que não acontece todo dia.---disse Lucy rindo.

Vamos, eu preciso ver isso antes de ir pra casa!.---disse Teddy já descendo as escadas.

Como Teddy era o caçula da família ele sempre podia convida um amigo seu para passar a noite de domingo ou de sábado, como era no momento, já que seus irmãos mais velhos não moravam com seus pais, e ele achava que sua mãe nunca gostou dessa ideia como agora, pois a Coruja Imperial estava um tanto perigosa principalmente para as famílias mais antigas que era o caso da sua, seus dois irmãos mais velhos estavam concluindo seu curso de Auror nos EUA, enquanto suas imãs gêmeas completavam seu quarto ano em Hogwarts. Ele estava esperando Lana que ia passar a noite ali, quando viu sua mãe descer as escadas com presa trazendo uma capa em mãos.

Mãe?.---perguntou ele franzindo o cenho de leve.---O que tá acontecendo?

Teddy, não faça perguntas somente me escute, ok?.---perguntou a mulher e ele confirmou.---Esta bem...é...daqui a alguns minutos os Hataki vão entrar por essa porta e levar-me, vou deixar você com a Sra. Luvin, esta bem?

O que? Por que?.---perguntou ele assustado, já tinham levado seu pai agora sua mãe?

Escute amor...---disse passando as mãos pelo seu cabelo, que assim como os olhos eram iguais aos seus.---Eles interrogaram uma velha senhora, que disse que existe um livro...no setor que eu trabalho que tem informações do livro que ele procura.

Essas informações dizem onde o livro estar?.---perguntou ele arregalando um pouco os olhos.

Não...mas dá pistas de como ele é.---disse ela ouvindo o relógio marca as nove horas da noite.---Agora vamos, venha!.---disse ela cobrindo-o com a capa e saindo pela porta dos fundos para não chamar atenção, ela correu e em alguns minutos chegara à casa dos Luvin onde a Sra. Luvin já aguardava, na porta da cozinha atrás da casa.

Mãe...---disse Teddy quando a mulher parou no meio do quintal olhando para a senhora de cabelos brancos aguardando no batente da porta.---Por favor não vai.

Tenho que ir para proteger você.---disse ela já não contendo as lagrimas.---Escute...---disse desfazendo o abraço e pegando em seus ombros fazendo-o olha-la.---Isto é pra você.---disse tirando um pequeno medalhão da capa e entregando a ele, ele era azul com prata e tinha gravado um N no mesmo.---Proteja isto pra mim...e ele lhe mostrara o que deve saber.

Não se preocupe Emile...vou cuidar dele.---disse a Sra. Luvin aproximando-se e apertando gentilmente o ombro de Teddy na qual abraçou a mulher e começou a chorar, dando uma ultima olhada no filho que chorava abraçado na velha senhora, colocou o capuz e refez seu caminho...algumas minutos depois a Sra. Luvin soube que os Hataki tinham levado Emile Nott presa.

Joaquin!.---disse Hozuki assim que o rapaz entrou na sala.---Então?

Nada, senhor...usamos Veritaserum nela, mas não disse nada do que já sabíamos, vamos ter que procurar nos mesmo...livro por livro.---disse Joaquin vendo Hozuki bufar na sua frente.

E onde estar ela?.---perguntou ele olhando pela janela vendo algumas nuvens cobrirem a lua.

Esta com os outro...---disse vendo-o fechar a mão em punho, ato que fez engolir em seco.---Senhor.

Não podemos nem ameaça-la dizendo que vamos matar os filhos dela, já que foi usado Veritaserum.---disse Pedro sentado numa poltrona no canto da sala, se ele não se pronunciasse Joaquin nem saberia que estava ali, pois estava um pouco escuro no ambiente.

É...não podemos mesmo---disse Hozuki olhando para Pedro, que quase franzi-o o cenho, sentando-se novamente em sua cadeira vendo Yorchi entrar na sala.---Espero que me traga boas noticias.

Sim senhor, o penúltimo livro que procura esta numa exposição no Canada, já mandei alguns Hataki para lá.---disse Yorchi todo estufado ao lado de Joaquin, na qual teve que se conter para não rir.

Ótimo...enquanto pegam este continue procurando o meu outro livro.---disse ele e assistindo os dois saíram da sala, deixando somente Pedro com o velho, se fosse por ele estaria em casa ou dando uma volta pela vila, mas por ordens de Yorchi ficava ao máximo perto de Hozuki, assim iria conseguir algumas coisas.

Emile...como estar nossas famílias?.---perguntou o Sr. Black.

Não se preocupe Diadem eles estão bem.---disse a Sra. Nott olhando o homem pela grade.

E o Teddy?.---perguntou o Sr. Nott mostrando preocupação na voz.

Esta bem...deixei ele com a senhora Luvin---disse sorrindo gentilmente para ele.---Eles só fazem mal a quem se nega a ajuda-los, todos tem tentado ficar o mais longe possível do caminho deles.

Alguma noticia dos meninos?.---perguntou Johnson numa sela a frente deles.

Não...desde ontem Nana não entrou em contato, ela não falou com vocês?.---perguntou a Sra. Nott recebendo vários acenos negativos de cabeça.

Shi!!! Esta vindo alguém.---disse o Sr. Ercto e todos se afastaram das grades das selas.

Sra. Nott a senhora esta bem?.---perguntou alguém, que só foi reconhecido quando desceu os degraus e ficou no corredor, que era a única parte que não estava sendo iluminado pela luz do luar e sim por uma lâmpada.

Que susto você nos deu!.---disse o Sr. Teron pela primeira vez.

Desculpe...vocês estão bem?.---perguntou a pessoa.

Sim estamos bem.---disse o Sr. Ercto.

Você tem alguma noticia dos meninos?.---perguntou o Sr. Teron.

Não, ainda não...eles estão achando que estão tomando mais cuidado, pois agora os Hataki podem velos.---disse a pessoa.

As informações que eles tiraram de mim, pode ajuda-los?.---perguntou a Sra. Nott.

Não...---disse a pessoa acocando-se no chão.---A senhora falou a mesma coisa que a velha antes de morrer.

Que velha?.---perguntou Johnson franzindo o cenho.

A senhora Netlin...---disse a mulher sentando-se no chão úmido.

Netlin? Não é essa uma das mulheres que Dumble...---ia dizendo Teron, mas foi cortado pela senhora Nott.

Exatamente...---disse ela fazendo um sinal de silencio.

Espero que esse livro esteja bem escondido.---disse o senhor Nott encostando-se na grade e fechando os olhos, estava muito cansado.

Com certeza estar, já que foi ELE quem escondeu.---disse Teron arregalando um pouco os olhos para Emile na qual confirmou com a cabeça, fazendo os outros sorrirem.

Quanto tempo você acha que eles vão leva pra achar?.---perguntou Ercto.

Não sei...já que foi ELE quem escondeu...talvez nunca e talvez eles se cansem logo aquela sala tem mais de sete mil e quinhentos livros.---disse a Sra. Teron deitando no colo do marido e depois adormecendo.

----------x----------

Depois que os meninos deixaram Belém foram para a cidade de São Paulo e ficaram ali o sábado inteiro, só no domingo de manhã que sentaram para resolver o que iam fazer depois que falassem com Harry.

Vamos esperar o que ele vai nos dizer.---disse Victoria sentada numa poltrona.

Verdade...e não podemos criar um segundo plano.---disse Fabricio.

Por que não?.---perguntou Ezzio franzindo o cenho.

Por que ainda não temos o livro.---disse Carol.

É, e não temos nenhuma noticia de Nana.---disse Raphael e ouviram um “Há é” de Ezzio.

Vamos seguir o primeiro plano que é falar com o Harry.---disse Victoria novamente.

É, e tenho certeza que a Inglaterra esta mais segura do que aqui.---disse Thomas.

Há é! Ela pode entrar em contato com a gente por lá.---disse Lucas acompanhando o raciocínio de Thomas.

Ok, então chegamos a um veredito?.---perguntou Deneb olhando para todos.

Sim!.---disse todos. Ainda naquela manhã resolveram que para não perde tempo iam viajar no começo da noite e para também não chama muita atenção, quando deu 18:00 eles levantaram voo sobre o céu estrelado daquele começo de noite, Carol estava encostada em Thomas perto da janela quando acordou.

Acho que há algo de errado...---disse ela mais para si mesma do que para os outros que estavam lhe olhando, mas seus olhos não os focavam.

Como assim Carol?.---perguntou Thomas olhando-a.

Teddy esta triste...---disse ela franzindo o cenho e estreitando os olhos pensativa.

Vai ver que é por que esta com saudade de você.---disse Raphael do banco de trás onde ela estava.

Não...até uma certa hora de ontem não estava sentindo isso, só um pouco de saudade e preocupação e não...tristeza.---disse ela.

É...então deve ter acontecido algo mesmo.---disse Erik.

Pergunta pra ele.---disse Raphael e por fim ela concordou, mas resolveu pergunta depois, pois quando fechou os olhos novamente para dormi viu Teddy chorando baixinho, ela podia sentir a tristeza que consumia seu peito naquele momento...por isso resolveu não falar nada, era verdade Teddy estava muito triste e muito preocupado também seus pais estavam presos, Carol estava atrás de um livro e correndo perigo com os Hataki atrás dela e dos outros...ainda bem que seus irmãos estavam bem longe dali em segurança, suspirando cobriu-se e na cama do seu quarto na casa dos Luvin e adormeceu.

Helena...---chamou a Sra. Luvin para a neta que ia saindo do seu quarto e olhou para o corredor onde ficava a porta do quarto de Teddy.---Venha.

Mas vovó...---disse Helena um pouco baixo.

Não, ele precisa de um tempo...e sozinho.---disse a mulher já descendo as escadas com a neta.

Esta bem...---disse ela suspirando, dando-se por vencida.

O que esta fazendo?.---perguntou Suzana entrando no quarto do irmão, com o susto Jonathan deixou o telescópio, que estava apoiado num montinho de livro, cair.

Não faça mais isso!.---disse ele franzindo o cenho e colocando uma das mãos no coração.---Sabe quanto isso custou?.---perguntou colocando o telescópio de volta no lugar.

Primeiro, por que se assustou, esta fazendo algo de errado?.---perguntou ela sentando-se na cama.---E segundo...eu sei muito bem quanto custou, até por que foi eu quem deu a ideia para o papai comprar.

Ho!.---disse Jonathan arregalando um pouco os olhos e com uma falsa cara de surpreso.---Obrigado, pois esta sendo-me muito útil.---disse olhando novamente pelo telescópio, como fazia alguns minutos atrás.

O que você esta fazendo?.---perguntou Suzana, estreitando os olhos para as costas de Jonathan.

Observando...---disse ele sem olhar para ela.

O que?.---perguntou ela franzindo o cenho curiosamente e levantando-se da cama.---Não é as estrelas, é?

Desde quando as coisas que faço interessam a você?.---disse ele virando-se com os olhos estreitados.

Desde quando as coisas que você faz escondido da mamãe não me interessa?.---perguntou ela com ar de riso.

Quem disse que estou fazendo algo escondido da mamãe?.---perguntou Jonathan franzindo o cenho de modo defensivo.

Então de uma hora pra outra você começa a se assusta com quem abre a porta do seu quarto?.---perguntou ela, vendo-o levantar uma sobrancelha e perante o bico que ele fez um sorriso satisfeito formou-se nos lábios de Suzana.

Tá...---disse ele um pouco a contra gosto, ele realmente merecia uma irmã como aquela, ela aproximou-se e olhou pelo telescópio vendo ao longe algumas pessoas se mexerem para um lado e para outro.

Ok...o que é isso?.---perguntou ela.

É uma das torres do Ministério, aqueles que você viu eram Hatakis no setor onde a mãe do Teddy é a chefe.---disse ele cruzando os braços.

No setor de livros antigos e raros da vila?.---perguntou ela e ele confirmou.---Mas por que eles estão lá?

Pelo simples fato de que o velho maluco ter descobridor, através de uma antiga moradora da vila que residia perto do castelo bruxo e por meio de Veritaserum, que naquele setor tem um livro que fala todas as características do LIVRO que ele esta procurando.---disse Jonathan fingindo esta cansado de falar, mas continuando mesmo assim.---Por que ontem eu ouvir a mamãe falando com a Sra. Luvin sobre Teddy estar aos cuidados dela por isso.---disse vendo-a levantar o cenho.---E hoje de manhã, quando consegui-o um pouco de sinal no celular, ela falou isso pra tia Agnes.

Hum...---disse ela pensativa.---O que você pretende fazer, entrar no Ministério?

Nem que eu quisesse eu entraria pela porta da frente.---disse ele sentando pensativo.---As famílias antigas, principalmente a dos Auror que no caso a nossa, sempre sabem de coisas...coisas que são passadas de geração a geração entre as famílias, e com certeza eles acham que sabemos de algo, não vamos facilitar as coisas para eles.

É...você tem razão, e mesmo que entrássemos não saberíamos andar pelo setor e muito menos por onde começa a procurar o livro.---disse Suzana sentando ao lado dele.

Crianças vamos jantar!.---disse a Sra. Teron abrindo a porta do quarto sorrindo radiante.---Tenho noticias dos irmãos de vocês.---disse ela, assim como as outras pessoas a Sra. Teron estava abatida com tudo o que estava acontecendo, principalmente a prisão de seu marido, mas tentava sempre esta sorrindo para passar força a seus filhos, tanto os dois que moravam com ela e o marido quando o mais velho e os dois mais novos que moravam para fora do país.

----------x----------

A viagem de carro estava sendo muito empolgante e eles não estavam tendo quase nenhum problema, talvez o problema mais nojento e engraçado que aconteceu foi de Ezzio, Erik e Carol querer ir ao banheiro, mas por estarem cercados por agua não foi possível o que desencadeou muitos puns fedorentos principalmente da parte de Raphael e Fabrico, mas quando os mesmos estavam dormindo...de três em três horas os meninos trocavam de lugar e como Thomas desde que saíram ainda não tinha dirigido era sua vez, olhando para o mapa que estava pregado no painel viu que faltava uns 50km para chegara na cidade de Londres, olhou no celular e viu que era 4:40 da manhã deu uma olhada no pessoal e viu que todos estavam dormindo tranquilamente, passado alguns minutos começou a ver algumas luzes bem no alto outras bem lá em baixo, mas quem dera que tivesse visto somente as luzes de Londres junto delas viu que caia uma baita de uma chuva com relâmpagos, trovões e principalmente raios que pintavam o céu ainda escuro e o vento estava tão forte que começou a balançar o carro pra lá e pra cá, como se fosse um navio sacudido pelas aguas.

Victoria.---chamou ele, ela estava no seu lado no banco do passageiro.---Victoria...---chamou ele novamente, mas um pouco baixo para não acorda os outros.

O que...---disse ela meio sonolenta e virando-se para olha-lo.

Isso parece um problema pra você?.---perguntou olhando para ela e depois olhando para frente, e ela viu a chuva cair intensamente junto de vários raios.

Vai ser se um deles pegar no carro.---disse ela demostrando preocupação.---Cuidado Thomas!.---gritou ela para um raio que apareceu bem na frente deles, na qual desviou rapidamente e com esse ato fez com que alguns acordassem.

O que esta...---ia perguntar Lucas, mas nessa hora um raio cortou o céu fazendo um grande barulho fazendo os outros acordarem assustados.

Temos que descer!.---disse Erik de um dos bancos de trás.

Se não vamos virar churrasquinho.---disse Raphael.

Exatamente, mesmo que ele seja movido por magia se for atingido por um raio ele morre!.---disse Carol do ultimo banco atrás.

Estamos quase chegando!.---disse Fabricio olhando no mapa a linha dourada ficava cada vez menor.

Verdade!.---disse Victoria olhando para o mapa também.---Vamos descer só um pouco.---disse ela e todos concordaram, só que depois desejaram ter ficado acima das nuvens, pois logo que desceram um raio atingiu o carro em cheio e eles viram as luzes do painel apagarem-se por completo fazendo-os cair em queda livre.

Há!!!.---gritavam todos desesperadamente.

Eu sou muito lindo pra morrer!.---gritou Fabricio, fazendo todos pararem de gritar e olharem para ele.---O que?.---perguntou ele em tom de risada e novamente começaram gritar, quando um raio acertou o carro novamente fazendo as luzes do painel piscarem e acenderem só que estavam um pouco fracas e deixou o carro um pouco descontrolado, fazendo ir pra cima e pra baixo varias vezes Thomas não podia colocar muita força em seus atos se não ele começava a fazer mais força do que devia e se descontrolava, eles viram com satisfação a chuva passar mais um pouco para poder descer, mas quando Thomas puxou a macha para faze-lo descer ela enterrou, então fazendo um pouco mais de força ele consegui só que fez o carro descer de bico contra as arvores.

Há!!!.---todos começavam a gritar novamente.---Cuidado com as arvores!.---gritou todos de uma só vez.

Vai bater!.---gritou Raphael arregalando os olhos.

Protejam-se!!!.---gritou Victoria, literalmente eles batera em algumas arvores levando-as junto, quando Thomas tentou desacelerar um pouco o carro ele ganhou mais velocidade batendo, com muito mais força do que já tinha batido nas primeiras arvores, numa arvore que fez o carro capota no ar batendo novamente nas arvores e antes de parar rolou num pequeno riacho uma três vezes fazendo os ocupantes do carro ficarem encharcados, já que as janelas estavam quebradas...todos tentavam controlar suas respirações que estava muito acelerada, engolindo em seco Victoria virou-se e primeiramente viu Thomas olhando para frente com ambas as mãos no volante apertando-o com muita força, então olhou para trás vendo que alguns estavam machucados, mas não muito.

Vocês estão bem?.---perguntou ela, vendo todos principalmente Deneb e Lucas com cara de horror.

Bom...eu não preciso ir mais no banheiro.---disse Ezzio olhando para ela fazendo todos que também estavam atrás lhe olhar.

É...eu também não.---disse Carol e Erik juntos, fazendo todos rir de tal forma que Thomas encostou a cabeça no volante, fazendo a buzina tocar, relaxando e murmurando algo como “Seus nojentos”.

Ai meu Deus! Vocês estão bem?.---perguntou alguém, quando eles olharam viram uma mulher baixinha e gordinha de rosto bondoso e cabelos cor de fogo curtos lhe olhando, a única reação deles foi sorrir pra ela.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...