História A Maldição do Gárgula (Lauren G!P) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Visualizações 640
Palavras 1.453
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e uma boa leitura pra todos.

Capítulo 6 - Capítulo 6



POV Narrador





Lauren diz com certo receio de que isso não possa ser verdade, assim que seus pais saem de seu quarto, ela volta para a cama, mas não conseguindo dormi ela reza para nada de ruim aconteça, enquanto isso a Cassandra se diverte rindo do pavor que causou a Lauren e da excitação que a jovem lhe proporcionou apenas tocar em seu corpo, e sorrir maliciosamente em tudo que ira fazer com a jovem e inocente Lauren quando se livrar de seus pais colocando o seu plano em prática contra os seus inimigos já que Lauren ira servi a ela muito mais além do que apenas aos seus desejos carnais.




Cassandra estava logo cedo tramando com o seu servo de como ira se livrar dos pais de Lauren e o seu empregado.






-Você entendeu tudo que tem que fazer Reznik? —A jovem bruxa pergunta séria.




-Sim senhora entendi.




-Ótimo e não se esqueça que tem que misturar essa poção na água do impetuoso John.




-Ao seu empregado e esposa? —Ele pergunta inquieto.




-Não se preocupe sei muito bem o que fazer com eles. —Ela fala com uma certa irritação.




-A senhora sabe que não concordo com nada disso que pretende fazer.





-Não me importo com o que você concorda ou não Reznik até mesmo com a sua consciência, pois você esta aqui apenas para me servir esse foi o nosso acordo quando veio me procurar para ajudar-lo.




-É eu sei.



-E é a única coisa que me arrependo amargamente por ter feito um pacto com você.




-Bom meu querido Reznik como deve saber nada é de graça nessa vida, tudo tem um preço alguns são altos demais. —Ela fala beijando os lábios do homem enojado.




-O que pretende fazer com a jovem filha do casal, vai fazer o mesmo que fez comigo tornando ela em sua escrava? —Ele pergunta intrigado.




-Sim e não diferente de você ela me servira num propósito muito maior além de sexual, mas é claro que irei me aproveita bastante dela até não aguentar mais e me satisfazer coisa que você nunca me fez.





-Por caso isso tem haver com o seu irmão e o ritual? —Ele pergunta curioso.




-Sabe meu querido você anda se metendo onde não é chamado e se continuar assim terei que substituir-lo por outro.




-E já não vai fazer isso com a pobre garota. —Ele fala irônico.




-O que isso Reznik por acaso está com ciúmes de mim? —Cassandra pergunta surpresa.




-Não prefiro ser castrado ao invés de ter algum tipo de sentimento por sua pessoa.




-Nossa não precisa ser tão rude assim comigo sempre te tratei bem. —Ela fala cinicamente.




-É do mesmo jeito que o diabo tratava os seus servos. —O homem fala irritado.




-Com elogios como esses tenho certeza que você tem sentimentos por mim. —Ela fala engraçada.




-Tenho que concorda com você sobre isso, e se eu pudesse mostrar-los agora com certeza quebraria o seu pescoço com as minhas próprias mãos nesse exato momento.




-Hum não conhecia esse seu lado bruto, por que não me mostra ele na cama. —Cassandra fala divertida.




-Vai pro inferno! 




-Você pode ir primeiro meu querido, mas não se esqueça de que eu posso destruir tudo que você mais ama neste mundo.




Ela fala segurando com força o membro de Reznik fazendo ele se curva diante dela que sorrir com o sofrimento do homem.




-Agora vá preparar a última refeição dos meus hóspedes, antes que eu me irrite e faça picadinho de você e dou para os lobos. —A mulher fala com fúria no olhar.




-Sim senhora! —Ele fala num sussurro ainda sentindo dor pois ela não tinha lagarto a sua intimidade.



-É assim que eu gosto meu querido Reznik. —Ela fala beijando os seus lábios em seguida soltando ele, que sai do lugarbindo fazer o que ela havia mandado.




Enquanto isso Lauren se levanta da cama sobre a qual passou a noite em claro temendo que mas pesadelos tomasse os seus sonhos, ela vai lentamente até o banheiro ao ouvir um barulho de lá ao abri a porta se depara com uma senhora já de idade enchendo a banheira com água quente, ao ver Lauren a mulher se assusta com a sua presença e fala alguma coisa em outro língua sem Lauren entender ela pergunta.




-O que a senhora falou?




-Nada minha jovem que apenas o seu banho está pronto.




-Obrigada. —Lauren fala simpática.



-Só um instante que eu venho lhe ajudar. —Rapidamente Lauren responde.




-Não será preciso posso tomar banho sozinha.




-Tem certeza a minha senhora foi estritamente servera com relação ao seu banho que não devesse tomar sozinha.




-Sim tenho qualquer coisa me entendo com ela. —Lauren fala firme.




-Tudo bem se esta dizendo com a sua licença.




-A vontade.




-A senhora é e os meus pais eles já acordaram? —Lauren pergunta curiosa.




-Sim, eles estão lhe aguardando junto com a minha senhora no grande salão para desjejum.



-Obrigada.



-Disponha.




-A se Morita sabe onde fica o grande salão? —A senhora pergunta.


-Pra falar a verdade não.




-Tudo bem fica no segundo corredor assim que sair de seu quarto.



-Obrigada.



-Disponha.



A senhora sai deixando Lauren com os seus pensamentos sobre o seu pesadelo que até agora ela não entendeu o seu significado.




Após tomar o seu banho e vesti o vestido que a senhora havia deixado em sua cama, Lauren vai até o grande salão sentindo um pressentimento ruim, mas ao ver os seus pais bem ela sorrir, mas assim que ver a jovem bruxa o seu sorriso se desfaz ao se lembrar de seu pesadelo.




Mesmo assim continua a andar até os seus pais e cumprimenta-los ela cumprimenta a bruxa sem olhar-la nos olhos, e logo em seguida se senta ao lado de sua mãe, após terminarem o café da manhã, Cassandra leva os seus convidados para uma outra sala e assim John pergunta sobre como será o procedimento a seguir para a cura do mal que assombra a sua filha.





-Bom irei precisar de uma raiz muito rara que fica na parte escura dessa floresta que nos cerca, mas irei precisar que  o senhor John vá com o meu servo ele não é muito bom em identificar raízes, tive muitos problemas com ele sobre isso.




-E como ela é? —John pergunta com certa dúvida se realmente isso vai dar certo.




-Aqui está. —Ela lhe estende um pedaço de papel com a figura da suposta raiz.



-OK, mas ainda não discutimos o preço que a senhorita ira cobrar.




-É o senhor tem razão, bom deixe-me ver. —Ela fala olhando para a jovem Lauren que fita o chão com certo medo do olhar da mulher que parece despir-la e ao mesmo tempo ver dentro de sua alma.




-O peso dela em ouro. 



Ela fala sorrindo sabendo que ele irar pagar qualquer contia em busca da cura de sua filha, ele olha pra sua esposa e Lauren para dar a sua resposta.




-Tudo bem como quiser  irei me pagar o que me pede, mas com uma condição.




-Qual condição? —A bruxa pergunta surpresa.




-Que só ira ver a cor do ouro quando a minha filha estiver curada.




-Tudo bem eu aceito a sua condição. —Ela responde imediatamente fazendo John desconfiar de algo, mesmo assim não questiona.




-Só que tem um pequeno problema você e o Reznik tem que ir imediatamente, devido a minha profissão a igreja tenta de todo modo mandando os seus servos destruirem qualquer coisa que me ajude.




-Por isso vocês tem que ir agora.




-Entendo.




-Tudo bem eu irei dar algumas instituições ao Reznik fiquem a vontade. 




Ela fala se retirando da sala deixando os três sozinhos, assim que tem certeza que a bruxa não esta por perto Lauren fala com certo receio.



-Pai não acho que deva ir eu não confio nela.




-Também não confio nela, mas se existe uma possibilidade para curar você dessa maldição devo fazer tudo ao meu alcance não acha.




-Sim pai.




-Mas não se preocupe não ficara sozinha eu estou aqui minha filha.




-Eu sei mamãe.




-Mesmo assim fique com isso. —John retira de seu calçado uma pequena adaga e lhe entrega.




-Caso precise se proteger.




-Obrigada pai.



-E não se preocupe o Rick ficara com vocês o tempo todo e qualquer coisa ele ira proteger-las com a sua própria vida ser for necessário.





-Tudo bem pai assim me sinto mais tranquila. 



-Ótimo. 



Neste momento a bruxa aparece junto com o seu servo para os dois irem em busca da tal raíz.



-Podemos ir senhor? —Reznik pergunta.




-Sim podemos.


John se despede de sua esposa e filha com a promessa de voltar logo, mas ele mal sabe a armadilha que a bruxa lhe preparou por este motivo ele não ira conhegui cumprir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...