História A Mediadora - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno
Tags Fantasmas, Naruto, Romance, Sasusaku, Sobrenatural
Exibições 118
Palavras 3.490
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Capítulo IX


Quando eu entrei no Rambler no fim do dia, Mestre estava todo agitado.

—Está todo mundo comentando! — gritou, pulando no assento. — Todo mundo viu! Você salvou a vida daquele cara! Você salvou a vida do Shikamaru Nara!

—Eu não salvei a vida de ninguém — retruquei, ajeitando calmamente o espelho retrovisor para dar uma olhada nos cabelos.

—Salvou sim. Eu vi aquela tora de madeira. Se tivesse caído na cabeça dele, estava morto! Você o salvou, Sah! Pode acreditar que salvou.

—Bem — disse eu, passando brilho nos lábios. — Talvez.

—Caramba, você só foi ao colégio um dia e já é a garota mais popular da área!

Mestre não conseguia mesmo se conter. Às vezes eu ficava pensando se um Lexotan não seria uma boa. Não que eu não gostasse dele. Na realidade, era o filho do Minato de que eu gostava mais.

 

 

Mestre chegara para mim na noite anterior, quando eu estava tentando decidir o que vestiria no primeiro dia de aula, e me perguntara, muito pálido, se eu tinha certeza de que não queria trocar de quarto com ele.

Fiquei olhando para ele como se ele estivesse maluco. Seu quarto era bem legal, e tudo mais, mas espera aí. Desistir do meu próprio banheiro e da vista para o mar? Nem pensar. Nem que isso significasse que eu estaria me livrando do meu incômodo companheiro de quarto, o Sasuke, que na realidade não tinha voltado a aparecer desde que eu o tinha mandado passear.

—Por que diabos eu haveria de querer trocar o meu quarto? — perguntei. - Mestre deu de ombros.

—É que... é que este quarto aqui é meio horripilante, não acha não?

Fiquei olhando para ele. Vocês deviam ver como o meu quarto estava. Com o abajur da mesinha de cabeceira aceso, envolvendo tudo numa maravilhosa luz rosada, e o meu CD player tocando Janet Jackson, horripilante era a última coisa que alguém diria sobre o meu quarto.

—Horripilante? — repeti, olhando ao redor. Nenhum sinal do Sasuke. Nenhum sinal de nada anormal. Estávamos perfeitamente instalados no reino dos seres vivos. — O que tem de horripilante aqui? - Mestre franziu a boca.

—Não diga nada ao papai — explicou então — mas tenho andado por aí pesquisando esta casa, e cheguei à conclusão, sem sombra de dúvida, de que ela é mal-assombrada.

Fiquei olhando para sua carinha, e vi que ele estava falando sério. Muito sério, como deixou claro o seu comentário seguinte.

—Embora a maioria dos cientistas tenha descartado quase todas as alegações de casos de atividades paranormais no país, persistem muitos indícios de fenômenos espectrais acontecendo no mundo sem explicação. Minha investigação aqui em casa ficou a desejar em matéria de indícios considerados tradicionais de presença de espíritos, como os chamados pontos frios. Mas ainda assim, Sah, ficou perfeitamente evidente a variação de temperatura neste quarto, levando-me a concluir que provavelmente houve aqui pelo menos um caso de grande violência, talvez até um assassinato, e que alguns remanescentes da vítima ainda estão por aqui, talvez na vã esperança de conseguir justiça para sua morte violenta.

Eu me recostei numa das colunas da cama. Caso contrário, poderia ter caído.

—Caramba — falei, fazendo força para manter a voz estável. — Ótima maneira de fazer uma garota se sentir mais bem-vinda. - Mestre ficou meio embaraçado.

—Lamento — disse ele, com a ponta das orelhas ficando vermelhas. — Não devia ter dito nada. Falei sobre isto com Naruto e Yahiko e eles disseram que eu estava maluco. Talvez esteja mesmo — e depois de engolir em seco, tomando coragem: — mas considero meu dever, como homem, me oferecer para trocar de quarto com você. Como vê, não estou com medo.

Eu sorri para ele, esquecendo completamente meu choque numa súbita onda de afeto. Fiquei realmente sensibilizada. Dava para ver que o garoto tinha precisado reunir toda a coragem para fazer aquela proposta. Ele realmente estava convencido de que o meu quarto era mal-assombrado, apesar de tudo que a ciência lhe dizia, e no entanto se mostrava disposto a se sacrificar por minha causa, por puro cavalheirismo. Impossível não gostar dele. Impossível mesmo.

—Beleza, Mestre — disse eu, esquecendo completamente de tudo, numa onda de sentimentalismo, e chamando-o pelo apelido que inventara para ele. — Acho que seria perfeitamente capaz de enfrentar qualquer fenômeno paranormal que viesse a ocorrer aqui. - Ele não pareceu se importar com o apelido. Evidentemente aliviado.

—Bom, se você realmente não se importa...

—Não, está tudo bem. Mas queria te perguntar uma coisa — continuei, abaixando a voz, para o caso de Sasuke estar em algum lugar por ali. — Nessas suas pesquisas, em algum momento você ficou sabendo o nome desse pobre coitado cuja alma estaria vagando pelo meu quarto? - Mestre sacudiu a cabeça.

—Se quiser realmente, posso conseguir para você. Posso dar uma olhada na biblioteca. Eles têm lá todos os jornais que foram publicados aqui na região desde que começou a imprensa local, pouco antes da construção desta casa. Está tudo em microfilmes, e tenho certeza de que se ficar algum tempo dando uma olhada...

A coisa me parecia meio absurda, um garoto passando o tempo todo numa biblioteca bolorenta vendo microfilmes, com uma praia daquelas a dois quarteirões dali. Mas cada um na sua, certo? —Beleza — foi tudo que consegui dizer.

 

 

 

—Veja bem — falei, enquanto Soneca lutava com a ignição, que aparentemente tinha certa tendência a não funcionar na primeira tentativa. — Eu fiz apenas o que qualquer um de vocês teria feito se estivesse lá.

—Naruto estava lá e não fez nada — atalhou Mestre. Dunga interferiu.

—Corta essa, eu não vi nenhuma droga de viga caindo, está bem? Se tivesse visto, também teria empurrado ele dali. Minha nossa!

—Tudo bem, mas você não viu. Provavelmente estava ocupado demais olhando para Ino Yamanaka. - Dizendo isto, Mestre levou um belo safanão no braço.

—Fecha essa matraca, Konohamaru — disse o Dunga. — Você não sabe do que está falando.

—Cala a boca todo mundo! — cortou Soneca, num raro acesso de mau humor. — Nunca vou conseguir tirar este carro do lugar se vocês continuarem me atrapalhando desse jeito. Naruto, pare de bater no Konohamaru, Konohamaru, pare de gritar no meu ouvido, e Sakura, se você não tirar esse seu cabeção daí do espelho nunca vou conseguir ver para onde estamos indo. Vou te contar, mal posso ver a hora de botar minhas mãos naquele Camaro!

 

 

 

Foi depois do jantar que o telefone tocou. Minha mãe teve de berrar lá de baixo porque eu estava com meus fones de ouvido. Embora ainda fosse o primeiro dia do novo semestre, eu já tinha um bocado de dever de casa para fazer, sobretudo de geometria. Na minha antiga escola nós só tínhamos chegado ao capítulo sete.

Os alunos do primeiro ano da Academia Missionária já estavam no capítulo doze. E eu sabia que estaria acabada se não começasse a recuperar o atraso. Quando desci para atender o telefone, minha mãe já estava tão furiosa comigo por ter precisado gritar que nem quis dizer quem era. Peguei o telefone e disse alô.

Houve uma pausa, e eu ouvi a voz do padre Hatake.

—Alô? Sakura? É você? Desculpe incomodá-la em casa, mas estive pensando muito, e realmente estou achando... cheguei à conclusão de que precisamos fazer algo imediatamente. Não consigo parar de pensar no que teria acontecido ao pobre Shikamaru se você não estivesse lá.

Olhei para os lados. Dunga estava jogando, minha mãe estava trabalhando no computador, Soneca tinha saído para substituir um entregador de pizza que estava doente e Mestre estava na mesa da sala de jantar trabalhando num projeto de ciências que só teria de apresentar em abril.

— Hmm. Olha só, realmente não vou poder falar agora.

—Entendo — disse o padre. — E não se preocupe, quem fez a chamada atendida pela sua mãe foi uma das noviças. Sua mãe está achando que foi uma nova amiga da escola. Mas o fato, Sakura, é que precisamos fazer alguma coisa, de preferência esta noite...

— Olha — respondi. — Não se preocupe. Está tudo sob controle.

—Está mesmo? Tem certeza? Como? Como você está conseguindo manter a coisa sob controle?

—Não tem importância. Mas eu já fiz isto antes. Tudo vai dar certo, prometo.

—Ora, está bem, é ótimo prometer que tudo vai dar certo, mas eu já a vi em ação, Sakura, e não posso dizer que fiquei impressionado com seu método. Daqui um mês o arcebispo chegará, e não posso realmente...

O telefone sinalizou que havia outra chamada e pedi que ele esperasse um minutinho. Apertei o botão.

— Residência dos Namikaze.

— Sakura? — disse uma voz de garoto, que não reconheci.

— Sim...

—Oi, tudo bem? É o Shikamaru. Então. Qual é a boa?

Olhei para minha mãe. Estava com a cara completamente enfiada na reportagem em que estava trabalhando.

—Hmm, nada demais. Pode esperar só um pouquinho, Shikamaru? Estou com uma pessoa na outra linha.

—Claro.

Voltei para o padre Hatake.

—Então — retomei, com cuidado para não falar seu nome em voz alta. — Agora preciso ir. Minha mãe está esperando uma chamada muito importante na outra linha. Um senador. Um senador muito importante.

Eu provavelmente iria para o inferno por causa disto – se é que este lugar existe –, mas não podia dizer a verdade ao padre Hatake: que eu ia sair com o ex-namorado do fantasma.

—Ora, mas é claro — disse o padre. — Eu... bem, se você tiver um plano...

—Tenho sim. Não se preocupe. Nada vai estragar a visita do arcebispo. Prometo. Tchau.

E desliguei, voltando para Shikamaru.

— Oi, desculpe... O que foi?

—Nada. Eu estava só pensando em você. O que vai querer fazer no sábado? Quer dizer... quer sair para jantar, ir a um cinema, ou quem sabe as duas coisas?

A outra linha acendeu.

— Shikamaru, sinto muito realmente, mas a casa aqui está uma bagunça... Pode esperar um minutinho? Obrigada. Alô?

— Oi, tudo bem? É a Sakura?

— Pode falar — eu disse.

—Oi, Sakura, é a Ino. Ino Yamanaka, da sua sala. Só queria te dizer... aquilo que você fez hoje pelo Shikamaru... foi muito legal. Puxa, nunca vi tanta coragem na minha vida! Deviam abrir manchete para você no jornal, no mínimo. Vou reunir uns amigos em casa neste sábado, nada de mais, só uma festinha na piscina, o pessoal lá de casa vai viajar no fim de semana, e a piscina é aquecida, claro... Então achei que se você quisesse, poderia aparecer...

Fiquei ali segurando o telefone, completamente sem reação. Ino Yamanaka, a garota mais rica e mais bonita do primeiro ano, estava me convidando para uma festa na piscina na mesma noite em que eu tinha um encontro com o garoto mais sexy da escola. Que ainda por cima estava na outra linha.

—Puxa, Ino, claro — respondi. — Eu adoraria. O Naruto sabe onde fica?

—Naruto? — fez a Ino, logo emendando: — Ah, o Naruto! Claro, ele é seu meio-irmão ou algo assim, certo? Isso mesmo, traga-o também. Mas, olha...

—Adoraria ficar conversando, Ino, mas estou com uma pessoa na outra linha. Podemos conversar sobre isto amanhã no colégio?

—Claro, sem problema. Tchauzinho.

Apertei de novo o botão do Shikamaru, pedi que esperasse mais um pouquinho, tampei o bocal do fone com a mão.

Naruto, festa na piscina da casa da Ino Yamanaka neste sábado. Se não for, eu te mato.

Dunga largou o controle remoto.

— Sem chance! — berrou, exultante. — O cacete que vou!

—Olha a linguagem! - Minato deu-lhe um tapa.

Voltei a falar com Shikamaru.

—Jantar seria genial — falei. — Qualquer coisa, menos comida natureba.

—Ótimo! Isso mesmo, eu também odeio comida natural. Não tem nada igual a um bom pedaço de carne, com umas fritas e molho...

—Beleza, Shikamaru. Desculpe, mas é aquela outra chamada de novo, lamento mesmo mas vou ter de ir, tá? Falo com você amanhã no colégio.

—Ok, tudo bem — concordou Shikamaru, mas parecendo surpreso. Aposto que eu era a primeira garota que se preocupava em atender a outra linha durante um telefonema dele. — Tchau, Sakura. E obrigado de novo.

— Sem problema. Disponha — e desliguei, atendendo à outra ligação. — Olá.

— Sakura? É Tenten! - No fundo, ouvi o Sai gritando.

— E eu também!

—E aí, garota? — foi dizendo a Tenten. — Estamos indo para o Clutch. Quer que a gente te pegue? Sai acaba de tirar carteira de motorista.

— Sou perfeitamente legal! — gritou o Sai no telefone.

— Clutch?

—É, o Café Clutch, no centro. Você não gosta de café? Você não é de Nova York?

— Uh... sim. O problema é que tenho meio que um compromisso.

—Ah, corta essa! Que compromisso você pode ter? Vai lavar o casaco? Sei que você é a maior heroína e coisa e tal, e talvez não tenha tempo para nós, simples mortais, mas...

—Ainda não acabei minha redação sobre a batalha de Bladensburgo para o professor Asuma — falei. — E preciso estudar muita geometria se quiser chegar perto de vocês, gênios.

—Ai meu Deus — retrucou Tenten. — Falou, então. Mas vai ter que prometer sentar do nosso lado no almoço amanhã. Queremos saber direitinho como você apertou o seu corpo contra o do Shikamaru e como se sentiu e tudo mais...

—Não quero saber nada disso — cortou Sai, fingindo-se de horrorizado.

—É isso aí — concluiu Tenten. — Eu quero saber tudinho.

Prometi a ela que não omitiria nenhum detalhe e desliguei. Olhei para o telefone, e, para grande alívio meu, ele não estava tocando. Eu nem podia acreditar. Nunca na vida eu havia sido tão popular. Sinistro.

 

 

Claro que eu tinha falado a maior mentira sobre o dever de casa. Já tinha escrito a redação e estudara dois capítulos de geometria – o máximo que eu conseguiria numa noite. Mas a verdade, claro, é que eu tinha uma missão a cumprir, e precisava me preparar.

Não é preciso muita coisa para fazer uma mediação. Cruzes e água benta são coisas que podem ser necessárias para matar um vampiro, apesar de nunca ter visto um, mas no caso de fantasmas, basta ter uma boa lábia.

Mas às vezes, para que o trabalho fique bem-feito, é necessário mesmo tomar certas providências. E para isso são necessárias algumas ferramentas. Recomendo sempre usar objetos encontrados no local, pois assim você não tem que carregar muita coisa. Mas não deixo de levar comigo um cinto de ferramentas com lanterna, uma chave de fenda, alicates e coisas assim, que eu uso por cima de um par de legging pretos.

Eu estava apertando o cinto por volta de meia-noite, feliz porque todo mundo na casa já estava dormindo – inclusive o Soneca, que àquela altura já tinha voltado das entregas de pizzas –, e acabava de me vestir minha jaqueta de couro quando recebi uma visita, adivinha de quem?

—Minha nossa! — exclamei ao dar com o reflexo dele por trás do meu no espelho em que eu estava me olhando.

Eu juro, há anos que vejo fantasmas, mas sempre me dá um calafrio quando algum deles se materializa na minha frente. Dei meia-volta, furiosa, não porque ele estivesse ali, mas por ter me apanhado de surpresa.

—Por que ainda está por aqui? Achei que tinha dito para você se mandar.

Sasuke estava recostado relaxadamente numa das pilastras da minha cama. Com seus olhos negros, me examinava do alto do meu capuz à ponta dos meus tênis.

—Não acha que já é um pouco tarde para sair, Sakura? — perguntou ele com a maior naturalidade.

—Hmm — respondi, tirando o capuz. — Olha só, sem querer ofender, Sasuke, mas este aqui é o meu quarto. Que tal você tentar se mandar? E que tal deixar que eu cuide da minha vida? - Sasuke nem se mexeu.

—Sua mãe não vai gostar de saber que você está saindo tão tarde da noite.

—Minha mãe? — E fiquei olhando para ele, lá em cima, pois era surpreendentemente alto para alguém que está morto. — O que você sabe da minha mãe?

—Gosto muito da sua mãe — disse Sasuke calmamente. — É uma boa mulher. Você tem muita sorte de ter uma mãe que a ame tanto. Acho que ela ficaria muito preocupada em ver que você está se expondo ao perigo.

—Tudo bem. Segura esta agora, Sasuke. Há muito tempo eu saio de noite e minha mãe nunca disse uma palavra sobre isto. Ela sabe perfeitamente que sei cuidar de mim.

—Sabe mesmo? — perguntou ele, erguendo em dúvida uma das sobrancelhas negras.

Não pude deixar de perceber que havia uma cicatriz cortando sua sobrancelha ao meio, como se alguém tivesse passado uma faca de raspão em seu rosto. Eu meio que senti a sensação que devia criar uma resposta. Especialmente quando ele deu uma risadinha de satisfação.

—Acho que não sabe não, hermosa. Não neste caso. - Eu levantei as duas mãos.

—Certo. Para começo de conversa: não fale comigo em espanhol. Em segundo: você nem sabe onde eu estou indo, de modo que sugiro que largue do meu pé.

—Mas eu sei perfeitamente onde está indo, Sakura. Você está indo para o colégio falar com aquela garota que está tentando matar o rapaz, aquele de que você parece estar... gostando. Mas estou lhe avisando, hermosa, você não aguenta com ela sozinha. Se tiver mesmo de ir, devia levar o padre com você.

Fiquei olhando para ele. Tinha a sensação de que meus olhos estavam saltando para fora, mas não podia acreditar no que estava acontecendo.

—O quê? Como pode saber de tudo isso? Por acaso você está... me stalkeando?

Ele deve ter percebido pela minha reação que não devia ter dito aquilo.

—Não sei o que significa esta palavra, stalkeando. Só sei que você está se expondo ao perigo.

—Você anda me seguindo — insisti, apontando para ele um dedo acusador. — Vai dizer que não? Tenha dó, Sasuke, eu já tenho um irmão mais velho, não preciso de outro. Não preciso que ande por aí me espionando...

—Oh, claro — disse ele, com todo sarcasmo. — Esse irmão cuida muito bem de você. Quase tão bem quanto cuida do próprio sono.

—Espera aí! — exclamei, saindo em defesa do Soneca, contra todas as probabilidades. — Ele trabalha de noite, ok? Está economizando para comprar um Camaro!

Sasuke fez um gesto que muito provavelmente era grosseiro lá na década 1850.

— Você não vai a lugar nenhum.

—Ah, é mesmo? — desafiei, girando nos calcanhares e saindo porta afora. — Tente me segurar, bafo de cadáver.

Ele foi de uma precisão cirúrgica. Minha mão já estava na maçaneta quando a tranca da porta se fechou. Eu nem tinha notado que havia uma tranca na minha porta – ela devia ser muito antiga. O pino estava quebrando e só Deus sabia onde é que podia estar a chave.

Fiquei parada ali bem meio minuto, olhando para minha mão sem acreditar muito enquanto ela girava em vão a maçaneta. Até que resolvi respirar bem fundo, como havia sugerido a terapeuta da minha mãe. Mas o fato é que ajudou. E ajudou muito.

—Ok — falei afinal, voltando-me. — Sasuke, isto não é nada legal.

Sasuke ficou muito sem graça. Bastava olhar para ele para perceber que não estava nada satisfeito com o que acabara de fazer. Não sei o que foi que causou a sua morte na vida anterior, mas certamente não foi por ele ser alguém cruel ou por gostar de machucar as pessoas. Ele era um bom sujeito. Ou pelo menos estava tentando ser.

—Eu não posso... — disse ele, já agora bem na minha frente. — Sakura, não vá. Essa mulher... essa garota, a Temari, não é como os outros espíritos que você pode ter encontrado. Ela está cheia de ódio. Se puder, vai matá-la.

Dei um sorriso encorajador.

—Aí mesmo é que eu devo acabar com ela, não? Vamos lá, abra a porta. - Ele hesitou. Por um momento, achei que ele ia abri-la. Mas ele acabou não abrindo. Apenas ficou lá, meio sem graça, mas firme.

—Como quiser — falei, e o contornei, caminhando direto para a janela.

Coloquei um pé no assento que Minato havia feito e levantei a persiana da janela. Já estava com uma perna sobre o peitoril quando senti sua mão agarrando meu pulso. Virei-me para olhar para ele. Não consegui ver seu rosto, pois a luz da minha cabeceira estava por trás dele, mas ouvia perfeitamente sua voz e o tom suave.

—Sakura...

Só isso: apenas o meu nome. Eu não disse nada. Nem podia. Quer dizer, claro que podia, não era como se houvesse um caroço em minha garganta ou coisa assim. Simplesmente... sei lá.

Em vez disso, fiquei olhando para a mão dele, que era muito grande e meio escura, mesmo por cima do couro preto da minha jaqueta. Ele tinha bastante força naquela mão, para um sujeito que estava morto. E até para um sujeito vivo.

Ele percebeu onde meus olhos estavam focados, olhou na mesma direção e deu-se conta de que sua mão estava agarrando o meu pulso. Então me soltou de repente, como se minha pele tivesse começado a queimar ou coisa parecida.

Continuei saindo pela janela. Quando consegui atravessar o telhado da varanda e chegar ao chão lá embaixo, voltei-me em direção à janela do meu quarto. Mas é claro que ele já tinha ido embora.

 


Notas Finais


;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...