História A Maldição do Gárgula (Lauren G!P) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Visualizações 507
Palavras 1.470
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Super Power, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem e uma boa leitura pra todos.

Capítulo 4 - Capítulo 4



POV Narrador





Lauren com raiva pega a espada de Joshua que estava perto dela e enfia no peito nas costas do guarda que havia matado o seu amigo, que neste momento iria atacar o seu pai covardemente, o homem cai de joelhos no chão tentando retira a espada que fica atravessada em seu peito.



John se aproxima do covarde e em um golpe decepa a sua cabeça enquanto Lauren olha para cena ainda chocada pela perda de seu amigo e por ter sido a primeira vez que ela usará uma espada contra alguém.



John abraça Lauren no intuito de consolar-la que chora em seus braços desesperadamente, ele fala pra ela.




-Esta tudo bem minha filha você fez o que tinha que ser feito e principalmente vingou a memória de seu amigo assim como ele faria por você. —Eles ficam abracados por alguns segundos até John se afasta dela um pouco e diz.




-Preciso que seja forte Lauren não só por mim, mas também por sua mãe tudo bem. 




Lauren assenti limpando as suas lágrimas saindo dos bracos de seu pai vai até a sua mae ver como ela está, neste instante o cocheiro se vira para John e pergunta.




-O que iremos fazer com os corpos desses vermes senhor? —John olha para os corpos no chão sem nenhum pingo de arrependimento e diz olhando o seu servo sério.




-Vamos quiemar—lo e depois enterramos no quintal o jovem corajoso Joshua, e em seguida iremos parti imediatamente.




-Sim senhor.



Duas horas depois que haviam queimado os corpos e enterrado o jovem Joshua, John pede para o seu servo fiel Rick para despensar os outros empregados, em seguida partem em viagem para República Checa em busca da cura da maldição de sua filha se realmente é uma maldição e se existe uma cura da qual Lauren duvidava existe.




Quase quatro meses depois de viagem finalmente a familia Jauregui coloca os seus pés em terras mais seguras comparado a sua cidade, e durante todo o percurso sempre que dava John ensinava tudo que Lauren precisava aprender para se proteger sozinha, já que ele sempre dizia que nem sempre estaria o tempo todo com ela pra salvar-la,  por um  determinado tempo ela se recusou aprender os ensinamentos de seu pai devido o que havia acontecido ha alguns meses atrás, pois se sentia culpada de ter sido a causadora de tudo que estão passando, pois se ela não tivesse nascido assim nada disso estaria acontecendo e seu melhor amigo Joshua estaria vivo agora.




Na floresta treinando alguns golpes de espada enquanto a sua mãe estava descansando em sua carruagem, e seu servo Rick foi a cidade de Praga verificar como as coisas andam por lá e principalmente para descobrir informações sobre a misteriosa bruxa Cassandra o real motivo da viagem deles.



-A cada dia que passa Lauren você esta mais habilidosa do que o seu velho pai aqui. 





John fala engraçado descansando um pouco escorado em uma árvore, enquanto Lauren fita a espada em sua mão e diz.



-Não tão habilidosa quanto o Joshua que só deixava eu ganhar por que era um perfeito cavalheiro.



-Realmente ele era um ótimo garoto, mas Lauren não se torture por sua morte a culpa não foi sua.




-Mas pai se eu não tivesse nascido assim nada disso teria acontecido e o Joshua estaria vivo agora. —Lauren fala com um pesar em sua voz deixando algumas lágrimas cairem.




-Já conversamos sobre isso Lauren e a culpa não é sua e sim daqueles ignorantes que usam o nome de Deus para fazerem o que quiserem, e aqueles que são contram as suas vontades eles os jogam o povo contra eles justificando dizendo que é a vontade de Deus.




-Agora vamos parar com esse assunto que deixa a sua mãe triste.



-Esta quase anoitecendo vá pegar alguns galhos para fazemos um fogueira, pois esta noite será fria. —Ele diz olhando para o seu.



Já estava de noite enquanto John envolta da fogueira contava algumas piadas e histórias fazendo sua filha e esposa rirem um pouco esquecendo por algumas minutos o que estão fazendo naquele país distante, ele ver e ouve uma movimentação estranha não muito longe deles rapidamente ele para de falar e pega a sua espada de prontidão para revidar a qualquer momento quem queira atacar-los.



Quando a sombra se aproxima John se esconde em alguns arbustos preparado para atacar até que ele percebe ser o seu servo respira um pouco aliviado, mas rapidamente fica atento pois o seu servo Rick não está sozinho junto com ele tem outro desconhecido.



-Rick quem é seu amigo? —John pergunta quando os dois estão diante de seus olhos.



-Meu senhor este Reznik servo da senhora Cassandra. 


O Homem não tinha uma aparência repugnante como os rumores diziam sobre quem servia uma bruxa, mesmo assim John não teve um bom pressentimento sobre o misterioso homem.



-Então você serve a senhora Cassandra?


-Sim senhor. —O homem faz uma reverência.




-Ela os aguardam em sua humilde morada, e não foi o seu servo que contou sobre o assunto que lhe trouxeram até aqui, na verdade ele foi muito discreto, ela já sabia de sua chegada meu senhor. —John olha sério para o seu empregado que confirma as palavras do misterioso Reznik.



-Se vocês puderem me acompanhar a minha senhora esta aguardando vocês em sua residência a poucos metros daqui.




-E como as noites são muito frias por aqui não vão querer pegarem um resfriado. 




O homem fala com certo tom de ironia em sua voz pelo menos foi que John percebeu, mesmo assim resolve aceita o convite pensando no desconforto de sua esposa e filha que estão a bastante tempo dormido desconfortáveis, e realmente o frio já se fazia presente entre eles, ele olha para a sua esposa e filha que estão alguns metros afastadas perto da carruagem vendo de longe tudo que se passava, ele dar a sua resposta.





-Tudo bem iremos com você.




-Tudo bem.



Enquanto John conversa com a sua filha e esposa sobre o misterioso homem e para onde vão agora, Reznik pega alguns galhos fazendo uma tocha para guiar o caminho na floresta escura iluminada apenas pelas as estrelas e lua.




Meia hora depois chegalham perto ruínas de um velho castelo que apoaretemente uma parte do lugar esta em pé, John pede para Rick ficar na carruagem de prontidão caso alguma coisa sai errado já que ele não confiava tanto assim nessa bruxa e seu servo.




Reznik vai na frente guiando os seus novos hospedes pelo o castelo iluminado por várias tochas assim que adentram o lugar Lauren sente um calafrio terrível e uma sensação nada agradável.




Quando uma jovem mulher alta de pele alva assim como Lauren, olhos negros penetrantes e muito bela apareve do nada assustando os três menos Reznik, que já conhece a sua senhora e seus segredos obscuros.


-Sejam bem-vindos a minha humilde morada familia Jauregui.




-Obrigado. —John fala estranhando a jovem aparentando não ter características de uma bruxa, mas como ele poderia saber como é uma se nunca se encontro com uma bruxa apenas ouviu rumores.




-Acredito que deve esta estranhando que não sou nada do que devem ter ouvido sobre a aparência de alguém como eu.




-Sim, tenho que confessar que imaginava que você era mais velha.



-Entendo. —Ela fala olhando de um jeito para Lauren que a faz se sentir nua diante de seus olhos.



-E você minha doce criança também pensava isso de mim? —Cassandra fala se aproximando de Lauren que segura com certa força o braço de sua mãe devido a aproximação da mulher.




-Sim. —Lauren fala timidamente abaixando a sua cabeça e fitando o chão.





-Não precisa ter medo de mim não vou machucar-la pelo contrário. —Lauren engole em seco ao olhar para a jovem bruxa que lhe olha de um jeito que ela estranha.





-E quanto a senhorita curar  maldições isso é verdade? 




John pergunta chamando a atenção da jovem que não para de fitar a sua filha achando estranho, mas não prefere comentar já que não tem nenhuma opinião firmada do carate da bruxa para julgar ela, com certo desdém ela se vira porá ele e responde.





-Sim é verdade.



-E qual é o seu preço? —John pergunta receoso.



-Sugiro que falamos sobre isso amanhã imagino que pela viagem que fizeram para chegar até aqui o caminho foi muito cansativo.




-Sim foi. —John fala olhando para a sua filha e esposa.




-Então descanse e amanhã falaremos sobre isso. —Ela fala simpática.





-Tudo bem.




-Por favor Reznik mostre os aposentos para os nossos hospedes poderem descansar.




-Sim senhora. —O homem Faz fazendo uma pequena reverência.




-Me sigam por favor.



Os três seguem o servo da jovem bruxa e quando Lauren passa perto dela senta algo que não sabe explicar, mas sente que não é uma boa ideia ficar neste lugar.














Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...