História A Máscara - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Mistério, Romance, Suspense, Terror
Visualizações 2
Palavras 1.431
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi, amores.
Boa leitura.

Capítulo 16 - A Busca: Parte 3


Bailey e Josh se debruçam para ver aonde Kristen estava, Bailey olha e diz:

- Aí meu Deus. É o meu parque.

- O que? - Diz Josh.

- Tem um lugar que eu sempre fico com uma puta história macabra, eu fui lá hoje com a Kendra, eu escutei um barulho. Mas eu nunca poderia imaginar que era a Kristen.

- Bom, então você dirige. - Disse Robbie. Sorrindo e entregando a chave do seu carro prata para Bailey.

- Não precisa o meu está aí. - Disse Bailey.

- Eu insisto. Deixa o seu aí, vamos com o meu e depois voltamos. - Robbie colocou de volta as chaves na mão de Bailey e piscou.

A voz de Robbie dava arrepios em Bailey e em Josh, eles não haviam visto a mãe e o pai deles. Mas que genética a da família Torres. Bailey fez que sim com a cabeça e ele piscou para ela, ele era muito bonito, mas ela não sentia atração por ele. Era um cara normal, simpático e muito inteligente. Mas não despertava interesse nela. 

- Vamos rápido, temos apenas... 8 minutos. - Disse Josh.

Eles entraram no carro, Bailey deu a partida e acelerou. Josh estava no celular, ela virou rapidamente para ele e perguntou:

- O que você está fazendo?

- Estou tentando avisa o Kyle, acho que ele deveria saber que encontramos ela.

- O Kyle surtaria se soubesse que se não chegarmos lá em 8 minutos a namoradinha dele morre. Deixa ele fora disso.

- Isso é verdade.

O carro deu alguns solavancos, e Robbie repensou se ter deixado Bailey dirigir foi uma boa idéia. No quarto solavanco ela disse:

- Eu normalmente dirijo muito bem, mas isso é um caso de vida ou morte. Literalmente.

- Está tudo bem, não tem nada que a velha March, aqui não aguente. - Disse Robbie. Dando leves batidinhas no carro.

- Seu carro tem nome? - Disse Josh.

- Sim, ele era do meu pai quando ele morreu, foi para a minha irmã, que passou para mim. Ele amava esse carro, ele deu esse nome por que foi em março que ele conheceu a minha mãe.

- Eu nunca vi sua mãe, o que aconteceu com ela?

- Ela morreu, quando eu tinha uns 6 anos, ela tinha câncer de pele. E morreu no hospital.

- A minha mãe morreu quando eu era nova também. Transfobia.

- Uou, isso é triste. O da minha mãe foi uma doença, o da sua foi a ignorância humana.

- Pois é, ela morreu por ser o que era. Ela era a minha heroína, me ensinou tudo que sei. Me ensinou a respeitar, a amar, a lutar por direitos iguais. Sinto muita falta dela. - Bailey não conseguiu evitar deixar uma lágrima cair. - E agora o meu pai também. Eu estou sozinha.

- Ei, você não está sozinha, te conheci há pouco tempo, mas quando precisar de mim, pode falar. Sei o que você está passando. O seu pai morreu de que?

- O assassino, o mesmo que pegou a Kristen. Ele matou meu pai

- Sinto muito, de verdade. - Disse Robbie. Colocando a mão no ombro de Bailey. Ela enxugou as lágrimas e continuou a dirrigir, estavam perto e ainda tinham 6 minutos, iriam conseguir. A visão de Bailey ficou um pouco distorcida por causa das lágrimas, e quando viu, havia um coiote há poucos centímetros do carro, ela virou com tudo. March saiu cantando pneu e Bailey tentou controlar pisando no freio. A velha March levantou poeira e parou, poucos centímetros da grande Silver Boot - segunda maior montanha da cidade -  Eles sairam do carro para ver se teria danificado muito. A lateral estava amassada, por conta do rodopeio que o carro deu. Havia um pequeno corte na testa de Bailey mas ela não estava preocupada com isso. Apesar de estar doendo. Ela viu o amassado e disse para Robbie pedindo diversas desculpas:

- Aí, Robbie, me desculpa. Eu prometo pagar pelo concerto, eu não sei o que aquele maldito coiote estava fazendo na estrada, nem temos coiotes nessa região.

- Não, está tudo bem. - Disse Robbie olhando em volta. - Está tudo bem?

- Comigo está tudo bem. Tirando a parte que eu vomitei. Tudo bem. - Disse Josh. Passando a mão no cabelo.

Robbie viu a testa de Bailey, e chegou mais perto, ela iria se afastar. Mas ele deteu ela colocando um lenço na sua testa. E disse:

- Limpe sua testa com isso. Não parece nada grave mas depois poderíamos olhar.

- Não está tudo bem, precisamos encontrar... Kristen!

- Temos 4 minutos. - Disse Josh.

- Droga, vamos logo. - Disse Bailey.

Eles entraram no carro, e Bailey deu a partida, March não ligou. Ela tentou de novo e não foi, ela dizia baixinho fazendo ninguém ouvir:

* Vamos, March. Não deixe a gente na mão. Por favor.*

- Ela não vai responder, Bailey. Precisamos ir andando. - Disse Robbie.

- Não, precisamos correr. - Disse Bailey.

- Já vou avisando que não sou bom nisso. - Disse Josh.

Eles sairam do carro e começaram a correr, eles só precisavam descer uma pequena ladeira e ir na praça. Eles correram, o cabelo de Bailey balançando e grudando na sua nuca suada, ela não era uma pessoa esportiva. E naquele momento, ela se arrependeu daquilo. Josh parava de 2 em dois segundos, respirava um pouco e voltava a correr. Robbie tirava isso de letra, e ria um pouco dos amigos tentando fazer aquilo.

Eles chegaram na praça, aquele lugar dava arrepios em todos. Menos em Bailey, que parecia amar aquele lugar mais que tudo na sua vida, o banco sujo de carvão com a letra de Kendra, os bancos quebrados, os destroços. Tudo aquilo lhe dava uma boa sensação.

Eles subiram para aonde ficava as árvores e quando viram o galpão velho, Robbie disse:

- Espera, precisaremos de algo para se defender.

Ele pegou um pedaço do que seria o braço do banco, e continuaram. Eles sentiam que aquilo seria o fim, ali terminaria uma angústia. Iriam pegar Kristen e descobrir quem era o verdadeiro assassino. Bailey lacrimejou de alegria. Ela viu Kristen amarrada, sangue em suas roupas e suor na sua testa, os olhos dela se iluminaram a ver Bailey. O que fez Bailey pensar que ela não tinha esperança de vida. Robbie pegou o facão e rasgou as cordas com força. Kristen, sem forças, por não ter comido nada desde manhã. Abraçou Bailey e quase desmaiou em seus braços. Robbie virou para ela e disse:

- Aonde está o assassino?

Kristen apontou sem forças para aonde ele tinha ido e Robbie foi atrás. Eles passaram o braço de Kristen sobre os ombros de Bailey e Josh e levaram ela dali com cautela, como March não estava funcionando e eles não conseguiriam levar Kristen até lá em cima. Josh ligou para Kyle, e eles ficaram distante daquela praça, aquele lugar que Bailey tanto amava tinha se transformado - como tantos outros - um lugar de lembranças ruins e tristezas.

Josh chegou na Land Rover preta de sua mãe. Com uma enorme cara de preocupação e muitos sanduíches. Josh arregalou os olhos e disse:

- Meu Deus, você assaltou uma lanchonete, foi?

- Imaginei que Kristen estivesse com fome.

- Mas precisava trazer o McDonald's com você?

Kristen ficou na frente comendo e os outros ficaram espremidos atrás. A coxa de Bailey ficava constantemente no colo de Josh, e ela ficou extremamente aliviada por não estar do lado de Robbie. As coisas já haviam ficado estranhas entre eles hoje, e ela não queria mais complicação para a sua vida. Ela lembrou da noite em que ela, Josh e Kristen falaram de seus inacabados. Que Josh disse que fica com muitas pessoas para tentar esquecer o seu inacabado, mas sem sucesso. Ela não queria fazer isso, sabia que não iria adiantar. Era tão estúpido ela gostar de alguém por tantos anos, não conseguia visualizar sua vida com outra pessoa. Estava cheia de problemas para adicionar um tão grande com um abdômen bem definido à lista.

Bailey observou Josh tentando pegar um dos hambúrgueres de Kristen, ele se aproximava e ela dava um leve tapa em sua mão. Ele virou para ela e disse:

- É assim que agradece por eu ter salvo a sua vida, piranha.

- Eu estou faminta!! - Retrucou Kristen.

- E eu também, além de ter sofrido um acidente de trânsito hoje. Eu ja desci morro, ajudei a te carregar você está pesada em e ainda por cima. Eu que liguei para o Kyle.

- Tá bom, toma esse aqui.

Kyle levou todos para dormirem na casa de Kristen - mesmo sendo a hora das pessoas acordarem - . Mas quem conseguiria dormir depois de tudo o que havia acontecido?


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Digam o que vocês acharam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...