História A Mediadora - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno
Tags Fantasmas, Naruto, Romance, Sasusaku, Sobrenatural
Exibições 139
Palavras 2.072
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Capítulo VII


E no fim das contas, eu fiz. Amigos, quero dizer. Não que eu tivesse feito força. Eu nem mesmo queria. Já tenho amigos suficientes lá no Brooklyn. Tenho a Konan, a melhor amiga que alguém poderia ter. Não precisava de mais amigos.

E não achava realmente que alguém aqui fosse gostar de mim – muito menos depois de terem sido obrigados a fazer uma redação de mil palavras por causa do que aconteceu depois que cheguei. E muito menos ainda depois do que aconteceu quando fomos informados de que tinha chegado a hora do segundo período – a Academia Missionária não tinha sirene, nós trocávamos de sala de hora em hora e tínhamos cinco minutos para chegar ao destino. Mal o professor Asuma nos dispensou, a menina esquisita virou-se na cadeira e me perguntou, com os olhos brilhando de raiva por trás das lentes dos óculos.

—Suponho que agora espera que eu te agradeça pelo o que disse para a Hinata?

—Por mim você não tem que agradecer coisa nenhuma — respondi, levantando-me. Ela também se levantou.

—Mas foi por isto que você fez aquilo, não foi? Defendendo a esquisita... Por acaso sentiu pena de mim?

—Fiz aquilo porque Hinata é uma mala — respondi, dobrando a capa no braço.

Vi que os cantos dos seus lábios se contorceram. Hinata agarrara os livros e praticamente correra em direção à porta no exato instante em que o professor Asuma nos dispensara. Ela e um bando de outras garotas, entre as quais a bonitinha bronzeada que também tinha um assento vazio ao lado, estavam cochichando e me lançando olhares fulminantes por cima de seus suéteres Ralph Lauren.

Dava para ver que a garota ficou com vontade de rir quando chamei a Hinata de mala, mas ficou firme.

—Posso perfeitamente me defender sozinha, viu? Não preciso da sua ajuda, Nova York. - Eu dei de ombros.

—Tudo bem por mim, Carmel.

Desta vez ela não conseguiu deixar de sorrir. Ao fazê-lo, mostrou uma fileira de dentes com aparelho que reluziam tanto quanto o mar lá fora.

— Tenten — disse ela.

— O que é Tenten?

— Meu nome. Sou a Tenten — completou, estendendo a mão branca, com as unhas pintadas de laranja chocante. — Bem-vinda à Academia Missionária.

Às 9 horas, o professor Asuma já nos havia dispensado. Dois minutos depois, Tenten já tinha me apresentando a vinte outras pessoas, e quase todas vieram trotando atrás de mim a caminho da aula seguinte, querendo saber como era morar em Nova York.

—Lá é mesmo tão, tão... — quis saber uma garota com aparência cavalar, toda ansiosa na busca da palavra exata para exprimir o que desejava — tão metropolitana quanto dizem?

Essas garotas, talvez nem precise dizer, não eram as tipicamente populares. Não demorou para eu ver que não se davam com a lindinha bronzeada e com a garota cujos dedos eu ameaçara quebrar, que eram as arrumadérrimas, com seus suéteres e saias cáqui. Nada disso. As garotas que se aproximaram de mim eram dos mais diversos tipos, umas cheias de acne, outras gordas, ou então completamente esqueléticas.

Tenten parecia ser a líder daquele grupinho. Editora do jornal do colégio, o Notícias Missionárias, ao qual se referia como “mais uma resenha literária do que um jornal de verdade”, ela dissera a verdade quando me informou que não precisava de ajuda para ir à luta.

Munição era o que não lhe faltava, com direito a um belo arsenal de torpedos verbais e uma ética do trabalho das mais sérias. Praticamente a primeira coisa que ela me perguntou, depois de superar a raiva que lhe provoquei, foi se eu estaria interessada em escrever alguma coisa para o jornal.

—Nada muito complicado — foi dizendo, toda espevitada. — Quem sabe simplesmente um ensaio comparando a cultura adolescente na Costa Leste e na Costa Oeste. Aposto que você está encontrando um monte de diferenças entre nós e os seus amigos lá de Nova York. Então, o que diz? Meus leitores teriam o maior interesse, especialmente garotas como Ino e Hinata. Talvez você pudesse publicar alguma coisa sobre o mico que pode ser aparecer bronzeado na Costa Leste.

E ela caiu no riso, sem parecer propriamente perversa, mas tampouco sem nada de inocente. Mas eu logo veria que Tenten era exatamente assim, toda risonha, com um riso que brilhava ainda mais com aqueles aparelhos terríveis, e muito bem-humorada.

Aparentemente era tão famosa pelas piadas que soltava quanto por sua gargalhada-quase-relincho, que às vezes parecia sair dela aos borbotões, como se não pudesse controlá-la, numa alegria que inevitavelmente atraía os “psius” das noviças afetadas que trabalhavam como bedéis.

A Academia Missionária era um colégio pequeno. Havia apenas setenta estudantes do primeiro ano. Adorei que o Dunga e eu tivéssemos horários diferentes, pois assim o único período que tínhamos em comum era o do almoço.

O almoço, por sinal, acontecia no pátio da escola, que ficava de um dos lados do estacionamento, um enorme playground gramado que dava para o mar, com os veteranos comendo nas mesmas mesas que os calouros e gaivotas mergulhando na direção de quem fizesse a besteira de lhes atirar uma batata frita. Posso dizer porque fiz a experiência.

Seja como for, Soneca e Mestre também tinham o mesmo horário de almoço que eu. Era o único momento em que eu via algum dos Namikazes no colégio. Era interessante observá-los em seu ambiente. Fiquei feliz de ver que havia acertado em minha análise do temperamento deles.

Mestre vivia cercado de um bando de garotos com cara de nerds, a maioria usando óculos e teclando seus laptops no colo. Dunga vivia com os descolados e ao redor deles estavam sempre flutuando as garotas bonitinhas e bronzeadas da turma, inclusive aquela ao lado da qual eu evitara sentar. Soneca talvez fosse o mais interessante. Não que ele tivesse acordado. Isso não, céus. Mas ficou sentado numa das mesas de piquenique com os olhos fechados e o rosto voltado para o sol. Como isto eu posso ver em casa, não foi o que me interessou.

Não. O que me interessou foi o que estava acontecendo ao lado de Soneca. E era simplesmente um garoto incrivelmente lindo que só fazia ficar olhando bem em frente com uma expressão de arrasadora tristeza. De vez em quando passavam umas garotas e davam alô para ele; ele então afastava o olhar do mar, que era para onde estava olhando, e dizia “Oi”, para em seguida voltar a olhar para aquelas ondas hipnóticas.

Fiquei pensando que Soneca e seu amigo bem que podiam estar acostumados a fumar certas coisas. Isto explicaria muita coisa sobre Soneca. Mas quando perguntei à Tenten se sabia quem era o cara e se tinha algum problema com drogas, ela respondeu.

—Ah, é o Shikamaru Nara. Não, não tem nada a ver com drogas. Está só triste porque a namorada dele morreu nas férias.

—É mesmo? — perguntei, mastigando o lanche que havia trazido, pois a merenda na Academia Missionária deixa muito a desejar. Dava para entender por que tantos alunos traziam lanche de casa. A merenda tinha sido cachorro-quente. Isso mesmo, cachorro-quente. — Mas como ela morreu?

—Meteu uma bala na cabeça — interferiu Sai, o cara que estava no gabinete do diretor, e que ia passando. Ele estava comendo Cheetos de um saco gigante que acabara de tirar de sua mochila de couro. — Esfacelou a parte traseira do crânio. -Uma das garotas virou-se, ouvindo isto.

—Nossa senhora, Sai, como pode ser tão frio? - Sai deu de ombros.

—E daí? Eu não gostava mesmo dela quando estava viva. Não vou dizer agora que sim só porque morreu. No fundo, se alguma coisa mudou, é que posso estar odiando-a ainda mais. Estão dizendo que vamos todos ter de percorrer a Via Crucis na quarta-feira por causa dela.

—Exatamente — retrucou Tenten, enojada. — Temos de rezar por sua alma porque ela se matou e agora terá de arder no fogo do Inferno por toda a eternidade. -Sai ficou meio pensativo.

—É mesmo? Pensei que os suicidas iam para o purgatório...

—Nada disso, seu burro. Por que você acha que monsenhor Hiruzen não autoriza o serviço fúnebre da Temari? Suicídio é pecado mortal. Monsenhor Hiruzen não pode deixar que uma suicida seja homenageada na sua igreja. Não permitirá nem mesmo que os pais dela a enterrem em solo consagrado — e aqui Tenten já estava revirando os olhos de espanto. — Eu nunca gostei da Temari, mas odeio monsenhor Hiruzen e suas regras cretinas ainda mais. Estou pensando em escrever um artigo sobre isto, e dar o título de O Pai, o Filho e o Hipócrita Santo.

As outras garotas soltaram um risinho nervoso. Esperei até elas pararem e perguntei.

—Por que será que ela se matou? - Adam fez um ar de tédio.

—Por causa do Shikamaru, claro. Ele terminou com ela.

Uma garota negra bonitinha, que com seu um metro e oitenta era mais alta que todo mundo ali, inclinou-se para a frente.

—Ouvi dizer que ele terminou com ela no shopping. Dá para acreditar? - Uma outra menina disse.

—Isso mesmo, na véspera de Natal. Eles estavam fazendo as compras de Natal juntos e ela mostrou um anel de diamante na vitrine da Bergdorf, e disse: “Quero este.” E aí aposto que ele entrou em pânico – sabe como é, era um anel de noivado – e rompeu com ela ali mesmo, na hora.

—E por causa disso ela foi para casa e deu um tiro na cabeça? — insisti, achando aquela história toda muito esquisita.

—Não imediatamente — explicou Tenten. — Ela ainda tentou convencê-lo a voltar durante um tempo. Passou a telefonar para ele de dez em dez minutos, até sua mãe lhe dizer para não telefonar mais. Aí ela começou a mandar-lhe cartas, dizendo o que ia fazer, já sabe, que ia se matar se ele não voltasse com ela. Como ele não respondia, ela pegou o calibre 44 do pai, foi de carro até a casa de Shikamaru e tocou a campainha.

Sai passou então a contar o resto da história, o que significava provavelmente que ia haver sangue.

—Isso mesmo — levantou-se ele para fazer a cena, usando um Cheeto como revólver. — Os Nara estavam dando uma festa de réveillon, de modo que estava todo mundo em casa. Abriram a porta e lá estava aquela garota ensandecida, apontando um revólver para a cabeça. Ela disse que se não a deixassem falar com o Shikamaru, ia puxar o gatilho. Mas ele nem estava lá, tinha sido mandado para Antígua...

—... para ver se um pouco de sol e umas ondas ajudavam a melhorar seus nervos em frangalhos — atalhou Tenten —, pois como vocês sabem, ele está bem no meio da época dos exames e a última coisa que queria era mais pressão ainda.

Sai fulminou-a com os olhos e prosseguiu, segurando o Cheeto contra o crânio.

—Isso aí, mas foi um erro fatal da parte dos Nara. Assim que ela ficou sabendo que o Shikamaru tinha saído do país, puxou o gatilho e arrebentou com a traseira do crânio, e as luzes de Natal que os Nara tinham espalhado por ali ficaram cheias de pedacinhos de cérebro e outros vermes...

Todo mundo, menos eu, deu um gemido ao ouvir esses detalhes. Eu estava pensando em outras coisas.

—A cadeira vazia na sala de aula... Aquela do lado da... como se chama mesmo? Da Ino. Era onde se sentava a garota que morreu, certo? -A menina negra fez que sim com a cabeça.

—Exatamente. Por isso é que achamos tão esquisito quando você simplesmente passou por ela. Era como se você soubesse que era onde a Temari se sentava. Todo mundo ficou pensando que você talvez fosse médium ou coisa assim...

Eu nem me dei ao trabalho de dizer que o motivo pelo qual não tinha sentado na cadeira da Temari não tinha nada a ver com ser médium ou deixar de ser. Na verdade, simplesmente não disse nada. Eu estava pensando: “Valeu, mãe, por ter-me dito porque de repente apareceu uma vaga para mim quando pouco antes o colégio estava tão lotado que não cabia nem mais um aluno.”

Fiquei olhando para Shikamaru. Ele ainda estava bronzeado da viagem a Antígua. Estava sentado à mesa de piquenique com os pés sobre o banco, os cotovelos apoiados nos joelhos, olhando fixamente para o Pacífico. Uma leve brisa agitou por um momento seus cabelos.

Ele não tem a menor ideia, pensei. Não tem mesmo a menor ideia. Se está pensando que sua vida agora ficou horrível, espere só para ver. Espere só.


Notas Finais


;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...