História A Mediadora - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno
Tags Fantasmas, Naruto, Romance, Sasusaku, Sobrenatural
Exibições 55
Palavras 4.189
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Faltam apenas mais dois capítulos para chegarmos ao fim da história, a saga da Mediadora conta com sete livros e se por acaso vocês quiserem eu posso dar continuidade com os outros livros.
Bom até o final deste vou ver se continuo a postar a adaptações.
Bjos no ♥, boa leitura!

Capítulo 17 - Capítulo XVII


Meu despertador tocou à meia-noite. Eu o desliguei, bati palmas para acender a luz, rolei na cama e fiquei olhando para o dossel lá em cima. Isso mesmo. Tinha chegado o dia D. Ou dia E, no caso.

Eu estava tão cansada depois do jantar que sabia que nunca conseguiria se não tirasse um cochilo. Disse à minha mãe que ia lá para cima fazer o dever de casa, e que depois ia me deitar.

Quando me sentei para desfrutar de mais um jantar gastronômico imaculadamente preparado por meu padrasto, pairava uma certa dúvida, pois no fim das contas eu só havia chegado em casa depois das seis. Como sempre, chegou a hora do “onde você estava?” da minha mãe.

Depois Minato veio com o seu “foi divertido?”. E logo em seguida tive de ouvir um “com quem você estava?” logo de quem? Do Mestre. E quando informei que estivera com Sai e Tenten, Dunga fez uma careta de nojo e lançou, sem parar de mastigar sua almôndega.

— Caramba! Os esquisitos da turma.

— Ei, veja como fala.

—Puxa, pai — insistiu Dunga. — Uma é uma superesquisita e o outro é boiola.

Isto lhe valeu um espetacular cascudo do pai, que também o deixou de castigo por uma semana. Com isto, não pude deixar de lembrar ao Dunga mais tarde, quando estávamos tirando a mesa, que ele não poderia ir à festa na piscina de Ino Yamanaka, para a qual, por sinal, tinha sido convidado graças a mim, a rainha dos esquisitos.

—Pena mesmo, meu chapa — falei, dando um tapinha de solidariedade na bochecha do Dunga. Ele empurrou a minha mão.

—Ah, é? — foi dizendo. — Bom, pelo menos ninguém vai me chamar de bicha amanhã.

—Ora, ora, meu benzinho — continuei, beliscando a mesma bochecha. — Você nunca vai precisar se preocupar de ser chamado disso. Só te xingam de coisas muito piores.

Ele voltou a agarrar minha mão, aparentemente tão furioso que ficou sem fala por algum tempo.

—Prometa que nunca vai mudar — pedi. — Você é mesmo um barato exatamente do seu jeito...

Dunga me chamou de um nome muito feio no exato momento em que seu pai entrava na cozinha com o resto da salada. Minato deu-lhe mais uma semana de castigo e depois mandou-o para o quarto.

Para mostrar como tinha ficado aborrecido, Dunga colocou Beastie Boys para tocar tão alto que eu não conseguia dormir, pelo menos até que Minato voltou a interferir, tomando as caixas de som. De repente tudo ficou silencioso e eu já estava pegando no sono quando alguém bateu em minha porta. Era o Mestre.

—Hmm — começou ele, olhando nervosamente para a escuridão do meu quarto, o quarto “mal-assombrado” da casa. — Será que a hora é apropriada para... falar das coisas que andei descobrindo? Quer dizer, sobre a casa... E as pessoas que morreram aqui...

— Pessoas? No plural?

—Com certeza — prosseguiu Mestre. — Consegui encontrar uma quantidade incrível de documentos sobre os crimes que foram cometidos nesta casa, em muitos casos homicídio em todos os graus. Como era uma estalagem, havia sempre moradores temporários, boa parte dos quais estava voltando para casa depois de fazer fortuna na corrida do ouro no norte do estado. Muitos foram assassinados enquanto dormiam e tiveram seu ouro roubado, possivelmente pelos próprios donos do estabelecimento, segundo certas versões, porém mais provavelmente por outros moradores...

Temendo que estivesse para ouvir que Sasuke tinha morrido exatamente dessa maneira e nada interessada em ficar sabendo mais sobre as causas de sua morte, especialmente se ele estivesse ali por perto para ouvir também, eu o interrompi.

—Escuta só, Mestre... quer dizer, Konohamaru. Acho que até agora ainda não consegui me recuperar da viagem, de modo que vou tentar tirar um cochilo dos bons. Será que não podemos falar disso amanhã no colégio? Quem sabe almoçamos juntos... - Mestre arregalou os olhos.

— Está falando sério? Vai querer almoçar comigo?

—Mas é claro! Por quê? Existe alguma regra proibindo que o pessoal do segundo grau almoce com o pessoal do primeiro?

—Não — respondeu ele. — É só que... nunca acontece.

—Bom, pois eu vou — insisti. — Tudo certo? Você compra as bebidas e eu pago a sobremesa.

—Beleza! — exclamou Mestre, que voltou para seu quarto como se eu tivesse prometido que amanhã lhe daria de presente o trono da Inglaterra.

Eu já estava quase começando a dormir de novo quando ouvi baterem na porta novamente. Dessa vez, quando abri, lá estava o Soneca, parecendo mais desperto que eu para variar.

—Olha só — começou ele. — Não quero saber se você vai usar o carro de noite, mas devolva as chaves lá no gancho, ok?

—Eu não tenho saído com o seu carro à noite, So... quer dizer, Yahiko.

—Não importa — insistiu ele. — Apenas trate de deixar as chaves onde as encontrou. E não seria nada mau se você contribuísse de vez em quando com a gasolina...

— Eu não tenho saído com o seu carro à noite, Yahiko.

—Ninguém tem nada a ver com o uso que você faz do seu tempo — insistiu Soneca. — Não acho legal viver em gangues, mas cada um sabe da sua vida. Apenas trate de botar minhas chaves no lugar, onde eu possa encontrá-las.

Entendi que não tinha sentido ficar discutindo, concordei e fechei a porta. Depois disso, finalmente consegui umas boas horas de sono.

 

 

 

Não cheguei propriamente a acordar me sentindo renovada, mas de qualquer maneira, estava me sentindo um pouco melhor. Pelo menos, melhor o suficiente para ir acertar o traseiro de algum fantasma.

Algumas horas antes eu havia juntado tudo o que ia precisar. Minha mochila estava cheia de velas, pincéis, um recipiente com sangue de galinha, que eu havia comprado no açougueiro onde fizera Sai me levar antes de me deixar em casa, e vários outros apetrechos indispensáveis para a realização de um bom exorcismo à brasileira. Estava completamente preparada para ir em frente. Só faltava calçar meus tênis, e lá ia eu.

Só que, naturalmente, Sasuke tinha de aparecer exatamente no momento em que eu estava pulando do telhado da varanda.

—Tudo bem — fui dizendo, enquanto me endireitava, com os pés doendo um pouco, apesar de ter aterrissado em terra fofa. — Vamos deixar uma coisa bem clara logo de saída. Você não vai dar as caras lá na Missão esta noite. Entendido? Se aparecer por lá, vai se arrepender, e não será pouco.

Sasuke estava recostado num dos pinheiros gigantes do nosso jardim. Simplesmente recostado, os braços cruzados, me olhando como se eu fosse alguma atração especial ou coisa parecida.

—Estou falando sério — continuei. — Não vai ser uma noite nada boa para fantasmas. Nada boa mesmo. De modo que se eu fosse você, não dava as caras por lá.

Deu para perceber que Sasuke estava sorrindo. A lua não estava tão forte como na noite anterior, mas ainda assim havia luar e dava para eu ver que as curvas na ponta de seus lábios voltavam-se para cima, e não para baixo.

— Sakura — disse ele. — O que você está querendo?

—Nada — respondi, caminhando em direção à garagem e apanhando a bicicleta de dez marchas. — Preciso apenas acertar uma coisas. -Sasuke aproximou-se de mim enquanto eu vestia o capacete.

— Com a Temari? — perguntou, polidamente.

—Isso aí. Com a Temari. Sei que as coisas saíram do controle da última vez, mas dessa vez vai ser diferente...

—Como, exatamente?

Passei a perna por cima daquela barra cretina que eles põem nas bicicletas para garotos e me posicionei bem no alto da rua, com os dedos firmes no guidão.

—Tudo bem — disse então. — Vou te dar uma colher de chá. Vou fazer um exorcismo. - Sua mão direita voou e agarrou firme a barra entre minhas mãos.

—Um o quê?! — fez ele, com uma voz completamente destituída do bom humor que a caracterizava até então.

Engoli em seco. Tudo bem, eu não estava assim tão confiante quanto queria parecer. Na realidade, estava praticamente tremendo em cima de meus All Star. Mas que mais podia eu fazer? Eu tinha de deter Temari antes que ela fizesse mal a alguém mais. E seria mesmo sensacional se todo mundo simplesmente me ajudasse nisso.

—Você não pode me ajudar — falei, completamente fria. — Vê se fica afastado de lá esta noite, Sasuke, caso contrário poderá ser exorcizado também.

—Você perdeu o juízo — disse ele, com o mesmo tom indiferente que eu tinha passado a usar.

—Provavelmente — reconheci, desanimada.

—Ela vai matá-la — insistiu Sasuke. — Não está entendendo? É isso o que ela quer.

—Não — respondi, sacudindo a cabeça. — Ela não quer me matar. Primeiro ela quer matar todo mundo que é importante para mim. Só depois é que quer me matar.

Eu funguei. Não sei por que, mas meu nariz estava escorrendo. Provavelmente porque estava muito frio. Eu não entendia como aquelas palmeiras conseguiam ficar vivas. Estava fazendo uns cinco graus lá fora.

—Mas ela não vai conseguir, entendeu? — continuei. — Eu vou impedi-la. Agora solte a minha bicicleta. - Sasuke sacudiu a cabeça.

—Não, não. Nem mesmo você seria capaz de fazer uma coisa tão idiota.

—Nem mesmo eu? — retruquei, meio chateada, mesmo sem querer. — Muito obrigada. - Ele me ignorou.

— O padre sabe disso, Sakura? Você contou ao padre?

— Hmm, claro. Ele sabe. Ele, hmm... vai se encontrar comigo lá.

— O padre vai se encontrar com você?

—Sim, claro, claro — falei, rindo meio nervosa. — Você não está pensando que eu ia tentar uma coisa dessas sozinha, não é mesmo? Puxa, eu não sou tão burra assim, por mais que você pense. -Ele já estava segurando a bicicleta com menos firmeza.

— Bem, se o padre vai estar lá...

—Claro, claro. Com toda certeza.

Ele voltou a segurar firme. A outra mão de Sasuke vinha em minha direção, e um longo dedo ficou sacudindo bem no meu nariz enquanto ele dizia — Você está mentindo, não está? O padre não vai estar lá coisa nenhuma. Ela o machucou, não é mesmo, hoje de manhã? Foi o que eu pensei. Ela o matou?

Balancei a cabeça. De repente fiquei sem vontade de falar. Era como se tivesse alguma coisa na minha garganta, uma coisa me machucando.

—Por isso é que você está com tanta raiva — disse Sasuke, pensativo. — Eu devia ter imaginado. Você está indo lá para acertar as contas pelo o que ela fez com o padre.

—E se for isto? — explodi. — Ela bem que merece!

Ele abaixou o dedo, agarrando o guidão da minha bicicleta com as duas mãos. E posso dizer que ele era bem fortão para um cara que está morto. Eu não conseguia me mexer com ele segurando daquele jeito.

—Sakura, não é assim que se fazem as coisas. Não foi para isto que você recebeu este dom extraordinário, não para fazer coisas assim...

—Dom?! — exclamei, apertando os dentes para não cair na gargalhada. — É isso aí, Sasuke. Recebi mesmo um dom dos mais preciosos. E sabe o que mais? Estou de saco cheio. Mas estou mesmo. Achei que vindo para cá poderia começar tudo de novo. Achei que as coisas poderiam ser diferentes. E sabe o que mais? São diferentes mesmo. São muito piores!

—Sakura...

—O que você acha que eu devo fazer, Sasuke? Amar a Temari pelo o que ela fez? Abraçar seu espírito ferido? Sinto muito, mas é impossível. Talvez padre Hatake fosse capaz, mas eu não e ele está fora da jogada, de modo que vamos fazer as coisas do meu jeito. Vou me livrar dela, e se você quer o seu próprio bem, Sasuke, fica fora dessa.

Dei um tranco bem forte no pedal e ao mesmo tempo agarrei o guidão com toda força. Foi tão inesperado para Sasuke que ele largou a bicicleta involuntariamente.

Um segundo depois eu estava a caminho, projetando cascalho para trás com a roda traseira e cobrindo Sasuke de poeira. Enquanto descia pela rua, ainda pude ouvi-lo dizer um monte de coisas em espanhol. Provavelmente estava xingando. E com toda certeza a palavra hermosa não foi pronunciada.

 

 

Eu sabia que dessa vez seria mais difícil entrar no colégio. Eles deviam ter aumentado a segurança por causa do que acontecera na noite anterior. E foi o que fizeram. Havia um carro da polícia no estacionamento, com as luzes apagadas. Simplesmente lá, parado, com o luar refletido nos vidros das janelas fechadas. O motorista provavelmente estava ouvindo música, embora de onde eu estivesse, junto ao portão do estacionamento, não desse para ouvir nada.

De modo que eu ia precisar encontrar outra maneira de entrar. Sem problema. Escondi a bicicleta num arbusto e calmamente dei uma volta ao redor do colégio. Não é muito fácil impedir que uma garota de 16 anos razoavelmente esbelta entre num prédio. Eu sou um bocado flexível. E também tenho juntas bem elásticas.

Lá dentro do estacionamento, as coisas pareciam bem diferentes da noite anterior – e muito mais aterrorizantes. Todos os holofotes estavam apagados, de modo que toda a área estava escura e cheia de sombras assustadoras. A fonte também estava desligada.

Não havia o menor sinal da Temari. Não havia qualquer sinal de ninguém. O que era bom. Fui caminhando com o máximo de cuidado até o armário que eu estava... compartilhando com a Temari. Aí me ajoelhei e abri a mochila.

Primeiro, acendi as velas. Precisava delas para enxergar ao redor. Segurando um acendedor de grelha de churrasco que havia trazido contra a base de uma das velas, derreti e pinguei um pouco de cera no piso e firmei a vela ali. Repeti a operação com todas as outras velas até formar um círculo luminoso à minha frente.

Abri então a tampa do recipiente com o sangue de galinha. Digamos apenas que mergulhei meu pincel no sangue de galinha e fiz o desenho adequado, emitindo as palavras exigidas, em português mesmo. Foi só quando retirei a fotografia da Temari da mochila que notei que os grilos haviam parado de cantar.

—Que diabos você acha que está fazendo? — perguntou ela, bem atrás do meu ombro.

Eu não respondi. Coloquei a foto no centro da forma que eu havia pintado. Ela ficou bem iluminada pelas velas. Temari se aproximou mais.

—Onde foi que arranjou esta foto minha?

Eu me limitei a pronunciar as palavras que tinha de dizer em português. O que pareceu irritar ainda mais a Temari. Bom, parece mesmo que temos de reconhecer que tudo irritava Temari.

—O que você pensa que está fazendo? — perguntou ela de novo. — Que língua é essa que está falando? E para que esta pintura vermelha? - Como não respondi, ela começou a ficar ainda mais abusada, o que parecia ser a sua especialidade. — Olha aqui, sua vaca — foi dizendo, botando a mão no meu ombro e me puxando nada delicadamente. — Está me ouvindo? - Eu interrompi o ritual.

—Pode me fazer um favor, Temari? — perguntei. — Quer ficar bem ali perto do seu retrato? - Temari sacudiu a cabeça e seus cabelos loiros reluziram à luz das velas.

—O que está acontecendo com você? — perguntou ela com grosseria. — Está bêbada por acaso? Não vou ficar em lugar nenhum. Isso aí... isso é sangue? - Dei de ombros. Ela continuava com a mão no meu ombro.

—Sim — respondi. — Mas não se preocupe. É só sangue de galinha.

—Sangue de galinha? — repetiu Temari com uma careta. — Chocante. Está brincando comigo? Para que isto?

—Para te ajudar — respondi. — Para te ajudar a ir embora.

Temari apertou os dentes. As portas dos armários começaram a sacudir. Mas não muito. Só o suficiente para que eu ficasse sabendo que Temari não estava nada satisfeita.

—Pensei que tinha deixado bem claro ontem à noite que não vou a lugar nenhum — disse ela.

—Você disse que queria voltar a viver.

—Exatamente — respondeu ela, enquanto os segredos das trancas dos armários começavam a girar ruidosamente — a minha antiga vida.

—Pois eu descobri uma maneira... -As portas começaram a parecer tambores, de tanto que sacudiam.

— Esquece — respondeu ela.

—Esquece, não: lembra. Você só precisa ficar de pé aqui, no meio dessas velas, perto do seu retrato.

Nem precisei insistir. Num segundo, ela estava exatamente onde eu queria que estivesse.

—Tem certeza de que isto vai funcionar? — quis saber, toda excitada.

—É melhor que funcione, caso contrário terei desperdiçado minha cota de velas e sangue de galinha — respondi.

—E as coisas vão voltar a ser exatamente como eram? Quer dizer, como eram antes de eu morrer?

—Claro — respondi. Fiquei me perguntando se era o caso de me sentir culpada por estar mentindo. Eu não me sentia nem um pouco culpada. Só sentia um grande alívio. Tinha sido tudo tão fácil. — Agora fique calada um pouco para eu dizer as palavras.

Ela estava louca para colaborar. Então eu disse as palavras. E disse as palavras. E disse as palavras de novo. Eu já estava começando a me preocupar, achando que nada ia acontecer, quando a luz das velas começou a tremer. E não estava passando nenhum vento.

—Não está acontecendo nada — queixou-se Temari, mas mandei que ela se calasse.

As chamas voltaram a tremer. De repente, acima da cabeça de Temari, onde devia estar o telhado da galeria, apareceu um buraco cheio de gases vermelhos dando voltas. Eu fiquei olhando para aquele buraco.

— Temari, é melhor você fechar os olhos. -Ela prontamente obedeceu.

— Por quê? Está funcionando?

É — falei. — Está funcionando sim.

Temari disse alguma coisa do tipo “legal”, mas não pude ouvir bem. Não dava para ouvir direito porque o gás vermelho que ficava girando no ar, e que parecia mesmo uma fumaça, estava começando a sair do buraco e fazia uma espécie de ronco.

Logo depois, longos anéis daquela coisa começaram a envolver Temari, diáfanos como uma bruma. Só que ela não sabia, pois estava de olhos fechados.

—Estou ouvindo alguma coisa — disse ela. — Está acontecendo?

Acima de sua cabeça, o buraco havia aumentado muito. Dava para ver uns relâmpagos lá dentro. Não parecia o lugar mais atraente do mundo. Não estou dizendo que eu tinha aberto uma porta para o inferno ou coisa parecida, mas certamente se tratava de uma dimensão que não era a nossa, e com toda franqueza não parecia um lugar muito agradável para visitar, muito menos para viver por toda a eternidade.

—Só mais um minutinho e você chega lá — falei, enquanto aumentava o número de anéis vermelhos de fumaça ao redor daquele corpinho de animadora de torcida. Temari ajeitou os cabelos.

—Oh meu Deus! — fez ela. — Mal posso esperar. A primeira coisa que vou fazer é ir ao hospital pedir desculpas ao Shikamaru. Você não acha uma boa ideia, Sakura?

— Claro, é uma grande ideia.

—Tomara que a minha mãe não tenha jogado minhas roupas fora — prosseguiu — só porque eu estava morta. Você acha que a minha mãe pode ter jogado fora as minhas roupas, Sakura? Acha mesmo? — insistiu ela, abrindo os olhos.

—Fique de olhos fechados!

Mas já era tarde. Ela tinha visto. Puxa vida, ela tinha visto. Ficou meio segundo olhando para aqueles anéis ao seu redor e começou a berrar. E não estava berrando de medo, não senhor. A Temari não estava com medo. Estava furiosa. Para valer.

—Sua vaca! — gritou. — Você não está me mandando de volta! Não mesmo! Está me mandando embora!

E de repente, no momento em que o trovão começava a ficar ainda mais forte, Temari saiu do círculo. Assim mesmo. Ela simplesmente deu um passo para fora. Como se não tivesse a menor importância. Como no jogo da amarelinha. Aqueles anéis de fumaça que estavam ao redor dela simplesmente desapareceram. Sumiram como fumaça. E o buraco acima da cabeça de Temari se fechou.

Bom, vou ter de confessar que fiquei muito brava. Eu tinha tido um trabalho enorme para conseguir aquilo.

—Ah, não — resmunguei, aproximando-me da Temari e agarrando-a, pelo pescoço mesmo. — Volte já para lá. Volte para lá imediatamente — ordenei, com os dentes trincados.

Temari limitou-se a rir. Estava presa numa gravata, e ainda ria. Por trás dela, no entanto, as portas dos armários começaram a se sacudir de novo. Mais alto que nunca.

—Você é uma mulher morta — disse ela. — Você já está morta, Haruno. E sabe o que mais? Vou dar um jeito para que os outros também se juntem a você. Todos aqueles seus amigos esquisitos. E aquele seu meio-irmão também. - Eu apertei ainda mais o seu pescoço.

—Não acredito. Acho que é que você vai voltar para onde estava e desaparecer como um fantasma bem bonzinho. - Ela riu de novo.

—Vamos ver, então — desafiou, com os olhinhos brilhando enlouquecidamente.

—Bem, se era assim que ela queria... Dei-lhe um murro daqueles com o punho direito. E antes que ela conseguisse se recuperar, acertei-lhe outro com de esquerda. Se ela sentiu os golpes, não deixou transparecer.

Não, não é verdade. Eu sei que ela sentiu os golpes porque as portas dos armários de repente começaram a abrir e fechar. Fechar não é bem a palavra. Começaram a abrir e a bater, mas a bater com muita força mesmo, sacudindo todo o corredor.

Não estou brincando. O corredor inteiro estava indo e vindo, como se o piso fosse de ondas do mar. As grossas pilastras de madeira que sustentavam o telhado arqueado se sacudiam naquele chão que as mantivera firmes e fortes por quase trezentos anos.

Trezentos anos de terremotos, incêndios e inundações, e bastava o fantasma de uma animadora de torcida para que elas tremessem nas bases.

Como vocês podem ver, essa história de mediação não tem nada de divertido. E de repente eram os dedos dela que estavam ao redor da minha garganta. Não sei como foi possível. Acho que eu devo ter ficado perturbada com aquele tremor todo.

A coisa estava muito esquisita. Eu a agarrei pelos braços e comecei a tentar empurrá-la de volta para o círculo de velas. Ao mesmo tempo, murmurava a invocação em português sem tirar o olho dos caibros que ondulavam lá em cima, na esperança de que o buraco voltasse a se abrir para a terra das sombras.

—Cala a boca! — Temari gritou quando ouviu o que eu estava dizendo. — Cala essa boca! Você não vai me mandar embora! Meu lugar é aqui! É muito mais o meu lugar do que o seu! Quem você pensa que é? — gritava Temari com o rosto vermelho de raiva.

Com o canto dos olhos, vi um vaso de gerânios levitar alguns centímetros acima da balaustrada de pedra em que se encontrava.

—Você não é ninguém! Só está no colégio há dois dias. Dois dias! Está pensando que pode ir chegando e mudar tudo? Acha que pode simplesmente tomar o meu lugar? Quem você pensa que é?

Eu chutei sua perna e, agarrando bem os braços dela, dei-lhe uma rasteira e ambas caímos no chão. O vaso de flores foi atrás, não porque tivéssemos esbarrado nele, mas porque Temari o atirou contra mim. Eu me abaixei no último instante, e o pesado vaso de argila se espatifou contra os armários, numa explosão de terra, gerânios e cacos de barro.

Agarrei a Temari pelos lindos cabelos louros. Não era um gesto dos mais elegantes, mas também não tinha sido muito elegante da parte dela atirar gerânios em mim. Ela começou a berrar de novo, chutando e se retorcendo como uma enguia enquanto eu a arrastava e ao mesmo tempo a empurrava em direção ao círculo de velas.

Ela havia começado a fazer outros objetos levitarem. As trancas saltaram das portas dos armários e voaram em minha direção como pequenos discos voadores. Depois surgiu um tornado, sugando tudo que estava dentro dos armários, de modo que apostilas e fichários voavam para cima de mim de todas as direções. Fiquei com a cabeça abaixada, não perdi o controle dela quando o livro de trigonometria de alguém me atingiu em cheio no ombro. E ficava repetindo as palavras que certamente abririam aquele buraco novamente.

—Por que você está fazendo isto? — berrou Temari. — Por que simplesmente não me deixa em paz?

—Porque não.

Eu estava arranhada, sem fôlego, pingando de suor, só pensando em largá-la ali mesmo, dar meia-volta e ir para casa, jogar-me na cama e dormir por um milhão de anos. Mas não podia.

Então o que fiz foi dar-lhe um murro bem no peito, mandando-a de volta para o meio do círculo de velas. E no exato momento em que ela tropeçou na foto que havia dado ao Shikamaru, o buraco que aparecera acima de sua cabeça voltou a se abrir. Desta vez a fumaça vermelha fechou-se em torno dela como um sufocante e espesso cobertor de lã. Ela não ia se soltar de novo. Não com aquela facilidade.

A fumaça vermelha a seu redor era tão espessa que eu já não podia vê-la, mas certamente a ouvia. Seus gritos dariam para despertar os mortos. Trovões ribombavam acima de sua cabeça. Lá dentro do buraco que voltara a se abrir, eu julgava estar vendo estrelas brilharem.

—Por quê? — berrava Temari. — Por que está fazendo isto comigo?

—Porque eu sou a mediadora — respondi.

E de repente duas coisas aconteceram quase simultaneamente. A fumaça vermelha que envolvia a Temari começou a ser sugada para o buraco que girava em espiral, levando-a consigo.

E os poderosos pilares que sustentavam o teto do corredor partiram-se em dois como se fossem de gesso. E foi aí que o teto desmoronou em cima de mim.

 


Notas Finais


Não me odeiem se eu demorar a postar, vou para outra loja e meu computador ficará por aqui com meus arquivos!

;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...